Coloque em prática

Como transformar pensamentos ansiosos em ações produtivas

Algumas pessoas sofrem de distúrbios de ansiedade e precisam de tratamento. A ansiedade em si, no entanto, é normal e faz parte da vida.

22 de Novembro de 2018


Algumas pessoas sofrem de distúrbios de ansiedade e precisam de tratamento. A ansiedade em si, no entanto, é normal e faz parte da vida. “Todo mundo tem um pouco de ansiedade”, diz a psicóloga clínica Kate Cummins. “Ela é a razão pela qual você se levanta quando o alarme dispara ou se prepara bem para uma reunião no trabalho.”

Conversamos com especialistas em saúde mental para aprender as melhores estratégias para transformar pensamentos ansiosos em ferramentas que podem ser, como diz Cummins, “seu melhor amigo no desempenho, em vez de um prejuízo”.

Faça algumas respirações profundas
Antes de transformar ansiedade em produtividade, é preciso acalmar-se. “Uma vez que o pensamento [ansioso] foi notado, eu gosto de pedir aos meus clientes que respirem profundamente algumas vezes”, afirma a coach Melissa Coats. “Isso ajuda o corpo a entender que não está sob ameaça.

Ansiedade é medo, e esses pensamentos ansiosos estão tentando nos proteger de algo horrível. Então, em vez de sermos duros com esses pensamentos, agradeço-lhes pelo que estão tentando fazer e tomo uma decisão sobre como agir com uma mente mais clara.”

Conecte-se com o físico
Natalie Finegood Goldberg, terapeuta especializada em casamento e família, recomenda sair da cabeça e entrar no corpo. “Isso pode ser feito atirando uma bola de tênis contra a parede, mantendo-se no lugar e deslocando seu peso para a frente e para trás, ou qualquer ato que permita concentra-se em algo físico. A mudança no sistema nervoso desacelera o corpo e ajuda a retomar o pensamento racional.”

Tenha um diário
Anotar os pensamentos ajuda a transferir a ansiedade da cabeça para o papel. “Um dos principais benefícios de fazer um diário é ter uma compreensão mais profunda de seus gatilhos e estar preparado para lidar com eles”, diz Celeste Viciere, conselheira clínica mental.

Faça alguma atividade artística
Uma das principais recomendações da conselheira profissional Essence Cohen Fields para clientes que lidam com pensamentos ansiosos é se expressar por meio da arte. “Toque um instrumento, pinte ou escreva poesia”, sugere. “Concentrar-se em uma atividade que requer disciplina permite canalizar sua ansiedade e energia excessiva em algo útil”, diz. Você pode até tentar algo muito simples, como colorir.

Tenha um amigo para ouvi-lo
“Pergunte a um amigo se ele estaria disposto a se sentar com você no telefone ou pessoalmente e deixar você falar sobre todos os problemas, sem tentar oferecer conselhos, opiniões ou julgamentos, a menos que você peça”, diz Evanye Lawson, conselheira profissional. “Quando precisar dele, pergunte se está livre para ouvi-lo falar sobre as coisas que o deixam ansioso”, diz.

Reserve um horário para a preocupação
Um dos traços mais difíceis da ansiedade é o senso de urgência que ela traz. Lembre-se de que você terá tempo para pensar mais tarde, quando estiver calmo. “Reserve um horário durante o dia em que você se dê permissão para se preocupar – você pode até ter um lembrete no seu calendário”, recomenda a terapeuta Katie Krimer.

Fonte: Nicole Spector
Síntese: Equipe Plenae
Leia o artigo completo aqui

Compartilhar:


Coloque em prática

Este exercício pode prever quantos anos você viverá. Será?

O exercício que parece simples pode se provar não ser tão fácil quanto parece, mas muito revelador

25 de Março de 2019


O exercício parece simples: sente-se no chão e fique de pé sem a ajuda das mãos ou dos joelhos. Experimente, no entanto, e você pode descobrir que não é tão fácil quanto parece.

  


De acordo com o médico Claudio Gil Araújo, esse exercício pode prever a mortalidade em pessoas de meia-idade e idosos. Pesquisador de medicina esportiva, Araújo aplicou o exercício em um estudo publicado em 2012 no periódico European Journal of Cardiovascular Prevention em 2012. De tempos em tempos, ele ressurge nos meios de comunicação, causando incômodo em quem não consegue sair do chão. Será que essa preocupação é justificada?

O exercício

O teste requer que você se abaixe no chão, cruzando as pernas, sem se apoiar com as mãos, joelhos, braços ou lateral das pernas. Se você conseguir se levantar, novamente sem a ajuda dessas partes do corpo, você marcou 10 (cinco pontos por sentar, cinco pontos por ficar de pé).

Você perde um ponto toda vez que se sustenta em uma articulação proibida.
Os pesquisadores testaram 2.002 adultos de 51 a 80 anos e os acompanharam por, em média, 6.3 anos. Durante a pesquisa, 159 pessoas morreram, das quais somente duas obtiveram nota 10 no teste. Os voluntários que tiraram de 0 a 3 pontos demonstraram um risco de morte cinco ou seis vezes maior do que aqueles que tiraram de 8 a 10 pontos.

“É bem sabido que a aptidão aeróbica está fortemente relacionada à sobrevivência, mas nosso estudo também mostra que a manutenção de altos níveis de flexibilidade corporal, força muscular, relação peso-potência e coordenação não é boa apenas para a realização de atividades diárias, mas tem uma influência favorável na expectativa de vida ”, disse Araújo em um comunicado de imprensa de 2012.

E se você não conseguir?

Felizmente, outras variáveis ​​se aplicam à nossa saúde (e à nossa longevidade), além de aquela aplicada no teste. É importante lembrar que os resultados do estudo são mais relevantes para quem tem mais de 51 anos, como os participantes da pesquisa.
O exercício serve para rastrear a perda de músculo de um indivíduo no processo de envelhecimento, conhecido como sarcopenia, disse Greg Hartley, professor assistente da Universidade de Miami.

Esse declínio leva a outros problemas de mobilidade, o que diminui a qualidade de vida.
"Fraqueza, força, massa muscular, desempenho físico - todas essas coisas estão ligadas à mortalidade, mas eu não faria uma relação de causa e efeito", disse Hartley. "Por exemplo, se alguém tiver um joelho muito ruim e não puder fazer o teste, isso não significa que ela morrerá em breve."

Barbara Resnick, professora e coordenadora de gerontologia da Universidade de Maryland, concorda. "[Uma pontuação alta] é um sinal de que, nesse momento, você está em boa condição física em termos de força muscular, mas não acredito que seja um indicador de longevidade", afirmou.

“Existe um componente genético. Algumas pessoas são apenas mais fortes fisiologicamente e mais coordenadas do que outras.” Se você está preocupado por não conseguir sentar-se e levantar-se sem ajuda, a boa notícia é que você pode trabalhar nisso e provavelmente vai melhorar com o tempo.

Fonte: Erin Strout
Síntese: Equipe Plenae
Leia o artigo completo aqui

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais