Para Inspirar

Quantos anos um estilo de vida saudável adiciona à longevidade?

Segundo estudo, mulheres ganham dez anos vida saudável, e homens, oito

27 de Janeiro de 2020


Diversos estudos nos lembram que, por mais desafiador que seja, seguir hábitos saudáveis ​​- comer direito, exercitar-se regularmente, não fumar, manter um peso saudável e controlar a quantidade de álcool ingerida - pode nos ajudar a viver mais. Mas anos extras de vida não são tão atraentes se alguns ou a maioria deles vêm acompanhados de doenças cardíacas, diabetes ou câncer.

Em um estudo de 2018, um grupo internacional de pesquisadores liderados por cientistas de Escola de Saúde Pública de Harvard descobriu que a adoção de cinco hábitos saudáveis ​​poderia estender a expectativa de vida em 14 anos para as mulheres e em 12 anos para os homens:

-  Adotar uma dieta rica em plantas e pobre em gorduras
-  Exercitar-se em um nível moderado a vigoroso por várias horas por semana
-  Manter um peso corporal saudável
-  Não fumar
-  Consumir não mais que uma bebida alcoólica por dia para mulheres e duas para homens.

Para acompanhar esses dados, os pesquisadores queriam saber quantos desses anos adicionais eram saudáveis, livres de três doenças crônicas comuns: doenças cardíacas, diabetes tipo 2 e câncer. Em um estudo publicado recentemente no periódico BMJ, eles relatam que um estilo de vida saudável pode realmente contribuir para anos extras de vida - e mais livres de doenças.

Os resultados sugerem que as mulheres podem estender sua expectativa de vida sem doenças após os 50 anos em cerca de 10 anos, e os homens podem adicionar cerca de oito anos a mais do que as pessoas que não têm esses hábitos. "É importante observar a expectativa de vida livre de doenças, pois isso tem implicações importantes em termos de melhoria da qualidade de vida e redução dos custos gerais de assistência médica", diz Frank Hu, chefe do departamento de nutrição da universidade e principal autor do artigo.

“Prolongar a vida útil não é suficiente, queremos estender o tempo de saúde.” Para descobrir esses padrões, os pesquisadores analisaram dados coletados de mais de 111.000 mulheres e homens dos EUA com idades entre 30 e 75 anos, entre 1980 e 1986. Os participantes responderam questionários sobre seus hábitos de vida e saúde a cada dois anos até 2014. Com base em suas respostas, cada participante recebeu uma pontuação de “estilo de vida” de 0 a 5, com pontuações mais altas representando melhor aderência a diretrizes saudáveis.

Os pesquisadores tentaram correlacionar essas pontuações com quanto tempo os participantes viveram sem doenças cardíacas, câncer ou diabetes. As mulheres que relataram seguir quatro ou cinco dos hábitos saudáveis ​​viveram em média 34 anos a mais sem essas doenças após os 50 anos, em comparação aos 24 anos para as mulheres que disseram não seguir nenhum dos hábitos saudáveis.

Homens que relataram cumprir quatro ou cinco dos hábitos de vida viveram em média mais 31 anos livres de doença após os 50 anos, enquanto aqueles que adotaram nenhum deles viveram em média mais 23 anos após os 50 anos. Hu diz que nenhum dos cinco fatores se destacou como mais importante que os outros; os benefícios em salvar as pessoas de enfermidades e em prolongar a vida foram semelhantes nos cinco.

Além disso, as evidências sugerem que as contribuições de cada fator são aditivas - o número de anos de vida livre de moléstias adquiridas aumentou com cada hábito saudável adicional seguido pelos indivíduos. "As pessoas não devem ser desencorajadas a adotá-las se acharem um ou dois fatores difíceis de seguir", diz Hu.

E como todos os participantes do estudo tinham mais de 30 anos, as descobertas também sugerem que "nunca é tarde para mudar", diz Hu. "É sempre melhor adotar hábitos de vida saudáveis ​​o mais cedo possível, mas mesmo adotá-los relativamente tarde na vida ainda trará benefícios substanciais à saúde mais tarde."

Fonte: Alice Park, para Time
Síntese: Equipe Plenae
Leia o artigo original aqui.

Compartilhar:


Para Inspirar

Os 5 países onde as pessoas envelhecem melhor no mundo

Uma grande pesquisa revelou em que lugares do mundo as pessoas estão envelhecendo melhor ou pior.

27 de Março de 2019


Uma grande pesquisa revelou em que lugares do mundo as pessoas estão envelhecendo melhor ou pior. Cientistas usaram dados de saúde de 195 países para criar um ranking baseado na incidência de 92 doenças e deficiências relacionadas à idade, como perda de memória e dor crônica. Cada país recebeu uma pontuação - conhecida como anos de vida ajustados por incapacidade, ou DALY - uma medida da perda de vida saudável à medida que as pessoas envelhecem. Para uma comparação mais aprofundada, os pesquisadores também determinaram os tipos de doenças que, em média, atingem a idade de 65 anos. Por fim, verificaram a idade da população de cada país quando começaram a sentir essas doenças. Há pelo menos 15 sinais de que seu corpo está envelhecendo mais rápido do que você. No ranking, o Brasil ficou na 62ª posição , atrás do Paraguai e à frente da ilha de Santa Lúcia, no Caribe. Confira os países onde as pessoas envelhecem melhor: 1. Suíça Os idosos mais saudáveis do mundo são os suíços, que obtiveram a melhor pontuação DALY. Neles, as doenças associadas aos 65 anos aparecem bem mais tarde, aos 76 anos. No Brasil, para efeito de comparação, os problemas de saúde comuns aos 65 anos se manifestam aos 67 anos. Razões: A Suíça tem uma pontuação quase perfeita do Índice de Qualidade e Acesso a Cuidados de Saúde (HAQ): 95,6 de 100. O HAQ mede o acesso dos cidadãos a cuidados de saúde de qualidade. Além disso, o país é um dos mais felizes do mundo, de acordo com o ranking de felicidade do Fórum Econômico Mundial, graças ao apoio social, alta expectativa de vida, liberdade de escolhas e baixos níveis de corrupção. 2. Singapura Como os suíços, os moradores da cidade-estado estão envelhecendo muito melhor do que a média mundial. Por lá, as enfermidades de um indivíduo de 65 anos surgem por volta dos 76 anos. Razões: Uma excelente assistência médica faz a diferença novamente. O governo de Singapura também incentiva a adoção de bons hábitos. Por meio do Programa de Refeições Saudáveis, pratos com ingredientes que fazem bem à saúde custam menos em muitos estabelecimentos. Contadores de passos são oferecidos gratuitamente à população, além de dinheiro e prêmios para aqueles que praticam exercícios. 3. Coreia do Sul e Japão De acordo com o estudo, sul-coreanos e japoneses podem retardar as dores e doenças do envelhecimento em cerca de dez anos. Razões: Japão e Coréia do Sul têm os níveis mais baixos de obesidade do mundo - apenas 3% e 5% da população, respectivamente, ante a média global de quase 20%, segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Os países também contam com taxas de doença cardiovascular abaixo da média, talvez influenciadas pela culinária tradicional, rica em peixes, saudáveis para o coração, e alimentos fermentados, que protegem o intestino. Okinawa, no Japão, é conhecida como uma das cinco Zonas Azuis , regiões do mundo onde as pessoas vivem até os 100 anos ou mais. 4. Itália Apesar do gosto pelo cigarro, os italianos ainda envelhecem mais devagar e com mais saúde do que a maioria dos outros cidadãos. Os idosos adiam as doenças associadas à idade quase uma década acima da média global. Razões: Como na Suíça, na Itália os cidadãos têm acesso a um bom serviço de saúde. A famosa dieta mediterrânea é outro ingrediente para a longevidade dos moradores da bota. O país é também berço do movimento “slow food”, que valoriza a comida caseira e a qualidade dos alimentos em detrimento da conveniência. Leia o artigo completo aqui . Fonte: Reader's Digest Síntese: Equipe Plenae

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais