Coloque em prática

As vacinas que os adultos precisam tomar

Muitos adultos nem sequer sabem onde está a sua carteira de vacinação.

20 de Fevereiro de 2019


O surto de sarampo em curso no Brasil, com mais de 10 mil casos confirmados, pode levar pessoas a se perguntarem: minhas vacinas estão em dia? Muitos adultos, no entanto, nem sequer sabem onde está a sua carteira de vacinação. “Adolescentes, adultos e idosos não têm essa cultura bem estabelecida”, afirma Juarez Cunha, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

Existem vacinas para todas as faixas etárias. Diversas delas, como a tríplice viral (inclui sarampo), são oferecidas gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). “Em geral, adultos procuram se imunizar somente em situações de surto e epidemia, ou quando viajam”, aponta Cunha.

Com isso, se expõem ao risco de contrair - e disseminar - doenças preveníveis. “Recomendo que as pessoas questionem seus médicos sobre as vacinas disponíveis para elas.”
A tríplice viral que, além de sarampo, protege contra caxumba e rubéola, é oferecida em duas doses para pessoas de 20 a 29 anos, e em uma dose para aqueles entre 30 e 49 anos.

Também ofertada nos postos de saúde, a dupla adulto (dT), que evita tétano e difteria, deve ser reforçada a cada dez anos. Já a vacina da hepatite B deve ser tomada em três doses, no esquema 0-1-6 meses, segundo o calendário da SBIm .
Para pessoas com condições de saúde especiais, como indivíduos com mais de 60 anos que estejam acamados ou morem em instituições de longa permanência para idosos, o SUS oferece a vacina pneumocócica 23 valente.

Idosos e portadores de doenças crônicas não transmissíveis são ainda público-alvo da campanha anual de vacinação contra a gripe. O imunizante é ofertado também para: gestantes, mulheres com até 45 dias após o parto, professores da rede pública e privada e pessoas privadas de liberdade e funcionários do sistema prisional.

Há outras vacinas recomendadas pela SBIm, porém disponíveis somente em clínicas privadas, a exemplo de herpes zóster e hepatite A.
Segundo Juarez Cunha, só existem duas maneiras de atestar que uma pessoa é imunizada: por meio de um certificado de vacinação ou de um exame laboratorial. Por isso, é importante guardar a carteira de vacinação.

Vacinas

Hepatite A
Recomendação: Duas doses, com esquema 0-6 meses. Oferecida pelo SUS: Não.

Hepatite B
Recomendação: Três doses, com esquema 0-1-6 meses. Oferecida pelo SUS: Sim.

Tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola)
Recomendação: Se nunca vacinado, duas doses até 29 anos e uma dose entre 30 e 49 anos. Oferecida pelo SUS: Sim

Dupla adulto (difteria e tétano)
Recomendação: Reforço a cada 10 anos. Oferecida pelo SUS: Sim.

HPV
Recomendação: Homens de até 26 e mulheres de qualquer idade Oferecida pelo SUS: Gratuita na rede pública somente para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos.

Influenza (gripe)
Recomendação: Dose única anual. Oferecida pelo SUS: Sim, para pessoas com mais de 60 anos e demais grupos de risco (Gestantes, portadores de doenças crônicas não transmissíveis, povos indígenas, mulheres com até 45 dias após o parto, professores da rede pública e privada, pessoas privadas de liberdade e funcionários do sistema prisional).

Febre amarela
Recomendação: Dose única, se nunca vacinado. Oferecida pelo SUS: Sim.

Pneumocócica 23 Valente
Recomendação: Duas doses até 65 anos. Terceira dose depois dos 65 anos, com 5 anos de intervalo em relação à anterior. Oferecida pelo SUS: Sim, para grupos específicos (Pessoas com 60 anos e mais não vacinados que vivem acamados e/ou em instituições fechadas).

Pneumocócica 13 Valente
Recomendação: Uma dose para pessoas acima de 60 anos. Oferecida pelo SUS: Não.

Herpes zóster
Recomendação: Dose única, a partir de 60 anos. Oferecida pelo SUS: Não.

Dengue
Recomendação: Somente para pessoas que já tiveram dengue. Adultos de até 45 anos, três doses em esquema 0-6-12 meses. Oferecida pelo SUS: Não

Compartilhar:


Coloque em prática

Como traçar e cumprir metas?

Conversamos com uma especialista para entender como escrever metas verdadeiras e não perder o foco nos próximos meses.

11 de Janeiro de 2024


Agora que o ano oficialmente começou, é hora de começar a pensar nas metas que te darão norte nos próximos meses. Seja uma meta pequena ou até as maiores, o fato é que para não sentir aquela sensação de frustração no final de dezembro, é preciso começar ainda hoje a não perder o foco. 

Conversamos com uma especialista para entender um pouco mais sobre esse processo que é principalmente mental e que não depende de mais ninguém se não você. Leia mais a seguir!

Ritual antigo

O hábito de traçar metas para o próximo ano sempre existiu, apesar da impressão de parecer ter ganhado mais força nos últimos tempos. É parte de um ritual e, como te contamos neste Tema da Vez, os rituais são muito importantes para a elaboração dos sentimentos da nossa espécie. 

“O fechamento de um ciclo e início de um novo ano culturalmente nos trazem a oportunidade de recomeçar, mudar, fazer diferente. A esperança normalmente é um sentimento bastante presente nesses momentos,  o que motiva as pessoas a acreditarem num futuro melhor”, diz Thaís Gameiro, neurocientista pela UFRJ e sócia da Nêmesis, empresa que oferece assessoria e educação corporativa na área de Neurociência Organizacional.

Para ela, essa sensação de que a prática é “nova” se dá pelo fato da maior visibilidade e atenção que a atividade ganhou por conta dos meios de comunicação e da velocidade com que as informações chegam até grande parte das pessoas. “Hoje existem ferramentas físicas e digitais que nos ajudam a criar e monitorar nossas metas”, pontuação.

Por que é tão difícil cumprir nossas metas?

“Nossas metas e objetivos (pessoais ou profissionais) normalmente envolvem conquistas ou desfechos que ocorrerão no futuro, ou seja, na maioria das vezes precisamos adotar comportamentos ou fazer esforços no presente para conquistar resultados que só poderão ser vistos ou mensurados no longo prazo”, explica Thaís. 

Esse costuma ser o principal fator de dificuldade, já que nossa capacidade de enxergar os benefícios de longo prazo é mais limitada. Até porque, o sistema de recompensa do nosso cérebro funciona principalmente diante de ganhos imediatos, como te explicamos aqui. 

“Somos mais sensíveis a recompensas e respostas imediatas, mais tangíveis e fáceis de serem percebidas pelo cérebro como algo concreto. Quando precisamos enxergar benefícios que só ocorrem no futuro, ficamos vulneráveis a perder o foco do objetivo principal por conta de distrações que oferecem recompensas imediatas, mas que muitas vezes nos afastam da meta desejada”, reflete a neutrocientista. 

Esse fenômeno tem nome: viés do presente. Queremos emagrecer para ter mais saúde e também para ter um corpo mais bonito, por exemplo, e sabemos o que é preciso fazer em termos de alimentação. Mas o benefício dessa alimentação só aparece após alguns meses de esforço e determinação. 

Até lá, nós acabamos cedendo aos prazeres imediatos de um chocolate ou uma pizza que também possuem o seu valor, mas quando em excesso, nos desviam do nosso objetivo final. Esse mecanismo também está presente na procrastinação, atitude que desmembramos mais neste artigo. 

O que fazer? 

Para cumprir nossas metas ao longo de todo o ano sem desanimar, é preciso antes de mais nada dividir grandes objetivos em metas menores, mais simples e fáceis de serem executadas e acompanhadas, como explica Thais. 

“Uma das maneiras de nos manter motivados é perceber que estamos evoluindo, então será importante monitorar periodicamente como está sendo o seu progresso. Por exemplo, se você deseja ler mais em 2024, comece com uma meta de 30 minutos por dia ao invés de 1 livro por mês. Esse simples ajuste poderá ser a diferença entre engajar ou não nessa nova atividade pois, para o cérebro, a primeira meta parece simples e fácil de ser alcançada”, diz.

Outro ponto importante é planejar e “ensaiar” mentalmente quais estratégias você irá adotar para vencer os possíveis obstáculos que podem surgir no meio do caminho. “Quando exercitamos esse planejamento, damos ao cérebro maior repertório de atitudes e facilitamos a tomada de decisão frente aos desafios que podem aparecem e dificultar o cumprimento das metas”, pontua.

É importante ainda criar metas mais reais, e isso será impossível sem que você exercite o seu autoconhecimento e reflita sobre quais metas realmente você deseja alcançar. Tudo bem repetir a meta do ano anterior se ela não foi alcançada, mas pense: por que eu não a completei? Será que ela faz realmente sentido para mim? 

Outras questões que você pode levantar nessa jornada são: o que verdadeiramente me motiva? Você acredita que é possível chegar lá? Se sente animado e feliz ao imaginar-se no percurso até o seu objetivo final?

“É importante lembrar que menos é mais! Escolha 2 ou no máximo 3 objetivos que você realmente deseja alcançar e pense nas estratégias que irá adotar. Para alcançar nossas metas é necessário bem mais do que força de vontade, é preciso criar um plano de ação objetivo e definir estratégias. Uma boa meta deve vir acompanhada de ações simples e mensuráveis, que contribuem para alcançar tal objetivo: o que vou fazer, como e quando?”, aponta Thais.

O acolhimento

Por fim, mas não menos importante, é importante acolher também as metas não realizadas, que podem causar as intensas frustrações no final do ano, período que já costuma ser mais emotivo.

“Pense nas coisas boas e positivas que ocorreram ao longo do seu ano, faça uma lista das surpresas, conquistas e momentos positivos que você não planejou, mas que aconteceram”, coloca a especialista. 

Busque aprender com os erros e obstáculos que impediram seus objetivos passados de serem alcançados e pense em como fazer diferente. Não há nada de errado em não ter “chegado lá”, seja onde esse “lá” for. 

O que não pode acontecer é a estagnação diante disso, pois o verdadeiro fracasso é não tentar. Acredite em si mesmo e comece o ano diferente! Há muitas surpresas reservadas para quem ousa chegar no futuro!

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais