Coloque em prática

Quando começar a terapia?

Em homenagem à campanha do Janeiro Branco, te explicamos aqui quais são os primeiros passos a se tomar quando o assunto é saúde mental.

4 de Janeiro de 2022


Com a época das festas se aproximando e mais um ciclo chegando ao seu final, muitas pessoas já começam a preparar as famosas resoluções: todo réveillon é uma página virada e no ano que vem com certeza serei alguém melhor!


A saúde mental está cada vez mais em foco e, por isso, uma decisão bem comum na hora de focar mais nessa evolução pessoal de bem-estar tem sido a de começar a fazer acompanhamento terapêutico. Inclusive, o primeiro mês do ano celebra a campanha Janeiro Branco, que tem como objetivo a disseminação de uma consciência ainda maior acerca dos benefícios de se cuidar da mente.


Como saber se eu devo começar?


Um jargão que tem se popularizado é o de que todo mundo deveria fazer terapia, principalmente para lidar com quem mais precisaria mas não o faz. Até que ponto a brincadeira tem fundo de verdade? De fato, todo mundo precisa? Não é bem assim. Por mais que a prática tenha muitos benefícios, como o autoconhecimento, nem todas as pessoas de fato necessitam ir ao divã. 


A tristeza, por si só, não é suficiente. Ficar triste é natural e saudável. Faz parte da experiência do que chamamos de vida e, por mais que não seja agradável, é muito importante saber lidar com ela e se permitir senti-la nos momentos em que se deve. Em entrevista ao UOL, Jair de Jesus Mari, chefe do departamento de psiquiatria e psicologia médica da Escola Paulista de Medicina da Unifesp, relembra os caminhos do diagnóstico. 


“Realmente, não existe um exame capaz de confirmar que alguém está deprimido, mas ao se fazer uma conexão entre os sintomas e a vida da pessoa, é possível fazer o diagnóstico correto”, diz. Ou seja, o problema é quando essa tristeza é muito intensa, a ponto de tomar conta da vida toda, tornando tudo vazio e opaco. 


Traumas, desânimo, mau humor… Tudo isso vem à tona, podendo se manifestar, inclusive, na saúde física, como explica esse artigo. Existem vários, alguns muito silenciosos. A ansiedade, por exemplo, pode ser muito mais que o “frio na barriga”. O Transtorno de Ansiedade Generalizado pode causar dores musculares e de cabeça e até hipertensão. Se é uma ansiedade perene e sem razão de ser, também seria bom que tivesse o acompanhamento de terapeuta. 


Os caminhos do processo 


A ideia de fazer terapia ainda encontra resistência por parte de muitas pessoas. Alguns estigmas ainda persistem, tais como o de ser coisa de “gente louca” ou “fraca”. Por mais que o debate sobre a saúde mental esteja crescendo e desconstruindo velhos conceitos arcaicos, por vezes eles ainda podem ser um obstáculo.


Não é verdade. Passar por uma sessão não faz de ninguém uma pessoa que não consegue resolver os próprios problemas. Muito pelo contrário: a terapia é fundamental no processo de conhecimento. Pessoas de todas as idades, gêneros e etnias têm sempre do que se beneficiar de um mergulho em si próprias.


utro problema comum é o financeiro. Muitas pessoas até gostariam e acham que necessitam de acompanhamento psicológico, mas são intimidadas pelos preços de consultas e a ideia de que aquilo vire uma despesa constante. É uma preocupação justa, principalmente em momentos de instabilidade financeira. Porém, existem alternativas: muitos lugares oferecem terapia gratuita.


Por último, existem as vertentes. Não saber qual profissional buscar ou que linha funcionará melhor para mim também pode ser algo paralisante, afinal ninguém quer gastar tempo e dinheiro com algo que talvez nem funcione. Por mais que existam algumas recomendações de acordo com idade ou se for um problema psicológico mais pontual (como a insônia, por exemplo) sem outros sintomas, esse processo demanda tentativas, erros e acertos. Não há uma resposta mágica. 


Você pode tentar a psicanálise, a Jungiana, a cognitivo-comportamental, são vários os caminhos possíveis, como explica esse artigo. Cada um deles tem seu próprio método e abordagem, mas a consulta, ainda assim, varia de acordo com as pessoas envolvidas: não só pacientes como também quem analisa. O importante é você sentir que está evoluindo na hora de encarar seus gatilhos e desenvolvendo mecanismos para lidar com eles.


A terapia, portanto, é benéfica a qualquer pessoa, sim, mas nem sempre estritamente necessária. Ela não é a grande solução para todos os males da sociedade, mas, se acha importante buscá-la, isso é ótimo. Ela irá contribuir para seu crescimento pessoal e é possível fazê-la de forma acessível. Se você está sentindo que precisa conversar, encare já em 2022 esse desafio. Nunca é tarde demais para começar. 

Compartilhar:


Coloque em prática

7 maneiras de apoiar a causa preta no seu dia a dia

Mais do que não ser racista, é preciso ser anti racista. E isso inclui estar de olho nas oportunidades de apoiar causas raciais no seu dia a dia

2 de Junho de 2023


O debate racial tem ganhado cada vez mais força e o espaço que merece, afinal, é de fato um tema que merece ser discutido em todos os ambientes possíveis. Mas, infelizmente, as marcas do racismo ainda são visíveis: apesar de serem 54% da população brasileira, eles ainda recebem salários melhores - com equidade salarial prevista só para 2089 no Brasil, segundo a ONG Oxfam.

Outra pesquisa, essa feita pela empresa de treinamento e desenvolvimento, CEGOS, ouviu mais de 4 mil profissionais de RH em sete países (Brasil, França, Alemanha, Itália, Grã-Bretanha, Espanha e Portugal). A conclusão, como mostra o jornal da CNN, é que 75% das empresas brasileiras apontam o racismo como principal discriminação no ambiente de trabalho, seguido por opiniões políticas (42%) e aparência física (37%).

Diante desses dados, não é de se espantar que uma pessoa negra se sinta intimidada pelo mercado de trabalho e busque seus próprios caminhos para empreender. Neste artigo, te contamos mais sobre o movimento do afroempreendedorismo, que busca criar condições para que empreendedores pretos tenham mais espaço para começar suas próprias jornadas. 

O afroempreendedorismo é criado por negros, mas não destinado a eles apenas, ou seja, há empresas com diferentes propósitos envolvidos, não só raciais, mas há sempre a figura de uma pessoa preta por trás. É o caso de Fernanda Ribeiro, primeira participante da décima segunda temporada do Podcast Plenae. Representando o pilar Contexto, ela conta mais suas próprias dificuldades e como buscou caminhos para facilitar para outros que viessem depois dela.

Atrelado a esse movimento, existe ainda um outro: o Black Money. Seu objetivo é designar o dinheiro que circula justamente entre a população negra da sociedade, seja em comércio ou em serviços em geral. E a ideia é impulsionar cada vez mais esse mercado, buscando fomentá-lo e fortalecê-lo.  

Mas, como fazer isso, afinal? A seguir, te damos alguns passos de como apoiar a causa no seu dia a dia!

No trabalho

Começamos o artigo falando justamente sobre o mercado de trabalho. Uma das práticas para se ter no dia a dia, se você for líder, é estar atento à diversidade da sua equipe e evitar o viés inconsciente que te contamos aqui na hora de contratar. Mais do que contratar, ouça essas pessoas, chame elas para contribuírem com ideais e envolva toda a empresa. Promover palestras, enviar conteúdo interno e colocar o tema racial na agenda de todos os colaboradores é muito importante. 

Se você não for líder, você pode contribuir com essa sugestão para a sua gestão. Você também pode estar atento aos negros ao seu redor - e isso vale, é claro, para além do ambiente de trabalho. Acolha, converse, busque saber se eles estão confortáveis. 

Consumo

Na hora de ir às compras, que tal dar preferência para marcas de pessoas pretas? Não é uma obrigação, é claro, mas desenvolver essa atenção especial nos pequenos atos pode ajudar a fortalecer uma consciência individual e também coletiva. Além de, claro, ajudar financeiramente alguém que pode ter enfrentado mais dificuldades do que outras pessoas brancas para chegar até ali.

Financiar coletivos

Coletivos são organizações feitas por pessoas que dividem interesses e objetivos em comum. A grande característica é não ter tanto interesse econômico, portanto, é quase uma ONG, mas sem todas as burocracias e exigências como ter um CNPJ, por exemplo.

Há diversos coletivos que possuem um foco na causa preta. Eles estão sempre precisando de apoio financeiro, de trabalho voluntário ou de uma simples divulgação. É o trabalho desse tipo de organização que ajuda a trazer mais informação para a população e pressionar políticas públicas. 

Esta lista da revista GQ separou alguns nomes bem relevantes para você começar a apoiar ainda hoje!

Atenção aos termos

Desde palavras únicas até expressões que reforçam o preconceito, devem ser banidas imediatamente do nosso vocabulário. Parece detalhe, mas as palavras reforçam a violência e é em uma piada ou uma simples frase que, diariamente, o inconsciente coletivo vai criando força. 

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) disponibilizou em sua biblioteca digital uma cartilha com orientações para abolir ou substituir expressões com origem racista do vocabulário nacional, como conta o jornal Estado de Minas

A cartilha reúne expressões que têm origem no período escravagista do Brasil, frases com teor derrogatório a religiões de matriz africana e verbos. “Denegrir”, por exemplo, faz uma associação de pessoas negras a uma situação ruim, assim como “lista negra”, “dia de branco”, entre outras. 

Observe suas amizades

Olhe para o lado, para o seu círculo de amigos. Ele é plural? Ele é diverso? Quantos negros estão por ali? Em um país onde a maioria é ngra, será que não há nada de errado em não ter nenhum amigo negro sequer? Com isso, o erro não está em você enquanto pessoa, mas de repente, os lugares que você frequentou por toda a vida e se relacionou, não haviam negros ali. 

Buscar novos horizontes e se cercar de pessoas diferentes é extremamente benéfico para sua visão de mundo, sua empatia e, claro, suas relações. A criação de um laço vem sempre de um lugar espontâneo, mas você pode começar com a intenção de frequentar ambientes diferentes. 

Consuma cultura

Te trouxemos uma lista de atletas negros para você se inspirar e isso vale para a cultura, que é repleta de bons artistas negros. Mas você não precisa assistir somente filmes que falem de questões raciais - aliás, essa é outra maneira de combater o racismo: tirá-los desse lugar constante de luta e ensinamentos. 

Há muitos negros que querem simplesmente serem reconhecidos por outros temas e falar sobre outros assuntos, e quer um lugar mais plural e cheio de possibilidades do que a cultura? Assista filmes, séries, novelas, teatro ou qualquer peça audiovisual que coloquem negros em lugares de prestígio, não só como protagonistas, mas também em suas produções, direções, etc. 

Aumente seu repertório musical e coloque cantores e cantoras negras na sua playlist. E sua estante de livros, você já checou quantos negros você leu esse ano? Museus, lugares infelizmente muitas vezes conhecidos pelo seu elitismo, estão dando mais espaço para artistas negros ocuparem e exibirem suas obras. 

Conscientize 

Busque diálogo e consciência para si, mas não se esqueça de conscientizar e corrigir as pessoas ao seu redor que também estão aprendendo. Reconhecer o seu lugar de fala é importante para que a gente não busque se apropriar de dores que não são nossas, mas é também nosso papel usar de privilégios brancos para mudar esse cenário. Denuncie o racismo se você presenciar, corrija um termo ou uma atitude sem medo de ser repreendido, não minimize a dor do outro, entre outros.  


Para todo lugar que se olha, essa revolução tão importante e necessária está acontecendo. Mas, no âmbito individual, é preciso apurar os seus olhos e observar os seus próprios posicionamentos. Você pode ser parte da diferença que quer ver no mundo! 

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais