Coloque em prática

Como transformar pensamentos ansiosos em ações produtivas

Algumas pessoas sofrem de distúrbios de ansiedade e precisam de tratamento. A ansiedade em si, no entanto, é normal e faz parte da vida.

22 de Novembro de 2018


Algumas pessoas sofrem de distúrbios de ansiedade e precisam de tratamento. A ansiedade em si, no entanto, é normal e faz parte da vida. “Todo mundo tem um pouco de ansiedade”, diz a psicóloga clínica Kate Cummins. “Ela é a razão pela qual você se levanta quando o alarme dispara ou se prepara bem para uma reunião no trabalho.”

Conversamos com especialistas em saúde mental para aprender as melhores estratégias para transformar pensamentos ansiosos em ferramentas que podem ser, como diz Cummins, “seu melhor amigo no desempenho, em vez de um prejuízo”.

Faça algumas respirações profundas
Antes de transformar ansiedade em produtividade, é preciso acalmar-se. “Uma vez que o pensamento [ansioso] foi notado, eu gosto de pedir aos meus clientes que respirem profundamente algumas vezes”, afirma a coach Melissa Coats. “Isso ajuda o corpo a entender que não está sob ameaça.

Ansiedade é medo, e esses pensamentos ansiosos estão tentando nos proteger de algo horrível. Então, em vez de sermos duros com esses pensamentos, agradeço-lhes pelo que estão tentando fazer e tomo uma decisão sobre como agir com uma mente mais clara.”

Conecte-se com o físico
Natalie Finegood Goldberg, terapeuta especializada em casamento e família, recomenda sair da cabeça e entrar no corpo. “Isso pode ser feito atirando uma bola de tênis contra a parede, mantendo-se no lugar e deslocando seu peso para a frente e para trás, ou qualquer ato que permita concentra-se em algo físico. A mudança no sistema nervoso desacelera o corpo e ajuda a retomar o pensamento racional.”

Tenha um diário
Anotar os pensamentos ajuda a transferir a ansiedade da cabeça para o papel. “Um dos principais benefícios de fazer um diário é ter uma compreensão mais profunda de seus gatilhos e estar preparado para lidar com eles”, diz Celeste Viciere, conselheira clínica mental.

Faça alguma atividade artística
Uma das principais recomendações da conselheira profissional Essence Cohen Fields para clientes que lidam com pensamentos ansiosos é se expressar por meio da arte. “Toque um instrumento, pinte ou escreva poesia”, sugere. “Concentrar-se em uma atividade que requer disciplina permite canalizar sua ansiedade e energia excessiva em algo útil”, diz. Você pode até tentar algo muito simples, como colorir.

Tenha um amigo para ouvi-lo
“Pergunte a um amigo se ele estaria disposto a se sentar com você no telefone ou pessoalmente e deixar você falar sobre todos os problemas, sem tentar oferecer conselhos, opiniões ou julgamentos, a menos que você peça”, diz Evanye Lawson, conselheira profissional. “Quando precisar dele, pergunte se está livre para ouvi-lo falar sobre as coisas que o deixam ansioso”, diz.

Reserve um horário para a preocupação
Um dos traços mais difíceis da ansiedade é o senso de urgência que ela traz. Lembre-se de que você terá tempo para pensar mais tarde, quando estiver calmo. “Reserve um horário durante o dia em que você se dê permissão para se preocupar – você pode até ter um lembrete no seu calendário”, recomenda a terapeuta Katie Krimer.

Fonte: Nicole Spector
Síntese: Equipe Plenae
Leia o artigo completo aqui

Compartilhar:


Coloque em prática

Contando carneirinhos: 9 dicas para combater a sua insônia

A prática milenar que ganha cada dia mais adeptos, pode ser feita de diferentes maneiras e trazer diversos benefícios.

13 de Fevereiro de 2020


Dos males que influenciam na qualidade do sono dos brasileiros, a insônia é a mais frequente, seguido do ronco e da apneia - segundo informações da Associação Brasileira do Sono (ABS). Isso porque ela pode estar relacionada a diferentes fatores não só biológicos, como ambientais também, ou seja, provenientes do ambiente onde o indivíduo insone está inserido.

“Hábitos irregulares do sono, ingestão de bebidas alcoólicas e/ou distúrbios psiquiátricos como ansiedade e síndrome do pânico, podem ser gatilhos para a insônia” explica Sérgio Pontes Prado, pneumologista e médico do sono.
Porém, é difícil caracterizar com precisão o que é a insônia, e ainda mais difícil diagnosticar o paciente, uma vez que não há metodologia ou instrumento exato.

Ela é cravada com base na percepção e suspeita clínica, que pode ser alta ou baixa, depende das comorbidades do paciente. “A definição mais aceita é a de que a insônia é uma dificuldade persistente não só para iniciar o sono, mas também para mantê-lo. Após três meses de persistência do sintoma, já pode ser considerado insônia crônica” explica.

Já são 73 milhões de brasileiros sofrendo de insônia, segundo o mesmo estudo da ABS. “Ela pode acontecer em qualquer idade, inclusive na infância, mas ela é pior e acontece com mais frequência depois dos 65 anos” explica o doutor. Para a Associação Mundial de Medicina do Sono, a boa qualidade do sono tem que estar atrelada, necessariamente, aos elementos de duração, continuidade e profundidade.

A longo prazo, a condição pode alterar ciclos do sono de vigília e, com isso, a liberação de hormônios importantes para o indivíduo. Isso reflete não só no bem-estar do paciente, como também provoca uma alteração de todo um ciclo biológico, responsável por manter órgãos e sistemas funcionando bem.

“A insônia pode afetar os funcionamentos metabólicos e principalmente cardiovasculares do indivíduo. Isso abre precedente para o surgimento de doenças como hipertensão, diabetes, arritmias, doenças psiquiátricas e, em casos mais graves, infartos ou AVC. Ela pode até mesmo dificultar sua ganha ou perda de peso” conta Sérgio.

Mas calma, nem tudo está perdido! Separamos algumas dicas preciosas que podem te ajudar a driblar a insônia, ou até acabar com ela de uma vez por todas.

  • Psicoterapias, entre elas, a terapia cognitiva-comportamental sendo a mais indicada. Já pensou em falar com um psicólogo o que é que pode estar tirando o seu sono? O resultado pode te impressionar!
  • Ter um “quarto seguro”, ou seja, escuro, fresco, silencioso e livre de distrações. “Nós, médicos, não indicamos ter televisão no quarto, porque isso faz com que o organismo acostume a ter uma TV ali, e entende que você deve ficar acordado pra assistí-la” explica Sérgio. Além disso, o quarto deve ser um ambiente utilizado apenas para repouso, treinando o seu cérebro a desligar-se lentamente quando estiver por lá.
  • Evitar o uso de eletrônicos luminosos 40 minutos antes do repouso, para não dificultar a produção do hormônio da melatonina, responsável por prover a sensação de sono.
  • Evitar também a prática de exercícios físicos nas últimas quatro horas que antecedem o seu descanso. “Mas isso se aplica apenas à exercícios físicos de grande intensidade. Caminhadas ou alongamentos, por sua vez, podem até ajudar” revela o médico.
  • Realizar refeições copiosas, de difícil digestão e altas calorias. É importante ingerir um pouco de carboidrato para que seu corpo reserve durante o sono, mas em grandes quantidades, o efeito pode ser reverso, te dando ainda mais energia e estendendo o seu período acordada.
  • O mesmo vale para bebidas como álcool ou líquidos cafeinados como chás escuros, refrigerantes e, claro, o café. “Opte por chás já amplamente conhecidos pelo seu poder calmante, como camomila ou erva cidreira” indica o pneumologista.
  • Checar se as condições do seu colchão e cama são confortáveis e, principalmente, ergonometricamente corretos. É importante manter a coluna o mais horizontal possível, por exemplo, portanto, travesseiros de muita altura podem te prejudicar.
  • Adotar o mesmo horário para se deitar e se levantar, mesmo aos fins de semana. É um hábito aparentemente irrelevante, mas para nosso organismo, de suma importância. Isso porque a criação dessa rotina incentiva nosso organismo a entender e assimilar como o correto diariamente.
  • Evitar deitar sem sono. “A gente não deve brigar com o sono. Se não estiver cansado ainda, o ideal é não ir. Se depois de meia hora deitado, ainda não tiver conseguido dormir, saia da cama, levante e faça uma atividade prazerosa, nem que seja ir pra sala assistir um pouco de televisão” conclui o especialista.

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais