Para Inspirar

Bella Santoyo em "A gente tem que viver o hoje como se fosse a vida inteira"

Conheça a história de como vidas que se cruzam mudam o curso de um destino, na décima quarta temporada do Podcast Plenae.

3 de Dezembro de 2023



Leia a transcrição completa do episódio abaixo:

[trilha sonora] 


Bella Santoyo: Será que eu tava grávida? Eu fiz o teste da farmácia, mas deu negativo. Aí, eu chorei de alívio, de desespero e de tristeza. Tudo ao mesmo tempo. A minha irmã me perguntou: “Você queria tá grávida?” Eu falei: “Era o que eu mais queria. Mas eu não sonhei em ter um filho desse jeito. Então, eu vou deixar nas mãos de Deus”.  


[trilha sonora] 

 

Geyze Diniz: Bella Santoyo não vive no automático, mas nem sempre foi assim. A descoberta de uma gravidez alguns dias após a morte precoce do seu marido fez com que ela tivesse força para encarar seus medos, preconceitos e insatisfações. Hoje, Bella é coach, mãe da Estela e está casada novamente. Eu sou Geyze Diniz e esse é o podcast Plenae. Ouça e reconecte-se. 


[trilha sonora] 

 

Bella Santoyo: Eu tinha 31 anos quando eu conheci o Eduardo. Era uma fase em que a minha carreira tava bombando. Eu era advogada de formação mas trabalhava como executiva na área de negócios de um banco grande. Eu já não amava o que eu fazia como antes, só que eu era muito bem sucedida.  


A realização profissional vinha por meio da grana naquele momento. Como eu sempre gostei de autoconhecimento, eu já me perguntava: o que eu vim fazer aqui, nessa vida? Será que o meu caminho é trabalhar em banco e ganhar dinheiro?  


Em vez de encarar essa crise de propósito de frente, eu achei que o que faltava na minha vida era uma relação amorosa bacana. Eu comecei a trabalhar essa questão com a minha terapeuta. E foi nessa época que apareceu o Edu, apresentado por uns amigos em comum, num churrasco.  


A gente se apaixonou de cara. O nosso primeiro beijo foi em dezembro. Em janeiro, ele se mudou pra minha casa.  


Eu era aquela pessoa que achava um absurdo casais que vão morar juntos sem nem se conhecer direito. Pensava que era coisa de gente desesperada. Bom, cuspi pra cima e caiu na testa.  


[trilha sonora] 


Quando eu comecei a namorar, achei que todos os meus problemas estavam resolvidos. Afinal de contas, tinha acabado de conhecer o homem da minha vida. Só que foi o contrário.  

 

O Edu era um dentista apaixonado pela profissão. Ele saía de casa feliz pra trabalhar. Eu tive que conviver com a vocação dele e, obrigatoriamente, refletir sobre a minha.  


Eu nem sequer escolhi ser advogada. Queria ter estudado teatro ou jornalismo. Mas o meu pai mandou: “Vai fazer direito e acabou”. E eu atendi os desejos do meu pai. E assim foi… 

 

O Edu me estimulava a mudar de vida. Ele esfregava as minhas qualidades na minha cara. Eu lembro que ele falava assim: “Gatinha, você é demais. Você é uma águia presa numa gaiola de rolinha nesse banco. Pelo amor de Deus! Suas amigas te amam, as pessoas te adoram, você tem magnetismo!”.  


O Edu era muito inteligente e tinha um olhar perspicaz sobre as pessoas. Eu me sinto uma mulher muito mais potente depois que ele entrou na minha vida.  


O Edu me incentivou a viver intensamente as coisas. Ele tinha uma certa urgência no viver e uma mentalidade abundante.  


Se a gente ia mergulhar, ele comprava o melhor equipamento de mergulho. Quando eu questionava aquela gastança, ele dizia que a gente tem que se tratar como um cavalo de raça. Uma vez, ele comprou um monte de roupa de esqui. Aí eu perguntei: Mas por que tanta roupa de esqui? 


- Por que a gente vai esquiar o mundo inteiro! 


Tudo nele era exagerado. Ele mesmo, fisicamente, era um exagero. O Edu foi atleta de rúgbi da seleção brasileira. Ele era largo, absurdamente forte. As camisetas ficavam esgarçadas no pescoço, porque eram pequenas pra ele.  


Seis meses depois que a gente foi morar junto, ele me surpreendeu com um pedido de casamento em Las Vegas. Ele levou até as alianças na viagem.  


No ano seguinte, a gente se casou em São Paulo, com uma festona pra 400 convidados. A gente era um casal apaixonado, daqueles que dava esperança pra quem não acreditava mais no amor. Parece que a gente sabia que o nosso prazo de validade juntos era curto.  

 

Quando a gente completou um ano de casamento, o Edu foi viajar com os amigos para ver o mundial de rúgbi na Nova Zelândia. Depois que ele voltou, eu tirei férias pra gente matar a saudade.  


Foi uma semana de amor. A gente andou de moto, tomou chuva no parque e comeu nos nossos restaurantes favoritos. Na semana seguinte, eu me arrastei pro trabalho e ele voltou feliz pro consultório. 


[trilha sonora] 


Nesse mesmo dia, o mundo tava desabando em cima da minha cabeça no banco, quando meu telefone tocou às 11 horas da manhã. Era o Edu, perguntando como eu tava, dizendo que me amava e me convidando pra ir ao cinema à noite. Eu respondi que também amava ele e me animei com a ideia de sair daquele martírio e ver um filme. 


Uma hora depois, o telefone tocou de novo. Dessa vez, era a secretaria do Edu, me contando que ele tinha passado mal, e que eu precisava correr até o consultório. Eu cheguei a tempo de encontrar o meu marido no chão, desacordado e babando.  


O Edu foi levado de ambulância pro hospital, mas não resistiu. Ele faleceu subitamente, de um AVC, aos 43 anos. O nosso primeiro beijo não chegou a completar três anos.  


[trilha sonora] 


Ninguém entendeu como uma pessoa jovem, saudável e sem nenhuma comorbidade morre assim. Foi um desses acontecimentos inexplicáveis da vida.  


Aos 34 anos, eu fiquei viúva do grande amor que eu tinha encontrado, no auge dos nossos planos e sonhos.  


[trilha sonora]  


Eu tirei uma licença do trabalho e mergulhei num luto profundo. Eu nunca tinha passado por nada parecido. Nunca tinha sentido uma sensação de angústia tão forte que me impedisse de enfrentar o dia.  


Quando o Edu se foi, eu me senti numa escuridão total. Eu tinha dores físicas.  


Eu, que costumo ser uma pessoa alegre e festeira, não sabia lidar com aquela tristeza. As pessoas oravam por mim. Minha irmã se mudou pra minha casa e algumas amigas se revezaram para ficar comigo.  


Mesmo assim, eu sentia uma sensação de solidão total. Eu tinha vergonha de chorar demais o tempo todo, como se eu não pudesse fazer aquilo. Então, eu tomava banhos demorados e chorava debaixo do chuveiro. Os banhos foram curativos pra mim.  


Eu pedi ajuda pra Deus e me lembrei de um texto que se chama Pegadas na Areia. Ele conta a história de um cara que caminha na praia com Jesus. Esse cara se sente sozinho e só enxerga um par de pegadas no chão. Quando ele pergunta porque foi abandonado, descobre que as pegadas eram de Jesus, que tava carregando ele no colo. E eu precisava do colo de Deus. Naquela hora, a fé me ajudou demais.  


Assim que a morte do Edu foi constatada, ainda no hospital, o psiquiatra da família perguntou se eu precisava de algum remédio pra lidar com aquele momento. Eu falei que nunca tinha tomado nada, nem saberia o que tomar. E aí ele me questionou: “Tem alguma chance de você estar grávida?” Eu respondi que não… mas que eu tinha tirado o DIU sete meses antes. Então, ele falou: “Vou te dar um fitoterápico”. Eu fiz um teste de farmácia pra tirar a dúvida, mas deu negativo. Mesmo assim, fiquei encasquetada com aquilo.  


Umas semanas depois, solicitei um pedido de exame de sangue pro meu pai, que era pediatra. Eu fiz o teste numa quinta-feira, na mesma semana em que eu voltei a trabalhar.  


Eu lembro que eu chorava no laboratório, enquanto tiravam meu sangue. O enfermeiro foi um querido e me falou pra eu ficar calma, e que o resultado sairia dali algumas horas.  


Eu fui pro banco e não contei pra ninguém. Mas aí uma funcionária minha, evangélica fervorosa, pediu pra falar comigo. Ela me disse assim: “Bella, eu tava orando ontem por você, de joelho no chão, com a Bíblia na mão. Deus profetizou nos meus ouvidos que você vai ser feliz no detalhe que você viveu com o Eduardo. Aquele detalhe que só você sabe. Você vai ser em dobro”. Eu comecei a chorar e contei pra ela sobre o exame.  


Às cinco horas da tarde, ela foi comigo pra um cantinho do andar e a gente entrou no site do laboratório. O teste deu positivo. E eu chorei de alegria.  


[trilha sonora] 


Liguei pro meu ginecologista, que eu fazia tempo que não via. Eu falei: “Doutor, tenho que falar duas coisas. A primeira é que o meu marido morreu. A segunda é que eu tô grávida”.  


[trilha sonora] 


Aí, eu peguei a minha bolsa e saí do banco, sem nem falar com o meu chefe. Fui direto pra casa dos meus pais e contei a novidade. Meu pai abriu uma garrafa de champanhe que tava quente pra gente brindar. Eu liguei pra minha sogra, e ela ficou paralisada com a notícia. 


Fazia 20 dias que o Edu tinha morrido. Nesses 20 dias, eu pensei em largar tudo e me mudar pra Nova York ou pra Londres ou ainda me enfiar num retiro qualquer. Mas aí a gravidez tirou com a mão a agonia do meu peito e o nó da minha garganta.  


Eu tinha disposição pra me levantar da cama, tomar banho e me alimentar. O meu organismo começou a reagir naturalmente a isso, com mais disposição pra viver. Era o corpo físico fortalecendo a mente e o coração. 


A gravidez foi super bem. Eu fazia os ultrassons acompanhada da minha família inteira: meu irmão, minha irmã e meus pais. Todo mundo marcava na agenda como um compromisso.  


Ainda assim, era estranho não ter o meu marido comigo. O meu olhar sempre focava nos casais. Eu lembro de um pré-natal que eu fiz no banco onde eu trabalhava e eu era a única mulher que não tinha marido. Quando as pessoas me perguntavam sobre o pai, ficavam assustadas ao ouvir a minha história.  


Era tão desconfortável pra mim, que eu chegava a mentir. Um vizinho do prédio certo dia me falou: “Faz tempo que eu não vejo seu marido”. E eu não tive coragem de contar a verdade e respondi: “Ele tá viajando”.  


Eu descobri que ser viúva é um estado civil cercado de tabu. Eu tive que quebrar o meu próprio preconceito pra encarar uma gravidez solo. 


No dia do parto, eu entrei no centro cirúrgico com o meu irmão e um amigo médico. Eu senti muita falta do meu marido nesse dia.  


[trilha sonora] 


A Estela nasceu com 4 quilos, super saudável, com uma pintinha no braço e uns olhões expressivos. Ela era a cara do pai. Todas as visitas ficavam surpresas com a semelhança física entre eles.  


A lembrancinha do nascimento foram cookies em formato de borboleta, porque, na missa de sétimo dia do Edu, uma borboleta ficou voando dentro da igreja. 


Eu me orientei com a psicóloga sobre como contar pra minha filha sobre o pai dela. Quando ela era bem pequenininha, eu falava que ele ficou dodói e virou estrelinha. Mas que ele desejou muito ela, que ele sonhava em ter uma filha de cabelo cacheado que ia se chamar Estela.  


[trilha sonora] 


Quando a Estela tinha 3 anos, eu comecei a namorar o Murilo, que hoje é o meu marido. Ele também é viúvo e a gente se conheceu por um amigo em comum. A Estela tinha cinco anos quando entrou com o Murilo na escola pela primeira vez. Eu lembro que ela arrastava ele pelo pátio, cheia de orgulho. Ela diz que o Murilo é pai do coração dela.  


[trilha sonora] 


Eu acredito na relação a dois. Acho muito difícil a gente ser feliz sozinho. O Edu foi a pessoa que me abriu pra capacidade de amar, de me dar valor como mulher e como pessoa. A morte dele me trouxe um senso de urgência. Eu senti que eu precisava ser feliz e realizada agora, não amanhã. Porque eu não sei se amanhã eu vou tá aqui. Eu não posso esperar muito tempo pra fazer a mudança que eu tanto sonho. Até porque, se a gente sonha demais, o desejo fica só no campo do ideal.  


Depois que o Edu morreu, eu fiz um trabalho de autoconhecimento intenso, que desencadeou em vários estudos sobre desenvolvimento humano. Eu me planejei financeiramente e tive coragem de pedir demissão do banco, pra abraçar a carreira de coaching.  


Nos últimos 11 anos, eu atendo pessoas e dou palestras. Dou cursos e workshops voltados para o desenvolvimento humano, pessoal e profissional. Eu sou muito realizada e sinto que o meu propósito é transformar vidas, assim como eu transformei a minha.  


Eu escrevi um livro sobre a minha história e quero lançá-lo em breve. A escrita foi um processo altamente curativo para mim. O livro vai ajudar a Estela a saber de onde ela veio, mas eu acho que a história pode ajudar outras pessoas também. 


Eu sempre gostei muito da vida, mas hoje eu coloco mais atenção nas pequenas coisas do dia a dia. Raramente eu caio no automático. Eu sinto a vida de uma maneira mais pulsante. Eu amo meu trabalho, eu amo a minha casa, amo a minha família e meu modo de viver. Eu sempre digo pros meus clientes: a gente tem que viver o hoje como se fosse a vida inteira. Eu quero viver bem para morrer bem. 


[trilha sonora] 


Geyze Diniz: Nossas histórias não acabam por aqui. Confira mais dos nossos conteúdos em plenae.com e em nosso perfil no Instagram @portalplenae


[trilha sonora]  

Compartilhar:


Para Inspirar

Desmistificando conceitos: o que é a Síndrome de Burnout

Crise que já acomete mais de 33 milhões de brasileiro, se dá sobretudo pela exaustão proveniente do trabalho – e pode gerar ansiedade e depressão

30 de Dezembro de 2020


Apatia. Falta de energia. Tontura. Dor de estômago. Enxaquecas. Rompantes de nervoso. Insônia. Falta de apetite. Sensação de incapacidade. Esquecimentos. Tristeza. Pálpebras que pulsam, pernas inquietas. Apesar de serem sintomas bastante diversos e que apontam para diversas comorbidades, há uma em específico que é capaz de reunir muitas delas de uma vez só: a Síndrome de Burnout.

Embora ela tenha ganhado cada vez mais notoriedade, o termo não é novo, e foi cunhado pelo psicanalista Herbert Freudenberger ainda em 1974. Segundo ele, que foi vítima dessa síndrome, o conceito pode ser definido como “um estado de esgotamento físico e mental com origem intimamente ligada à vida profissional”.

Como foi o caso da jornalista Izabella Camargo, personagem do último episódio da terceira temporada do Podcast Plenae - Histórias Para Refletir. Em seu relato, ela conta como a condição psíquica foi se instalando sem que ela percebesse, até que ela foi verdadeiramente acometida por uma pane, que resultou em um acompanhamento mais próximo e, enfim, o diagnóstico.

E assim é com a maioria das pessoas que sofrem da Síndrome de Burnout. Isso porque, antes de cravar o diagnóstico, diferentes outras áreas da vida do paciente são afetadas. Há ainda uma resistência não só dos demais indivíduos, mas também da ala médica, em reconhecer o distúrbio.

burnout

Além disso, há uma cultura fomentada pelo capitalismo de que nunca é o suficiente, e que você sempre pode fazer mais. É o mito da resiliência no mercado de trabalho, como explica essa matéria , aliada à meritocracia do quem quer, consegue. Isso pode acontecer até mesmo no ambiente familiar, como é o caso do Burnout materno , amplamente comentado por especialistas na pandemia, onde a mãe se vê na função maternal 24h por dia, 7 dias por semana, e se sente julgada caso reclame.

“Eu ia por água abaixo e não percebia”

Macário Moraes Júnior é o que a sociedade consideraria uma pessoa bem-sucedida. Anos a fio trabalhando sem parar renderam a ele uma possibilidade de se aposentar aos 40, se quisesse. Mas ele não quis. Em partes, porque o trabalho tinha se tornado tudo que ele tinha, uma vez que via sua vida pessoal ruir.

“Naquele momento, meu casamento estava indo por água abaixo, numa crise conjugal muito grande. As palavras que ouvi da nossa terapeuta foi ‘você girou muito na alta ao longo de muito tempo e esgotou o seu cérebro para sempre’. Isso me marcou muito”. Foi em 2014 que ele percebeu a longa jornada que o aguardava até o fim dos seus dias.

Jornada, pois não se trata somente de medicar-se - assim como todas os demais desequilíbrios de ordem emocional. É preciso sim, uma medicação, no caso de Macário, uma que conseguisse compensar a química de seu cérebro que havia sido prejudicada. Essa área cerebral que sofreu baixa era o que lhe causava a extrema impaciência, os estopins de agressividade, e culminou em uma apatia sem fim, que lhe dificultava a realização de tarefas simples, como levantar da cama.

“Eu sentia uma falta de sentido, parecia que nada mais fazia sentido: pra que eu tenho essas empresas, pra que eu estou casado, pra que eu tenho filhos, pensamentos recorrentemente negativos. Passei a ter muito sono: tinha muita dificuldade para dormir, mas também para acordar” conta. Mas além de buscar ajuda para o físico, é preciso olhar para sua vida de forma 360. E esse olhar, claro, não foi imediato.

“Em 2014, para todo mundo eu estava muito bem, porque fiz 40 anos e atingi minha independência financeira, mas veio também a ausência de sentido. Então, de 2014 até 2016, foi muito intenso nas terapias, tanto em casal quanto individual” diz.

Ele também participou de grupos que operam como o Alcoólicos Anônimos, pois não se sentia à vontade falando a respeito entre conhecidos - justamente pelo tabu tão presente quando o assunto é Burnout. As terapias também o levaram a registrar em um diário, todos os dias, suas emoções, para que com isso seja possível fazer um balanço final da semana, do mês, do ano, e perceber suas próprias evoluções.

Já em 2017, quando ele sentiu um avanço na terapia, calhou de participar também de um retiro espiritual cristão. “Foi ali que entendi que a minha fé e minha espiritualidade iriam me ajudar, ela tinha que estar integrada na minha vida”. Importante ressaltar que Macário já era adepto ao Yoga, e passou a meditar ainda mais.

Uma vez cuidando da mente e do espírito, Macário buscou conhecimento não só acerca do seu problema, que hoje já conhecia o nome, mas outras fontes intelectuais que podiam lhe engrandecer de alguma forma. “Fiz curso de liderança, fiz coaching, estudei marketing digital e até inteligência emocional. Posso dizer que tudo contribuiu de alguma forma”.

Foi só então que se sentiu pronto para encarar a parte física, dessa vez, não só por meio das medicações. Ainda refém do tempo, o empresário incluiu práticas que cabiam na sua rotina, no caso, pular corda dentro do escritório mesmo. Depois, passou a correr pelas manhãs. De 2018 - ano onde introduziu o exercício em sua vida - até hoje, sua evolução foi surpreendente. “Hoje eu sou maratonista, treino todos os dias, de segunda a segunda, é como se fosse uma medicação” conta.

O resultado

Por ser um problema crônico, a Síndrome de Burnout infelizmente não conta com um tratamento exato e uma cura imediata. Há especialistas que já trabalham até mesmo com a possibilidade de ela não ter uma cura definitiva, pois pode ser engatilhada novamente na vida da pessoa.

Izabella Camargo, inclusive, menciona isso em seu episódio. Para ela, o gatilho é o trabalho, e é possível ter recaídas, como já teve anteriormente. É um trabalho constante de autoconhecimento e autocontrole, mas com o tempo, a ideia é que se torne inerente à vida da pessoa.

No caso de Macário, funcionou. A técnica dos “4 capitais”, como o mesmo define, foi tão eficiente que hoje ele passa adiante esse conhecimento aos empreendedores que mentora na ONU e em outras frentes. Ela consiste em estar em equilíbrio e atenção ao físico, emocional, espiritual e intelectual - bastante semelhante aos pilar Plenae.

Mas, para ele, não basta somente malhar, rezar, estudar e fazer terapia. É preciso acoplar todos esses aprendizados no seu cotidiano, de forma que não haja mais o “você” do trabalho e o “você” de casa. Macário passou a levar todos os ganhos subjetivos que adquiria em suas práticas para seus dias, seus funcionários e suas finanças.

“Hoje minha principal prioridade é me sentir bem. A minha intensidade de trabalho ainda é muito grande, mas eu entendi que eu posso gerar uma energia dentro de mim, um combustível, que me dá mais controle de tudo isso. Como eu faço um planejamento semanal desses 4 capitais, eu não entro mais em nada que vai me drenar a energia se eu não enxergar que vai acabar em determinado momento”.

Seu propósito de vida passou a ser espalhar essa mensagem de que é possível se entregar com intensidade à sua carreira sem perder-se no personagem e abandonar a si mesmo. “O grande problema do Burnout é a pessoa entregar a vida para o ambiente externo e deixar de ser protagonista da própria vida. A maioria dos trabalhadores acham que é normal trabalhar longas horas para enriquecer sem olhar para si mesmo. Olhe para seu corpo como uma grande ferramenta de teste, esteja atento às suas emoções, use sua crença como mola propulsora e se coloque sempre no estado de aprendizagem”. E você, tem olhado para si?

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais