Para Inspirar

Vida em família traz felicidade

Pastora americana revela que idosos associam os dias de maior felicidade à época de intensa convivência com a família

30 de Abril de 2019


Uma das características mais estranhas e maravilhosas do meu trabalho como pastora é que posso ser confidente e conselheira de pessoas em todas as fases da vida. Eu trabalhei com pessoas que têm o dobro e até mesmo o triplo da minha idade. Experiência como essa é rara.

As estruturas econômicas e força de trabalho são estratificadas. Como sou pastora, em uma comunidade com um grande grupo de idosos, interajo em geral com sexagenários, ou pessoas ainda mais velhas. Com elas, descobri a importância das famílias para a felicidade.

Entrei no meu trabalho supondo que eu, uma mulher coreana-americana, com pouco mais de 30 anos, não seria capaz de se conectar tão bem. Trata-se de um público de um contexto racial e cultural completamente diferente do meu. Não demorou muito para eu descobrir como estava errada. Todos nós temos alegrias, esperanças, medos e desejos que nunca vão embora, não importa quantos anos tenhamos.

Até recentemente, associei por engano profundos anseios e ambições à energia e ao idealismo da juventude. Minha suposição subconsciente e não examinada foi que os idosos transcendem esses desejos porque se tornam mais estoicos e sábios com o tempo. Ou o oposto: eles se desiludem com a vida e gradualmente perdem vitalidade.
Quando percebi inicialmente que minhas suposições poderiam estar erradas, comecei a pesquisar as vidas dos idosos.

Quem realmente eram e o que aprenderam na vida? Usando a minha congregação como recurso, entrevistei vários membros de 90 anos, com uma caneta, caderno, ouvidos atentos e uma promessa de manter todos anônimos. Eu não recuei, fazendo-lhes perguntas sobre medos, esperança, vida sexual ou falta dela. Felizmente, eu tive participantes dispostos. Muitos ficaram lisonjeados com meu interesse, uma vez que os Estados Unidos tendem a esquecer as pessoas à medida que envelhecem.

Comecei cada conversa perguntando se eles tinham algum arrependimento. A essa altura, eles viveram o suficiente para olhar a vida sob vários ângulos. Sabia que as respostas seriam significativas. A maioria de seus arrependimentos girava em torno da família. Eles desejavam relacionamentos – seja com os filhos ou entre os filhos – de forma diferente.

Essas fraturas emocionais, eu podia ver no rosto deles, ainda lhes causavam muita dor e tristeza. Uma das minhas entrevistadas tem dois filhos que não se viram ou se falaram por mais de duas décadas. Ela lamentou que isso, entre todos os erros e arrependimentos, fosse a única coisa que a mantinha acordada durante a noite.
Então mudei para os momentos mais felizes da vida.

Todas as viúvas relembraram uma época em que os cônjuges ainda estavam vivos e os filhos eram mais jovens e moravam em casa. Como uma jovem mãe ocupada e trabalhadora que frequentemente fantasia sobre os prazeres distantes e imaginários da aposentadoria, eu rapidamente respondi: “Mas aqueles não foram os momentos mais estressantes da vida de vocês?” Todos concordaram que sim, mas apesar disso, não tinham dúvida de que foram também os mais felizes.

Fonte: Lydia Sohn / Medium
Síntese: Equipe Plenӕ
Leia o artigo completo aqui 

Compartilhar:


Para Inspirar

Geraldo Rufino em “Um catador de sonhos”

Na quarta temporada do Podcast Plenae - Histórias para Refletir, conheça o propósito e a perseverança do empresário Geraldo Rufino

18 de Abril de 2021


Leia a transcrição completa do episódio abaixo:

[trilha sonora]

Geraldo Rufino: O meu propósito não mudou com o passar do tempo. Eu saio de casa de manhã com o mesmo propósito que eu saía aos 8 anos de idade pra ensacar carvão: que é ajudar as pessoas a melhorar a vida.

[trilha sonora]

Geyze Diniz: O empreendedor Geraldo Rufino é o que se pode chamar de self-made men. Ele teve uma infância pobre, perdeu a mãe aos 7 anos, aprendeu a ler aos 12, mas venceu todas as adversidades da vida e construiu uma carreira de sucesso. Hoje, além de empresário, ele é palestrante e influenciador nas redes sociais. Nessa temporada, o Geraldo conta porque a motivação de ajudar os outros sempre o levou a um degrau mais alto na sua história. Ouça no final do episódio as reflexões da especialista em desenvolvimento humano, Ana Raia, para te ajudar a se conectar com a história e com você mesmo. Eu sou Geyze Diniz e esse é o Podcast Plenae. Ouça e reconecte-se. [trilha sonora]

Geraldo Rufino: Eu nasci em Minas Gerais. Mãe, pai, mais 8 irmãos. Aí perdemos a roça, morávamos numa causa de pau a pique e precisávamos ir pra algum lugar. Viemos para São Paulo, porque se imaginava que era a cidade da oportunidade. Aqui, eu descobri que a oportunidade estava dentro de cada um de nós. Nos instalamos numa casa de uma tia, ficamos lá por dois dias. Viemos pra cá porque tinha uma tia, nos instalamos lá por dois dias. No terceiro dia, ela não tinha condição de dar estrutura para tanta gente, agradecemos e fomos morar em uma favela. Nessa favela, nós percebemos que era um ambiente de oportunidades e lá nós começamos a lidar com o que tinha pra hoje, aprender a acompanhar as coisas boas e estava tudo lindo, eu era muito feliz. Tinha uma família unida, minhas irmãs foram trabalhar de domésticas, minha mãe era diarista, cuidava muito bem da gente. E ali eu aprendi uma coisa que minha mãe passou pra gente muito forte, que é o que me conduziu até aqui. Minha mãe me passou valores, muito forte nos valores. Mesmo morando num barraco de chão batido, não era problema, mas a minha vida era linda até os 7 anos e meio quando eu perdi a minha mãe.  [trilha sonora] Meu pai, do nada, veio com a notícia de que minha mãe havia falecido. Eu demorei um pouquinho para entender essa coisa da morte, como se perde a mãe, essa coisa de perder a mãe, a mãe morreu. Como assim? Ela era minha guia, minha bússola, minha direção, a deusa da minha vida. Eu decidi que, em homenagem a minha mãe, eu ia ser realmente importante e para consolidar essa importância eu fui arrumar um trabalho pra fazer a diferença, pra ajudar a minha família. 

[trilha sonora]

Arrumei um trabalho para ensacar carvão. Eu tinha 8 anos de idade, mas o espírito era de empreendedor. Eu queria ser importante, eu queria levar alguma coisa interessante para casa, meio salário, o que eu conseguisse ganhar. Então eu trabalhava de forma, que não era exaustiva, muito forte não, porque eu tinha paixão pelo que eu fazia. Então eu acabava não cansando e eu consegui ajudar meu pai e meus irmãos. Ali, foi meu primeiro trabalho. Trabalhando no CNPJ de alguém, mas com espírito de empreendedor. Como eu costumo dizer, Deus não sacaneia ninguém. Ali, eu achei uma oportunidade pra ir para um trabalho melhor. Eu fui catar latinha, catar latinha no aterro sanitário, e lá se achava tudo além das latinhas. E ali, eu gerei uma oportunidade de começar a empreender pra mim. Eu fiquei fazendo isso dois anos. Ali eu cresci, ali eu comia, dormia e ali eu consegui ganhar dinheiro. E aí, estava tudo indo muito bem, quando novamente eu perdi o dinheiro porque eu enterrava o dinheiro, alguém desenterrou, passou uma máquina no terreno que eu enterrava o dinheiro e eu tive que começar de novo. Comecei pedindo, comecei  trabalhando na feira, vendendo limão. Aprendi a vender, aprendi a lidar que todo lugar tem oportunidade para ganhar alguma coisa. Continuei usando os ensinamentos da minha mãe, continuei blindado nos meus valores, entendendo que se você trabalhar 14 horas por dia, não tinha pobreza que resistisse a isso. E eu fui fazer isso. Eu continuei fazendo isso exaustivamente durante um bom tempo, até que eu consegui uma oportunidade de, novamente no CNPJ de alguém, empreender.

Eu fui trabalhar de office boy numa multinacional. Olha, lá eu entrei como office boy, mas com espirito empreendedor. Ali, eu comecei criar oportunidades, as portas foram sendo destrancadas, eu fui abrindo, empurrando e, com 15 anos, eu consegui ser líder de um departamento indicado pelo meus líderes, pelos meus patrões que passaram a ser meus mentores. Me deram direção.

Eu olhava meu chefe e meu mentor e eu conseguia enxergar neles uma extensão da minha família, dos meus professores. Aprendi a ouvir e eu prossegui nesse endereço, nesse lugar, por quase 20 anos. Tempo suficiente de eu ir de office boy a diretor de uma multinacional, mas sem deixar a referência dos meus valores, sem deixar de ser solidário, de ajudar os outros. Assim eu comecei a ajudar minha família.

[trilha sonora]

Família. Família pra mim é a base de tudo. Ali começa tudo. Irmãos, os meus, extensão dos irmãos, o lugar que trabalha, as pessoas que você convive. Ali eu sempre lidei facilmente com os diferentes. Decidi ir descobrir muito cedo que as pessoas eram boas, só eram diferentes. Então pra minha vida ficou muito fácil e eu comecei a entender que os tempos não eram difíceis, os tempos eram diferentes. E eu me ajustava a cada tempo que chegava e começava a entender que o problema que acontece é menor que você. Eu nunca tive um problema maior que eu.

[trilha sonora] E aí, eu consegui com isso ajudar meus irmãos. Meus irmãos se fortaleceram. Nós somos em 150, todos nós somos empreendedores. Nós ajudamos uns aos outros. E, junto com essa ajuda emocional, a sensação de segurança que você pode contar com mais alguém, eu fui constituindo e fortalecendo a base. A base é a família. Ali começou meu empreendedorismo, começo meu networking, a minha relação. Abri um negócio pra ajudar meus irmãos, os meus irmãos partiram pra outra e aí eu fui cuidar do negócio pra proteger o emprego das pessoas que estavam lá. E ali, eu comecei a desenvolver o que eu já vinha fazendo lá atrás: me dedicando, focando com o mesmo propósito. Todos os dias querendo sair de casa de manhã pra fazer a diferença pra mais alguém. Todos os dias entendendo que eu podia contribuir, que eu podia fazer a diferença pra mim, pra minha família, pra extensão da minha família - que era o lugar que eu trabalhava - e, por consequência, pro meu país. A cada crise que aparecia eu aprendia. E na próxima, eu subia um degrau a mais. Quando eu tinha problema financeiro, aquilo eu usava como vivência, experiência, aprendizado. Eu colocava no retrovisor, e aí eu conseguia olhar no retrovisor e ao mesmo tempo eu percebia que é no para-brisa que está a vida. Então, todas as crises, tudo que aconteceu comigo durante todo este período, inclusive o que acontece na nossa atualidade, eu olho no retrovisor e eu vejo que tudo cabe no retrovisor. Eu passei a olhar para o para-brisa. Eu comecei a entender que eu só precisava estar aqui pra recomeçar. Eu só precisava que começasse ter oportunidade de mais um dia, que foi o que eu aprendi com a minha mãe quando lá atrás, que quando o sol iniciava de manhã a luz entrava no barraco e a mamãe dizia que eu tinha que ter gratidão pelo privilégio de mais um dia.  [trilha sonora] O tempo passou, eu mudei de endereço, a luz entra na minha veneziana e eu agradeço o privilégio de mais um dia. E graças a isso eu consigo todos os dias sair de manhã com o máximo da gratidão. Eu consigo levantar e servir um café pra mulher na cama. Você sabe como chama isso? Network. Meu network começa dentro de casa. O meu empreendedorismo começa dentro de casa, meu relacionamento, a conquista do outro. Ninguém faz nada sozinho, nós precisamos do outro e o outro você conquista com quem tá a sua volta. Eu tenho muita fé. Eu entendo que Deus está dentro de cada um de nós. E a hora que você encontra seu semelhante - precisou vir uma pandemia para as pessoas perceberem que nós somos semelhantes -  e a hora que você encontra seu semelhante, você percebe que Deus tá nele também. Então eu gosto de tocar, de falar, de dar um abraço, de conviver com os diferentes, entender que o Deus que bate aqui, bate lá. Isso vai melhorando, vai deixando a minha vida leve e cada dia eu vou assumindo mais a responsabilidade e fortalecendo meu propósito que é ter resistência, resiliência natural que tem dentro de cada um de nós. Então todos os dias eu me reforço e começo de novo. Volto pra casa, carrego as baterias no colo, na base, onde tá minha melhor energia, na família. Essa energia tá dentro de cada um de nós. [trilha sonora] E eu ganhei um presente, gente, quando você fala de valores. Eu tenho um pedaço da minha história que faz parte dos meus diamantes. Eu sou casado, muito bem casado, tenho a mesma namorada faz 40 anos. Eu tenho dois filhos homens e eu queria ter um terceiro filho e não podia mais. Mas olha que interessante quando você exerce seus valores, tem solidariedade, olha todo mundo com positividade e olha para o para-brisa. Eu quis ser solidário e ajudar uma criança num determinado período da minha da minha vida. Eu tinha tudo, já tinha dinheiro, já estava tudo certo, mas parecia que estava faltando uma coisa e eu tentei ajudar uma pessoa que estava numa situação muito difícil. Nasceu debaixo de uma ponte, estava com problema de saúde, internada, uma criança, um recém-nascido, prematuro. Eu quis ajuda e por tentar ajudar, usei todos os métodos, todos os relacionamentos que eu tive até conseguir ajudar. Quando eu fui tentar resolver, eu queria aquilo pra mim. E disseram: "Olha, pra você conseguir resolver, você precisa ser candidato a adoção". Ali eu ganhei meu terceiro diamante, minha filha. Um dos meus melhores presentes. Eu não fiz com essa intenção, mas eu ganhei um presente divino que completou o meu propósito que é: ser feliz e fazer diferença para que o outro possa ser também. Que é ser feliz e impactar o maior número de pessoas a olhar para dentro e perceber a quantidade de ferramentas que cada um de nós temos com sobra pra ser feliz, ser forte, ser flexível e ainda fazer diferença pra impactar e melhorar a vida de mais alguém. Ser locomotiva e assim nós vamos fazendo diferença e transformando nós, a família, a  nossa sociedade, o lugar que nós vivemos, o nosso país, a humanidade à medida que cada um de nós tira de dentro pra fora. Atitude, iniciativa, determinação, propósito de fazer diferença pra impactar a vida dos nossos semelhantes.  [trilha sonora] Ana Raia: Estamos na era do propósito. Mais do que nunca, as pessoas buscam vidas com significado, tempo de qualidade com seus próximos, saúde, fazer a diferença na vida das pessoas e deixar um legado. A métrica de sucesso mudou. Apenas segurança, status e poder não dão conta de preencher os corações de quem tem a consciência expandida. E Geraldo é assim, ele é uma dessas pessoas que tem uma visão do mundo que transcende a realização pessoal. Ele é fiel ao propósito de ajudar as pessoas e fazer a diferença em suas vidas. Leva uma vida coerente, íntegra, com total conexão entre seu mundo interior e o mundo exterior. Suas ações seguem seus valores, ele é fiel a sua essência. Frente a grandes perdas, emocionais e financeiras, ele nunca se permitiu parar. Geraldo fez e faz a sua travessia sem se intimidar com os obstáculos que a vida lhe traz. Prevalece o esforço aos talentos e usa o pensamento positivo e a fé como aliadas. E agora eu te pergunto: você sabe quais são os seus valores? Você tem coragem de honrá-los e segui-los? Quais são os valores que você vivencia em seu dia a dia? Quais são os valores que você negligencia? Que possamos usar a história de Geraldo para nos inspirar em nossa travessia. Que haja mais gratidão, mais solidariedade e mais vidas comprometidas com os seus propósitos.  [trilha sonora] Geyze Diniz: Nossas histórias não acabam por aqui. Confira mais dos nossos conteúdos em plenae.com e em nosso perfil no Instagram @portalplenae. [trilha sonora]

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais