Para Inspirar

Conheça o conceito do bem-estar subjetivo

A métrica, amplamente estudada por pesquisadores da área de psicologia, pode explicar porque bem-estar e felicidade são compreendidos de forma diferente pelas pessoas

18 de Setembro de 2020


Felicidade, satisfação, estado de espírito e afeto positivo: todas essas palavras remetem a coisas diferentes para cada pessoa que as lê. Para uns, essas sensações podem estar relacionadas a bens materiais. Para outros, a lugares ou pessoas. Há ainda os que as relacionam à algo espiritual, no campo da subjetividade.

É fato que a ciência tenta explicar a felicidade há anos, sem definir um só entendimento para ela. Já explicamos aqui qual é a relação entre ter um propósito e ser feliz, por exemplo. Ou também, a relação entre casamento e felicidade e até mesmo o papel da natureza para nosso estado de espírito.

A verdade é que, desde os tempos mais remotos da história e da filosofia, a felicidade tem sido o tema central de diversos escritos, algo prioritário a se buscar na vida. Mas pouco se falava sobre as miudezas do cotidiano que poderiam nos levar a um sentimento de alegria. Hoje, conhecemos isso por “bem-estar”, e para a psicologia, “bem-estar subjetivo”.



O bem-estar subjetivo

Foi a partir dos anos 70 que o professor da Universidade de Illinois e Ph.D em psicologia, Ed Diener, trouxe o termo bem-estar subjetivo para a academia, conhecido em inglês como “subject well-being”. Ele é uma atitude perante a vida, e mora nas pequenas coisas, naquilo que não consegue ser capturado ou facilmente explicado.

E é por isso que vem acompanhado do termo subjetivo, pois ele é uma concepção abstrata e flexível, que atente à alguns padrões recentemente estudos, mas não oferece uma única regra.

De maneira geral, pode-se dizer que o tema abarca as percepções das pessoas quanto às suas próprias vidas, como elas vivem suas experiências de forma positiva e quais são suas avaliações a respeito do que é qualidade de vida. É pensar que a sua vida está indo muito bem, obrigada.

Mas com base no quê definimos que nossa vida está indo muito bem? Há diferentes métricas estudadas. É como uma fórmula matemática, definida sobretudo em uma soma de percepção positiva da própria vida + quantidade de afetos positivos sentidos ao longo de um dia.

Por ser o pioneiro nos estudos acerca do tema, Ed Diener também foi o responsável pela categorização dos mesmos. Para ele, há três agrupamentos possíveis para se compreender o bem-estar subjetivo.

  1. O bem-estar que sofre influências externas como virtude ou santidade, onde felicidade não é vista como um estado subjetivo, mas sim atrelada a possuir qualidades desejáveis dentro de uma sociedade.
  2. O que leva as pessoas a avaliarem positivamente suas vidas, citado anteriormente e conhecida no meio acadêmico como “satisfação de vida”, métrica que utiliza as respostas dos participantes para determinar o que é a vida feliz.
  3. Por fim, a dualidade entre afeto positivo X negativo, ou seja, ela mede o nível de emoções positivas ou negativas que o sujeito pode estar experienciando durante um período de tempo específico.

Segundo o periódico publicado pela psicóloga e professora, Claudia Hofheinz Giacomoni, na Pepsic, “definir bem-estar é difícil, uma vez que pode ser influenciado por variáveis tais como idade, gênero, nível socioeconômico e cultural. Muito amplamente, aponta-se que uma pessoa com elevado sentimento de bem-estar apresenta satisfação com a vida, a presença freqüente de afeto positivo e a relativa ausência de afeto negativo.”

Sendo assim, podemos entender que bem-estar é sentir somente afeto positivo e nunca negativo, certo? Nem sempre. Na verdade, para o cientista social americano Norman M. Bradburn, a felicidade mora justamente entre os dois. Portanto, para adquiri-la, é preciso estar no meio do caminho.

E é preciso lembrar que ambos são componentes interdependentes entre si, ou seja, você pode senti-los na mesma medida, em um mesmo dia, por situações diferentes. “Em um dia, por exemplo, a pessoa pode sentir muita alegria por ser promovida no trabalho e muita raiva por ter batido o carro” comenta o psicólogo Ubiratan Bittencourt.

Outros sociólogos ainda complementam essa concepção dizendo que essa satisfação com a própria vida pode estar relacionada às suas escolhas, relações e o meio onde se está inserido. E que, portanto, se o sujeito analisado se diz realizado com esses fatores, pode-se dizer enfaticamente que ele é um sujeito feliz.



A pesquisadora Claudia Giacomoni ainda aponta um outro modelo de métrica do bem-estar subjetivo definido pela psicóloga americana Carol Ryff e seu colega Corey Lee Keyes, composto por seis funcionamentos psicológicos diferentes:

  1. avaliação positiva de si mesmo e do período anterior de vida (auto-aceitação);
  2. Um sentido de crescimento contínuo e desenvolvimento como uma pessoa (crescimento pessoal);
  3. Acreditar que a vida possui objetivo (sentido) e significado (sentido de vida);
  4. Possuir relações de qualidade com outros (relações positivas com outros);
  5. Capacidade de manejar efetivamente a vida e o mundo ao redor (domínio do ambiente);
  6. E sentido de autodeterminação (autonomia).

“As principais teorias iniciais de bem-estar subjetivo estavam preocupadas em identificar como os fatores externos, as situações e as variáveis sócio-demográficas afetam a felicidade. Estas abordagens, conhecidas como bottom-up , mantêm como base o pressuposto de que existe uma série de necessidades humanas universais e básicas, e que a satisfação, ou não, destas viabiliza a felicidade” explica Claudia em seu artigo. Em suma, a satisfação e a felicidade são atreladas a um acúmulo dessas experiências felizes.

Fatores mais macro também podem “decidir” quem é feliz e quem não é como: o casamento, emprego, a saúde, as habilidades sociais, o lugar onde se mora, a idade e o poder aquisitivo. Mas como mesmo pessoas desfavorecidas nos aspectos citados anteriormente podem apresentar um bem-estar subjetivo e uma atitude otimista?

Top-down”, a abordagem contrária a “bottom-up” citada anteriormente, pode explicar. Segundo ela, existe uma predisposição em cada um de nós para interpretar situações e experiências de formas diferentes. Enquanto uns tendem a se manterem mais positivos, outros vão para o outro extremo.

Essa propensão, é claro, influencia na avaliação de sua própria vida e, logo, na sua métrica de bem-estar subjetivo. “Para a perspectiva top-down, nossa interpretação subjetiva dos eventos é o que primariamente influencia o bem-estar subjetivo, ao invés das próprias circunstâncias objetivas sugeridas pela abordagem anterior (bottom-up)” explica Claudia.

E é usando todas essas camadas existentes para se analisar um mesmo tema que define-se, por exemplo, qual é o país mais feliz do mundo ou ainda pesquisas como “pessoas casadas são mais felizes”. Para chegar a determinadas conclusões, é preciso entrevistar uma amostragem de pessoas consideráveis e analisar de perto o seu bem-estar subjetivo, ou seja, sua satisfação pessoal com a própria vida levando em consideração todas as métricas citadas anteriormente.

Após ler este texto, pense em sua própria vida. Em sua condição social e demográfica, em sua predisposição a se manter otimista, em seu balanço de emoções positivas e negativas sentidas em um mesmo dia… Com base em todas essas métricas citadas, como anda o seu nível de bem-estar subjetivo? Afinal, para a ciência é ele quem definirá se você é feliz ou não.

Compartilhar:


Para Inspirar

Por que o estresse é contagioso?

Conversamos com uma neurocientista para entender o mecanismo científico por trás do estresse e porque ele acaba contagiando o ambiente

29 de Maio de 2024


Não é papo pseudocientífico: o estresse realmente pode ser contagioso. E não se trata de energia negativa, tapar o umbigo ou coisas do tipo. Trata-se de um mecanismo de defesa do nosso corpo que veio com a evolução da nossa espécie, mas que ainda não é capaz de identificar nuances muito discretas e acaba absorvendo todo tipo de estímulo.

Conversamos com a neurocientista e uma das fundadoras da consultoria organizacional Nêmesis, Ana Carolina Ferraz Mendonça de Souza, para entender um pouco mais sobre esse processo. Mas, vamos por parte: o que é o estresse, afinal? Vamos te explicar a seguir.

Não é só uma irritação


O estresse é, antes de mais nada, uma reação natural do organismo que acontece quando vivenciamos ou nos vemos diante de situações de perigo ou ameaça, como explica o Ministério da Saúde. Esse mecanismo é o responsável por nos colocar em estado de alerta e isso acaba provocando alterações físicas e emocionais. 

Ele ainda pode ser agudo - quando é mais intenso, curto e causado normalmente por uma situação traumática, mas passageiras; ou crônico, o tipo que afeta a maioria das pessoas, sendo constante no dia a dia, mas de uma forma mais suave. Há ainda três fases em que ele se desenvolve:

  • Fase de Alerta: é o momento exato de quando o indivíduo entra em contato com o agente estressor. Nessa etapa, é comum sentir mãos e/ou pés frios, boca seca, dor no estômago, suor, tensão e dor muscular, diarreia passageira, batimentos cardíacos acelerados, respiração ofegante, etc.

  • Fase de Resistência: é quando o corpo e a mente tentam voltar ao seu equilíbrio, se adaptando ao problema ou eliminando-o. Aqui, você pode sentir problemas com a memória, formigamento nas extremidades, sensação de desgaste físico constante; mudança no apetite e problemas de pele; hipertensão arterial e gastrite prolongada, sensibilidade emotiva excessiva, que leva a uma obsessão com o agente estressor, falta de libido, etc.

  • Fase de Exaustão: e é aqui nessa fase que podem surgir diversos comprometimentos físicos em forma de doença. As diarreias se tornam frequentes, assim como as dificuldades sexuais e a insônia. O formigamento nas extremidades continua e tiques nervosos podem surgir. A hipertensão arterial é confirmada e os problemas de pele podem se intensificar. Há uma mudança extrema de apetite, tontura frequente e a úlcera pode dar as caras. Pesadelos, apatia, irritabilidade e angústia constante, perda do senso de humor: tudo isso traz uma impossibilidade de trabalhar e levam a um cansaço excessivo. 

“Quando você estuda respostas defensivas, percebe que existem respostas clássicas defensivas. A resposta ao estresse tem uma complexidade maior, mas ela também seria uma não deixa de ser uma resposta emocional, e nesse caso é a um perigo real ou potencial”, comenta Ana Carolina. 

Segundo a especialista, essa resposta tem características tanto físicas quanto psicológicas, pois ambas se misturam. “Há de se levar em consideração também o tipo de estresse. O psicossocial, por exemplo, vai gerar na grande maioria das pessoas, inclusive em outras espécies, uma resposta que é ligada ao hormônio cortisol e que geralmente leva a uma aceleração da frequência cardíaca. Mas existem variações conforme o perfil das pessoas e que pode estar ligado à maneira como ela aprendeu a lidar com essa situação”, explica Ana. 

Algumas pessoas ficam caladas, irritadas, paralisadas ou explodirem. Há quem vai ter úlcera, há quem vai ter processo alérgico ou aumento de pressão, dores de cabeça,
problemas de pele como te contamos nessa matéria e há até quem apresente dor na garganta. Tudo irá depender da resposta que o corpo dessa pessoa irá apresentar.

“Quando o seu corpo está estressado, ele ativa o seu sistema de defesa e se prepara para um risco à sobrevivência. A gente tem que se preparar de forma coerente com a ameaça. O que você precisa fazer nesse corpo para reagir? Você não vai vomitar porque você vai ser assaltado. Então essa coisa de qual será a resposta mexe com quase toda a sua fisiologia. E por isso que quando as pessoas ficam doentes pelo estresse, geralmente a gente fala de esgotamento”, diz.

Por que o estresse é contagioso?


A resposta ao estresse não é exclusivamente nos humanos e é observada em diversas espécies de animais,
como conta esse artigo do National Geographic. Os motivos são diferentes dos nossos, mas não tão distante: não há estresse por trânsito, mas há estresse por privação de sono, por exemplo, que também nos afeta, ou excesso de barulho. 

E a questão desse estresse ser contagioso também não é exclusiva dos humanos. “Quando a gente entra num ambiente cujo clima está pesado, você sente. Como é que a gente sente o que o outro sente? Por meio do neurônio espelho. Quando falamos deles, iremos olhar para várias possibilidades de espelhamento, desde a ativação da sede quando vejo alguém beber um copo de água, uma vontade de bocejar ao ver o outro, o riso e, porque não, a tristeza. E isso acontece para que eu saiba o que está acontecendo com você, me dá a dimensão do contexto e me permite interpretar a situação”, explica Ana Carolina.

Esse processo, portanto, acontece para que a gente consiga se moldar à reação do outro e se adaptar às situações do cotidiano. Trata-se de uma capacidade evolutiva do ser humano para prever possíveis ataques, por exemplo, mas trazendo para um contexto moderno, os ataques são muito diferentes daquele que nossos antepassados estavam acostumados.

“É como se meu cérebro precisasse ativar esse simulador para então ativar os meus circuitos e reconhecer a sua ação. Isso também vale para as emoções. Quando eu vejo você fazer uma expressão de nojo, eu reconheço que é nojo, porque no meu cérebro as regiões responsáveis pela resposta de nojo foram ativadas. É assim que funciona a empatia”, conta. 

Neste artigo,
te contamos como nasce a empatia e como é possível aumentá-la. Nesse outro, diferenciamos a empatia da simpatia, que apesar de serem parecidas, exercem papéis diferentes quando aplicadas na sociedade. A verdade é que a empatia não é necessariamente fazer o que o outro quer e é muito mais complexa do que isso. Ela é um dos nossos processos fundamentais como espécie social, para que haja relação social. 

“A gente precisa ser capaz de se conectar o tempo todo com os outros para que a comunicação entre os indivíduos funcione e para que a gente possa se relacionar de maneira eficiente. Quando eu sei que você está de um jeito, eu me posiciono em relação a isso de uma maneira diferente, falo com você de um jeito diferente. E a partir disso que a gente tem inclusive emoções sociais, como a justiça, o altruísmo, a reciprocidade, entre outros”, pontua a neurocientista.

Portanto, esse contágio que muitas vezes é visto como algo ruim, tem na realidade o seu ponto bastante positivo. Mas, sabemos que isso interfere na nossa qualidade de vida, quando há situações, por exemplo, em que você se contagia com o estresse alheio e não pode simplesmente mudar de ambiente. O que é possível ser feito?

“O que transforma em algo negativo é quando se dá em uma frequência exagerada, que vai gerando desgaste do corpo, que não foi preparado para viver em sinal de alerta e sempre se defendendo. Esse contágio é disfuncional, porque a gente não está reagindo a uma ameaça concreta, a gente está reagindo ao medo de que algo possa acontecer. Essa capacidade dos humanos de antecipar problemas, que é uma vantagem num cenário de muita pressão, se torna negativa”, pontua.

Caminhos para não se estressar


É praticamente impossível em nossa sociedade não se estressar, ainda que momentaneamente. Inclusive,
nessa matéria te ensinamos como esse sentimento pode se tornar seu aliado, já que é muito difícil não senti-lo, ainda que sejam os microestresses, que também já falamos por aqui. Mas o que fazer em relação ao contágio, ou seja, uma carga emocional que nem sequer é sua? 

“No mundo ideal, se afastar do agente estressor seria o melhor caminho, então a primeira recomendação sempre é entender se você consegue cortar o contato com essa fonte de estresse. Se não for, você pode procurar meios de se adaptar, afinal, o ser humano é adaptativo e aquilo em algum momento deixará de ser estressante, porque você vive todo dia, da mesma forma que você para de sentir o cheiro do seu perfume ou para de sentir a roupa em contacto com o seu corpo. Como é frequente, a tendência do cérebro é que ele pare de prestar atenção”, diz Ana.

Se mesmo assim você não conseguir relevar, você pode tentar usar a inteligência emocional a seu favor, ou seja, mudar a sua relação com essa situação e entender o porquê do seu corpo estar reagindo tanto a essa “ameaça” que até agora não realmente te feriu. 

Entender que tudo aquilo não é real e até buscar respostas mais objetivas ao seu medo pode ser um caminho vantajoso nesse processo. A psicoterapia, nesse momento, é uma grande aliada nas releituras de situações que já estão impostas e talvez não mudem, mas demandam que você mude diante delas - como faziam os
estoicos, filosofia que te contamos melhor por aqui. 

Por fim, buscar formas de canalizar esse estresse e relaxar depois é a última dica. “Se eu tenho uma situação crônica de estresse, eu preciso inserir na minha rotina elementos relaxantes e prazerosos de forma que eu possa equilibrar a fisiologia do meu corpo que foi toda alterada, como um aumento de frequência cardíaca, por exemplo. O exercício físico ou qualquer outra atividade que você goste e que irá ocupar a sua mente, liberando toda aquela tensão acumulada, são bem-vindas aqui”, finaliza a especialista.

Agora, é só pensar no que você pode mudar na sua rotina e respirar fundo, pois a respiração, não se esqueça, também ajuda e muito nesse processo. O seu corpo é inteligente e venceu mesmo seus piores dias. É só uma questão de recalcular a sua rota!

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais