Parada obrigatória

Os trabalhos que importam

O que foi falado no Plenae em junho

1 de Julho de 2024


Os trabalhos que importam

Os trabalhos que importam
Quais trabalhos realmente importam? Para nós do Plenae, o trabalho que mais importa é sempre aquele que vai trazer algum benefício voltado para o crescimento pessoal. Não que a parte financeira não importe - longe disso. Mas esse não pode ser o único foco daqueles que buscam ser suas melhores versões sempre.

No mês de junho, falamos um pouco sobre tudo. E nessa grande salada, há sempre esse guarda-chuva que une todos os temas em um só objetivo: o trabalho pessoal. A seguir, você encontra um resumo de tudo que passou por aqui nos últimos trinta dias. E fique ligado: em julho teremos novidades! 
Semana verde
Você sabia que a nossa geração tem um papel crucial na preservação do meio ambiente? Cada pequena ação conta, e estar bem-informado é o primeiro passo para fazer a diferença! Dedicamos a primeira semana do mês para pensarmos sobre o tema, em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente
Pedalando por aí
Além de ser deliciosa a sensação dos cabelos ao vento, pedalar traz benefícios reais para o seu corpo, sua mente e para o contexto ao seu redor - contemplando três pilares nossos de uma vez só! Em comemoração ao Dia Mundial da Bicicleta, contamos a história do veículo e porque você deveria adotá-lo!
Combatendo o pessimismo
O pessimismo pode trazer malefícios, com o perdão da rima, e isso você já deve saber. Mas nem todos conseguem ser otimistas de forma espontânea e acreditam que é preciso nascer assim. Nesse artigo, te contamos como desenvolver o otimismo prático e o que ele pode te trazer de bom nessa vida!
Meu primeiro amor
Aquele sorriso que atravessou como uma faca, mas com a leveza de uma pena. O medo do desconhecido e uma fome intensa de enfim conhecê-lo. A primeira paixão, essa que vem marcada pelo ineditismo de todas as coisas, é uma das experiências mais importantes da vida. Falamos sobre ela na crônica do Dia dos Namorados!
Espiritualidade sem amarras
Você gostaria de ser uma pessoa mais espiritualizada, mas não se identifica com nenhuma religião? Fique tranquilo: você não está sozinho e os conceitos não são dependentes, apesar de interligados. Nesse artigo, te demos algumas dicas para trabalhar a sua espiritualidade sem necessariamente seguir um dogma.
Uma viagem para dentro
O chá de ayahuasca é uma tradição milenar que utiliza raízes amazônicas para criar essa bebida enteógena, cuja finalidade é te levar a viagens internas profundas. Em um relato pessoal, você confere como foi a experiência de um membro da nossa equipe que fez o ritual de consagração pela primeira vez! 
O date é com você!
Que tal se levar para sair sozinha? Por onde começar? Quais são os ganhos? Para te inspirar, conversamos com a Maria Yasmin Marinho Lodi, criadora de conteúdo e dona da conta @vaisozinhamesmo, para entender como começou essa ideia de “ir sozinha mesmo” nas coisas e quais são os benefícios que ela colheu até então. 
Olha a cobra! É mentira!
As primeiras notas da sanfona não nos deixam mentir: é tempo de festa junina! De celebrar a união dos povos, de todos os santos e do nosso país, onde tudo vira motivo para semear a alegria e a boa comida. E afinal, quem não tem uma boa lembrança que envolva quermesse? Falamos sobre o tema na segunda crônica do mês!
O mês acabou e chegamos oficialmente no meio do ano. Mas ainda tem muita coisa para rolar, como por exemplo, a nossa temporada do Podcast com histórias reais, da nossa comunidade. Conhece alguém que tenha uma boa para contar? Esse alguém é você? Para todas as respostas, o link é o mesmo: https://plenae.com/minhahistoria/. Inscreva-se ou mande para alguém! Nos vemos nos ventos de julho!

Compartilhar:


#PlenaeApresenta: Eduardo Foz e a paixão de uma vida como propósito

Na sétima temporada do Podcast Plenae, inspire-se com o propósito de Eduardo Foz, que fez de uma paixão seu ofício.

28 de Fevereiro de 2022



É possível uma paixão genuína tornar-se um verdadeiro propósito? Para o empreendedor Eduardo Foz, sim. Ele foi uma dessas crianças apaixonadas por animais: peixes, cachorros, tartarugas, todas as espécies o encantavam na mesma medida. 

“Eu herdei do meu pai e do meu tio essa alucinação por animais. O quarto do meu tio Cacá devia ter uns 20 aquários. Não sei como cabia. O meu programa preferido na infância era ir a uma loja na Rua dos Pinheiros, aos sábados, comprar um peixe. Eu juntava toda a minha mesada só pra isso.”

Com o passar dos anos, essa paixão não diminui - muito pelo contrário. Eduardo tornou-se um adolescente fascinado por animais e tutor até mesmo de um pavão. Já na vida adulta, seguiu um ramo acadêmico e profissional completamente diferente, tornando-se um economista e administrador. Mas o amor pelo reino da fauna só aumentava.

“Enquanto eu trabalhava, ia aumentando o número e a variedade de animais (filhos). Me casei com uma mulher maravilhosa e moramos num apartamento com tucano, arara, calopsitas. Me separei e, para poder ter mais animais, mudei para uma casa no bairro do Morumbi. Ninguém me segurava mais.”

Depois de muito se doar em um emprego que lhe trouxe êxito financeiro, mas não tanto emocional, Foz - como é conhecido pelos seus amigos - decidiu ser mais do que o dono de uma casa “excêntrica”, cheia de animais e atração para os filhos de seus amigos. 

“Meus amigos dizem que sou um cara excêntrico. Eu discordo. Da mesma forma que tem gente que gosta de filho humano, eu gosto de filho de qualquer espécie. Meus filhos vivem soltos pela casa. Sem brigas, em perfeita harmonia. Tem até namoro interespécie. (...) Morar com esses animais é como viver dentro de uma escola de amor e tolerância.”

Houve dois divisores de água em sua vida para o seu propósito então ficar mais evidente: um conselho de sua amiga, que viu naquela paixão uma oportunidade de fazer algo maior, e uma visita a uma ONG dedicada a melhorar a qualidade de vida de pessoas com transtorno do espectro autista, oferecendo o contato com animais, por exemplo. 

"O estalo mesmo veio quando a mesma amiga me levou na Fundação Fada, uma ONG dedicada a melhorar a qualidade de vida de pessoas com transtorno do espectro autista. A minha conexão com aquela causa foi muito forte e imediata. Assim como eu, os autistas vivem no mundinho deles. Muitos também têm mais facilidade de se relacionar com animais do que com gente. Mexido por aqueles encontros, em 2017, eu criei a Fundação Zoo Foz, uma organização sem fins lucrativos que atua nas áreas de educação ambiental e terapia assistida por animais.”

Assim nasce a Fundação Zoo Foz, em 2017, uma organização sem fins lucrativos que possui quatro objetivos muito bem definidos: a zooterapia, o trabalho de educação ambiental, intervenções sociais em bairros carentes e o combate ao tráfico de animais. 

“Meu propósito se tornou transformar vidas para criar um mundo melhor. O Zoo Foz tem quatro pilares: amor, cuidado, educação e respeito. Com base neles, nós promovemos quatro ações. A primeira é a zooterapia, em que o animal ajuda no desenvolvimento cognitivo e motor das pessoas com deficiência. A segunda é um trabalho de educação ambiental com crianças, porque eu acredito que educar é preservar. Hoje boa parte da população brasileira vive em grandes centros urbanos. A gente se preocupa com a Amazônia, com os oceanos, mas a natureza também está no passarinho que procura comida e água no nosso quintal. A nossa terceira ação são intervenções sociais, para ajudar comunidades carentes. E a quarta é o combate ao tráfico de animais.”

Para ele, um mundo melhor é possível quando o amor existe, e para ensinar esse conceito tão belo e genuíno de nossa espécie, não só podemos como devemos contar com a ajuda de outras espécies também, que tanto nos ensinam sobre tolerância, diversidade e cuidado. 

“A criança nasce sem a palavra preconceito e, com os animais, ela aprende a ter respeito e limite. Aprende também o conceito de finitude. É um casamento que não tem como dar errado. (...) A socialização com os animais é mais do que uma atividade de lazer. Ela também tem um forte poder educacional, que melhora o desenvolvimento sensorial, social e psicológico da pessoa. E ensina o verdadeiro significado da palavra AMOR. Com os animais, nós mostramos que o respeito e o cuidado com o planeta começam por nós mesmos. O resultado são seres mais sociáveis e amorosos, tudo que a Terra mais precisa.”

O relato completo dessa história emocionante você confere apertando o play no Podcast Plenae, disponível no site e na sua plataforma de streaming. 

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais