Para Inspirar

Nem a raiva diminuiu os efeitos positivos da felicidade

Os efeitos das boas e más emoções sobre a saúde e a longevidade ainda é objeto de muitas pesquisas científicas.

3 de Maio de 2018


Os efeitos das boas e más emoções sobre a saúde e a longevidade ainda é objeto de muitas pesquisas científicas. A raiva, o desprezo e a tristeza são capazes de trazer malefícios ao organismo? E a felicidade, a autoconfiança e a disposição influenciam de fato positivamente? Um estudo de mais de duas décadas, realizado por pesquisadores da Universidade de Bordeaux, na França, mostra que os sentimentos positivos estão associados, sim, à longevidade e os negativos não parecem ser um fator de risco à vida. Os pesquisadores Kamel Gana, Guillaume Broc, Yaël Saada, Hélène Amieva e Bruno Quintard examinaram as relações entre os componentes do bem-estar subjetivo – que mede o índice de satisfação da vida, uma mistura de sentimentos positivos e negativos – e a mortalidade por todas as causas em adultos mais velhos. A análise de tempo de sobrevivência foi aplicada aos dados de um grupo de 3.777 homens e mulheres, entre 62 e 101 anos, que foram avaliados dez vezes durante 22 anos. Fatores de pouca ou nenhuma variação (idade, sexo, linha basal da satisfação com a vida, diabetes e dosagem de colesterol) e fatores com muita variação (emoções positivas, emoções negativas, demência, autonomia e estado de saúde auto-avaliada) foram incluídos sequencialmente nas análises. Quando agregados ao modelo estabelecido pelos pesquisadores, apenas as emoções positivas mostraram associação com a longevidade em 95% dos entrevistados. Os benefícios persistiram mesmo quando interagiram com os negativos e ajustados com as condições médicas anteriores, estado funcional e auto-avaliação. As emoções positivas provaram ser um fator de proteção independente das variações negativas. Vejo o estudo completo aqui .

Fonte: Science Direct Síntese: Equipe Plenae

Compartilhar:


Para Inspirar

Angélica em “A simplicidade do propósito”

Na terceira temporada do Podcast Plenae - Histórias para Refletir, conheça a jornada de força, superação e busca pelo propósito de Angélica

6 de Dezembro de 2020


Leia a transcrição completa do episódio abaixo:

[trilha sonora] Angélica: O acidente de avião que sofri com a minha família em 2015 não foi único trauma da minha vida. Na verdade, a minha carreira artística começou por causa de uma experiência emocional que me abalou profundamente. Quando eu tinha 4 anos de idade, a minha casa, em Santo André, no ABC paulista, foi assaltada. Eu vi meu pai levar três tiros e me fechei. Não conseguia mais ver gente, nem sair de casa. Aí, minha mãe me levou no Programa do Chacrinha pra ver se eu perdia aquele medo. O resto vocês já sabem. Tudo na vida tem um motivo. Se por causa daquele primeiro trauma eu me descobri artista, por causa do segundo, eu descobri o meu propósito de vida.  [trilha sonora] Geyze Diniz: O Brasil viu ela crescer, amadurecer, casar e ter filhos diante das câmeras. Em 2015, depois de sofrer um acidente de avião com toda sua família, ela iniciou uma viagem pra dentro de si mesma e longe dos holofotes. E nessa jornada interna, a apresentadora Angélica descobriu um motivo mais forte para sua existência, um propósito de vida onde a simplicidade e o amor é o que importa. Ouça no final do episódio as reflexões da professora Lúcia Helena Galvão para ajudar você a se conectar com a história e com você mesmo. Eu sou Geyze Diniz e esse é o Podcast Plenae. Ouça e reconecte-se. [trilha sonora] Angélica: Eu, meu marido, nossos três filhos e duas babás estávamos voando de uma fazenda no Pantanal pro aeroporto de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Era dia 24 de maio de 2015. Quando eu percebi que tinha algo errado no motor, eu me desesperei. O Luciano, meu marido, conversava com o piloto, tentando entender o que estava acontecendo e eu gritei: "Pousa esse avião!". O Luciano virou para mim e disse: "A gente não vai pousar, a gente vai cair". Até o avião bater no chão, passaram-se uns 4 minutos com a certeza que todo mundo ia morrer. Eu chorava, as babás rezavam, as crianças gritavam. Só que enquanto a gente caía, no meio daquela barulheira, teve uns 3, 4 segundos, ou mais, eu não sei mensurar, de um silêncio coletivo, simultâneo e muito, muito confortante. Todo mundo entrou numa mesma frequência de paz coletiva. Foi uma experiência espiritual, energética. Eu acredito que, naquele momento, cada um se conectou com o seu interior e perdeu o medo, como se algo nos dissesse: “Olha, tá tudo bem”. A sensação que eu tenho é que antes da morte vem esse silêncio, essa paz, essa entrega. [trilha sonora] A gente se entregou. O avião quicou duas vezes no chão e ninguém se machucou seriamente. O dia 24 de maio ficou marcado na minha casa como uma data de renascimento coletivo. Meus filhos foram ao psicólogo pra superar o trauma e o Luciano fez três meses de fisioterapia pra tratar uma lesão na coluna. Mas a minha ferida foi na alma e ficou latente por meses, até se manifestar no ano seguinte. [trilha sonora] Em uma viagem com a família pra Nova York, eu estava andando na rua sozinha quando cheguei perto do Central Park e simplesmente travei. Não sabia se eu ia pra frente, nem pra trás. Comecei a sentir falta de ar, achei que ia morrer e comecei a entrar numa paranoia de que ninguém ia me achar. Liguei pro Luciano e ele foi me buscar. Eu conhecia aqueles sintomas. Aos 20 e poucos anos, fui diagnosticada com Síndrome do Pânico. Na época, o médico disse que eu precisava de remédio pra dormir, porque eu estava muito agitada e tinha que descansar. Eu trabalhava demais, não tinha tempo pra descansar, aceitei o remédio. Naquele dia em Nova York, eu pensei comigo mesma: “Opa, tá voltando aí uma história que eu conheço. Só que dessa vez eu não vou tomar nada”.


Comecei a buscar uma terapia que não fosse alopática e caiu no meu colo um documentário chamado The Connexion. O filme falava sobre a conexão do corpo e da mente. Tinha depoimento de pessoas que se curaram de doenças e entrevistas com pesquisadores e professores de Harvard e Stanford que tiravam o chapéu pra meditação. Pesquisei mais o assunto e descobri que realmente a cabeça da gente pode controlar muita coisa. Conheci a meditação transcendental e comecei a praticar todos os dias. Eu me dediquei muito à meditação e a exercícios de respiração, que na ioga se chamam pranayamas. Pra mim funcionou super. Por causa do pânico, eu tinha medo de sair sozinha, medo de ter medo. Mas, logo que eu identificava qualquer sintoma, como taquicardia ou suor na mão, eu começava a prestar atenção na minha respiração. Conforme eu fui me fortalecendo, eu fui ganhando força pra lidar com o meu medo. Até que eu consegui me curar da Síndrome do Pânico sem remédio. [trilha sonora] Durante essa jornada de autoconhecimento, eu tive mais uma surpresa. Ou melhor, um susto.  [trilha sonora]


Aos 43 anos, iniciou o meu processo de menopausa. Eu costumo dizer que eu queimei a largada na vida. Sabe quando você acelera antes da bandeirada? Tudo pra mim foi antecipado, até os hormônios. Eu acredito que a menopausa precoce é resultado da carga de estresse que eu aguentei desde muito cedo.  O tal machismo estrutural também passa por esse discurso de que a mulher não presta mais quando para de menstruar. Até alguns médicos agem como se você tivesse chegado no fim da linha e não houvesse mais nada pra ser feito. Não é verdade, existem tratamentos pra combater os sintomas.  Foi gostoso no começo? Claro que não! A menopausa tira o corpo um pouco do eixo, porque causa de uma mudança química. Mas como a meditação faz o contrário ou seja, coloca a mente no eixo , ela me ajudou a atravessar esse período de uma forma mais tranquila. Melhorou a insônia e me deixou mais equilibrada emocionalmente, pra não ficar tão nervosa ou triste, por causa da oscilação de humor. Algumas vezes, quando eu começava a sentir os tais calores, eu fechava o olho e começava a respirar. Pronto, aquele calor ia embora. Eu fui entendendo que a menopausa é um processo natural. E que o fim de um ciclo representa o início de outro. No meu caso, foi o início de uma fase melhor. Hoje, eu tenho experiência, maturidade, segurança com o meu corpo e um controle mental que eu não tinha antes da meditação. Eu posso não ter os hormônios bombando, mas com bons pensamentos eu sou capaz de influenciar muita coisa do meu corpo. [trilha sonora] Nesse processo de amadurecimento e reflexões, entre acidente, Síndrome do Pânico, meditação e menopausa, teve mais um elemento que contribuiu pra minha viagem interna. Entre 2018 e 2020, eu ganhei um presente inédito: um sabático de um ano e meio. Como eu trabalhava desde os 4 anos, o meu corpo físico e mental estava cansado. Ele precisava de ferramentas pra se restabelecer. Com a pausa, eu pude me conectar com coisas que eu nunca tinha reparado antes, como no meu silêncio. Foi nele que eu aprendi a me sentir confortável na minha pele, a ficar bem sozinha, a me conectar com a natureza. E apesar de ter sido uma loucura de bom, parar de trabalhar me deixou mais vulnerável, mais insegura, porque eu sou uma pessoa que sempre funcionou trabalhando. Essa vulnerabilidade de não saber muito bem onde me agarrar foi boa, porque eu descobri uma força em mim que nem eu conhecia. Descobri que a minha força está no sutil, no suave. Não tá na agitação, na loucura, no trabalhar, trabalhar. Essa serenidade que eu descobri dentro de mim me lembra aqueles segundos de paz na queda do avião. Na meditação, é exatamente aquela transcendência que a gente busca, com entrega total e ausência de medo. É o tal do Nirvana, uma sensação gostosa entre vigília e sono, como se você tivesse voltando de uma anestesia. Com o conhecimento que eu tenho hoje, eu arrisco a dizer que dentro do avião nós alcançamos essa sensação de transcendência coletivamente. [trilha sonora] Quando eu me sinto inteira, eu acabo refletindo isso pra minha família também. A gente vira um pontinho de luz quando tá pleno. E todo mundo ao redor fica melhor, mais tranquilo, equilibrado. Quanto mais eu me conheço, mais eu fico forte pra enfrentar o que vier. A graça da vida é essa também, né? Acontece alguma coisa fora do planejado e a gente tem que tá atento pra dar a volta por cima. Eu nunca gostei do papel de coitada. Meu lema é: “Vambora. Não deu certo? Levanta e vai”. [trilha sonora] O silêncio, a introspecção e a vulnerabilidade me fizeram refletir sobre algo que eu nunca tinha parado pra pensar: o que que eu quero a partir de agora? Eu sei que o meu trabalho foi importante pra divertir muita gente e que eu fiz parte da infância de um monte de pessoas. Isso é realmente bonito e eu sou grata pela minha história. Mas, além disso, no que mais eu posso contribuir? Qual é o meu papel aqui? Que legado eu vou deixar no mundo? Esses questionamentos resultaram no programa que eu faço hoje. O Simples Assim é a forma que eu encontrei de mexer com a vida alheia e provocar reflexões. Nesses anos de autoconhecimento, eu percebi que a necessidade que eu tinha de ouvir pessoas, debater determinados assuntos e me aprofundar em temas existenciais não era uma busca só minha. Eu pensei: “Com o programa, eu posso ajudar o outro a encontrar ferramentas pra ser mais feliz”. A gente tá vivendo um momento de tomada de consciência, uma nova era. As pessoas estão vendo que a felicidade está nas pequenas coisas e que a humanidade é o que une a gente. A proposta do programa é ter empatia, enxergar o outro, não julgar, se conectar com o próximo e ter uma sensação de pertencimento. Porque, embora cada um tenha o seu problema, no fundo todos temos questionamentos semelhantes. Eu sei que quando eu proponho reflexões sobre a vida vem um julgamento: “Ah, é muito fácil ela falar, porque ela tá no lugar do privilégio”. Sim, eu tô, mas esse privilégio não pode me cegar a ponto de eu não enxergar o outro e o meu entorno. Então, porque eu tô nesse lugar eu não vou fazer nada? Vou ficar presa sem poder dar a minha voz e a minha contribuição pra sociedade? Se a gente não olhar pro outro e não se identificar com ele, fica muito difícil viver.  Por isso, o programa não é sobre mim. Eu entro como ouvinte, aprendendo e dividindo com o público os meus anseios e as minhas curiosidades. Eu quero deixar algo que eu considero positivo pra uma, duas, três, vinte, mil, milhões de pessoas. Esse é o meu propósito. E se eu descobri qual é a missão, foi por causa dos percalços que eu tive até aqui. Por isso, para aquela Angélica amedrontada do dia 24 de maio de 2015, eu diria assim: “Você não sabe o quanto tudo isso que você tá vivendo agora e esse sofrimento que você tá sentindo vão te trazer coisas boas e alegrias na vida. Acredite: essa dor vai te conectar com o que realmente importa na sua vida. Chore menos, sofra menos e aproveite as experiências que vêm daqui pra frente, porque elas vão te levar pra um lugar lindo. A-pro-vei-ta e não deixa passar na-da!” [trilha sonora] Lúcia Helena Galvão: Ninguém discute que a Angélica ganhou do berço a beleza física, mas tudo mais ela teve que lutar para conquistar e construir por si mesma o mérito. O assalto presenciado na infância a levou para fora de casa, para encontrar a carreira de sucesso, a fama. Mas ainda havia outras coisas pelo caminho que tinham que levá-la para dentro de si mesma. A Síndrome do Pânico aos 20 e poucos anos de idade deu este recado pela primeira vez, mas ainda havia caminho pela frente antes de chegar a hora de acertar definitivamente o rumo. E esse segundo recado foi um professor bem violento, gritando a lição em seus ouvidos: a iminência da morte dela e de toda sua família no acidente de avião. E a resposta dada por ela foi de alto nível e digna de ser anotada, como uma receita, um modus operandi, com tudo para dar certo. Parar, encarar as angústias, confrontá-las e dizer: "até diante da morte dá para encontrar a paz, porque não agora?". Fazer as angústias se calarem, o medo se calar, criar silêncio e se encher de silêncio, saboreá-lo, depois dar a pausa necessária e reconstruir a vida por definição usando só os materiais consistentes testados pela maturidade conquistada. E aí, chega o ponto bom, onde tudo se compensa. Sou o que sou graças a todos os fatos da vida. Então ele não foram só negativos, não só levaram coisas, mas me deram muito. Grata e em paz com a sua história, ela está apta a começar a distribuir, a compartilhar. Hoje, Angélica é uma mulher madura. Agora, a beleza do corpo contagiou a alma e transborda pelos olhos doando-se generosamente. Agora, ela conquistou o carinho daquela criança que faltava cativar, dentro de si mesma.  [trilha sonora]

Geyze Diniz: Nossas histórias não acabam por aqui. Confira mais dos nossos conteúdos em plenae.com e em nosso perfil no Instagram @portalplenae.

[trilha sonora]

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais