Entrevista com

Michelle Prazeres

jornalista, professora, educadora, idealizadora do Desacele

É possível desacelerar em uma sociedade acelerada?

21 de Fevereiro de 2021



Estamos em constante busca de algo que não temos. Atualmente, um bem valioso em nossa sociedade imediatista e urgente é o tempo. Ter tempo é ser rico e conseguir organizar todas as suas demandas é a sabedoria suprema. Em meio ao caos, é preciso descansar e praticar a desaceleração.

Mas mais importante do que descansar aos finais de semana, por exemplo, é encontrar o equilíbrio em sua rotina e trazer essa desaceleração para seus dias. Como isso é possível? É o que o Plenae buscou entender na entrevista com a jornalista, professora, educadora, idealizadora do Desacelera SP e do Dia sem Pressa , Michelle Prazeres. Confira a seguir!

Como nasceu a cultura slow?

A cultura Slow é gestada no âmbito do movimento slow. Então ela na verdade é o conjunto de conteúdos, movimentos, hábitos, pensamentos e valores de um movimento que nasceu na década de 80, como uma resposta à aceleração do tempo associados principalmente à alimentação, em um primeiro momento. Com o surgimento do fast food, as pessoas fizeram um protesto para dizer que não queriam encarar a comida daquela forma e ali nasceu o slow food. Seus preceitos principais seguem os mesmos até hoje: é preciso ser bom, limpo e justo. Essa tríade, aliás, continua regendo não só o slow food como outras vertentes, como o slow kids, slow medicine etc.

Como ela vem se desdobrando?

Em muito pouco tempo, essa lógica de aceleração começa a se espraiar para outros movimentos da vida como a medicina, a infância, a arquitetura e cidades e até a comunicação, que é o tema do meu pós-doutorado. E o que o movimento slow prega não é que temos que ser devagar ou preguiçosos - essa é a ideia pejorativa de muitas pessoas que acreditam que só se vence correndo, por exemplo. Mas, na verdade, não é sobre ser devagar, mas sim ir mais desacelerado se quisermos processos mais humanizados e conter esse processo de aceleração que termina desumanizando. Essa lógica da aceleração começa a invadir vários campos da vida, então o slow living, esse lugar maior, é essa coisa da gente trazer uma reumanização, recobrar nossos sentidos, poder aproveitar o aqui e agora, poder se relacionar de outro jeito com a infância, natureza e tecnologias, estar atento ao seu redor.

Semelhante ao mindfulness, então?

É um pouco diferente do mindfulness porque não se trata somente de uma escolha pessoal e individual, até porque desacelerar muitas vezes pode ser uma escolha privilegiada. O movimento prega a desaceleração de forma coletiva como única saída para o planeta e para o mundo. É preciso se tornar uma agenda mais coletiva, de um movimento slow individual para o bem-estar de todos. Se a gente não desacelerar como mundo, as pessoas não vão desacelerar individualmente, a não ser que elas possam fazer essas escolhas.

Como a aceleração vem afetando a nossa vida?

As crianças na educação infantil, por exemplo, já são submetidas a uma educação que é feita para passar no vestibular, começa a ler aos 3, antecipar etapas que acaba desumanizando. Uma consulta com seu médico dura 10 minutos, ele não olha pra você e já te medicaliza, seguindo a ordem de solucionar rapidamente seus problemas e até suas moléstias.

Como e por que nasce Desacelera SP e o Dia sem Pressa?

O Desacelera nasceu quando eu tive meu primeiro filho, porque o tempo encarnou para mim, ele começou a ser uma coisa muito concreta, e eu tinha esse sonho de querer flexibilizar minha relação com o trabalho para cuidar mais dele. Criei o Empreendedorismo Materno, que era um blog falando do tema, e ele foi acontecendo bem, entrevistei centenas de mulheres. Mas ele foi descontinuado por uma série de razões, não sem antes plantar essa sementinha ali em mim. Comecei a procurar isso na minha vida, consumir de forma mais responsável e sustentável, ter mais contato com a natureza, cuidar do que eu estava comendo, comer junto com a minha família. Eu estava vivendo aquela realidade e comecei a querer achar outras pessoas também, ir do pessoal para o político.

Quais foram então os primeiros passos?

Comecei a pesquisar mais sobre o movimento slow food, que é um movimento de ativistas, o que eu queria era oferecer uma coisa mais em rede, conversar com as pessoas comuns, proporcionar essa reflexão para as pessoas, bem jornalista querendo traduzir o mundo para as pessoas. Aí eu criei o Guia Desacelera SP e comecei a perceber esse potencial em São Paulo, porque tem muita gente pregando o slow em São Paulo, mas eles não se conhecem, não se comunicam, faltava  uma rede. Depois de 2 anos que o Guia já existia, eu percebi que podíamos fazer um evento - que é então o Dia sem Pressa - em busca de reunir várias pessoas com o mesmo propósito. Deu certo! Fizemos nos moldes italianos propondo movimentos de reflexão, experimentação e vivência para levar pro resto da vida.

E o projeto atualmente está em que pé?

Hoje em dia já temos quatro braços de atuação: produção de conteúdo qualificado e informação e conhecimento sobre aceleração e a necessidade de desacelerar por meio do Guia; a rede Desacelera SP, que gera a articulação de vários projetos slow em SP; Realização do Dia sem Pressa com essa rede articulada, que é a nossa maior estratégia de sensibilização geral, para as pessoas como um todo; E, por fim, como percebemos que não adiantava fazer esse movimento todo com as pessoas e não mudar a mentalidade política e lideranças empresariais e criamos a Escola do Tempo. Ela tem um potencial grande de formação de pessoas e liderança, porque produzimos workshop em empresas, por exemplo, para que elas incorporem a cultura slow em seus dias. Acreditamos que se esse diálogo não passar pelas empresas, nunca conseguiremos realmente espalhar o assunto, porque muitos dos males da aceleração passam pelo trabalho, as pessoas precisam chegar a limites para então desacelerar. A gente não quer que esse limite chegue, a gente quer que essas pessoas percebam que ele tá chegando e busquem saídas. Mas também não dá pra colocar toda a responsabilidade nas pessoas, pois a sociedade as pressiona correr, então se a gente não trabalha a desaceleração do ponto de vista coletivo, o desacelera acaba virando mais uma pressão dentre tantas: essa pessoa que é já super atarefada começa a ter que encaixar yoga e meditação em seu já curto tempo.

Que dicas daria para quem busca desacelerar?

Existe uma luta sim pela desaceleração onde a gente vai prescrevendo coisas comotenha uma relação melhor com a natureza, tome as rédeas da sua relação com a tecnologia, cuide das relações importantes para você e esteja atento a elas, percebam suas escolhas de tempo, em vez de sempre repetir “não tenho tempo”, perceba no que você está gastando ele, faça uma coisa de cada vez e com pausas entre elas. Tem um exercício que fazemos que é a consciência temporal, onde as pessoas respondem em que âmbito da vida elas estão gastando sua vida, e os resultados são sempre surpreendentes. Mas eu acho que o grande lance do desacelerar é: não há prescrição. Ele é entender que cada um tem uma vida, um contexto, uma especificidade, uma perspectiva para lidar com velocidade e a não-velocidade. A ideia geral é harmonia. A minha própria vida não é lenta ou vazia de coisas, eu não fico no ócio. Mas o desacelerar chegou pra mim nesse lugar de ter muita consciência de como eu uso meu tempo, aprendi a fazer concessões e escolhas. Nem sempre você vai conseguir escolher o que quer, mas o importante é você não se sentir refém do tempo. É importante trazer essa consciência para que cada um entenda o que é importante para você.

Compartilhar:


Entrevista com

Cirilo Tissot

Psiquiatra com especialização em vícios e diretor da Adeamus

Compulsões alimentares: por que e como elas surgem?

Conversamos com um especialista em compulsões para entender um pouco mais sobre esse impulso humano que pode ser o começo de uma longa jornada.

9 de Janeiro de 2024



A compulsão é um excesso de interesse por um determinado objeto de prazer que pode variar desde uma atividade - como a compulsão por exercícios físicos - até a uma substância - que pode levar a um quadro de dependência química, como te contamos neste artigo.

Das compulsões mais famosas, a alimentar se destaca por ser provavelmente a mais comum. Estima-se que 2,5% da população mundial sofra com esse mal que muitas vezes é a causa secundária de um outro problema, como a ansiedade.

A comida se torna então o objeto de prazer desse compulsivo e deixa de ser um item básico de sobrevivência pare se tornar um item de obsessão que ultrapassa nossos sinais internos de fome.

Conversamos com Cirilo Tissot, Diretor da clínica Audeamus, médico associado a Associação Brasileira de Estudos sobre Álcool e Drogas e mestre em psiquiatria pelo IPq-USP. Ele nos explicou um pouco mais sobre as origens e gatilhos desse mal. Você confere a conversa completa a seguir! 

Como você decidiu estudar as compulsões alimentares? Qual foi o estalo inicial na sua carreira?

Há 35 anos, comecei a observar na vivência clínica com pacientes internados, um fenômeno que se repetia com alguns deles. Não era com todos, mas a maioria dos afetados futuramente viriam a se somar com aqueles pacientes de ambulatório pós-cirurgia bariátrica - procedimento para redução do estômago.

Estes pacientes, frente à sobriedade do seu objeto de vício (a comida), começavam a demonstrar interesse em outros objetos de prazer. Nada de incomum, se não fosse pelo fato de ser abusivo e com características compulsivas não relatadas anteriormente. 

Um paciente que parava de beber começava a comer compulsivamente na mesa do refeitório. Outro viciado em cocaína corria na esteira da academia como um hamster “tresloucado”, enquanto outros demonstravam interesse por sexo, compras ou jogos. De qualquer forma, um novo comportamento se desenvolvia frente a supressão de outro, havendo uma migração entre eles. 

Meu interesse pelo estudo das compulsões iniciou-se aí, não só pela curiosidade em diferenciar as origens da compulsão daqueles não compulsivos, como também determinar um prognóstico frente a reabilitação. E no meu ponto de vista, é ainda mais importante prever antes a recaída quando do aparecimento de sinais da compulsão por qualquer coisa.

De forma científica, qual é a definição de uma compulsão? Quando pode ser chamado assim?

Dentro da psiquiatria e psicologia, a compulsão está mais associada ao transtorno obsessivo compulsivo (TOC), onde o indivíduo acometido tem ações repetidas habituais com características de rituais. 

Essas ações produzem alívio emocional em quem fantasia que alguma coisa de ruim irá acontecer. De qualquer forma, de modo geral, a compulsão refere-se a uma ação repetitiva que busca alívio ou prazer, que se impõe à razão apesar da percepção dos possíveis prejuízos acarretados, dando, à pessoa, a sensação de descontrole sobre si mesma.

E no caso das alimentares?

Na compulsão alimentar soma-se a ação de comer à definição anterior, dentro de um curto espaço de tempo (duas horas), uma quantidade não compatível com a fome ou vontade de comer das pessoas em geral. 

Como doença isolada (transtorno de compulsão alimentar - TCA), caracteriza-se por episódios recorrentes de compulsão (pelo menos uma vez por semana e durante meses), trazendo grande sofrimento, acessos noturnos de vontade de comer e vergonha de ser visto comendo em público. 

Ela não possui ação compensatória inadequada para perder peso (vômito, diarreicos, enemas etc.), diferenciando-se, desta forma, da bulimia. O Transtorno da Compulsão Alimentar caracteriza-se por ganho de peso, propiciando a obesidade mórbida. 

Na bulimia, apesar dos acessos de compulsão, não necessariamente a pessoa tem ganho de peso, já que existe um cuidado excessivo em não engordar. Podemos dizer também que no TCA a motivação principal é hedonista. Ou seja, existe um grande prazer em comer, enquanto na bulimia tem características de alívio da ansiedade.

Vivemos uma epidemia de compulsão alimentar de fato ou sempre houve e agora só sabemos melhor diagnosticar?

Os transtornos da alimentação vêm aumentando no mundo, afetando 2,5% da população. Porém, essa porcentagem tem sido maior no Brasil, principalmente após a pandemia, atingindo 4,7% dos brasileiros, segundo dados da OMS. Podemos pensar em duas causas principais: o sedentarismo e o aumento da ansiedade.

Definições mais claras do que vêm a ser os transtornos da alimentação, segundo os dois principais códigos de classificação (DSM5 e CID 11), ajudam os profissionais a fazerem diagnósticos mais precisos e, assim, termos mais precisão nas prevalências destes transtornos. Sabemos que metade dos brasileiros que sofrem dos transtornos alimentares estão acima do peso e, destes, 15% têm obesidade mórbida.

Quais são as causas secundárias que levam o indivíduo a ter uma compulsão alimentar?

A origem da compulsão alimentar é multifatorial, onde a diversidade de fatores se relaciona de forma complexa para produzir e, muitas vezes, perpetuar a doença. Os fatores precipitantes aumentam a chance do desenvolvimento dos transtornos alimentares, mas não são inevitáveis. 

Fatores ligados a personalidade, como baixa autoestima, impulsividade e instabilidade emocional, além de história pregressa de depressão, ansiedade e tendência a obesidade, estão associados ao desenvolvimento da compulsão alimentar, como fatores de predisposição.

Por outro lado, já está bem estabelecido que a compulsão alimentar está diretamente relacionada a presença de restrição alimentar (dieta) como fator de precipitação, quando associado a tendência a obesidade e dificuldade no controle dos impulsos. Junto com a dieta, eventos estressores que geram desorganização da vida e ameaça da integridade física (doença, gravidez e abuso físico), estão também frequentemente associados, por gerar insegurança e sentimento de inadequação. 


Diante de situações que aumentam a ansiedade, o compulsivo reage de forma a ficar ruminando ideias negativas, que por sua vez, geram sofrimento, sensação de vazio e o desejo imperioso de fazer algo a respeito. O prazer em comer, neste momento, parece trazer alívio e dá uma folga na pressão mental, promovendo distração e senso de recompensa.

No caso da compulsão alimentar infantil, as causas se aplicam da mesma forma ou há outros motivos?

Além dos fatores predisponentes, é na infância que se observa uma tendência da criança em engordar e a pressão familiar subsequente pelo controle do peso (dieta restritiva). Isso se alastra para a adolescência, quando o critério de beleza está socioculturalmente ligado a um ideal de magreza, em um momento da vida onde as mudanças corporais cursam com uma mudança de peso e de formas. 

A supervalorização do ser magro aumenta a insegurança do púbere e promove uma baixa autoestima. Familiares de indivíduos compulsivos em primeiro grau têm quatro vezes mais chance de desenvolver a mesma patologia, não sendo apenas por uma influência genética, mas pelo aprendizado da restrição alimentar familiar. 

Essa forma de funcionamento proporciona a manutenção do quadro compulsivo, onde a restrição alimentar antecede a compulsão alimentar, quando nos deparamos com os mesmos sinais e sintomas dos adultos, quer pela velocidade e quantidade de comida ingerida, quer por comer escondido ou durante a noite. 

Não podemos esquecer também, que, quanto mais urbanizada for uma criança, mais terá acesso a produtos alimentares super processados e de baixo poder nutricional (os conhecidos “fast food”). Isso também acarreta malefícios. 

Como tratar uma compulsão alimentar?

Enquanto em outros transtornos por uso de substâncias a reabilitação cursa com ensinar a pessoa a viver sem as drogas pela manutenção da sobriedade, na compulsão alimentar é o inverso. 

Manter uma rotina frequente de refeições (de três em três horas), com alimentos saudáveis e em um contexto que traga bem-estar, alimentando-se de forma devagar e com a prática de esporte nos momentos livres, parece ser fundamental para uma mudança no estilo de vida. 

A procura por profissionais especializados é fundamental para orientação e seguimento da reabilitação. Um psiquiatra pode ajudar com medicações, pensando nas comorbidades comumente associados na compulsão alimentar, como ansiedade e depressão, por exemplo.

Um terapeuta para psicoterapia na linha cognitivo-comportamental, preferencialmente. No caso de crianças e adolescentes, ter um psicoterapeuta familiar pode ser de grande ajuda.

Há novos caminhos que surgem inicialmente para outros fins, mas acabam funcionando para a compulsão? 

Nos últimos anos, medicações hipoglicemiantes vêm ganhando espaço no tratamento das compulsões alimentares e os estudos voltados para o emagrecimento indicam uma perda de peso de até 30% do peso corporal, sem que os mecanismos de como isso ocorra ainda estejam bem esclarecidos. 

De qualquer forma, parece atuar diretamente no circuito do prazer, diminuindo o senso de recompensa ou a necessidade de comer de forma compulsiva. Por outro lado, seus efeitos estão comprovados nos transtornos da compulsão alimentar como doença e não como sintoma. Isto é, não tem indicação na compulsão alimentar da Bulimia Nervosa, associada mais a ansiedade e sensação de vazio, mas sem o sobrepeso da obesidade mórbida, sua primordial indicação.


A dismorfia corporal das pessoas anoréxicas ou a necessidade de purgar ou compensar o aumento do consumo de alimentos nas bulímicas promove a perversão do uso inicial. O desejo de alcançar a beleza ideal em um corpo magro, mais a venda livre sem prescrição médica nas farmácias, pode agravar o quadro clínico das pessoas com diagnóstico de anorexia e bulimia nervosa.

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais