Para Inspirar

Terapia cognitivo-comportamental pode ajudar pessoas com insônia

Segundo pesquisadores, resultados aparecem em quatro a oito sessões do tratamento

31 de Julho de 2019


Existe uma forma mais eficaz de combater a insônia do que contar carneirinhos e beber leite morno antes de dormir. Segundo uma pesquisa publicada no periódico British Journal of General Practice , a terapia cognitivo-comportamental , conhecida como TCC, é uma ferramenta eficaz contra o distúrbio. A insônia crônica, na qual os indivíduos têm dificuldades em adormecer ou permanecer dormindo pelo menos três noites por semana durante três meses ou mais, afeta cerca de 10 a 15% dos adultos. A condição está ligada a problemas de saúde, incluindo depressão, bem como dificuldades para desempenhar as tarefas diárias. Pílulas para dormir podem causar efeitos colaterais, além de risco de dependência. A TCC, por sua vez, foca em mudar a forma como um indivíduo pensa sobre o sono. Pesquisa. Cientistas da Universidade Queen’s, no Canadá, analisaram 13 estudos sobre o uso de TCC para tratamento de insônia. Os resultados mostraram a técnica melhorou o sono dos participantes. Os benefícios se mantiveram mesmo meses depois que o tratamento acabou. A análise de quatro pesquisas com 66 a 201 participantes de idades variadas revelou que os indivíduos adormeciam entre 9 a 30 minutos mais cedo, depois de completar o tratamento terapêutico. Por outro lado, o grupo de controle ou que recebeu tratamento convencional só experimentou uma redução de até 4 minutos no tempo que levaram para dormir. Segundo os pesquisadores, quatro a oito sessões de TCC eram necessárias para produzir essas melhorias. Fonte: Nicola Davis, para The Guardian Síntese: Equipe Plenae Leia o artigo completo aqui .

Compartilhar:


Para Inspirar

Meia hora de exercício por dia pode evitar câncer

Seguir aquela recomendação básica de se exercitar por pelo menos meia hora por dia durante cinco dias na semana poderia prevenir pelo menos 2.250 casos de câncer de mama e de cólon no país.

13 de Agosto de 2018


Seguir aquela recomendação básica de se exercitar por pelo menos meia hora por dia durante cinco dias na semana poderia prevenir pelo menos 2.250 casos de câncer de mama e de cólon no País. Se a atividade física fosse feita no nível que provavelmente o ser humano tinha quando vivia em sociedades caçadoras e coletoras, com cerca de 5 horas de exercícios diários, o potencial de prevenção poderia ser de até 10 mil casos. As contas, feitas por um grupo de pesquisadores das Universidades de São Paulo (USP), Federal de Pelotas, de Cambridge (Reino Unido), de Queensland (Austrália) e Harvard, foram publicadas em agosto/18 na revista científica Cancer Epidemiology. A ideia foi cruzar o conhecimento consistente que já existia de outros estudos científicos – que mostram os benefícios da atividade física na proteção contra esses dois tipos de cânceres –, com a incidência dessas doenças no Brasil e com a taxa de exercícios praticados pelos brasileiros. Cenário. “A literatura científica já traz um bom entendimento sobre os benefícios, mas não sabíamos ainda o impacto que isso teria no Brasil”, afirma Leandro Rezende, doutorando em Epidemiologia na Faculdade de Medicina da USP e primeiro autor de artigo. “A ideia foi comparar a carga de câncer atual registrada no Brasil com a que seria observada se a população tivesse um nível de atividade física ideal para a prevenção do câncer.” Esse ideal, porém, admite o próprio pesquisador, é um número que assusta. Seriam necessárias 5 horas de atividade física diária para alcançar o máximo possível de prevenção – ou os 10 mil casos a menos, o que corresponde a 2,4% do total de registros de câncer hoje no País. “Falamos isso dentro de um cenário teórico ideal. O objetivo da pesquisa não é dizer que tem de fazer isso, ainda mais considerando a vida de escritório nas cidades. A PNS mesmo mostrou que só cerca de 6% da população atinge isso hoje. É o que faz quem trabalha com atividades ocupacionais e caminha o dia inteiro, por exemplo, ou alguns atletas”, diz. Queda. Em outra maneira de apresentar os dados, é possível dizer que 12% dos casos de câncer de mama pós-menopausa e 19% dos de câncer de cólon são atribuíveis à falta de atividade física no País. Com os 150 minutos de exercício por semana recomendados pela OMS, seria possível prevenir 1,3% dos registros de câncer de mama e 6% dos de cólon. À medida em que se aumenta a atividade física, os casos vão caindo mais. Leia o artigo completo aqui. Fonte: Giovana Girardi, O Estado de S. Paulo Síntese: Equipe Plenae

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais