Entrevista com

Geyze Diniz

Idealizadora do Plenae

O aprendizado diário da maternidade - por Geyze Diniz

9 de Maio de 2020



Empresária, amiga, esposa, filha, mãe. Quantas tarefas cabem em uma só mulher? Essa é a realidade da maior parte delas, que diariamente exercem diferentes tarefas e funções, funcionando como os pilares de sustentação de suas famílias. Esse é o caso de Geyze Diniz. Idealizadora do Portal Plenae e personagem do nosso #PlenaeEntrevista especial Dia das Mães, ela responde no nosso bate- papo como foram suas descobertas, medos e acertos enquanto mãe e indivíduo ao longo dessa trajetória. Confira! 

Você sempre quis ser mãe? Sim, sempre tive esse desejo. Desde criança, como a maioria das meninas, adorava brincar com bonecas considerando-as como filhas. Lembro-me de fazer festas de batizados para elas. 

Como é o seu relacionamento com a sua própria mãe? Maravilhoso. Minha mãe sempre foi muito carinhosa e muito presente em minha vida. Ela é a base do meu amor. Esse exemplo se reflete em como exerço amaternidade. Tenho lembranças fortes da minha infância com minha mãe que tentoreplicar com meus filhos, como fazer as refeições sempre juntos. 

Como foi o nascimento da Rafaela? Foi diferente quando o Miguel nasceu? O nascimento de um filho é o melhor presente que podemos ter nesta vida. É indescritível a sensação de gerar uma vida. Minhas duas gestações foram ótimas e saudáveis. Levei uma vida normal, trabalhei o tempo todo, fiz ginástica e felizmente, não tive enjoos. 

Até o nascimento da Rafaela você trabalhava, como foi a decisão de parar? Foi difícil? O que norteou sua decisão? Sempre trabalhei muito e quando a Rafa nasceu, quis muito me dar o tempo para viver a maternidade. Então foi fácil tomar a decisão de fazer um sabático maternal e decidi ficar, o que no começo eu dizia, um longo período de um ano. Mas quando este um ano estava acabando, vi que queria viver mais daquelas experiências e situações. 

Como e quando decidiu voltar? Precisei voltar para algumas questões de trabalho e consegui equilibrar meu tempo entre ela, o trabalho, o Abilio, a casa, meus hobbies, minha família e amigos. Não é tão simples pois dizem que quando nasce uma mãe, nasce uma culpa. Talvez antes de ter filhos isso não significava nada pra mim, mas depois fez todo sentido. Por mais que nos dediquemos aos nossos filhos, muitas vezes fica uma sensação que foi pouco, que eles dependem muito de nós e que, quando não estamos ali, eles estão “abandonados”. Mas a maturidade vai nos mostrando que precisamos sim ter uma atenção a nossos filhos com muito afinco, mas não abandonar os demais papéis que desempenhamos na vida, senão, temos grande chances de sermos infelizes e nos sentirmos culpadas. A culpa está dentro de nós. Não tem filho nenhum que nos atribui isso. 

Você acha que o período que você ficou com eles, fez diferença nodesenvolvimento deles? Muita porque certamente entreguei meu amor. E isso, não tem livro nenhum que ensina. É muito nato. Sou o tipo de mãe que está presente mesmo trabalhando muito, que ouve, ajuda, brinca, abraça, beija e diz o tempo todo: eu te amo.Além do sabático, fiz viagens com cada filho em determinado momento da vida. Sempre adoramos viajar e fazer uma viagem com cada filho seria uma oportunidade divertida e gostosa de estreitarmos ainda mais os laços e viver momentos nossos. Também foi uma oportunidade que tive de viver mais intensamente um filho de cada vez. A primeira viagem com a Rafa foi aos 7 anos dela e fomos para Londres. A segunda fomos a NY e ela estava com 10. Com Miguel fomos à Madri quando ele tinha 7 anos. E de todas as viagens, temos ótimas lembranças e é muito comum lembrarmos delas. 

Como chegaram ao consenso de um destino - ele foi escolhido com base no quê? A escolha do destino foi pensando neles. No caso da Rafa, Londres era porque tinha atrações para crianças e era uma cidade nova para ela. NY já veio por ser uma cidade cosmopolita, com museus, teatros, shows, parques…Miguel tinha como objetivos uma cidade onde tivesse zoológico e pudéssemos assistir a um jogo de futebol. Vimos Real x Atlético de Madri, onde neste último jogava o Griezmann, jogador favorito dele. 

O que descobriram juntos nessa viagem? Que é maravilhoso o convívio a dois, que temos tempo para nos divertir, para conversar, para conhecer melhor o que o outro pensa, para cuidar da relação e da individualidade, para rir, para educar… Enfim, esse é um programa que assim que pudermos, voltaremos a fazer. 

Quais são, na sua opinião, os principais desafios da maternidade? Educar. Não tem um manual técnico de como educar filhos e vamos aprendendo à medida que estamos vivendo cada situação. E cada filho é único, com suas personalidades, gostos, afinidades, desafios… Isso é o que mais me fascina, pois aprendo com eles o tempo todo. O segredo é ter uma boa relação com eles,baseada no amor, no respeito, na transparência. Em casa sempre tivemos um lema: “A verdade, por pior que ela seja. Nunca mentiras.” E com isso, abrimos o canal para conversas sinceras e abertas, que só é possível por termos liberdade e intimidade. Mas elas só são alcançadas quando há confiança nas duas vias. Por fim, é uma benção divina ser mãe. Gratidão a Deus por me permitir dois filhos tão amados, crianças felizes e do bem. 

Como é a distribuição de papéis em casa, mãe e pai? No dia a dia eu decido e resolvo muitas coisas, mas sempre que a questão é mais ampla, envolvo o Abilio e pensamos juntos. 

O que você enxerga de diferente, tanto em desafios quanto em benefícios, com o decorrer da idade dos filhos: vai ficando mais fácil? Como é vê-lostomando suas decisões cada vez mais sozinhos? É maravilhoso ser mãe e o aprendizado é diário, em cada fase da vida deles, apreciando que cada um é de seu jeito. Está ficando mais fácil no sentido da independência. Está mais gostoso também pelo tipo de conversas que temos. Nos surpreendemos diariamente com o que eles nos trazem conforme o avanço da idade. Estão cada vez mais companheiros nossos.

Compartilhar:


Parada obrigatória

Autoconhecimento: você está comprometido com essa jornada?

O que foi falado no Plenae em março

29 de Março de 2022


Março passou e levou com ele o verão e muitas boas histórias. É tempo de outono e de renovação, sem nunca abrir mão de bons conteúdos e comprometimento com a nossa jornada pessoal de autoconhecimento. Como o Plenae contribuiu para tudo isso nesse mês? Te contamos!

Seguimos com a sétima temporada do Podcast Plenae e, inspirados pela história de amor e devoção de Eduardo Foz e seus animais, fomos investigar quais são os aprendizados que a natureza nos traz. Meio ambiente, aliás, é assunto recorrente por aqui, pois acreditamos demais no poder que ele exerce sobre nós.

A quarta participante do Podcast Plenae foi Maha Mamo, representando o pilar Contexto. Você já se imaginou em uma situação na qual você não possui documentos e, portanto, é invisível diante dos olhos da justiça? Foi o que a ativista passou por décadas de sua vida, até vir ao Brasil e ser enfim reconhecida como ex-apátrida, tendo agora uma nação para chamar de sua. 

 
Isso aguçou uma velha pergunta, tão velha quanto a história da civilização: o que é liberdade, afinal? Para a filosofia, há uma resposta, para a religião, outra. Para a sociologia e para a constituição, há maneiras distintas de responder essa pergunta, e para cada um de nós, cabe uma interpretação pessoal. Venha conferir algumas respostas que chegamos no nosso artigo.

Caminho para o fim da temporada, nos emocionamos com o relato da jornalista Barbara Gancia, hoje ex-alcoólatra e vencedora dessa batalha tão árdua contra o próprio corpo e seus vícios. Se hoje ela representa o pilar Relações, isso é porque sua família e sua rede de apoio foram fundamentais para que ela conseguisse ultrapassar essa jornada e viver hoje a sua melhor fase.

É difícil achar quem não goste de um bom drink. O álcool é substância legalizada no país e, mais do que isso, incentivada socialmente em grande parte dos ambientes. Mas o que ele causa dentro do nosso corpo? Explicamos os caminhos que ele toma dentro de nós a partir do primeiro gole e quais são os malefícios a longo prazo.
Encerramos essa temporada do Podcast Plenae com o pilar espírito sendo lindamente representado pela administradora Deborah Telesio. Em uma viagem de férias aparentemente normal para Indonésia, ela acabou vivenciando a experiência mais desafiadora e transformadora de sua vida: estar no mar no momento do tsunami, em 2004.

Para enfrentar essa gigantesca onda e todos os eventos que sucederam a tragédia, ela, que é judia, pôde contar com a ajuda fundamental de um grupo de árabes, provando que a força do bem ultrapassa qualquer barreira religiosa. Além disso, ela relembra momentos sobrenaturais nos quais ela teve a certeza de ter sido amparada por forças sagradas. 

Se a força da fé é tamanha, qual é o seu papel na manutenção de um trauma? Contamos para você nesse artigo, que retoma os movimentos da espiritualidade em nosso cérebro e como isso pode nos ampara sobretudo em uma situação de estresse pós-traumático - que também te contamos como ele funciona!

 

Perto de terminar março, contamos para você as novas formas de ser saudável, com direito a entrevista com as fundadoras da Simply Well, uma empresa que está de olho nessas tendências. Por fim, te demos dicas valiosas de como manter o seu ambiente organizado e, assim, reduzir o seu estresse e melhorar sua qualidade de vida.

Abril está para começar, com a certeza de que será mais uma oportunidade para repensar nossos hábitos e ir em busca de nossas melhores versões. Você está preparado? Conte com os nossos conteúdos para tornar esse mergulho ainda mais suave. Nos vemos em breve!

Matérias que você não pode deixar de conferir
Como a meditação altera o formato do cérebro?
Desmistificando conceitos: o que é a Síndrome de Domingo
Como manter um novo hábito mesmo sem se sentir motivado?
Como a primeira infância reverbera no adulto?

Nossa frase do mês para você refletir

E ai, gostou da nossa news? Tem alguma sugestão de melhoria?
Conta pra gente no news@plenae.com 

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais