Para Inspirar

Desmistificando conceitos: o que é o viés inconsciente?

Entenda mais sobre o termo e saiba se você o pratica, mesmo sem saber!

13 de Fevereiro de 2023


Como você lida com o que é diferente de você? A maior parte das pessoas diria, de pronto imediato, que lida perfeitamente bem, obrigada. Nós tendemos a isso mesmo: ir já se explicando que não temos preconceito e que ser diferente é normal, além de outros clichês comumente usados.

Mas nesse balaio de explicações, nos esquecemos de uma parte daquilo que não acessamos: o nosso inconsciente. E, quando percebemos, já fizemos! Então, para entender melhor o que estamos falando, acompanhe o fio de mais esse conceito que será desmistificado. 

Aquilo que eu penso sobre aquilo que eu vejo

Desde que o mundo é mundo, seguimos padrões. Criamos cada um deles a partir daquilo que conhecemos e que fomos expostos ao longo da vida. E nos vemos neles, o tempo todo. Por isso, discussões como a representatividade para pessoas negras que cresceram sem se verem na TV ou em determinados esportes, por exemplo, se faz tão importante. É o caso da Ingrid Silva, que te contamos neste episódio do Podcast Plenae. 

Os problemas envolvidos nessa dinâmica são vários e um deles é justamente o viés inconsciente. Trata-se de um conjunto de preconceitos incorporados no nosso dia a dia e estão baseados em estereótipos de gênero, raça, classe, orientação sexual, idade etc, que afetam nossas ações e julgamentos sem que prestemos atenção - como explica esse artigo.

É infelizmente “graças” a ele que muitas contratações no mercado de trabalho privilegiam sempre o mesmo perfil de profissional, sobretudo para cargos de liderança: homens brancos ou, no caso de mulheres - já um pouco mais raro -, brancas também. 

Mais do que só o ato prático da contratação, quando somos instigados a fechar os olhos e pensar na figura de uma liderança, quase que imediatamente imaginamos esse perfil mencionado no parágrafo anterior. Mas não se culpe se você também fez esse exercício da imaginação em casa: é comum que pensemos isso porque é assim que foi por anos, fomos expostos a essa imagem de liderança e a absorvemos como única realidade possível. 

O mesmo se aplica a figuras LGBTQIA+, que também sofrem resistência para se verem em determinados papéis. Aqui, se aplica também a carreira, que tem sido nosso foco principal até então e que não faltam exemplos: você já imaginou um presidente assumidamente gay? 

Recentemente tivemos líderes que saíram do “armário”, como é o caso do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, e do ex-governador de São Paulo, Gilberto Kassab - que sempre ficou no campo da especulação -, mas isso é uma exceção à regra que impõe sempre a figura da família tradicional brasileira que acompanha grandes líderes.

Quando o assunto é negritude…

… As coisas, infelizmente, pioram. E não estamos falando só do mercado de trabalho, que vale dizer, é um ambiente que pode ser bastante hostil para essa parcela da população também. Salários menores, falta de contratações para cargos de liderança e até preconceito dentro da própria equipe são algumas das barreiras enfrentadas por eles. 

Um experimento feito pelo Governo do Paraná colocou recrutadores dentro de uma mesma sala para assistirem a um vídeo onde pessoas brancas e negras são expostas às mesmas situações. E o resultado não poderia ser mais alarmante. No caso de uma mulher branca limpando uma bancada, os recrutadores avaliam que é alguém cuidando da própria casa, mas uma mulher negra, que aparece na mesma situação, é considerada faxineira.

Outro exemplo é de homens vestidos de terno. Na foto em que aparece um modelo branco, ele é tratado como um profissional de finanças ou de RH. Já o negro é considerado como um segurança de shopping. Percebe-se que, mesmo as pessoas que deveriam ter um olhar mais apurado na hora das contratações, não fogem à regra do viés inconsciente.


Em outros campos para além do mercado de trabalho, a coisa pode se tornar ainda mais séria. Dada a falta de oportunidades enfrentada pelas pessoas pretas no Brasil, infelizmente alguns acabam seguindo para o caminho da criminalidade, que também foram expostos desde a infância na maioria dos casos.

Não são todos, porém, que seguem esse caminho - apesar dessa constatação parecer bastante óbvia. E é preciso reforçar que a generalização é nociva porque, por conta dela, colocamos de forma preconceituosa e extremamente errada a figura de um cidadão negro muitas vezes lado a lado com o crime. 

Isso acontece não só por parte da população, que fecha os vidros ou atravessa a rua ao se deparar com um indivíduo negro de aparência mais simples. Mas também com instituições mais importantes, como a da polícia. Prova disso são, novamente, os dados: 8 em cada 10 pessoas negras já sofreram abordagem policial, contra 2 em cada 10 pessoas brancas.

Um levantamento inédito feito pelo Instituto de Defesa do Direito de Defesa (IDDD) e o data_labe, que ouviu 1.018 pessoas entre maio e junho de 2021, no Rio de Janeiro (510) e em São Paulo (508). Seundo o relatório, ser negro nos dois estados pesquisados significa ter risco 4,5 vezes maior de sofrer uma abordagem policial, em comparação com uma pessoa branca.

A pesquisa “Por que eu?” indica também que os negros tiveram sua raça/cor expressamente mencionada por agentes de segurança pública durante a abordagem em proporção muito maior: enquanto 46% das pessoas negras ouviram referências explícitas à sua raça/cor; entre as brancas, somente 7% tiveram a raça/cor mencionada.  

Por fim, pessoas negras especificaram condutas abusivas por parte de policiais em maior proporção do que as brancas, sendo o grupo mais representativo entre os que, por exemplo, relataram que policiais tocaram suas partes íntimas (42,4% ante 35,6% dos brancos) e mais de 88% dos negros relataram violência nessa abordagem, seja ela física, verbal ou psicológica.

Mudando esse cenário

O que fazer, então, diante desse cenário tão triste e alarmante? No caso de empresas, essa movimentação já está sendo feita, mas enfrenta resistência na mudança de cultura organizacional, como expõe esse artigo. Uma pesquisa feita pela Kenoby, empresa de softwares para recrutamento e seleção, mostra que reduzir esse comportamento impregnado nos processos seletivos é uma prioridade para 73,9% dos executivos. 

Os profissionais que participaram da pesquisa também afirmam que essa já é uma preocupação de suas empresas e está na lista de avanços que os setores de Recursos Humanos deverão ter no ano de 2021. Porém, essa mesma pesquisa relata que, apesar dos profissionais de Recursos Humanos já estarem cientes desse problema, eles sentem dificuldade de convencer os líderes da importância da diversidade nas contratações. 

Essa mudança cultural passa por “explicar” à liderança que as indicações de nomes - ou de um perfil ideal para a vaga - pode até garantir uma contratação mais rápida, mas reforça vieses e isso impede a diversidade. Ou seja, o famoso “Q.I” do Quem Indica precisa acabar para dar espaços a processos seletivos mais elaborados e inclusivos, ainda que eles sejam mais trabalhosos.

Pessoalmente falando, você deve estar atento é claro, às suas próprias atitudes e convicções, que podem ser falhas e carregadas de preconceitos também. Comece mudando o seu posicionamento diante de várias situações e faça o exercício mental de projetar diferentes perfis em diferentes situações: pessoas gordas como modelos, mulheres como líderes, negros ricos, e assim por diante.

Seja também a célula de mudança no seu entorno, sobretudo se você tiver a possibilidade de mudar algum cenário. Mas só de conversar com as pessoas próximas a você e alertá-las sobre essa situação, já é uma semente plantada por aí. Abrace as diferenças não só no seu discurso, mas na sua vida, e liberte-se o máximo que puder do seu viés inconsciente! 

Compartilhar:


Para Inspirar

Desmistificando conceitos: o que é a depressão pós-parto?

A desafiadora onda emocional que acomete mães de diferentes idades, etnias e classe social é mais comum do que se imagina

18 de Novembro de 2022


A maternidade é o momento mais potente que uma mulher pode experimentar - e por isso mesmo, é uma experiência completamente individual, podendo ressoar de infinitas maneiras em cada mãe. Fundadora do Portal Plenae, Geyze Diniz nos contou em entrevista o quanto a maternidade proporciona aprendizados diários para ela, mesmo mais de uma década exercendo essa função. 

Há mulheres que optam pela maternidade solo - e milhares de outras que são abandonadas pelos respectivos pais e são forçadas a serem mães solos; há mães que estão inseridas em um contexto cultural específicos e irão desempenhar o seu maternar de maneira igualmente específica; há mães que só decidem ser mães já na maturidade e, graças aos avanços científicos, conseguem; e até mesmo o momento do parto não é igual para todas, afinal, algumas optam pelas técnicas mais humanizadas, um debate ainda repleto de tabus.

Esse amor que passa de mãe para filho - e promove incontáveis benefícios no cérebro dos pequenos - pode vir também recheado de diferentes culpas e angústias, segundo a psicóloga Adriana Drulla, e muito por causa das pressões e expectativas da sociedade quanto a esse papel tido como “sagrado” e, muitas vezes, negligenciando a mulher-mãe que o exerce. 

O tema é tão amplo que dedicamos uma edição inteira do Plenae Drops, extinto canal de vídeos do Plenae, somente para o tema, e contamos com a participação da empreendedora Marina Zylberstajn falando sobre a importância da rede de apoio nesse período, a cantora indígena Djuena Tikuna trazendo o papel da ancestralidade em seu maternar, a psicóloga Blenda Oliveira refletindo sobre os caminhos para ser amiga de seus filhos e a jornalista Izabella Camargo contando sua experiência como mãe aos 40 anos. 

No Podcast Plenae, tivemos a participação da apresentadora Mariana Kupfer falando sobre a sua corajosa escolha em seguir o sonho de gerar um filho mesmo sem a participação de um pai. E agora, por fim, temos o relato da médica Thaís Bastos, participante da décima temporada, falando sobre mais um tema complexo e extremamente necessário: a depressão pós-parto. 

A depressão

Antes de entrarmos de cabeça no tema, é necessário dar um passo para trás. Apesar de cada dia mais falada, a depressão ainda é assunto espinhoso e cercado por mitos e inverdades. Ela é uma doença reconhecida pela Organização Mundial da Saúde, mesma entidade que criou o CID, ou seja, um sistema de códigos para a classificação internacional de doenças, de forma o mundo todo esteja com a linguagem padronizada entre os médicos, além de monitorar a incidência e a prevalência de cada doença.

Trata-se de um adoecimento psiquiátrico, ou seja, da ordem mental, mas que acaba afetando o físico depois de um tempo. Ela é crônica, recorrente e produz uma alteração do humor caracterizada por uma tristeza profunda, sem fim, associada a sentimentos de dor, amargura, desencanto, desesperança, baixa autoestima e culpa, assim como distúrbios do sono e do apetite.

Ainda, é importante distinguir a tristeza patológica, ou seja, essa que estamos tratando neste artigo, para a transitória, provocada por acontecimentos difíceis e desagradáveis, mas que são pontuais e parte da vida de todas as pessoas. Enquanto a primeira tende a passar até mesmo sozinha ou com apoio psicológico, a segunda já é mais intensa, incapacitante e precisa de auxílio médico em muitos casos.

Atualmente, de acordo com a Pesquisa Vigitel 2021, um dos mais amplos inquéritos de saúde do país, em média, 11,3% dos brasileiros relataram ter recebido um diagnóstico médico da doença. A frequência foi maior entre as mulheres (14,7%) em comparação com os homens (7,3%). Isso nos coloca como o país com maior incidência da doença na América Latina e o segundo nas Américas. 

As causas são múltiplas: histórico familiar; desequilíbrio bioquímico cerebral; exposição a episódios traumáticos ainda na infância; consumo excessivo de substâncias como álcool, drogas ilícitas e até determinados tipos de medicamentos; doenças como hipotireoidismo que atua diretamente com nossos hormônios ou a TDPM que te contamos aqui; vivenciar alguma situação muito marcante que pode modificar toda a sua vida; entre outros.

A depressão pós-parto

Um dos motivos que listamos acima como potencial causa para a depressão é vivenciar um momento grandioso, e aqui, não faremos julgamentos sobre ser um momento bom ou ruim, somente ao fato de que nada será igual depois do seu acontecimento.

Dar à luz a uma criança é certamente um deles. Ao longo da gravidez, como já sabemos, uma série de mudanças acontecem com o corpo da mulher e há um trânsito intenso de hormônios. Após dar à luz, uma nova onda de mudanças tanto em seu corpo, em sua dinâmica de vida e, claro, quimicamente há uma queda de uma série de neurotransmissores que atuavam durante a gestação. 

Durante a gravidez, a quantidade dos hormônios estrogênio e progesterona aumenta bastante e, já nas primeiras 24 horas após o parto a quantidade desses hormônios baixa rapidamente e continua a cair até a quantidade anterior à gravidez. Mas, é impossível definir essa a única causa para a depressão pós-parto, afinal, há outros fatores que podem contribuir para o adoecimento que podem estar em curso.

O cansaço pós-parto, padrão de sono irregular e falta de descanso suficiente que vêm na sequência geralmente impedem que a mãe recupere sua força total por semanas, especialmente se ela tiver sofrido cesariana. Ela pode ainda sentir-se muito ocupada com um novo bebê para cuidar e duvidar da sua capacidade de ser uma boa mãe - que foi um pouco da angústia que acometeu Thaís Bastos em sua experiência. 

Sentir estresse em virtude das mudanças na rotina de casa e do trabalho e estranhar essa nova dinâmica também contribui para a angústia. A cobrança em ser uma ótima mãe, que não irá errar ou que irá amar cada segundo daquela nova vida, pode provocar estafa e gerar um sentimentos de perda – seja perda de controle, da identidade (quem era antes do bebê),da silhueta magra ou até de tempo livre. 

Por fim, o confinamento em casa durante o puerpério pode ser muito nocivo - e recentemente, durante a pandemia, todos nós bebemos um pouco da fonte dessa angústia e podemos imaginar, ainda que não completamente, o que passa essa recém-mãe que se vê enclausurada entre quatro paredes, atribuídas com novas funções e muitas responsabilidades. 

Sintomas e cura

Para detectar os sintomas da depressão pós-parto, é preciso estar atento nessa mãe não só nas primeiras semanas, afinal, a depressão pós-parto pode surgir até o primeiro ano de vida daquele bebê. Existe até mesmo a depressão pós-parto “tardia”, que surge em seis, oito e em até um ano após o nascimento do bebê. Os sintomas podem incluir: 

Inquietação e irritação; uma tristeza muito profunda seguida de choros intensos; falta de energia; dores de cabeça ou no peito; palpitações no coração e/ou hiperventilação (respiração rápida e superficial); dificuldade (ou até incapacidade) para dormir - que gera muito cansaço; perda de peso e/ou ganho de peso, ambos proveniente de uma dieta desbalanceada; problema de concentração e de memória, prejudicando a capacidade de tomar decisões; excesso de preocupação com o bebê; sentimento de culpa e inutilidade; medo de machucar o bebê ou a si mesma; falta de líbido; tendência a olhar para as coisas de uma forma negativa; em casos mais graves, ideações suicidas. 

Há ainda três tipos de depressão pós-parto: tristeza materna – a mãe tem mudanças súbitas de humor, como sentir-se muito feliz e depois muito triste; depressão pós-parto – pode acontecer por alguns dias até meses depois do parto de qualquer bebê, não só do primeiro; psicose pós-parto: a mulher pode perder contato com a realidade, geralmente tendo alucinações sonoras. 

Há ainda o Baby Blues, mais comum e mais leve, quando essa mulher sente uma espécie de tristeza, nostalgia, cansaço e fragilidade, mas está muito mais atrelado às variações hormonais do puerpério e tende a passar sozinho. Se ele demorar mais do que um mês para ir embora, é um sinal de alerta. 

Algumas mulheres podem enfrentar a chamada depressão gestacional, que se dá pelos mesmos motivos e apresenta os mesmos sintomas, porém durante a gestação, e não após o parto. Muitas das depressões pós-parto, inclusive, são resultados de uma depressão gestacional negligenciada. 

É importante reforçar que esse mal afeta mulheres de todas as idades, classes sociais e etnias. Qualquer mulher que está grávida que teve bebê nos últimos meses, sofreu aborto ou recentemente parou de amamentar, pode desenvolvê-la. A quantidade de filhos que uma mulher tem não afeta as chances dela desenvolver depressão pós-parto - no caso de Thaís, em seu relato, a depressão se deu mesmo quando ela já havia tido outros filhos e tecnicamente conhecia aquela realidade, o que não a impediu de sofrer da mesma maneira. 

A doença pode ser tratada com medicamentos e psicoterapia, mas é preciso encará-la com a seriedade que ela pede, afinal, estamos falando de uma doença que não irá embora se não for devidamente enfrentada. A tendência, diferente de outros tipos de depressão, é que ela vá embora e não apareça mais, pois não possui um caráter tão crônico, e sim mais pontual. Mas não tratá-la pode fazer com que ela se torne crônica e evolua para um quadro de depressão comum. 

O tratamento também irá depender, é claro, de cada caso e condição social e psíquica da paciente. Ela pode contar com medicamentos prescritos por um médico que irá levar em consideração sua condição de lactante, ou seja, está amamentando - se for o caso dela. 

A psicoterapia será sugerida na maior parte dos casos e é um hábito que não só pode como deve acompanhar essa mulher pelo tempo que for necessário, mesmo após a cura. Por fim, grupos de mães que estão passando pelo mesmo momento são aconselháveis, pois ali essa mulher irá ouvir relatos semelhantes aos seus, o que pode amenizar, por exemplo, a questão da culpa que ela sente em estar assim. 

No Brasil, estima-se que 25% das mulheres tenham depressão pós-parto, segundo um estudo feito por pesquisadores da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz). Ou seja, uma em cada quatro mães apresenta sintomas após o nascimento do bebê. Liberte-se da expectativa alheia de que o momento da gravidez ou do pós-parto deve ser de extrema excitação e felicidade. Lembre-se que são experiências únicas e, portanto, individuais. Não há certo ou errado, e tudo que você está sentindo é legítimo à sua maneira.  

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais