Coloque em prática

O que é o Access Consciousness e como ele pode te ajudar?

A técnica, ou o conjunto de técnicas, é mais um degrau na jornada do autoconhecimento e para quem busca mudanças em sua própria história

30 de Agosto de 2023


A jornada de autoconhecimento não é uma jornada linear: há dias em que ele será a pauta principal e serão mais produtivos. Em outros, você não conseguirá fazer muito por si - e está tudo bem também. O importante é não perder o seu propósito de vista, sabendo que, para se conhecer e ter mais qualidade, é preciso estar disposto. 

Um dos caminhos propostos pelo Plenae desde sua fundação é dividir a vida em seis pilares: Corpo, Mente, Espírito, Relações, Contexto e Propósito. Para nossos fundadores, Geyze e Abilio Diniz, só encontramos o equilíbrio quando conseguimos trabalhar todos esses pilares pelo menos um pouco, todos os dias. 

Além disso, essa é uma forma de visualizar e simplificar os seus caminhos: como andam minhas relações? Estou cuidando do meu corpo? Trabalhando minha espiritualidade? E por aí vai. Ter essas preocupações em mente é, sem que você perceba, o primeiro passo dado nessa trajetória. 

Hoje, vamos falar de um conjunto de técnicas que buscam te aproximar ainda mais de sua própria consciência e, com isso, observar os ganhos dessa aproximação. Leia mais a seguir!

Um pouco de teoria

Fundado pelo escritor e palestrante Gary Douglas e co-fundado pelo também escritor e palestrante Dain Heer, a teoria do Access Consciousness é, na realidade, um ponto de vista diferente sobre a vida. “Tem por base a ideia de que você não está errado(a), de que você sabe e de que a consciência pode mudar qualquer coisa”, como explica o site oficial. 

Além disso, seu objetivo é dar acesso “às possibilidades que existem quando você não se trava mais e quando não acredita mais que está preso(a).” A pergunta que norteia a teoria é: se você tivesse total escolha disponível, o que criaria? O objetivo de Access é criar então esse mundo de consciência e unidade, onde você chegue ao ponto de ter acesso total à consciência, sem julgamento de nada. 

Porque, afinal, se você não tem julgamento de nada, então começa a olhar para tudo como é e não como o que você quer que seja. E também não como deveria ser e sim apenas como é. Quando você atinge esse nível de consciência, você atinge a capacidade de estar presente em sua vida o tempo todo, sem julgamentos.  

Isso leva você ainda a uma outra capacidade: a de receber tudo, não rejeitar nada e criar tudo o que você deseja na vida - “maior do que o que você tem atualmente e mais do que você pode imaginar.”

Access Consciousness na prática 

Certo, agora que você já conhece a teoria, como é possível colocá-la em prática? O primeiro passo são as perguntas. O método faz algumas provocações iniciais para que você possa chegar em algumas respostas importantes antes de qualquer coisa:

  • Se seu propósito de vida fosse se divertir, o que você mudaria?

  • Se você estivesse celebrando sua vida hoje, o que mudaria?

  • O que mais é possível que você nunca considerou?

“E se uma pergunta não for para obter uma resposta, certa ou errada, mas para obter uma consciência que lhe dê múltiplas escolhas? Quanto mais você fizer perguntas, mais opções terá disponíveis e mais consciente ficará das possibilidades. Explore mais sobre como você pode ‘ser a pergunta’!”, instigam os criadores. 

Além disso, há as “10 chaves para a liberdade”, também conhecida como os “10 mandamentos” do método, que consiste em alguns passos e afirmações:

  • Um ser infinito realmente escolheria isso?

  • Tudo é apenas um ponto de vista interessante.

  • Busque fazer melhorias em 10 segundos.

  • Viva como a pergunta, não como a resposta.

  • Sem forma, sem estrutura, sem significado.

  • Sem julgamento, sem discriminação, sem discernimento.

  • Sem drogas de qualquer tipo.

  • Nenhuma competição.

  • Não ouça, conte ou compre a história.

  • Sem exceção.

Por fim, há a Declaração de Limpeza de Access Consciousness que, novamente, utiliza da palavra - ou melhor, das palavras -, para trazer força ao praticante. Afinal, como resume o site, “muito do que gostaríamos de mudar não é cognitivo ou lógico; ele é criado e mantido energeticamente”. Portanto, é preciso limpar essas coisas ocultas das quais você nem tem consciência e que mantêm presas, e as palavras têm esse poder. 

Em termos de práticas corporais, há a ferramenta Barras de Access que, como explica esse artigo, tem o objetivo central de “expandir a consciência de forma a liberar todas as formas de ver que causam os desconfortos físicos, emocionais e energéticos, por meio de toques sutis em 32 pontos da cabeça.”

Uma vez vencida essa etapa, há outras dezenas de cursos de aprofundamento para a pessoa seguir a jornada. Basta que ela sinta “o que é leve e o que pode potencializar suas capacidades, como Facelift, o Fundamento, Corpos, Escolhas de Possibilidades, entre outros.”

Essas técnicas corporais são realizadas por terapeutas especializados, que acessam seus pontos na cabeça a fim de criar mais facilidade para que o corpo elimine as “considerações, atitudes, emoções, pensamentos e sentimentos que tornam significativos.”

Um modo de vida

Segundo Douglas, “o propósito da ferramenta não é destruir ou combater uma realidade, nem mesmo ver os erros, mas criar uma realidade diferente”. É preciso enxergar o Access Consciousness como mais uma ferramenta para lidar com suas dificuldades, sem o peso de que será a resposta definitiva, mas sim, um caminho dentre tantos possíveis. 

Uma jornada de autoconhecimento envolve mais do que técnicas modernas. Elas ajudam, é claro, mas é preciso antes de mais nada, mergulhar para dentro de si e entender o que é que está faltando. Ferramentas como Grau Plenae podem ser úteis para esse primeiro passo, que é buscar o norte. 

O teste de saúde integral, criado por especialistas da área, traça um diagnóstico final de qual pilar seu pode estar em desequilíbrio a partir das suas respostas e o que fazer diante disso. Esses caminhos posteriores demandaram, é claro, empenho da sua parte, pois ninguém pode trilhar essa jornada por você.


Vale também sempre a dica de ouro: procure especialistas, independente de qual for o seu problema. No caso da saúde mental, um psicoterapeuta é de grande valia. Te contamos aqui quando começar a terapia, conteúdo que pode te dar uma luz, mas a verdade é que mesmo quando achamos que estamos bem, a escuta capacitada é sempre bem-vinda. E por fim, escute-se trate-se com gentileza. O afeto começa sempre do lado de dentro.

Compartilhar:


Coloque em prática

Como se comunicar melhor com as outras pessoas

Não basta saber falar, é preciso saber ouvir. Você acredita ser capaz? Confira dicas!

18 de Julho de 2019


Uma área pouco praticada na comunicação é a arte de ouvir ativamente . Em um mundo de ritmo acelerado, no qual raramente conseguimos acompanhar tudo o que acontece, nos concentrarmos em outra pessoa, ouvir o que ela tem a dizer e dar a ela toda a nossa atenção não é algo automático.

O maior presente que você pode dar a outra pessoa, no entanto, é focar nela e deixar de lado o que gostaria de dizer e fazer, para ouvir cada palavra que ela diz. Ouvir é uma habilidade da comunicação que pode ser praticada e aprimorada. Se você quer ser percebido como um grande comunicador, um amigo maravilhoso e uma pessoa que os outros querem estar por perto, comece a aperfeiçoar sua capacidade auditiva.

Tente seguir algumas dessas etapas para fortalecer a sua audição e, assim, melhorar a sua comunicação:

 1. No telefone, concentre-se na conversa
Em vez de ler e-mails, enviar mensagens e dirigir seu carro, ouça o interlocutor. Você pode ter que virar as costas para o seu computador, se afastar das distrações e remarcar a chamada para um momento em possa se concentrar na conversa. Tente isso e perceberá que seus diálogos são mais ricos e incluem informações mais interessantes do que  poderia ter pensado antes.

2. Evite dar a sua versão de eventos similares
Observe com que frequência as pessoas ao seu redor fazem isso e com que frequência você também faz. Ouviu falar de alguém que acabou de ir para Paris? Você vai contar o que ama na cidade. Alguém está sofrendo porque acabou de perder um amado animal de estimação?

Você conta como seu coração partiu quando seu cachorro faleceu. As pessoas fazem isso o tempo todo. O objetivo é encontrar uma conexão, mas isso volta a atenção para você e afasta o interlocutor. Evite contar sua história e, em vez disso, faça uma pergunta ou duas sobre o relato alheio.

3. Aprenda a fazer boas perguntas
Você pode atuar como entrevistador sem invadir a privacidade de alguém. As perguntas para a maioria das pessoas geram uma resposta se forem feitas de maneira sincera e interessada. Pergunte com verdadeira curiosidade e desejo de aprender: "O que fez você decidir mudar de cidade?" ou "Qual era a sua aula favorita na faculdade e por quê?".

Desenvolva algumas questões boas e abertas, que não sejam de resposta “sim” ou “não”. Você pode sentir-se intrometido no começo, mas, na verdade, a maioria das pessoas gosta de falar sobre si, especialmente se a pergunta é interessante.

4. Perceba como pode compartilhar pouco e ouvir mais
Você não vai apenas atirar perguntas, evidentemente. Você precisará concordar com a cabeça, responder com um comentário e compartilhar insights. Na maioria das conversas, aprenderá muito sobre os outros e compartilhará pouco sobre si mesmo. (Não se preocupe, você terá uma chance de falar.) Com esse comportamento, o outro ficará naturalmente mais interessado ​​em você e em suas experiências.

Fonte: Beverly D. Flaxington, para Psychology Today
Síntese: Equipe Plenae
Leia o artigo completo aqui.

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais