Para Inspirar

Isabella Fiorentino em “Meu melhor amigo é Deus”

Na quarta temporada do Podcast Plenae - Histórias para Refletir, conheça a jornada espiritual da modelo e apresentadora Isabella Fiorentino

21 de Março de 2021


Leia a transcrição completa abaixo:

[trilha sonora] Isabella Fiorentino: Dizem que a gente vai pra Deus por amor ou pela dor. Eu fui pelo segundo caminho. A religião fazia parte da minha vida, mas eu me voltei de verdade a Deus, a Nossa Senhora, à oração e à meditação católica na minha gravidez. Ser mãe era tudo que eu mais queria na vida. Só que eu nunca imaginei engravidar de trigêmeos univitelinos! Eu passei a gestação em repouso absoluto, correndo um risco enorme de perder um, dois ou até mesmo os três bebês. Foi um período de muita introspecção e quietude, em que a fé se tornou a minha melhor amiga, minha companheira.  Geyze Diniz: A apresentadora Isabella Fiorentino sempre teve a fé como uma presença constante em sua vida. Mas foi durante a gravidez de seus três filhos que ela percebeu que mesmo quando a vida prepara alguns percalços a fé pode te manter no prumo com força e serenidade. Acompanhe o lindo relato da Isabella dividindo com a gente as suas percepções sobre espiritualidade e fé. Ouça no final do episódio as reflexões da especialista em desenvolvimento humano, Ana Raia, para te ajudar a se conectar com a história e com você mesmo. Eu sou Geyze Diniz e esse é o Podcast Plenae. Ouça e reconecte-se. Isabella Fiorentino: Eu venho de uma família católica praticante. Desde pequena, eu sou acostumada a agradecer a Deus, a rezar antes de comer e à noite. Em momentos difíceis, eu peço: “Deus, eu preciso da Tua ajuda”. E foi assim quando o meu irmão Fábio morreu de leucemia, aos 15 anos. Eu tinha 17. Ele era meu melhor amigo, a gente estudava na mesma escola, ficávamos juntos no recreio. Foi uma tragédia. Naquela época, eu já estava trabalhando como modelo e quis desistir da minha carreira. Eu só tinha vontade de ficar em casa com a minha mãe, com minhas irmãs e meu outro irmão. Até hoje, a religião é o que segura a minha mãe. E foi o que me deu gás pra voltar à vida.  Eu carreguei a espiritualidade dentro de mim durante toda minha carreira. Teve uma época que eu morei em Milão e dividi um quarto com várias meninas. Enquanto elas escutavam música pop, eu ouvia um CD do Padre Marcelo Rossi. Na época, ele tava começando a ficar famoso. As minhas amigas me zoavam: “O que que você tá ouvindo, Isabella!?” E eu falava: “Gente, eu amo!”. Eu realmente me sentia bem escutando música religiosa.  [trilha sonora] Com 20 e poucos anos, eu fui diagnosticada com anorexia. Eu não conseguia comer, eu não salivava e eu enxergava a comida como inimiga. Eu não queria ganhar peso, porque eu dependia daquele corpo magro pra trabalhar. O meu psiquiatra me ajudou muito quando perguntou qual era o maior sonho da minha vida. Eu disse, sem pestanejar, que era ser mãe. Ele falou que, com aquela alimentação dificilmente eu conseguiria engravidar. O alerta dele foi crucial pra eu querer me tratar.  Eu me curei com remédio e com terapia. Uns dez anos depois, já casada, eu tomei hormônios para ativar a ovulação, mas eu não engravidei. Eu estava numa época muito importante de trabalho, renovando um contrato muito bom com o SBT e falei: “Quer saber? Não é a minha hora de ser mãe”. Então eu desencanei e achei melhor esperar mais alguns meses. No momento em que eu desisti de tentar, não é que eu fiquei grávida… Eu descobri num teste de farmácia, mas eu pulava de alegria na hora e agradeci tanto a Deus pela realização daquele sonho. No primeiro ultrassom, eu já descobri que eu estava esperando trigêmeos univitelinos. Eu tinha uma placenta pra três bebês idênticos, um acontecimento raríssimo na natureza. A gestação fazia parte do meu sonho de ser mãe. Eu tinha vontade de apresentar o Esquadrão da Moda grávida, de falar sobre moda gestante, de exibir meu barrigão na praia... E eu sonhava, claro, com um parto natural. Só que saiu tudo diferente do que eu tinha imaginado.  [trilha sonora] Pra começar, a gravidez durou menos de seis meses. E no segundo mês, eu já entrei em repouso absoluto. Eu, que sou uma pessoa tão ativa, de repente tive que me ver numa cama. Eu só levantava pra ir ao banheiro e tomar um banho com a ajuda da minha mãe, claro. Eu me sentia fraca, com falta de ar, porque meu pulmão já estava sendo espremido pelos bebês. Na época, não tinha Instagram, nem um canal de comunicação que eu pudesse compartilhar o que estava acontecendo comigo. Eu passei muito tempo sozinha, porque embora meu marido, minha mãe, minha sogra e minhas irmãs ficassem comigo, todo mundo tinha suas coisas pra fazer. Deitada, em silêncio, eu me tornei mais introspectiva, mais reflexiva. Naturalmente, a fé aflorou dentro de mim e se tornou a minha maior companheira. Eu conversava com Deus e Nossa Senhora e perguntava: “Por que eu fui escolhida pra ser mãe de trigêmeos?” Na décima segunda semana de gravidez, eu fiz um exame e o médico disse que meus filhos poderiam ter síndrome de down. Tirando a morte do meu irmão, foi o momento mais difícil da minha vida.  [trilha sonora] Apesar de toda aquela angústia, eu me senti muito poderosa. Porque estava nas minhas mãos que esses meninos nascessem. Eu disse pros três dentro na minha barriga que eu seria uma mãe maravilhosa pra eles, não importava como eles viessem. A minha bolsa estourou com 27 semanas de gestação. Eram 3 horas da manhã, eu estava deitada, dormindo, quando senti o líquido vazando. Meus filhos nasceram às 6h da manhã. Mas, eu não consegui nem colocá-los no meu colo. Eu só vi as cabecinhas minúsculas e pretinhas passando bem rápido, porque eles foram levados direto pra UTI e entubados. O primeiro que chegou foi o Bernardo, com 1 kg, depois o Lorenzo, com 1,2 kg, e por último o Nicholas, com 800 gramas. Era praticamente um saquinho de açúcar. O meu marido estava muito emocionado e repetia: “Eles são muito pequenos, eles são muito pequenos”. Eles eram mesmo. Eles cabiam na palma da minha mão. Os três passaram 90 dias na UTI, um período que foi um grande teste pra minha fé. Porque imagina, eu tive três filhos, mas voltei pra casa sem nenhum deles. Eles foram meus companheiros durante a gravidez. Naquele momento eu me senti muito sozinha.  [trilha sonora] Eu ficava no hospital das 7h da manhã até meia noite. O Bernardo teve uma infecção e suspeita de meningite. O Lorenzo, com três dias de vida, sofreu uma hemorragia cerebral, por causa de uma pressão de ar no pulmão que estourou uma veia do lado direito do cérebro. Ele passou por uma cirurgia pra colocar uma válvula na cabecinha e o médico já avisou: foi uma hemorragia extensa, provavelmente, vai deixar sequela. E ele realmente ficou com um atraso motor.  [trilha sonora] Foi muito duro, mas naqueles três meses, eu nunca tive uma expressão de “não aguento mais, tô cansada ou coitada de mim”.  [trilha sonora] Eu falava: “Deus, não quero saber, eles têm que ficar bem, eu quero esses moleques na minha casa. Eu preciso deles comigo, não importa como nem com que sequela”. E foi Deus quem me segurou pra eu não enlouquecer e não perder as esperanças. Eu não fiz promessa, porque pra mim fé não é barganha: “Eu não como isso, você me dá aquilo”. O que eu faço são mortificações, que são rituais de oferecer a Deus algo que eu não goste de fazer e que eu precise fazer. Por exemplo, se eu preciso acordar muito cedo e não tenho vontade, eu falo: “Deus, eu ofereço esse sacrifício pra você, porque eu te amo muito”. Mas, sem esperar nada em troca. Eu aceito as coisas na minha vida como elas são, porque eu entendo que tudo é pra minha evolução. Se algo não sai conforme os meus planos, eu não me revolto, não reclamo, eu não fico perguntando o porquê. A minha pergunta é pra quê. O que eu posso fazer para tirar algo bom daquela situação?  Eu conheço muitas religiões e entendo um pouco a história da energia e da lei da atração. Eu concordo que é importantíssimo ter pensamento positivo, mas colocar na nossa conta tudo que acontece na vida, acho cruel. Na minha visão, as coisas boas e as coisas ruins podem acontecer com qualquer um de nós. A diferença é que a espiritualidade e a fé dão forças pra gente enfrentar momentos de dor, de dificuldade. E Deus pra mim é uma pessoa, que conversa comigo, que sabe o meu nome, que sabe todos os fios de cabelo da minha cabeça. Ele não é uma coisa, não é uma estrela, uma energia. Nos momentos de angústia com as crianças, fez uma grande diferença na minha vida ter uma pessoa ao meu lado, não uma energia.  [trilha sonora] Os meninos foram pra casa com uma semana de intervalo cada um. Primeiro, chegou o Nicholas. Mas eu sentia uma culpa enorme de ver um deles quentinho, no silêncio do berço, enquanto os outros estavam cheios de furos, fios e com um monte de apito no ouvido. Foram semanas de vai-volta, vai-volta de casa pro hospital. Eu tenho até uma foto de quando, finalmente, o Bernardo, o último a ter alta, chegou em casa. Foi um alívio! Aquele período difícil tinha definitivamente ficado pra trás. [trilha sonora] Eu sou muito fiel e grata a Deus. Espiritualidade é algo que se sente, não precisa ter explicação. Tem até aquela frase durante a missa, na hora da consagração, onde o padre diz: eis o mistério da fé. Várias coisas do catolicismo eu não entendo, mas eu não questiono. Eu converso com Deus em vários momentos do dia. De manhã, eu faço uma oração de agradecimento e oferecimento de obras. Ao meio-dia, eu rezo o Angelus, que é uma tradição que celebra o momento em o Anjo anunciou a Nossa Senhora a vinda do menino Jesus. Às 3 da tarde eu rezo o Terço da Misericórdia. E às seis da tarde, eu rezo o rosário. Eu não sou muito apegada a santo, amuleto, nem tenho superstição. Eu carrego o terço na minha bolsa só pra poder rezar sem perder a conta. Toda semana, eu participo da missa e também recebo em casa por volta de dez amigas para um grupo de oração. A gente reza o terço, medita e estuda a palavra sagrada com a ajuda da nossa diretora espiritual. Hoje, eu procuro transmitir a espiritualidade e a fé pros meus filhos de uma maneira bem orgânica. À noite, antes de dormir, faço uma atividade com eles que se chama exame de consciência. Primeiro, a gente reza o Pai Nosso, a Ave Maria e agradecemos pelo dia. Aí eu pergunto: “O que vocês gostariam de agradecer a Deus pelo dia de hoje?” Eles respondem e em seguida eu pergunto: “E o que vocês fizeram hoje que poderiam ter feito melhor?” E aí eles analisam as atitudes deles, como falar alto com alguém ou esquecer de agradecer antes de comer, por exemplo. Mas é um ensinamento leve e amoroso. E eu digo pra eles: Deus é teu Pai. Deus é teu amigo. Deus é amor. [trilha sonora] Ana Raia: A vida é uma experiência de movimentos e mudanças constantes. Fazemos muitos planos, temos grandes sonhos, muitas expectativas. Mas, a real é que muitos desses eventos são inesperados e inevitáveis. Alguns deles são bênçãos, outros pedem muito protagonismo e alguns nos tiram o chão e nos deixam sem ar. E esses, que muitas vezes são os mais difíceis de aceitar, muitas vezes nos tiram do caminho esperado e nos levam para onde realmente devemos estar. E a fé, quando escolhida pra lidar com essas situações, nos conecta com os mistérios da vida, traz compreensão, clareza, faz a ligação entre o conhecido e o desconhecido, nos aproxima do sagrado e nos motiva a continuar adiante. E a história de Isabella não foge dessa realidade. Segundo Immanuel Kant, que foi um filósofo alemão: "Avalia-se a inteligência de um indivíduo pela quantidade de incertezas que ele é capaz de suportar". Não podemos ter controle de tudo, mas podemos escolher como enfrentar o inesperado e a fé é uma dessas escolhas. A fé, não importa qual, tem o potencial de ser a ponte da travessia que nos guia com confiança até o desconhecido. E, no momento atual, frágil, incompreensível, em que prevalece a ansiedade e não linearidade dos eventos, a fé se torna uma ferramenta essencial em nossas vidas. Pois a fé é sobre isso, sobre acreditar e confiar. Segundo o escritor inglês William Shakespeare: "Há mais coisas entre o céu e a terra do que pode imaginar nossa vã filosofia". [trilha sonora] Geyze Diniz: Nossas histórias não acabam por aqui. Confira mais dos nossos conteúdos em plenae.com e em nosso perfil no Instagram @portalplenae. [trilha sonora]

Compartilhar:


Para Inspirar

Como funciona a imunidade?

Mecanismo natural do corpo humano, a imunidade se tornou assunto frequente e necessário em rodas de conversa. Entenda mais sobre o assunto.

27 de Janeiro de 2021


Em tempos de pandemia de covid-19, o vírus que já levou a vida de mais de 200 mil brasileiros e 2 milhões de pessoas no total do mundo, nunca estivemos tão de olho em nossa saúde. E quando falamos em doenças, sobretudo as virais, torna-se inevitável falarmos de imunidade!

Conversamos com a professora associada ao departamento de Imunologia da USP na intenção de voltarmos algumas casas: que tal entendermos de formas mais básicas o que é, como se dá e o que fazer para manter em alta a sua imunidade?

O que é?

Ela é um conjunto de respostas do organismo ao ambiente. Isso é verdade para uma série de coisas. No caso da imunidade, esse conjunto tem a ver com a nossa interação com outros organismos, que muitas vezes podem ser patogênicos, ou seja, podem causar doenças, mas também serem inofensivos.

O que faz?

A nossa imunidade estabelece e responde, com uma resposta agressiva ou não, a esses outros organismos. Às vezes o patógeno é mais inofensivo para o nosso organismo do que a própria resposta que nosso corpo dá, se ela for muito exacerbada. E às vezes já somos imunes ou possuímos tolerância à aquele patógeno específico.

Quais são as respostas do organismo?

Quando elas são visíveis, as respostas podem ser por exemplo uma febre em resposta a uma infecção. Mas, existem alimentos que consumimos todos os dias, ricos em bactérias, que não causam nenhuma reação no nosso corpo pois são contidos pela flora intestinal. Temos mais material genético de bactéria dentro de nós do que de matéria genética nossa, nós vivemos bem com ele e até precisamos que esse material exista.

Como educar o nosso organismo para receber bem o mundo exterior?

Interagindo com ele. É como a microbiota , que é “a soma de todos microrganismos que residem nos tecidos e fluidos humanos, composto principalmente de bactérias”. Essa interação com ela educa de fato nossa imunidade e faz com que nosso corpo ajude a definir o que é perigoso e o que não é o que vale a pena gastar energia para combater e o que não.

Como desenvolver a sua imunidade?

Com dicas bem semelhantes às que funcionam para qualquer outra função do seu corpo: boa alimentação, fazer exercícios e cuidar do sono. Interagir com o mundo exterior para educar o seu organismo também é muito importante.

O que faz bem para a imunidade?

Além das dicas anteriores, há fontes alimentícias específicas para estimular sua imunidade. Alimentos que possuem vitamina C são grandes clássicos nesse momento, como frutas cítricas e/ou vermelhas, vegetais verdes escuros, oleaginosas, tomate, grãos e comidas frescas em geral. Isso porque elas oferecem uma ação antioxidante para o seu corpo, que ajuda a evitar alterações metabólicas estressantes para seu organismo. “Trate a sua comida como seu remédio” e esqueça o exagero de tomar 1g de vitamina C.

O que faz mal?

Existem algumas coisas que são muito ruins para sua imunidade: ficar desnutrido, por exemplo, vai de fato gerar uma imunossupressão, ou seja, uma baixa nos seus mecanismos de defesa. Outra coisa importante nesse processo é se proteger de patógenos que atacam seus sistemas imunes, e isso pode variar de covid até casos mais severos, como o HIV. O Sarampo em crianças, por exemplo, destrói parte das células de memória que serviam para protegê-las de doenças que antes ela era imune. Pessoas em tratamento com drogas imunossupressoras, como quimioterapia ou radioterapia, combatem suas comorbidades diminuindo os sintomas por meio dessas medicações, mas limitando suas respostas imunes..

Quando ela está baixa, o que ocorre?

Consequentemente, suas células de defesa demoram mais a responder qualquer tipo de interação com o meio e com possíveis ameaças desse meio, que estão presentes diariamente em nossa vida. Algumas pessoas ainda apresentam maior suscetibilidade de ter infecções em determinados sítios, seja por uma questão anatômica ou genética. É o caso da Herpes, muito conhecida por ser um vírus latente que passa a maior parte do seu tempo inativo em nódulos do sistema nervoso. Mas, uma vez estressados, doentes ou somente descuidados, esse vírus volta e causa lesões externas. Há ainda quem tenha alta intercorrência de infecção urinária, intestinal e muitas outras.

Há como saber a potência da minha imunidade?

Existe o famoso teste do pezinho, feito no recém-nascido, para detectar se há um conjunto de características que podem gerar imunodeficiência, alterações genéticas que podem levar a pessoa a não responder muito bem a alguma doença. Já para adultos, é preciso  ir a um imuno geneticista clínico, que irá olhar os seus sintomas clínicos e pensar em alguns testes específicos que podem ser feitos para tentar identificar o que está acontecendo.

Pronto! Agora que você já sabe os caminhos necessários a serem percorridos para manter sua imunidade em dia, olha de colocar em prática. Não se esqueça de estar sempre atento ao seu corpo e seus movimentos. Ele é quem te dirá o quanto você deve se cuidar. Você já cuidou de si hoje?

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais