Para Inspirar

Descubra o tesouro dos supercentenários

Segundo pesquisas americanas em gerontologia, a partir dos 110 anos, quando um idoso ganha o título de supercentenário, mudam os gatilhos responsáveis pelo envelhecimento.

25 de Abril de 2018


A ciência descobriu uma espécie de barreira etária, a partir da qual a genética passa a ser mais importante do que a qualidade de vida no processo de envelhecimento. Segundo pesquisas americanas em gerontologia, a partir dos 110 anos, quando um idoso ganha o título de supercentenário, mudam os gatilhos responsáveis pelo envelhecimento. Assim vive mais quem tiver uma genética, digamos, especial, e não necessariamente hábitos mais saudáveis. Em 2012, foram identificadas combinações genéticas responsáveis por uma vida extremamente longa. “Isso significa que os genes estão desempenhando um papel mais forte do que a forma como as pessoas vivem para chegar a idades extremas”, diz Thomas Perls, diretor do Estudo Centenário da Nova Inglaterra, em Boston. Segundo ele, a genética tem apenas 20% da responsabilidade para um indivíduo chegar a ser um nonagenário, mas quando se atinge a barreira dos 110 anos, passa a valer mais a genética do que os hábitos. Ao pesquisar o genoma de 17 supercentenários, o grupo de Michael Greicius, professor associado da Faculdade de Medicina de Stanford, não encontrou nenhum gene específico ou variante dele que pudesse ser responsável pela vida extremamente longa. Em vez disso, identificou uma série de combinações vencedoras de genes, que protegem os supercentenários contra a maioria ou todas as doenças relacionadas à idade. “Não é tirar um cartão premiado, mas ganhar oito ou nove sorteios seguidos”, diz Greicius. Em outras palavras, os supercentenários podem conter a chave para tratamentos de doenças que matam a maioria da população, entre elas, problemas cardíacos e acidente vascular cerebral – responsáveis ​​por cerca de um quarto das mortes do mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde. Nas palavras de Greicius: “Os supercentenários escondem um tesouro genético.” Leia o artigo completo aqui .

Fonte: Anna Medaris Miller Síntese: Equipe Plenae

Compartilhar:


Para Inspirar

Por que a musculação é aliada do envelhecimento ativo

O exercício ajuda idosos a construírem não apenas força e massa muscular, mas também motivação e confiança

16 de Abril de 2019


A musculação pode ajudar idosos a construírem não apenas força e massa muscular , mas também motivação e confiança , revelou um novo estudo sobre os impactos emocionais do levantamento de peso. De acordo com os pesquisadores, pessoas que temem ser muito velhas para começar o treinamento de resistência talvez devam tentar, para ver como seus corpos e mentes reagem.

Há muitas evidências de que exercícios com pesos ajudam a envelhecer bem. Por volta dos 40 anos, a maioria de nós perde massa muscular, a uma taxa de cerca de 5% por década. Esse declínio precipita muitas vezes um longo declínio em direção à fragilidade e dependência.

Mas as pessoas mais velhas que levantam pesos podem retardar ou reverter essa descida, ao ganharem massa muscular e força, assim como melhor mobilidade, agudeza mental e saúde metabólica. Como parte de um estudo mais amplo sobre musculação e idosos, cientistas da Universidade de Jyvaskyla, na Finlândia, decidiram descobrir se a atividade mudaria a mente e a musculatura de pessoas que não haviam feito o exercício antes.

O estudo

Os pesquisadores recrutaram 81 homens e mulheres de 65 a 75 anos que eram saudáveis ​​e fisicamente ativos, mas nunca tinham praticado musculação. Os voluntários seguiram um treinamento de resistência supervisionado duas vezes por semana na universidade.

Depois de três meses, o grupo foi aleatoriamente designado para continuar treinando uma vez, duas ou três vezes por semana, enquanto um grupo separado, não treinado, serviu como controle. Periodicamente, os pesquisadores verificaram a força, o condicionamento físico e a saúde metabólica dos voluntários e também sua motivação em relação aos treinos.

Quase todas as pessoas que estavam levantando pesos ganharam força e melhoraram vários marcadores de saúde, mesmo que estivessem malhando apenas uma vez por semana. Após seis meses, os pesquisadores disseram aos voluntários que não podiam mais ter acesso às instalações da universidade. Eles forneceram informações sobre academias adequadas e de baixo custo na área. A partir de então, qualquer treinamento seria por conta do indivíduo.

Resultados

Um ano após o término do estudo, quase metade dos voluntários ainda levantava pesos pelo menos uma vez por semana. Os pesquisadores descobriram pouca correlação direta entre músculo e motivação. As pessoas que ganharam mais força ou massa muscular não foram necessariamente as mais propensas a aderir ao treinamento.

De acordo com Tiia Kekalainen, pesquisadora do projeto, as pessoas que gostaram e se sentiram capazes de completar uma sessão de treinamento de peso procuraram um novo ginásio, apesar de não receberem mais estímulos dos pesquisadores e de seus colegas voluntários.

A maioria dos voluntários também disse aos pesquisadores que o treinamento com pesos lhes proporcionou uma confiança renovada em suas habilidades físicas fora da academia. Kekalainen e seus colegas esperam, em estudos futuros, explorar as questões do que atraiu algumas pessoas para o levantamento e deixaram outras sem inspiração, e como rotinas de treinamento de peso podem ser estruturadas para atrair os céticos.

Fonte: Gretchen Reynolds
Síntese: Equipe Plenae
Leia o artigo completo aqui.

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais