Para Inspirar

A oitava temporada do Podcast Plenae está no ar!

Mais seis histórias para você mergulhar e descobrir, por meio da trajetória do outro, os caminhos para a sua própria!

15 de Maio de 2022


Você está pronto(a) para descobrir o que nossos convidados têm para contar e, assim, inspirar-se com verdadeiras histórias de transformação? Então, prepare-se! Vem aí, a nova temporada do Podcast Plenae - Histórias para Refletir! São seis episódios inéditos com relatos e experiências de vida que convidam você a refletir sobre diferentes temas sob cada um de nossos pilares: Corpo, Mente, Espírito, Relações, Contexto e Propósito.

Às vezes, é importante descobrir o que se passa na história do outro para enxergar como é possível tornar a sua ainda melhor! Eles nos contam sobre os principais desafios ao longo de suas carreiras, o poder das escolhas e de como souberam lidar com cada mudança.

E quem são eles, afinal?  Abrindo os trabalhos, temos o pilar Contexto sendo representado pelo autor de sucesso, Itamar Vieira, que conta quais foram os caminhos que ele trilhou antes de lançar o seu best-seller.

Na sequência, navegaremos com Tamara Klink, que conduz o pilar Mente em seu emocionante relato de quando, aos 24 anos, ela se lançou ao mar e encontrou não só desafios náuticos, mas também os desafios da solidão.

Em Relações, o chef Henrique Fogaça como você nunca viu! Sua versão pai dedicado e determinado a trazer mais conforto para a vida de sua filha, Olívia, que possui uma síndrome nunca diagnosticada, é o enredo desse emocionante episódio.

Na ponta do pé, a bailarina Ingrid Silva é a responsável pelo episódio de Corpo, mas mais do que falar sobre o estilo clássico de dança, ela vai falar sobre representatividade e resiliência. 

O jornalista Boris Casoy é o representante do pilar Propósito, no quinto episódio dessa temporada. Aos 80 anos ele se matriculou em Medicina Veterinária, movido pela crença de que ficar parado é abrir as portas para a depressão.

Encerramos essa temporada com a empreendedora Renata Rocha, representante de Espírito. Como a espiritualidade impulsionou sua vida pessoal e profissional, permeando em todos os aspectos? É o que você vai descobrir nesse episódio! 

Você está preparado para mais esse mergulho? Fique ligado em nossas redes sociais, pois o início dessa temporada está cada vez mais perto! Ajeite-se confortavelmente, escolha seu fone e seu streaming de preferência e prepare-se para mais uma dose de inspiração!

Curtir

Compartilhar:


Para Inspirar

Falta de amigos é tão nocivo à saúde quanto fumar

Não fazer amigos afeta o organismo, envelhece o cérebro e desfavorecem o bem-estar na maturidade.

6 de Fevereiro de 2019


Ser popular aos 20 anos e solidificar as amizades aos 30 é uma das receitas para a longevidade. Segundo pesquisadores da Universidade de Rochester, as interações sociais nessa fase ajudam a construir uma série de ferramentas importantes para solidificar valores e ajudar a lapidar a personalidade, fatores que favorecem o bem-estar na maturidade. “Geralmente é na juventude que conhecemos pessoas de origens diversas, com opiniões e valores diferentes dos nossos, e aprendemos a melhor forma de lidar com essas diferenças”, disse a psicóloga Cheryl Carmichael, líder do estudo. Não fazer amigos afeta o organismo. “Ter poucas conexões sociais é tão nocivo como fumar cigarros, é pior do que ingerir quantidades excessivas de álcool ou sofrer de obesidade”, disse ela. Três observações importantes:
  1. Chegar aos 30 anos com muitos amigos não garante benefícios psicossociais futuros. Mas quem chegou lá, com relacionamentos de qualidade – definidos como íntimos e satisfatórios – relatou depois altos níveis de bem-estar na meia-idade.
  2. Ser um jovem de 20 anos socialmente ativo também não garante boas conexões aos 30 – quando o engajamento social de qualidade parece impactar mais no futuro.
  3. Interagir com mais pessoas – até mesmo com conhecidos casuais – dá um sentimento de pertencimento, que leva à felicidade, de acordo com estudo de 2014 publicado no Boletim de Personalidade e Psicologia Social.
Método. Carmichael contatou indivíduos que foram colegas de faculdade na década de 1970 e dez anos mais tarde participaram do Rochester-Interaction Record (RIR), estudo sobre a natureza e o impacto das experiências.  Dos 222 integrantes que passaram pelas duas fases do estudo original, a psicóloga acompanhou 133. Leia o artigo completo aqui .
Curtir

Compartilhar:


Recebe nossa Newsletter: bem-estar, autoconhecimento e muito mais, todo mês no seu e-mail!

Um convite para você ser protagonista de sua própria história.

Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais