Para Inspirar

A sétima temporada do Podcast Plenae está no ar!

Silvia Poppovic, Verônica Hipólito, Maha Mamo, Eduardo Foz, Barbara Gancia e Deborah Telesio são os nomes que você encontrará por aqui!

14 de Fevereiro de 2022


A sétima temporada do Podcast Plenae - Histórias Para Refletir acaba de começar! Prepare-se para mergulhar novamente em seis narrativas que vão te fazer navegar pelas suas próprias histórias, sempre norteados pelos pilares Corpo, Mente, Espírito, Relações, Propósito e Contexto.


Quem abre essa temporada é o pilar Corpo, representado pela jornalista Silvia Poppovic. Sua narrativa conta sobre como a cirurgia bariátrica mudou a sua vida e o como a perda de peso mudou  sua vida, abrindo novos horizontes e perspectivas. 


Na sequência, ouvimos o relato da atleta paralímpica Verônica Hipólito, que representará o pilar Mente. Com pouca idade e muitas medalhas na conta, ela relembra suas principais dificuldades e como essas barreiras moldaram quem ela é hoje. 


Edu Foz, o empreendedor e amante de animais, fez de sua principal paixão o seu propósito de vida. E é por isso que ele será o representante do pilar Propósito, onde contará um pouco mais sobre a fundação Zoo Foz, seus 4 pilares e como ela pretende mudar realidades.


Em Contexto, prepare os seus lencinhos para conhecer a história inspiradora de Maha Mamo, a menina que foi 30 anos apátrida e, por conta disso, privada de coisas como “básicas” como saúde e educação. Mas, graças ao Brasil, tudo mudou. 


A jornalista Barbara Gancia representa o pilar Relações contando como o apoio de sua família foi fundamental para que ela enfrentasse a fase mais desafiadora de sua vida: a sua trajetória como dependente alcoólica. Como nossos elos podem se fortalecer em momentos difíceis?


E quem encerra essa temporada é Deborah Telesio, representante do pilar Espírito. Ter sobrevivido ao Tsunami de 2004, na Indonésia, fez com que ela ressignifcasse o seu papel no mundo com um olhar positivo e possível. Ouça e conheça essa história de descoberta!


As reflexões dessa temporada serão guiadas pelo especialista em desenvolvimento humano Marc Kirst.


Os caminhos para encontrar a sétima temporada do Podcast Plenae são os mesmos: no seu streaming de preferência, ou em Plenae.com. Toda segunda-feira, há um novo episódio te esperando. Basta colocar seus fones e permitir-se o mergulho! Aperte o play, ouça e inspire-se.

Compartilhar:


Para Inspirar

O maior mapa genético contra o envelhecimento

"Todos queremos chegar lá. Todos queremos que as pessoas tenham vidas muito mais significativas e produtivas à medida que envelhecem", diz John Craig Venter.

28 de Junho de 2018


O pioneiro do genoma humano, o bioquímico americano John Craig Venter, ex-CEO da Celera (empresa norte-americana que se concentra em sequenciamento genético e tecnologias relacionadas), investiu nos últimos três anos na expansão do sequenciamento do mapa genético com a intenção de desvendar os segredos do envelhecimento. Em 2014, convocou 40 mil pessoas – esse número pode chegar a 100 mil – e iniciou o processo de sequenciamento de seus mapas genéticos. Na época, o empresário anunciou a fundação de uma nova empresa, a Human Longevity Inc. (HLI), em parceria com a Universidade da Califórnia e outras organizações científicas. “A HLI é a Celera com esteroides e cocaína”, disse o arrojado Venter, que prometeu realizar a maior operação de sequenciamento genético humano no mundo. “A ideia”, segundo ele, “era compilar o maior banco de genótipos humanos, microbiotas (micróbios que vivem no intestino associados à imunidade do organismo) e dados de fenótipos disponíveis para enfrentar as doenças associadas ao declínio biológico humano relacionado ao envelhecimento.” Passados três anos, sua mais nova empresa foi avaliada em 1,9 bilhão de dólares. Só em 2017, recebeu 200 milhões de dólares de investimentos. Segundo Venter, a promessa foi cumprida. Hoje ele tem a maior central de dados genéticos do mundo. E já começou a fazer negócios: vende por US$ 25 mil o escaneamento genético completo do corpo. Vale a pena reler. Para conhecer melhor o trabalho do empresário americano, polêmico na comunidade científica, vale à pena ler a entrevista que Venter e seus colegas pesquisadores – Karen Nelson, especialista em microbiota e terapia celular, Robert Hariri e o fundador da XPRIZE, Peter Diamandis – concederam à revista National Geographic, em 2014, sobre o empreendimento: Por que 40 mil genomas? Venter: É o número de genomas que os dois sistemas de sequenciamento adquiridos podem produzir em um ano. Obviamente, haverá avanços e melhoramentos no sequenciamento. O senhor considera o envelhecimento uma síndrome específica ou simplesmente cobrirá todas as doenças que você investigará? Venter: Bem, é algo que todos fazem (risos). Hariri: O envelhecimento é um componente central de todas as doenças que queremos abordar terapeuticamente. Acreditamos que muitos dos processos no nível celular e genômico, que chamamos de envelhecimento, estão relacionados e conectados. Como o bioma intestinal (microbiota) se relaciona com o genoma humano? Por que o senhor quer fazer esse mapeamento? Nelson: Estamos realmente entusiasmados por integrar a microbiota aos genomas humanos de forma tão expansiva. A microbiota mostrou ser um indicador de doenças e um ator (na doença). Pode levar a novas abordagens terapêuticas se for melhor compreendida. Venter: A terapêutica humana é o objetivo. Queremos encontrar novos testes, diagnósticos e maneiras de consertar as pessoas. A microbiota pode ajudar a lidar melhor com as doenças. O senhor pode falar um pouco sobre os planos de negócios? Peter (Diamandis) é mais conhecido por explorar asteroides. Isso tem algo a ver com genomas? Diamandis: Os dois ramos do conhecimento caminham juntos. A tecnologia segue esse tipo de “inovações disruptivas” de uma maneira muito promissora. A Celera tinha o objetivo de vender informação dos genomas aos assinantes para levar a novos testes terapêuticos e de diagnóstico. A HLI tem a mesma visão? Venter: HLI é a Celera com esteroides e cocaína. Teríamos feito tudo isso em 1990 se tivéssemos tido a chance. Agora, a profundidade e amplitude da informação são de outras ordens de magnitude, bem maiores do que quando iniciamos a Celera. Os custos para sequenciar um genoma são uma pequena fração do que eram. Não fui cético. Estava entre as pessoas que se queixaram de que pouco aconteceu depois que o genoma humano foi sequenciado. Essa é outra corrida do genoma? Venter: A diferença é que estamos todos do mesmo lado agora. Se houver uma corrida, será para que traga os benefícios dos genomas para a terapêutica humana. Todos queremos chegar lá. Todos queremos que as pessoas tenham vidas muito mais significativas e produtivas à medida que envelhecem. Leia o artigo original aqui.

Fonte: DAN VERGANO Síntese: Equipe Plenae

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais