Coloque em prática

Cinco motivos para integrar os idosos

As políticas de integração que hoje podem decidir a vida das gerações mais velhas e traçar o futuro dos que ainda não envelheceram.

27 de Agosto de 2018


A escritora e jornalista norte-americana Ann Landers resumiu bem a indiferença da sociedade em relação ao idoso: “Aos 20 anos, estamos preocupados com o que os outros pensam de nós. Com 40 anos, não importa mais o que pensam de nós. E aos 60 anos, descobrimos que eles não pensam sobre nós.” Em breve essa realidade pode mudar à medida que os adultos com mais de 60 anos se tornam o maior grupo demográfico dos Estados Unidos. Os ganhos sem precedentes de expectativa de vida terão profundos efeitos sobre o futuro de toda a sociedade. As políticas de integração que hoje podem decidir a vida das gerações mais velhas e traçar o futuro dos que ainda não envelheceram. Por isso, as gerações mais jovens precisam pensar como os idosos podem participar e ter pleno direito na sociedade. Trata-se de uma questão a ser resolvida pela sociedade em geral. Abaixo, cinco questões importantes para serem refletidas.
  1. Recurso humano disponível. Aumentar a contribuição econômica do idosos é ganho social. A experiência e a capacidade sêniores precisam ser aproveitadas para dar impulso à economia. Por exemplo, como mentores de estudantes, de jovens empresários e de proprietários de pequenas empresas. Os especialistas em artes e música podem restaurar programas nessas áreas em escolas que foram vítimas de cortes extensivos de verbas. As possibilidades são infinitas.
  2. Aumento exponencial. Uma criança que nasce hoje tem boa chance de viver até os 100 anos. Quanto mais a população avança na idade, maior será a quantidade de idosos e menor a de jovens. Como uma mão-de-obra vastamente diminuída carregará um contingente de aposentados em expansão é um enigma econômico crítico.
  3. Novas regras. Quando os idosos forem maioria, a forma como vivemos – o trabalho, o amor e o lazer – mudarão. Isso não deve ser uma surpresa, pois as pessoas mais velhas diferem das gerações mais jovens de maneiras significativas – em valores, prioridades, gostos e preferências na moda, na televisão, nos filmes e nas novas tecnologia. Lembrando que, em geral, é a maioria quem dita as regras.
  4. Poder político. Além do aumento em número, os idosos estão mais atuantes na política. A porcentagem de norte-americanos mais velhos que votaram nas últimas eleições foi maior do que o de qualquer outra faixa etária.
  5. Consumidores potenciais. Mais importante ainda, essa população sênior não só contribuirá para a economia em geral, mas também mudará a imagem que o mercado tem dos potenciais consumidores. Nenhum outro movimento demográfico trouxe até agora tantas mudanças e promessa para a criação de uma sociedade mais integrada e ainda mais tolerante às diferenças. Leia o artigo completo aqui.
Fonte: Bernard Starr Síntese: Equipe Plenae

Compartilhar:


Coloque em prática

As relações na mira: como mantê-las saudáveis em 2023?

Veja o que passou por aqui em 2022 no pilar Relações e como aplicar essas dicas em 2023!

5 de Janeiro de 2023


Somos parte de um todo. Sozinho, somos apenas um grão de areia, mas juntos, somos uma praia inteira. Dessas que não dá vontade de ir embora, vale dizer! Em tempos onde nossas conexões podem estar um pouco atribuladas, o objetivo do Plenae ao longo do último ciclo foi unir, cada vez mais, o que possa ter se desunido. Então confira a seguir alguns caminhos possíveis para aprimorar ainda mais suas relações nesse próximo ano!  

Metas

1- Abrace o diferente! Afinal, ser diferente é n o r m a l, ok? Então vamos abraçar as culturas indígenas, que há séculos nos ensinam tanto, e também os transgêneros, que se aceitaram como eles são - e nosso dever é aceitá-los também! Isso vale também para seu estado civil: são várias as formas de amar e contamos sobre algumas delas por aqui! 

2- Ouça o outro. Só assim você se ouvirá também. Saiba ler suas emoções e saiba também como tornar a sua comunicação mais efetiva. Nesse tópico, vale entrar também as diferenças geracionais, como por exemplo, entender o que mudou da criação de nossos avós para cá. Não há um melhor do que o outro, apenas propostas diferentes. 

3- De olho nos jovens. Afinal, se o mapa do nascimento nos explica que nossas primeiras sensações ditam as nossas futuras sensações, há de se entender que o que esperamos para o futuro está nas mãos dos jovens! Estamos falando de saúde mental o suficiente com eles? E sobre honestidade, estamos encarando esse tema tão desafiador com as nossas crianças

4- Busque conhecimento. Entender conceitos e desmistificá-los é parte importante dessa trajetória. O que é o parto humanizado? Qual a diferença entre simpatia e empatia? O que é a depressão pós-parto? E o ciúme, como entendê-lo e como curá-lo? Essas foram algumas questões que buscamos responder por aqui!

5- Inspire-se! Seja com a ajuda dos filmes ou até com exemplos de outras famílias, como é o caso da família Gil. Vai torcer por um time? Torça junto e observe os benefícios! O importante é fortalecer suas relações, seja qual fonte de inspiração ou situação seja a sua. 

E aí, já se sentiu mais fortalecido para ir atrás de melhores relações - ou de melhorar as que você já possui? São nossos laços que nos tornam humanos. Acredite na importância e na potência deles!

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais