Para Inspirar

Vida nômade: conheça os prós e contras!

Viver viajando pode parecer um sonho para muitos, mas é preciso organização e determinação. Conheça a opinião de quem já embarcou nessa empreitada.

4 de Novembro de 2022


Ter o mundo todo como seu quintal parece um sonho - e muitas vezes é! A liberdade de ir e vir, se reinventar, absorver tanta riqueza cultural e belas paisagens e, de quebra, ir riscando sonhos da lista: tudo isso é válido e muito bom. Os “nômades digitais”, aliás, tornou-se um estilo de vida cada dia mais difundido e que ganhou força na pandemia, já que o trabalho remoto tornou-se uma realidade.

O termo surgiu pela primeira vez em 1997, no “Digital Nomad”, escrito por Tsugio Makimoto e David Manners. Trata-se de pessoas que viajam o mundo com seu computador a bordo e, enquanto moram por um tempo em cada canto, seguem trabalhando normalmente, só que de forma remota. Lembrando que isso é diferente de tirar “um sabático”, já que o primeiro consiste em seguir trabalhando, enquanto o segundo trata-se de não trabalhar por um tempo. 

Mas há dificuldades escondidas nessa vida sem raízes que, à primeira vista, podem não aparecer. Na terceira temporada do Podcast Plenae, conhecemos a história da Família Nalu, que viaja em busca das mais belas e desafiadoras ondas, sem CEP definido. Agora, na décima temporada, retomamos o conceito de uma forma diferente: a história de Haikaa, a artista que passou toda a sua juventude viajando e, como bônus, tornou-se poliglota, mas como ônus, teve crises existenciais. Fomos investigar o que nômades já disseram sobre o tema e separamos os prós e contras da empreitada. A conclusão, é claro, fica à seu critério, pois é preciso que a realidade caiba em sua rotina, seus desejos e em seus valores. Veja a seguir!

Prós

Os benefícios em viver de malas por aí são muito parecidos com as sensações que sentimos quando viajamos, só que de forma mais estendida. Para a nômade Priscila Kamoi, um dos grandes destaques é a quantidade de pessoas que se conhece pelos caminhos.

“Ao viajar pelo mundo conhecemos muitas pessoas, de diferentes lugares e culturas. Pessoas interessantes e com histórias de vida inspiradoras.

Com frequência, você se reconhece nelas, por entender as dificuldades e o que cada um está passando nessa jornada”, diz ela.

Ela ainda lembra da liberdade geográfica que o estilo de vida traz, possibilitando que a pessoa possa trabalhar em lugares paradisíacos onde o custo de vida, por incrível que pareça, é menor do que o esperado, e ainda o aumento da produtividade. “Como você faz o que você ama, não tem horários específicos de trabalho, você acaba sendo mais produtivo. Eu por exemplo, gosto mais de escrever à noite, pois minha mente criativa funciona melhor nesse horário”, conta. 

Natália Becattini também pontuou algumas outras vantagens em seu artigo depois de experimentar alguns anos dessa jornada. A flexibilidade figura no topo da sua lista, sobretudo a flexibilidade sazonal, ou seja, poder curtir a temperatura que se quer, na hora que se quer. 

“Fuja dos invernos rigorosos ou aproveite as temporadas de neve, viaje em busca do verão, esteja nos principais festivais do mundo. Vá aonde sua vontade mandar. Com um pouco de planejamento, é possível ir a qualquer lugar enquanto trabalha. A partir do momento em que não precisamos mais estar em um lugar, as possibilidades são infinitas”, diz.

Isso casa com o segundo ponto levantado pela viajante: mais tempo para realizar seus sonhos. Em um período de férias tradicional, ficamos limitados a realizar somente alguns desejos. Quando se vive na estrada, os finais de semana, por exemplo, tornam-se oportunidades de conhecer um lugar paradisíaco. “Você pode trabalhar enquanto estuda idiomas em outro país, ou ligar seu computador de frente para aquela paisagem linda que você sempre sonhou em conhecer”, conta.

Os viajantes Aline e Will também têm suas próprias visões da vida nômade, afinal, também estão na estrada há um tempo. Para eles, a surpresa que essa vida reserva é uma das grandes vantagens. Exemplo: você planejava ficar em determinado lugar, mas o lugar vizinho está mais barato, então você opta pela segunda opção e acaba se surpreendendo muito!

Contras

Matheus de Souza talvez seja um dos nômades digitais mais famosos da atualidade, tendo publicado até mesmo um livro sobre o tema. Mas parte de seu trabalho é também desmistificar essa vida que também reserva suas dificuldades, e não só glamour. Em artigo, ele relembra que nômades digitais não são turistas em tempo integral. “A gente trabalha. Pra caramba. A grande diferença é que durante nosso tempo livre podemos conhecer novas culturas, lugares e pessoas de diferentes nacionalidades”.


Ele ainda cita orçamentos apertados, contratempo, dificuldade com a língua e atesta o que pode parecer óbvio para alguns, mas para outros nem tantos: viajar não resolverá os seus problemas. Se você está em busca de esquecer algo, como no filme "Comer, rezar e amar", lembre-se que você poderá estar jogando somente para baixo do tapete um problema que exige mais atenção.

Para Thaisy, que junto de Roger já riscou alguns bons lugares do mapa enquanto trabalhava simultaneamente, a saudades é algo a se levar em consideração, afinal, o coração aperta longe da nossa rede de apoio e isso pode ser maior e mais pesado do que se pensa. Ela também revela a dificuldade em se manter rotinas como a de alimentação (afinal, os alimentos mudam muito de país para país!), exercícios físicos e até de trabalho. 

E se viajar antes significava um momento de desconexão, isso infelizmente desaparece quando se é um nômade, segundo Natália Becattini. “Agora, aonde quer que eu vá, eu levo todas as preocupações, problemas de trabalho e tarefas comigo”, conta. Ela ainda pontua duas faltas importantes relacionadas a trabalho: a de uma estrutura apropriada para desempenhar suas atividades e a dos colegas do dia a dia. 

A própria Haikaa, participante da décima temporada do Podcast Plenae e grande inspiração para esse artigo, traz uma grande desvantagem em seu relato. Apesar de não viajar tanto quanto os outros personagens citados nesse texto, ela passou por grandes mudanças geográficas em um período determinante para a formação de nossa personalidade: a da juventude.

E por ter que se adaptar e trocar de roda de amigos e até de língua algumas vezes, isso gerou o que ela denomina como uma “personalidade camaleônica”, ou seja, adaptável aos diferentes lugares que frequentava, mas também sem muita identidade própria.


Com a maturidade, veio também a busca por mais autoconhecimento, sensação de pertencimento e inclusão. O mundo das artes contribuiu nessa busca, mas também os episódios pessoais que aconteceram em sua vida. Como dissemos no começo, tudo é uma questão individual do que faz sentido para cada um e os caminhos que cada indivíduo toma para se encontrar. Reflita sobre si mesmo e mergulhe no seu interior!

Compartilhar:


Para Inspirar

O envelhecimento e as novas oportunidades do mercado

Os principais desafios que a longevidade proporciona ao mercado podem melhorar as condições dos mais idosos

9 de Maio de 2019


O envelhecimento global e a inovação tecnológica estão ocorrendo a uma taxa sem precedentes. A interseção dessas duas macrotendências globais cria uma necessidade significativa e uma oportunidade para novos produtos e serviços com o objetivo de transformar e capacitar a experiência do envelhecimento. O instituto global de inovação para a terceira idade Aging2.0 apresentou o Grand Challenges, uma iniciativa global para impulsionar a colaboração tecnológica nesse sentido. Foram cinco anos de diálogos das partes interessadas de toda comunidade interdisciplinar, intergeracional e internacional de adultos mais velhos, provedores de serviços de atenção sênior, líderes de ideias e empreendedores. Os oito desafios: 1. Engajamento: Ajudar os adultos mais velhos a ficarem ou permanecerem engajados de maneira significativa é fundamental para a saúde da comunidade. Formas novas e criativas são necessárias para que disponibilizem o que sabem, ao mesmo tempo que tenham oportunidades de aprendizagem e engajamento significativo durante toda a vida. Atualmente, o ageísmo isola a terceira idade. 2. Bem-estar financeiro: a longevidade exigirá novos modelos, novas ferramentas e normas de aposentadoria. Os modelos tradicionais não suportam a longevidade estendida dessa nova geração de idosos. A criação de empregos futuros, modelos para planejamento e financiamento de cuidados e melhores formas de prevenir fraudes são necessárias. 3. Arquitetura planejada: objetos do dia a dia, casas e comunidades viram obstáculos ao movimento seguro, quando não foram pensados para os idosos. Há uma necessidade de planejamento de espaços, produtos, programas e serviços que maximizem a segurança, força, equilíbrio, aptidão, independência e mobilidade à medida que as pessoas envelhecem. 4. Apoio às atividades diárias: um terço das pessoas com mais de 65 anos precisa de assistência com pelo menos uma atividade da vida diária, como comer, tomar banho e vestir-se. Produtos e serviços são necessários para ajudar a apoiar não apenas as atividades diárias básicas dos adultos mais velhos, mas também para estimular e apoiar a capacidade de prosperar e o engajamento aos estilos de vida escolhidos. 5. Cuidadores qualificados: ainda é uma profissão informal e, na maioria das vezes, não remunerada, mas o mercado está cada vez mais complexo e exigente. Há dois tipos de cuidadores, os familiares – que acumulam outras funções como o trabalho e o serviço doméstico – e o profissional – que recebe uma remuneração, mas, em geral, não passa por treinamento específico. É necessário achar soluções para ajudar a atrair, treinar, desenvolver e alavancar esse escasso capital humano. 6. Jornada da saúde: os cuidados podem ser particularmente complexos e fragmentados. Dois terços dos idosos tem pelo menos duas doenças crônicas, que absorvem a maior parte dos gastos. As famílias e os provedores de planos de saúde, no entanto, estão alinhados no desejo de ampliarem os cuidados de uma forma mais econômica. Novas ferramentas e modelos de serviços são necessários para apoiar as transições de cuidados, a colaboração clínica, o gerenciamento de medicamentos, a gestão da saúde da população e a prestação de cuidados remotos. 7. Saúde do cérebro: o Alzheimer é a sexta maior causa de morte nos Estados Unidos e deve custar US$ 1,1 trilhão em 2050. A incidência da doença é de 33% entre pessoas com mais de 85 anos, faixa da população que mais cresce. Embora não haja cura, faltam ferramentas e serviços melhores para aumentar a conscientização, prevenção, diagnóstico precoce para otimizar a capacidade cognitiva e retardar o declínio cognitivo. 8. Fim da vida: a morte é inevitável, mas isso não parece facilitar a discussão e o preparo para essa etapa. Pesquisas apontam que 25% do orçamento com saúde foram gastos no último ano de vida e muitas pessoas ainda não morrem onde ou como querem. As famílias e os provedores precisam de ajuda para navegar pelas opções de fim de vida, tendo conversas difíceis e garantindo que os desejos sejam atendidos. Leia o artigo original aqui .

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais