Professor de balé de 100 anos não planeja se aposentar - Plenae

Professor de balé de 100 anos não planeja se aposentar

Aos 100 anos, o ex-bailarino Henry Danton é saudável, próspero e não planeja se aposentar como professor de dança.


Aos 100 anos, o ex-bailarino Henry Danton é saudável, próspero e não planeja se aposentar como professor de dança.

De origem britânica, Danton tem corpo e mente saudáveis, mora sozinho e ainda viaja pelo mundo.

Quando um repórter o chamou de incrível, ele rapidamente discordou. “Não é incrível, você precisa se cuidar”, disse Danton ao Today. “Esse corpo é a única coisa que você tem. Você recebeu esse maravilhoso instrumento, precisa cuidar dele.”

Ele também se irritou quando questionado sobre a ideia de parar de trabalhar. “Vejo pessoas que se aposentam e ficam tão entediadas que não sabem o que fazer”, disse o britânico. “É quando a saúde delas começa a piorar. Adoro ensinar, não quero parar. As crianças são minha vitamina.”

Depois de dançar e ensinar balé na Europa, América do Norte, América do Sul e Austrália, Danton se mudou para o Mississippi, nos Estados Unidos, em 1996, onde vive desde então.

Para o professor, os quatro fatores abaixo são a sua receita para uma longevidade com qualidade de vida:

Dieta
Danton disse que se tornou vegetariano mais de 50 anos atrás, quando foi diagnosticado com linfoma de Hodgkin, a mesma doença que tirou a vida de seu irmão.

Ele consume sementes, nozes, vegetais orgânicos, suco de cenoura e laticínios, incluindo queijo e leite. Ocasionalmente come chocolate, mas fica longe de outros doces em sua dieta regular.

O ex-bailarino gosta de cerveja – “como um bom inglês” – mas pula outras bebidas alcoólicas.

Exercício
Danton credita o movimento constante como um dos principais fatores que o mantiveram saudável e o ajudaram a chegar aos 100 anos. “Eu realmente acredito que o exercício é a resposta para tudo”, disse.

Ele ainda se exercita em sala de aula e faz uma massagem profunda em si mesmo antes de sair da cama. Do couro cabeludo aos pés, a automassagem dura mais de uma hora e estimula a circulação sanguínea.

“Com o polegar, você mergulha o mais fundo possível no músculo”, disse ele. A concentração, diz ele, ajuda a manter sua mente ativa.

Outra parte de sua rotina matinal envolve alongamento com uma faixa de resistência elástica.

Otimismo
Danton considera o otimismo um fator muito importante para sua longevidade.

“Seu humor afeta você fisicamente. Nunca fui uma pessoa deprimida. Sinto muito por pessoas que sofrem de depressão. Deve ser horrível”, afirma.

O professor permanece curioso sobre o mundo e disse que ainda está aprendendo. Para isso, usa um computador e um smartphone. “A internet é absolutamente incrível. Tudo o que você quiser, pode ter instantaneamente … É isso que me faz continuar. Você precisa ser informado sobre tudo.”

Estilo de vida
Em toda a sua vida, Danton disse ter fumado apenas um cigarro. “Quando cheguei aos Estados Unidos, em 1949, todos estavam fumando”, lembrou. “Pensei: ‘Bem, tenho que fumar’. Então comprei um maço de cigarros, fui a um parque, acendi um cigarro e disse: ‘Isso não é para mim.’ Então tive sorte. ”

Danton mora sozinho e ainda dirige um carro. Não tem outra família afora primos distantes. Além de ensinar balé, preenche seus dias com a escrita e viagens.

É absolutamente possível estar saudável aos 100, disse ele, desde que você cuide do seu corpo. “É um presente de Deus e você precisa cuidar dele.”

Fonte: A. Pawlowski, para Today
Síntese: Equipe Plenae

Leia o artigo completo aqui.

Compartilhar: