Para Inspirar

Pense positivo, viva mais (e melhor)

Se você é uma pessoa que acorda todos os dias com sorriso no rosto, pode começar a comemorar.

12 de Dezembro de 2018


Se você é uma pessoa que acorda todos os dias com sorriso no rosto, pode começar a comemorar. Mais do que um estado de humor, o otimismo pode ser uma grande ferramenta para a melhoria da saúde em geral, mas principalmente de quadros crônicos. Apesar de os estudos serem de curto prazo, os resultados apontam que o otimismo promete transformar-se em novo alvo para pesquisas sobre estratégias de prevenção e intervenção voltadas à melhoria da saúde. Hoje, as campanhas de saúde pública para a diminuição de fatores de riscos prejudiciais ao estilo de vida são universais. Os estudos voltados à medição do impacto dessa diretriz deram atenção também a crescente identificação com os fatores do bem-estar psicológico positivo. Em particular, o otimismo – a expectativa generalizada de que coisas boas irão acontecer – foi associado à melhoria de condições crônicas de saúde. Técnicas de mudança de humor. Esse traço de personalidade é aproximadamente 25% hereditário. Mas se não for o estado natural, pode ser adquirido com ferramentas acessíveis. Trabalhos anteriores sugeriram que o otimismo está ligado a maior renda e educação. Indicam também que, se de um lado ele leva a atitudes positivas, o reverso também é válido. Esses dados foram recolhidos do Estudo de Saúde de Enfermeiras, um acompanhamento de longo prazo, iniciado em 1976, com 121,7 mil enfermeiras americanas, entre 35 e 55 anos, que responderam questionários sobre condições de saúde e hábitos de vida. Elas foram avaliadas a cada dois anos com o objetivo de medir a associação do otimismo com redutor de risco de mortalidade. Mais detalhes na matéria abaixo. Leia a pesquisa completa aqui . Falta amplitude nos estudos. Vale lembrar que a maior parte das pesquisas nesse sentido foram realizadas em grupos de doentes cardiovasculares, avaliando principalmente associações com morbidade e mortalidade. Daí, os resultados direcionados, como menor probabilidade de obesidade ou diabetes mellitus tipo 2 entre otimistas. Uma questão-chave a ser verificada é se o otimismo pode de fato estar relacionado a resultados mais amplos de saúde. Poucos estudos foram capazes de explicar uma ampla gama de variáveis ​​que podem confundir ou estar no caminho que liga o otimismo aos resultados de doenças.

Compartilhar:


Para Inspirar

Por que ganhamos peso no envelhecimento?

Saiba porque engordamos conforme os anos passam e como evitar quilos extras

31 de Outubro de 2019


Quando envelhecemos, manter o mesmo peso corpóreo da vida adulta pode ser um desafio, mesmo se comemos menos e nos exercitamos mais. Mas não desanime - é manter a forma com o avanço da idade. A obesidade já atinge 18,9% dos brasileiros, enquanto o sobrepeso afeta mais da metade da população do país (54%), de acordo com dados do Ministério de Saúde divulgados em 2018.

Trata-se de um grave problema de saúde pública, que eleva o risco de diabetes tipo 2, doenças cardíacas, derrames e certos tipos de câncer. Um dos motivos para ganharmos peso à medida que envelhecemos é porque perdemos massa muscular a partir dos 40 anos, de acordo com Donald D. Hensrud, professor associado de medicina preventiva e nutrição da Clínica Mayo, nos Estados Unidos.

Esse processo diminui a nossa taxa metabólica basal, ou seja, a queima de calorias em repouso. Quanto menor a taxa metabólica, menos calorias queimamos. Além disso, a atividade física espontânea e o exercício intencional também costumam diminuir com a idade, afirma Hensrud.

Jessica Murgueytio, nutricionista da Associação Médica Bethesda, nos Estados Unidos, concorda. “A primeira coisa que recomendo aos meus pacientes para emagrecer é treinar com pesos dois ou três dias por semana. Esses exercícios diminuem a perda de massa muscular associada à idade, chamada de sarcopenia”, diz ela. Murgueytio também sugere que seus pacientes associem essa rotina a um ou dois dias de exercícios cardiovasculares e caminhem 10.000 passos diariamente.

Alterações hormonais

O declínio da testosterona nos homens e do estrogênio e da progesterona nas mulheres também podem afetar o peso. No entanto, de acordo com Hensrud, é erro imaginar que as mulheres na pós-menopausa engordem mais que os homens. A diferença é que nelas o peso tende a se redistribuir mais rapidamente, em geral no abdômen. Murgueytio adverte que, se o exercício e a massa muscular diminuem, é importante compensar cortando calorias.

"Encorajo meus pacientes a controlar o tamanho das porções e ingerir alimentos menos calóricos, como frutas e vegetais, que ainda fornecem nutrientes importantes para a vitalidade e a prevenção de doenças”, aponta. A boa notícia é que o ganho de peso parece se estabilizar após meados dos 60 anos, em parte porque as pessoas costumam comer menos quando envelhecem, diz Hensrud. "Embora a atividade física provavelmente continue diminuindo ao longo da vida, a ingestão de energia [calorias] também tende a cair nos idosos."

Fonte: Por Marlene Cimons, para The Washington Post
Síntese: Equipe Plenae
Leia o artigo completo aqui.

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais