Para Inspirar

Como funciona a imunidade?

Mecanismo natural do corpo humano, a imunidade se tornou assunto frequente e necessário em rodas de conversa. Entenda mais sobre o assunto.

27 de Janeiro de 2021


Em tempos de pandemia de covid-19, o vírus que já levou a vida de mais de 200 mil brasileiros e 2 milhões de pessoas no total do mundo, nunca estivemos tão de olho em nossa saúde. E quando falamos em doenças, sobretudo as virais, torna-se inevitável falarmos de imunidade!

Conversamos com a professora associada ao departamento de Imunologia da USP, Prof. Dr. Ana Paula Lepique, na intenção de voltarmos algumas casas: que tal entendermos de formas mais básicas o que é, como se dá e o que fazer para manter em alta a sua imunidade?

O que é?

Ela é um conjunto de respostas do organismo ao ambiente. Isso é verdade para uma série de coisas. No caso da imunidade, esse conjunto tem a ver com a nossa interação com outros organismos, que muitas vezes podem ser patogênicos, ou seja, podem causar doenças, mas também serem inofensivos.

O que faz?

A nossa imunidade estabelece e responde, com uma resposta agressiva ou não, a esses outros organismos. Às vezes o patógeno é mais inofensivo para o nosso organismo do que a própria resposta que nosso corpo dá, se ela for muito exacerbada. E às vezes já somos imunes ou possuímos tolerância à aquele patógeno específico.

Quais são as respostas do organismo?

Quando elas são visíveis, as respostas podem ser por exemplo uma febre em resposta a uma infecção. Mas, existem alimentos que consumimos todos os dias, ricos em bactérias, que não causam nenhuma reação no nosso corpo pois são contidos pela flora intestinal. Temos mais material genético de bactéria dentro de nós do que de matéria genética nossa, nós vivemos bem com ele e até precisamos que esse material exista.

Como educar o nosso organismo para receber bem o mundo exterior?

Interagindo com ele. É como a microbiota , que é “a soma de todos microrganismos que residem nos tecidos e fluidos humanos, composto principalmente de bactérias”. Essa interação com ela educa de fato nossa imunidade e faz com que nosso corpo ajude a definir o que é perigoso e o que não é o que vale a pena gastar energia para combater e o que não.

Como desenvolver a sua imunidade?

Com dicas bem semelhantes às que funcionam para qualquer outra função do seu corpo: boa alimentação, fazer exercícios e cuidar do sono. Interagir com o mundo exterior para educar o seu organismo também é muito importante.

O que faz bem para a imunidade?

Além das dicas anteriores, há fontes alimentícias específicas para estimular sua imunidade. Alimentos que possuem vitamina C são grandes clássicos nesse momento, como frutas cítricas e/ou vermelhas, vegetais verdes escuros, oleaginosas, tomate, grãos e comidas frescas em geral. Isso porque elas oferecem uma ação antioxidante para o seu corpo, que ajuda a evitar alterações metabólicas estressantes para seu organismo. “Trate a sua comida como seu remédio” e esqueça o exagero de tomar 1g de vitamina C.

O que faz mal?

Existem algumas coisas que são muito ruins para sua imunidade: ficar desnutrido, por exemplo, vai de fato gerar uma imunossupressão, ou seja, uma baixa nos seus mecanismos de defesa. Outra coisa importante nesse processo é se proteger de patógenos que atacam seus sistemas imunes, e isso pode variar de covid até casos mais severos, como o HIV. O Sarampo em crianças, por exemplo, destrói parte das células de memória que serviam para protegê-las de doenças que antes ela era imune. Pessoas em tratamento com drogas imunossupressoras, como quimioterapia ou radioterapia, combatem suas comorbidades diminuindo os sintomas por meio dessas medicações, mas limitando suas respostas imunes..

Quando ela está baixa, o que ocorre?

Consequentemente, suas células de defesa demoram mais a responder qualquer tipo de interação com o meio e com possíveis ameaças desse meio, que estão presentes diariamente em nossa vida. Algumas pessoas ainda apresentam maior suscetibilidade de ter infecções em determinados sítios, seja por uma questão anatômica ou genética. É o caso da Herpes, muito conhecida por ser um vírus latente que passa a maior parte do seu tempo inativo em nódulos do sistema nervoso. Mas, uma vez estressados, doentes ou somente descuidados, esse vírus volta e causa lesões externas. Há ainda quem tenha alta intercorrência de infecção urinária, intestinal e muitas outras.

Há como saber a potência da minha imunidade?

Existe o famoso teste do pezinho, feito no recém-nascido, para detectar se há um conjunto de características que podem gerar imunodeficiência, alterações genéticas que podem levar a pessoa a não responder muito bem a alguma doença. Já para adultos, é preciso  ir a um imuno geneticista clínico, que irá olhar os seus sintomas clínicos e pensar em alguns testes específicos que podem ser feitos para tentar identificar o que está acontecendo.

Pronto! Agora que você já sabe os caminhos necessários a serem percorridos para manter sua imunidade em dia, olha de colocar em prática. Não se esqueça de estar sempre atento ao seu corpo e seus movimentos. Ele é quem te dirá o quanto você deve se cuidar. Você já cuidou de si hoje?

Compartilhar:


Para Inspirar

Jovens são menos religiosos do que os mais velhos, diz estudo

No Brasil, 70% dos indivíduos com até 40 anos e 75% daqueles acima dessa idade consideram a religião muito importante em suas vidas

11 de Novembro de 2019


Os adultos mais jovens têm menos probabilidade do que os idosos de frequentar a igreja e acreditar em Deus. Esse é o cenário de 46 entre 106 países pesquisados pelo instituto Pew Research Center. Nesses lugares, entre eles o Brasil, os adultos com menos de 40 anos têm menos probabilidade de dizer que a religião é muito importante em suas vidas do que os adultos mais velhos; o oposto é verdadeiro em apenas duas nações.

Em 58 países, não há diferenças de idade significativas nessa questão. No Brasil, 76% dos entrevistados com mais de 40 anos disseram que a religião é “muito importante” para suas vidas, ante 70% daqueles abaixo dessa idade. O dado brasileiro é acima da média global (57% dos mais velhos e 51% dos mais jovens consideram o tema muito importante).

Outras medidas de compromisso religioso também mostram uma diferença de idade em muitas nações. Os entrevistados mais jovens têm menos probabilidade de se identificar com qualquer religião em 41 países; novamente, o oposto é verdadeiro em apenas dois países. Padrões semelhantes surgem ao examinar as taxas de oração diária e de participação nos cultos.

Estudos sugeriram explicações diferentes, mas possivelmente sobrepostas, para a diferença de idade no culto à religião. Uma teoria é que as pessoas naturalmente se tornam mais religiosas à medida que envelhecem e se aproximam de sua própria mortalidade. Outra é que as sociedades se tornam menos religiosas quando as condições econômicas melhoram e as pessoas enfrentam menos problemas de indução de ansiedade ou risco de vida.

Como os jovens de sociedades em constante desenvolvimento geralmente têm uma vida mais fácil do que os mais velhos, segundo essa teoria, eles são menos religiosos. No entanto, seria um erro supor que o mundo em geral está se tornando menos religioso só porque os jovens são menos devotos. De fato, muitos dos países menos religiosos do mundo têm populações que estão encolhendo ou crescendo apenas lentamente, enquanto as regiões com maior crescimento populacional tendem a ser muito religiosas.

Por exemplo, a África Subsaariana - que tem o crescimento populacional mais rápido do mundo - também tem a menor diferença de idade quanto à importância da religião e tem uma alta taxa de comprometimento religioso em geral. No país médio da região, 88% dos adultos mais jovens e 89% dos idosos dizem que a religião é muito importante em suas vidas.

Fonte: Stephanie Kramer e Dalia Fahmy, para Pew Research Center
Síntese: Equipe Plenae
Leia o artigo original aqui

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais