#PlenaeApresenta: Walter Orthmann, o trabalhador recordista

Aos 96 anos, o gerente comercial ostenta o recorde de 8 décadas trabalhando em um mesmo lugar – e diz que nem pensa em parar

“Enquanto eu tiver saúde, continuarei trabalhando”. Essa é a frase dita pelo gerente comercial de Santa Catarina, Walter Orthmann, em entrevista ao Correio Braziliense. O recordista, que já foi condecorado tanto pelo Guinness Book, o livro mundial dos recordes, quanto pelo Tribunal Superior do Trabalho brasileiro, que o entregou a honraria de Ordem do Mérito Judiciário do Trabalho – título concedido aos que se destacaram em sua profissão de alguma forma.

E que destaque! A maior homenagem que a Justiça do Trabalho pode dar a um cidadão é justamente essa, que Walter recebeu. E não é pra menos, afinal, a sua trajetória dentro da empresa de indústria têxtil, na empresa catarinense RenauxView já ultrapassa 80 anos.

Por lá, ele entrou em janeiro de 1938, aos 15 anos, quando a empresa ainda chamava Renaux S.A. Seu primeiro cargo foi de office-boy, encarregado de levar e buscar as correspondências no correio e coletar o salário de todos os funcionários no banco – tudo isso de bicicleta. Depois passou por diversos cargos na área de vendas até chegar ao atual cargo, de gerente comercial. 

Hoje, apesar de não viajar mais para representar a empresa, ele coordena toda uma equipe de representantes e de seus processos. Segundo a publicação do Guinness, ao longo de sua longa carreira, ele “coletou pagamentos em nove moedas diferentes e usou quase todas as companhias aéreas comerciais na história da aviação brasileira” como conta. Ele também conheceu os 14 presidentes que passaram pela empresa.

E, mesmo depois de ganhar o título, ele não pensa em parar de trabalhar e ainda revela: “o trabalho é o que me fez continuar nos últimos 81 anos. Espero que em janeiro 17 do ano que vem, data do aniversário do meu trabalho, poderei reivindicar mais uma extensão desse recorde mundial”. 

Em entrevista ao jornal de sua cidade, ele ainda conta que suas duas principais motivações para trabalhar sempre foram “prover o sustento da família e colaborar para o crescimento de quem possibilita que eu sustente minha família”. Hoje ele revela trabalhar por paixão e por que o trabalho o faz sentir vivo.

Ao Correio Braziliense, ele conta que seu segredo é cuidar do seu bem-estar e das suas relações. “Tenho a minha autonomia. Sempre pratiquei esportes e, mesmo hoje, faço 40 minutos de alongamento todos os dias. Tenho uma alimentação saudável, bebo dois litros de água diariamente, nunca fumei, não bebo refrigerante e evito sal e açúcar. Respeito todas as pessoas e tenho amizade com todo mundo”.

Descendente de alemão – língua que fala muito bem e responsável por seu sucesso na carreira – ele foi casado 2 vezes e possui oito filhos (um já falecido), oito netos e três bisnetos. A cidade onde reside e trabalha, Brusque, se localiza na microrregião de Blumenau e possui um dos índices de Desenvolvimento Humano (IDH) mais altos do país e como o lugar mais pacífico do Brasil segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).

Esses índices podem explicar também a marca incrível de vida que Walter chegou – não só de trabalho, mas de idade. Sua fama é tanta que ele já foi até mesmo destaque recente em uma escola de samba em São Paulo, cujo tema eram as revoluções industriais. Você confere o vídeo clicando aqui. Ele também possui um livro sobre sua história, chamado “Walter Orthmann – Um homem único”.

A mensagem que o célebre gerente deixa é a de que o trabalho pode sim ser uma paixão, mais do que uma obrigação. Ele inclusive pode ser uma força motora, que nos faz acordar todo dia e querer chegar mais longe.

Para ele “o trabalho, além de prover o sustento da família, nos dá dignidade. Trabalhar é saúde. Enquanto você trabalha, não pensa em bobagens. Tem-se um compromisso. Lá, eu tenho amizades, parece uma família”. E você, como encara o seu próprio trabalho?

Tags: / / / / / / / / / / / / / / / / / /