Cinco dicas para melhorar sua relação com o dinheiro - Plenae

Cinco dicas para melhorar sua relação com o dinheiro



Se você sente culpa ou vergonha quando se trata de dinheiro, essas emoções podem atrapalhar a maneira como você administra as suas finanças. Talvez você gaste demais, tenha medo de investir ou se arrependa de um mau investimento feito no passado. Abaixo, cinco dicas para lidar com esses sentimentos:

1. Reconheça quando a mudança é opcional
Se houver uma área em que você gasta demais, entenda que continuar fazendo isso depende de você. Reconhecer que a mudança é opcional pode, muitas vezes, ser um primeiro passo para tomar uma atitude diferente da habitual.

2. Saiba que você não precisa consertar tudo de uma vez
Digamos que toda vez que você pensa em dinheiro fica paralisado pelas emoções e, por isso, não faz nada para mudar a rota. Em vez disso, implemente uma mudança que venha com um benefício. Por exemplo, ao se sentir culpado por não investir o suficiente, aumente a quantia na próxima aplicação.

Quanto aos gastos, você pode cancelar um serviço pelo qual é cobrado, mas não usa. Em suma, a lógica é substituir pensamentos por ações.

3. Identifique mudanças financeiras que se tornaram fáceis
Que mudanças positivas em relação ao dinheiro você fez que, no início, pareciam difíceis e se tornaram padrão depois? Desenvolver uma rotina leva algum esforço no começo, mas se torna automático com o tempo.

4. Entenda que muitas pessoas também têm medo de investir
Você pode achar que sentir medo de investir é anormal ou um sinal de que você é incompetente em relação aos seus colegas. Muitas vezes, no entanto, os outros estão sentindo a mesma coisa que você. Em vez de pensar “eu sou um fraco por achar isso tão difícil”, tente pensar “isso é difícil, mas eu posso dar conta”.

5. Pare de culpar o outro
Em relacionamentos de longo prazo, muitas decisões financeiras são tomadas em conjunto. Reconheça os padrões que surgem quando você fala sobre dinheiro, como sempre esperar que a outra pessoa assuma a liderança. Trabalhe em conjunto para superar seus bloqueios cognitivos e emocionais, em vez de culpar o outro.

Fonte: Alice Boyes, para Psychology Today
Síntese: Equipe Plenae

Leia o artigo completo aqui.

Compartilhar: