Para Inspirar

Bella Santoyo em "A gente tem que viver o hoje como se fosse a vida inteira"

Conheça a história de como vidas que se cruzam mudam o curso de um destino, na décima quarta temporada do Podcast Plenae.

3 de Dezembro de 2023



Leia a transcrição completa do episódio abaixo:

[trilha sonora] 


Bella Santoyo: Será que eu tava grávida? Eu fiz o teste da farmácia, mas deu negativo. Aí, eu chorei de alívio, de desespero e de tristeza. Tudo ao mesmo tempo. A minha irmã me perguntou: “Você queria tá grávida?” Eu falei: “Era o que eu mais queria. Mas eu não sonhei em ter um filho desse jeito. Então, eu vou deixar nas mãos de Deus”.  


[trilha sonora] 

 

Geyze Diniz: Bella Santoyo não vive no automático, mas nem sempre foi assim. A descoberta de uma gravidez alguns dias após a morte precoce do seu marido fez com que ela tivesse força para encarar seus medos, preconceitos e insatisfações. Hoje, Bella é coach, mãe da Estela e está casada novamente. Eu sou Geyze Diniz e esse é o podcast Plenae. Ouça e reconecte-se. 


[trilha sonora] 

 

Bella Santoyo: Eu tinha 31 anos quando eu conheci o Eduardo. Era uma fase em que a minha carreira tava bombando. Eu era advogada de formação mas trabalhava como executiva na área de negócios de um banco grande. Eu já não amava o que eu fazia como antes, só que eu era muito bem sucedida.  


A realização profissional vinha por meio da grana naquele momento. Como eu sempre gostei de autoconhecimento, eu já me perguntava: o que eu vim fazer aqui, nessa vida? Será que o meu caminho é trabalhar em banco e ganhar dinheiro?  


Em vez de encarar essa crise de propósito de frente, eu achei que o que faltava na minha vida era uma relação amorosa bacana. Eu comecei a trabalhar essa questão com a minha terapeuta. E foi nessa época que apareceu o Edu, apresentado por uns amigos em comum, num churrasco.  


A gente se apaixonou de cara. O nosso primeiro beijo foi em dezembro. Em janeiro, ele se mudou pra minha casa.  


Eu era aquela pessoa que achava um absurdo casais que vão morar juntos sem nem se conhecer direito. Pensava que era coisa de gente desesperada. Bom, cuspi pra cima e caiu na testa.  


[trilha sonora] 


Quando eu comecei a namorar, achei que todos os meus problemas estavam resolvidos. Afinal de contas, tinha acabado de conhecer o homem da minha vida. Só que foi o contrário.  

 

O Edu era um dentista apaixonado pela profissão. Ele saía de casa feliz pra trabalhar. Eu tive que conviver com a vocação dele e, obrigatoriamente, refletir sobre a minha.  


Eu nem sequer escolhi ser advogada. Queria ter estudado teatro ou jornalismo. Mas o meu pai mandou: “Vai fazer direito e acabou”. E eu atendi os desejos do meu pai. E assim foi… 

 

O Edu me estimulava a mudar de vida. Ele esfregava as minhas qualidades na minha cara. Eu lembro que ele falava assim: “Gatinha, você é demais. Você é uma águia presa numa gaiola de rolinha nesse banco. Pelo amor de Deus! Suas amigas te amam, as pessoas te adoram, você tem magnetismo!”.  


O Edu era muito inteligente e tinha um olhar perspicaz sobre as pessoas. Eu me sinto uma mulher muito mais potente depois que ele entrou na minha vida.  


O Edu me incentivou a viver intensamente as coisas. Ele tinha uma certa urgência no viver e uma mentalidade abundante.  


Se a gente ia mergulhar, ele comprava o melhor equipamento de mergulho. Quando eu questionava aquela gastança, ele dizia que a gente tem que se tratar como um cavalo de raça. Uma vez, ele comprou um monte de roupa de esqui. Aí eu perguntei: Mas por que tanta roupa de esqui? 


- Por que a gente vai esquiar o mundo inteiro! 


Tudo nele era exagerado. Ele mesmo, fisicamente, era um exagero. O Edu foi atleta de rúgbi da seleção brasileira. Ele era largo, absurdamente forte. As camisetas ficavam esgarçadas no pescoço, porque eram pequenas pra ele.  


Seis meses depois que a gente foi morar junto, ele me surpreendeu com um pedido de casamento em Las Vegas. Ele levou até as alianças na viagem.  


No ano seguinte, a gente se casou em São Paulo, com uma festona pra 400 convidados. A gente era um casal apaixonado, daqueles que dava esperança pra quem não acreditava mais no amor. Parece que a gente sabia que o nosso prazo de validade juntos era curto.  

 

Quando a gente completou um ano de casamento, o Edu foi viajar com os amigos para ver o mundial de rúgbi na Nova Zelândia. Depois que ele voltou, eu tirei férias pra gente matar a saudade.  


Foi uma semana de amor. A gente andou de moto, tomou chuva no parque e comeu nos nossos restaurantes favoritos. Na semana seguinte, eu me arrastei pro trabalho e ele voltou feliz pro consultório. 


[trilha sonora] 


Nesse mesmo dia, o mundo tava desabando em cima da minha cabeça no banco, quando meu telefone tocou às 11 horas da manhã. Era o Edu, perguntando como eu tava, dizendo que me amava e me convidando pra ir ao cinema à noite. Eu respondi que também amava ele e me animei com a ideia de sair daquele martírio e ver um filme. 


Uma hora depois, o telefone tocou de novo. Dessa vez, era a secretaria do Edu, me contando que ele tinha passado mal, e que eu precisava correr até o consultório. Eu cheguei a tempo de encontrar o meu marido no chão, desacordado e babando.  


O Edu foi levado de ambulância pro hospital, mas não resistiu. Ele faleceu subitamente, de um AVC, aos 43 anos. O nosso primeiro beijo não chegou a completar três anos.  


[trilha sonora] 


Ninguém entendeu como uma pessoa jovem, saudável e sem nenhuma comorbidade morre assim. Foi um desses acontecimentos inexplicáveis da vida.  


Aos 34 anos, eu fiquei viúva do grande amor que eu tinha encontrado, no auge dos nossos planos e sonhos.  


[trilha sonora]  


Eu tirei uma licença do trabalho e mergulhei num luto profundo. Eu nunca tinha passado por nada parecido. Nunca tinha sentido uma sensação de angústia tão forte que me impedisse de enfrentar o dia.  


Quando o Edu se foi, eu me senti numa escuridão total. Eu tinha dores físicas.  


Eu, que costumo ser uma pessoa alegre e festeira, não sabia lidar com aquela tristeza. As pessoas oravam por mim. Minha irmã se mudou pra minha casa e algumas amigas se revezaram para ficar comigo.  


Mesmo assim, eu sentia uma sensação de solidão total. Eu tinha vergonha de chorar demais o tempo todo, como se eu não pudesse fazer aquilo. Então, eu tomava banhos demorados e chorava debaixo do chuveiro. Os banhos foram curativos pra mim.  


Eu pedi ajuda pra Deus e me lembrei de um texto que se chama Pegadas na Areia. Ele conta a história de um cara que caminha na praia com Jesus. Esse cara se sente sozinho e só enxerga um par de pegadas no chão. Quando ele pergunta porque foi abandonado, descobre que as pegadas eram de Jesus, que tava carregando ele no colo. E eu precisava do colo de Deus. Naquela hora, a fé me ajudou demais.  


Assim que a morte do Edu foi constatada, ainda no hospital, o psiquiatra da família perguntou se eu precisava de algum remédio pra lidar com aquele momento. Eu falei que nunca tinha tomado nada, nem saberia o que tomar. E aí ele me questionou: “Tem alguma chance de você estar grávida?” Eu respondi que não… mas que eu tinha tirado o DIU sete meses antes. Então, ele falou: “Vou te dar um fitoterápico”. Eu fiz um teste de farmácia pra tirar a dúvida, mas deu negativo. Mesmo assim, fiquei encasquetada com aquilo.  


Umas semanas depois, solicitei um pedido de exame de sangue pro meu pai, que era pediatra. Eu fiz o teste numa quinta-feira, na mesma semana em que eu voltei a trabalhar.  


Eu lembro que eu chorava no laboratório, enquanto tiravam meu sangue. O enfermeiro foi um querido e me falou pra eu ficar calma, e que o resultado sairia dali algumas horas.  


Eu fui pro banco e não contei pra ninguém. Mas aí uma funcionária minha, evangélica fervorosa, pediu pra falar comigo. Ela me disse assim: “Bella, eu tava orando ontem por você, de joelho no chão, com a Bíblia na mão. Deus profetizou nos meus ouvidos que você vai ser feliz no detalhe que você viveu com o Eduardo. Aquele detalhe que só você sabe. Você vai ser em dobro”. Eu comecei a chorar e contei pra ela sobre o exame.  


Às cinco horas da tarde, ela foi comigo pra um cantinho do andar e a gente entrou no site do laboratório. O teste deu positivo. E eu chorei de alegria.  


[trilha sonora] 


Liguei pro meu ginecologista, que eu fazia tempo que não via. Eu falei: “Doutor, tenho que falar duas coisas. A primeira é que o meu marido morreu. A segunda é que eu tô grávida”.  


[trilha sonora] 


Aí, eu peguei a minha bolsa e saí do banco, sem nem falar com o meu chefe. Fui direto pra casa dos meus pais e contei a novidade. Meu pai abriu uma garrafa de champanhe que tava quente pra gente brindar. Eu liguei pra minha sogra, e ela ficou paralisada com a notícia. 


Fazia 20 dias que o Edu tinha morrido. Nesses 20 dias, eu pensei em largar tudo e me mudar pra Nova York ou pra Londres ou ainda me enfiar num retiro qualquer. Mas aí a gravidez tirou com a mão a agonia do meu peito e o nó da minha garganta.  


Eu tinha disposição pra me levantar da cama, tomar banho e me alimentar. O meu organismo começou a reagir naturalmente a isso, com mais disposição pra viver. Era o corpo físico fortalecendo a mente e o coração. 


A gravidez foi super bem. Eu fazia os ultrassons acompanhada da minha família inteira: meu irmão, minha irmã e meus pais. Todo mundo marcava na agenda como um compromisso.  


Ainda assim, era estranho não ter o meu marido comigo. O meu olhar sempre focava nos casais. Eu lembro de um pré-natal que eu fiz no banco onde eu trabalhava e eu era a única mulher que não tinha marido. Quando as pessoas me perguntavam sobre o pai, ficavam assustadas ao ouvir a minha história.  


Era tão desconfortável pra mim, que eu chegava a mentir. Um vizinho do prédio certo dia me falou: “Faz tempo que eu não vejo seu marido”. E eu não tive coragem de contar a verdade e respondi: “Ele tá viajando”.  


Eu descobri que ser viúva é um estado civil cercado de tabu. Eu tive que quebrar o meu próprio preconceito pra encarar uma gravidez solo. 


No dia do parto, eu entrei no centro cirúrgico com o meu irmão e um amigo médico. Eu senti muita falta do meu marido nesse dia.  


[trilha sonora] 


A Estela nasceu com 4 quilos, super saudável, com uma pintinha no braço e uns olhões expressivos. Ela era a cara do pai. Todas as visitas ficavam surpresas com a semelhança física entre eles.  


A lembrancinha do nascimento foram cookies em formato de borboleta, porque, na missa de sétimo dia do Edu, uma borboleta ficou voando dentro da igreja. 


Eu me orientei com a psicóloga sobre como contar pra minha filha sobre o pai dela. Quando ela era bem pequenininha, eu falava que ele ficou dodói e virou estrelinha. Mas que ele desejou muito ela, que ele sonhava em ter uma filha de cabelo cacheado que ia se chamar Estela.  


[trilha sonora] 


Quando a Estela tinha 3 anos, eu comecei a namorar o Murilo, que hoje é o meu marido. Ele também é viúvo e a gente se conheceu por um amigo em comum. A Estela tinha cinco anos quando entrou com o Murilo na escola pela primeira vez. Eu lembro que ela arrastava ele pelo pátio, cheia de orgulho. Ela diz que o Murilo é pai do coração dela.  


[trilha sonora] 


Eu acredito na relação a dois. Acho muito difícil a gente ser feliz sozinho. O Edu foi a pessoa que me abriu pra capacidade de amar, de me dar valor como mulher e como pessoa. A morte dele me trouxe um senso de urgência. Eu senti que eu precisava ser feliz e realizada agora, não amanhã. Porque eu não sei se amanhã eu vou tá aqui. Eu não posso esperar muito tempo pra fazer a mudança que eu tanto sonho. Até porque, se a gente sonha demais, o desejo fica só no campo do ideal.  


Depois que o Edu morreu, eu fiz um trabalho de autoconhecimento intenso, que desencadeou em vários estudos sobre desenvolvimento humano. Eu me planejei financeiramente e tive coragem de pedir demissão do banco, pra abraçar a carreira de coaching.  


Nos últimos 11 anos, eu atendo pessoas e dou palestras. Dou cursos e workshops voltados para o desenvolvimento humano, pessoal e profissional. Eu sou muito realizada e sinto que o meu propósito é transformar vidas, assim como eu transformei a minha.  


Eu escrevi um livro sobre a minha história e quero lançá-lo em breve. A escrita foi um processo altamente curativo para mim. O livro vai ajudar a Estela a saber de onde ela veio, mas eu acho que a história pode ajudar outras pessoas também. 


Eu sempre gostei muito da vida, mas hoje eu coloco mais atenção nas pequenas coisas do dia a dia. Raramente eu caio no automático. Eu sinto a vida de uma maneira mais pulsante. Eu amo meu trabalho, eu amo a minha casa, amo a minha família e meu modo de viver. Eu sempre digo pros meus clientes: a gente tem que viver o hoje como se fosse a vida inteira. Eu quero viver bem para morrer bem. 


[trilha sonora] 


Geyze Diniz: Nossas histórias não acabam por aqui. Confira mais dos nossos conteúdos em plenae.com e em nosso perfil no Instagram @portalplenae


[trilha sonora]  

Compartilhar:


Para Inspirar

Por que roncamos?

E o que fazer para cessar o desconforto, que atrapalha não só ao paciente, como também aos seus familiares?

2 de Novembro de 2020


Se você não tem problemas com o sono, deve certamente conhecer alguém que tenha. Isso porque um estudo comandado pela empresa alemã Royal Philips, concluiu que 72% dos brasileiros apresentam distúrbios do sono , que podem ser os mais variados possíveis.

Já explicamos em matéria aqui no Plenae os malefícios para a saúde de um repouso não revigorante . Também demos dicas em outra matéria de como combater a sua insônia , caso seja esse o seu distúrbio de sono. Mas e quando o problema é outro?

Problema sonoro

A lista de desconfortos que prejudicam nosso sono é grande, mas uma delas é bastante comum: o ronco. Apesar de ser motivo de muitas piada, o ronco é sempre um sinal de obstrução, pelos mais variados motivos.

Segundo estudos guiados pela Universidade Federal de São Paulo, a UNIFESP , os homens podem até representar a maioria dos afetados, mas não há uma forte discrepância, afinal, 40% das pessoas que roncam são mulheres. E o problema piora após a menopausa, atingindo com mais força as que possuem mais de 50 anos.

Os homens ainda são maioria entre os roncadores, mas o índice feminino está crescendo

No caso específico da menopausa, o ronco ocorre sobretudo por conta de uma redução na musculatura das vias aéreas, o que dificulta a passagem do ar pela garganta, principalmente.  Esse, porém, não é o único causador do ronco.

Segundo a fonoaudióloga certificada pela Associação Brasileira do Sono , Vanessa Leto, o ronco é uma vibração dos tecidos da região da garganta durante o sono, que pode ter um aumento da incidência com a idade, pois pode estar relacionado com a flacidez da musculatura.

“Ele tem um aumento da incidência com a progressão da idade, mas há criancinhas que roncam também. Isso está relacionado com uma obstrução do nariz ou da garganta, e por isso é difícil definir um perfil único. Pode ter desde recém-nascido, até crianças maiores e adolescentes também” explica.

No adulto, se dá da mesma maneira: questões anatômicas que podem ser comuns e específicas daquela pessoa, ou pioradas por um ganho de peso, ou aumento da flacidez com a idade, por exemplo.

Para detectar o problema, é preciso fazer um exame chamado polissonografia. “Ele é quem vai detectar se a pessoa só ronca de forma primária, sem sinal de apnéia do sono, ou se é uma pessoa que ronca e também apresenta uma apnéia obstrutiva leve, moderada ou grave” diz a fonoaudióloga.

Já se sabe que o ronco é o primeiro sinal dessa condição, mas nem sempre todos os roncadores apresentam a apnéia - comorbidade que faz com que a pessoa pare de respirar por alguns instantes enquanto dorme, elevando a sua pressão arterial, entre outros problemas.

O que fazer

Os tratamentos vão ser bem diferentes de acordo com os graus mencionados, e serão mapeados principalmente pelo exame da polissonografia, mas também por uma avaliação clínica de um profissional de otorrinolaringologia, por exemplo.

“Como são muitas as causas, essa conversa com o especialista é muito necessária. Até mesmo desvio de septo pode causar o ronco, ou hipertrofia de adenóide - que é a estrutura da região da faringe. Há também a hipertrofia de tonsila palatina - que são as amígdalas, e essas podem acometer crianças ou adolescentes, pacientes jovens e magros” explica Vanessa.

Em geral, o tratamento é simples e cirúrgico, onde essa estrutura que está causando a obstrução é retirada. Nesse caso, a fonoaudióloga entra porque, quando há essa obstrução, o paciente apresenta uma respiração oral. “Muitas vezes, mesmo fazendo a cirurgia e tirando esse impedimento anatômico, a pessoa ainda respira pela boca, porque o corpo dela ainda não entendeu que existe a via do nariz para estruturar, e a fono entra para habilitar essa via” diz.

Sabendo que a fonoaudiologia reabilita funções como respiração, mastigação,  deglutição e fala, o trabalho da área e seus exercícios são fundamentais para a reabilitação anatômica tanto do paciente que foi submetido a cirurgia, quanto do paciente que resolverá o desconforto somente em clínica.

Vanessa, nossa entrevistada, publicou um trabalho de doutorado em 2015 que comprovou a eficácia das condutas de exercício no que diz respeito à frequência e intensidade do ronco. “A questão dos exercícios é complexa porque não são os mesmos para todos os pacientes, cada um deve ser avaliado individualmente. Uma coisa muito importante para prevenir é desenvolver pró percepção, ou seja, perceber se alguma de suas funções automáticas estão sendo desempenhadas corretamente” explica.

E quais seriam elas? A respiração é, obviamente, um ponto-chave. “Quando se está em repouso, o paciente consegue respirar pelo nariz ou respira pela boca sem perceber? Ele está se alimentando bem no sentido de mastigar e engolir? Consegue, por exemplo, mastigar dos dois lados, engolir sem a comida parar na garganta ou tem que auxiliar com líquido?” provoca a profissional.

Aos idosos, sobretudo, todos esses são sinais de que é preciso uma avaliação mais completa. “Tenho muitos pacientes, talvez 10% dos que chegam, que nem continuam o tratamento comigo, porque eu avalio uma questão muscular e já passo para outro especialista. Há uma série de critérios de exclusão que não são fonoaudiólogos, são cirurgias ou perda de peso. Por isso é impossível pensar em um único tratamento ou exercício que englobe todos os perfis” diz.

A longo prazo

A questão dos malefícios do ronco estão mais atreladas à qualidade do sono, mas ele pode sim causar uma degeneração física da musculatura, fazendo com que ela fique cada vez mais flácida e prejudicada. No pior cenário, ela poderá sofrer um colapso e fechar - e isso pode gerar a já mencionada apnéia do sono.

“São poucas as pessoas que podem roncar a vida inteira sem causar danos ventilatórios e de deglutição a longo prazo, porque a via do ronco é a mesma de engolir alimentos” explica. Para os idosos isso é primordial, porque afeta diretamente a nutrição deles, que precisam de ainda mais nutrientes.

“A dieta dos idosos já é afetada normalmente porque começam a ter problemas dentários ou dificuldades para engolir. Com isso, eles começam a mastigar menos, sem triturar o alimento para se fazer um bolo alimentar correto e engolir melhor, e a família vai empobrecendo sua dieta para facilitar esse processo” complementa.

O ronco ainda é prejudicial para a qualidade do sono de quem dorme ao lado do roncador. “A gente tem caso de cônjuges dos roncadores que inclusive apresentam perda auditiva no ouvido que fica virado pro ronco” diz. “O próprio roncador pode até dizer que cai na cama e dorme pesado, mas muitos na clínica atestam que acordam se sentindo cansados” conclui.

Muitas pessoas que roncam não sabem. O ideal é pedir para seu parceiro te ajudar nesse diagnóstico. No caso dos solteiros, caso esteja acordando e se sentindo mais cansado, uma opção é gravar os seus ruídos durante o seu sono - com seu aparelho celular mesmo.

Caso detecte o ronco, procure um profissional ou uma equipe multidisciplinar que conte com um psicólogo, por exemplo, que pode também ser benéfico para a qualidade do sono como um todo. Afinal, o estresse pode ser o principal vilão para seu repouso. Não deixe para amanhã o bom sono que pode ser feito hoje.

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais