Para Inspirar

Objetivo de vida é uma terapia contra estresse

O grupo de cientistas afirma que as pessoas com maior senso de propósito na vida tinham risco de morte diminuído em 20%.

22 de Novembro de 2018


Não está claro exatamente como o senso de propósito pode proteger o coração. Mas seus benefícios foram confirmados por um grupo de pesquisadores do Hospital Mount Sinai St. Luke's-Roosevelt, em Nova York. A pesquisa. Ao examinar a associação entre o propósito na vida e o risco de doenças cardíacas, foram analisados 10 estudos anteriores envolvendo 136 mil pessoas dos Estados Unidos e do Japão, com idade média de 67 anos. Depois de serem acompanhados por sete anos, mais de 14,5 mil dos voluntários morreram de causas diversas e 4 mil sofreram ataque cardíaco, acidente vascular cerebral ou outro evento relacionado ao coração. O grupo de cientistas afirma que as pessoas com maior senso de propósito na vida tinham risco de morte diminuído em 20%. Além disso, os que disseram que a vida teve significado também apresentaram menor probabilidade de serem vítimas de doenças cardíacas, de acordo com o estudo publicado no Journal of Biobehavioral Medicine. “Notadamente, desenvolver um objetivo de vida tem sido postulado como uma dimensão importante, proporcionando às pessoas sensação de vitalidade, motivação e resiliência”, diz o coautor do estudo Alan Rozanski. Proteção ao estresse. Mais pesquisas são necessárias para determinar exatamente como ter um senso de propósito na vida aumenta a saúde. Mesmo assim, acredita-se que seja um grande protetor do organismo ao estresse. Conclusões. “As implicações médicas de um firme sentido de vida recentemente chamaram a atenção da ciência”, acrescentou Rozanski. “As descobertas atuais são importantes porque podem abrir novos caminhos na promoção da saúde e do bem-estar”. Estimular as pessoas a ter um objetivo pode, sim, ser uma medida terapêutica considerada pela medicina. Leia o artigo original aqui . Fonte: Mary Elizabeth Dallas Síntese: Equipe Plenae

Compartilhar:


Para Inspirar

Exercício dá ao idoso imunidade de jovem

O bom condicionamento protege e fortalece o sistema imunológico de idosos, que passa a funcionar como se fosse o de um jovem de 20 anos

22 de Janeiro de 2019


Mais uma vantagem da prática exercícios físicos regulares. O bom condicionamento protege e fortalece o sistema imunológico de idosos, que passa a funcionar como se fosse o de um jovem de 20 anos. O estudo foi publicado na revista Aging Cell, da Sociedade de Anatomia do Reino Unido e da Irlanda.

Os pesquisadores analisaram 125 ciclistas adultos muito ativos, com idades entre 55 e 79 anos. Fizeram exames de sangue para marcadores de células T, que são conhecidas por ajudar o sistema imunológico a combater infecções. Eles foram comparados com pessoas da mesma faixa etária que não se exercitaram regularmente, assim como adultos jovens entre 20 e 36 anos.

De volta aos 20 anos
. A atividade das células T foi maior nos adultos ativos do que nos homens e mulheres inativos. E, surpreendentemente, chegou ao mesmo nível de atividade das células dos adultos jovens na faixa dos 20 anos. “O sistema imunológico diminui anualmente de 2% a 3%, a partir dos 20 anos. É por isso que os idosos são mais suscetíveis a infecções, doenças inflamatórias como artrite reumatoide e ao câncer”, disse a autora do estudo Janet Lord, diretora do Instituto de Inflamação e Envelhecimento da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, à rede de notícias BBC.

“Como os ciclistas voltaram a ter a imunidade de um jovem, isso significa que eles aumentaram a proteção contra todos esses problemas.” Os pesquisadores escreveram no relatório que o envelhecimento é um processo complexo, que envolve muitos fatores, como genética, meio ambiente e estilo de vida.  

Segundo eles, a atividade física ou inatividade pode ser um fator importante na maneira como envelhecemos e que o sistema imunológico pode funcionar muito bem, apesar da idade. O futuro. Janet pretende continuar os estudos com os ciclistas. “Nosso objetivo, dessa vez, será testar a função imunológica, principalmente a resposta à vacinação, como prova clínica do impacto benéfico da atividade física na terceira idade.”

Leia o artigo original aqui.

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais