Para Inspirar

A relação entre propósito e trauma

Se o propósito é um desejo, logo, ele mora em nosso cérebro. Mas como esse órgão tão vital fica após um trauma?

13 de Dezembro de 2020


Conhecida por todos desde a infância, a apresentadora Angélica cresceu diante dos olhares da câmera e do público de todo o país. O que poucos sabem é que ela entrou para o mundo da televisão em uma tentativa de sua mãe para que ela se distraísse e superasse um grande trauma: ter visto seu pai ser baleado aos 6 anos de idade.

Essas e outras histórias de superação são narradas por ela no terceiro episódio do Podcast Plenae - Histórias Para Refletir. Apesar de intensas, todas elas levaram Angélica a ser o que é hoje, uma mulher ainda mais cheia de ideais, com mais autocontrole e autoconhecimento e, sobretudo, em constante busca de sua melhor versão.

Sendo o propósito uma vertente do desejo - seja qual for a sua raiz - portanto, ele habita em nosso cérebro. Mas como esse órgão tão vital fica após sofrer um trauma de ordem emocional, e não física? Há alguma correlação entre ambos e, indo mais afundo, alguma mudança do que queríamos antes e depois de sofrer um trauma?

O cérebro e o trauma

Sabemos que o cérebro é composto por milhares de neurônios que, diariamente, exercem conexões complexas e sensíveis, facilmente afetadas por fatores externos. Excesso de estresse, medo, amargura, ansiedade: tudo isso reflete não só no trabalho dessas pequenas conexões, como despejam uma alta carga de hormônios que estimulam a adrenalina, por exemplo.

Você pode imaginar que isso, a longo prazo, pode trazer malefícios imensos. Mas a curto prazo também. Imagine, por exemplo, o cérebro de uma criança - como foi a Angélica em seu primeiro episódio traumático. Como um dos órgãos mais essenciais de um corpo ainda em formação responderia à exposição de um grande trauma?

Se você respondeu mal, acertou. E isso não é achismo. Uma pesquisa publicada por Bruce D Perry, chefe de psiquiatria no Hospital para Crianças do Texas, revelou por meio de imagens de tomografias computadorizadas que o cérebro de uma criança de 3 anos que sofreu “negligência severa por privação sensorial” acaba sendo expressamente menor do que as de outras de mesma idade.

Além disso, ele apresenta ventrículos aumentados, atrofia cortical e diminuição do hipocampo, que apesar dos nomes científicos assustadores, significam em linhas gerais que essa criança poderá ter funções como a memória, atenção e o processamento de emoções afetados.

Um outro estudo de 2015, analisou crianças residentes em orfanatos na Romênia e não só constatou os mesmos fatos, como também observou que as 26 crianças observadas apresentavam menos massa branca cerebral, responsável por transportar a informação de maneira ágil no nosso cérebro. Elas também apresentavam mais dificuldade no processamento sensorial.

Nos adultos, as consequências também não são das melhores. Uma pesquisa desenvolvida pela UNIFESP comprovou que pacientes expostos a um trauma e depois vítimas de estresse pós-traumático apresentam redução de até 10% no córtex pré-frontal (a região responsável pela tomada de decisões, por exemplo) e também do hipocampo, como as crianças.

Sendo assim, os seus sintomas seriam os mesmos que dos pequenos: alteração na memória, concentração e processamento de emoções. Um outro estudo também aponta para uma piora até mesmo do sistema imunológico do indivíduo, além de uma perda de memória recente.

O lado bom do trauma

As pesquisas são sim sérias e um tanto assustadoras. Mas, como tudo na vida, há duas formas de se olhar um mesmo tema. O codiretor do Centro de Trauma, Resiliência e Crescimento da Universidade de Nottingham, Stephen Joseph, contou em sua coluna de jornal um experimento que conduziu com os sobreviventes do acidente com a balsa Herald Of Free, na Bélgica, que deixou 193 mortos em 1987.

De imediato, ele pôde observar danos psíquicos severos em todos eles, provenientes do estresse pós-traumático. Mas, 3 anos depois, em uma nova avaliação, apesar de alguns ainda apresentarem bastante dificuldade de retomar à realidade, muitos deles - inclusive esses com mais dificuldades - relataram mudanças positivas.

Essas mudanças todas apontavam para uma espécie de mudança de perspectiva em suas vidas. Ao serem questionados se suas visões sobre a vida mudaram depois do desastre de forma positiva ou negativa?" 43% afirmaram ter mudado para melhor, um número considerado alto e bastante otimista.

Para ele, que continuou estudando sobre o assunto e até lançou um livro a respeito da “nova psicologia pós-traumática”, o trauma pode fazer com que a pessoa reflita sobre temas como responsabilidade, compaixão e finitude, e que elas passam a olhar mais a si mesmas e ao seu redor.

Um outro autor, que é também psicólogo e neurocientista brasileiro, chamado Julio Peres, foi ainda mais a fundo nessa questão em seu livro “Trauma e Superação: o que a psicologia, a neurociência e a espiritualidade ensinam”.

Ao longo dos 15 capítulos da obra , ele não só disseca cientificamente os termos dados às doenças que acometem o traumatizado, como também como a personalidade do sujeito, o ambiente em que está inserido, sua resiliência e até a sua espiritualidade podem influenciar na “volta por cima”.

Encarar seus monstros internos é uma forma de moldar seus propósitos e superar

Essa linha de pensamento não ignora os efeitos negativos de um trauma, mas apenas busca olhar sob todos os ângulos. Um estudo feito com mais de 1300 adultos que presenciaram o 11 de setembro corrobora essa tese de que há um lado positivo no trauma.

Isso porque 60% dos entrevistados relataram benefícios principalmente atrelados às suas relações familiares e como elas mudaram para melhor. Há uma urgência latente em amar antes que seja tarde, em não ir dormir com desafetos - como reforça a primeira personagem da terceira temporada do Podcast Plenae, Veruska Boechat - de que o amanhã é agora.

Para Angélica, viver todos seu trauma de infância e os que se sucederam, foram os gatilhos que faltavam para que ela tomasse mais consciência de seu corpo, sua respiração, do milagre da vida e do seu porquê, que a faz levantar todos os dias. O que Stephen busca mostrar é que há engrandecimento por meio da dor, e isso vai muito além do que um exame laboratorial possa mapear. É um movimento interno demorado, custoso e exigente, mas muito valioso.

Compartilhar:


Para Inspirar

Eduardo Kobra em “Desenhando um mundo melhor”

Na sexta temporada do Podcast Plenae, Eduardo Kobra conta como passou de pichador na zona norte para muralista internacional.

12 de Setembro de 2021


Leia a transcrição completa do episódio abaixo:


[trilha sonora]

Eduardo Kobra: Quando meu trabalho apareceu, eu fui muito discriminado por outros artistas. Me julgaram pela estética, pela linguagem e por trabalhos que eu fiz porque eu precisava sobreviver. Mas, eu continuei me dedicando, colocando meu sentimento nas minhas obras e as coisas foram acontecendo. O que eu expresso vem da realidade que eu vivi, do bairro de onde eu nasci, da origem que eu tive. Eu uso os murais para denunciar problemas sociais e causas que ninguém quer ver.

[trilha sonora]


Geyze Diniz: Um dos artistas brasileiros mais renomados do mundo, o muralista Eduardo Kobra, também conhecido como Kobra, superou muitos obstáculos antes de ter o seu trabalho presente em mais de 35 países. Nascido em São Paulo e, apesar das adversidades de uma adolescência vivida na periferia de uma grande capital, ele conseguiu deixar o talento e a força de vontade se sobressairem.

O menino, que andava por aí pichando muros, virou então um orgulho nacional. Conheça a história de Eduardo Kobra. Ouça no final do episódio as reflexões da psicanalista Vera Iaconelli para lhe ajudar a se conectar com a história e com o momento presente. Eu sou Geyze Diniz e esse é o Podcast Plenae. Ouça e reconecte-se.


[trilha sonora]


Eduardo Kobra: Eu ganhei o meu apelido na escola. Eu era um menino retraído, não tirava nota muito boa  e passava a aula inteira desenhando. Os outros garotos viam meus desenhos no caderno e começaram a me chamar de “Cobra”, de sentido de ser bom, de ser fera naquilo.


Eu desenhava muita história em quadrinhos, super-heróis, caricaturas. Via um desenho no gibi e tentava reproduzir. Dois amigos da comunidade também tinham esse hobbie. Um deles, o Johnny, era bem melhor que eu. A gente se encontrava, mostrava os cadernos e assim ia aprendendo um com o outro. 


Com uns 12, 13 anos, conheci na porta da escola uns moleques mais velhos que pichavam. Eu fiquei completamente entusiasmado com a possibilidade de colocar meu nome num muro. Era uma forma de, sei lá, me libertar, me expressar, protestar e, ao mesmo tempo, pintar. 


Comecei a pichar dentro da escola. Pegava um pincel atômico e escrevia o meu apelido, Cobra, naquela época com “c”, no teto, nas carteiras, nas cadeiras, em qualquer lugar. Fui advertido várias vezes. Meus pais foram chamados na diretoria e assim eles souberam que eu tava pichando. Eles ficaram muito preocupados.


[trilha sonora]


Mesmo assim, eu continuei andando com aquela turma. A galera devia ter mais de 20 anos e eu era o mascote. A gente pegava ônibus, ia até o centro de São Paulo e voltava a pé pra casa, pichando muros no caminho com spray. Mudei a minha assinatura para Kobra com “K”, porque já tinha outros pichadores com “C”.  


Era uma vida bem arriscada. Tinha gente que caía de prédio e morria, outros eram pegos pela polícia. O perigo mais constante eram as brigas violentíssimas por disputa de território. Uma pessoa não pode pichar na área que não é da turma dele ou escrever o nome por cima do nome do outro.

Fui detido 3 vezes, quando eu ainda era menor de idade. Numa delas, eu tava num túnel perto do Parque do Ibirapuera, com uns 4 caras. Fomos levados pra delegacia e os policiais picharam a gente. Foi humilhante. Teve outra vez que eu tava no muro do Jockey Clube, de madrugada. Quando vi a viatura, consegui me esconder junto com os travestis que fazem ponto ali. Um dos meus amigos foi detido. 


Meus pais ficavam revoltados, queriam me afastar da pichação de qualquer jeito, para me proteger. Eles não entendiam porque eu entrei naquele universo. Na verdade, nem eu mesmo entendia. Hoje eu vejo que era coisa de adolescente rebelde. Mas na época eu não tinha essa maturidade e clareza. Chegou um ponto em que eu via problemas em todo lugar: em casa, na escola, na rua. Eu tava perdido, sem rumo. 


[trilha sonora]


A minha vida começou a fazer algum sentido no dia em que eu vi uns caras dançando break. Foi no Largo São Bento, no centro de São Paulo. 


[trilha sonora]

Aquela dança acrobática, que fazia sucesso nos anos 80, chamou a minha atenção. Os caras eram de um grupo chamado Jabaquara Breakers. Me aproximei deles e ainda conheci a cultura hip hop, um movimento cultural que nasceu na periferia de Nova York, nos anos 70. Eu comecei a ouvir Racionais MC’s, Thaíde & DJ Hum. Me identifiquei com aquelas letras que falavam da violência urbana, das dificuldades da periferia, das diferenças sociais. Eu pensei: “Cara, eu também tô passando por isso”.


[trilha sonora]

Com o hip hop, eu comecei a tomar consciência do que acontecia ao meu redor. E aquilo me deu um chacoalhão, no sentido de pensar o que eu queria para a minha vida. Eu já sabia que eu não queria droga, nem crime, mas ao mesmo tempo eu me sentia deslocado socialmente. Aí o hip hop me apresentou o grafite, uma arte de rua que é um dos pilares do movimento, junto com o rap, o DJ e o break. Eu me descobri.

Comecei a pesquisar sobre o assunto e encontrei num sebo um livro da Martha Cooper, uma fotógrafa americana que fotografou o grafite nos muros de Nova York. Pelas fotos dela, eu passei a entender as diferenças entre os artistas, as linguagens, a estética, os materiais. Eu andava com esse livro debaixo do braço 24 horas por dia. Se o meu trabalho existe hoje, é graças à Martha Cooper.


[trilha sonora]


Durante alguns anos, eu fiz uma transição da pichação pro grafite. Eu não considero que tenha sido uma evolução. Eu só fui pro grafite porque eu já desenhava, e eu adorei descobrir que eu podia desenhar num muro.

O sucesso não veio de uma hora pra outra, não. Demorou bastante. Para pagar as contas, trabalhei como estagiário na Caixa Econômica Federal e como office boy. Saí da casa dos meus pais, porque eles não aceitavam as minhas escolhas, mas eu nunca deixei de lutar.

Aos poucos, começaram a aparecer trabalhos remunerados pelos meus desenhos. Eu pintava oficina mecânica, escolinha, quarto de criança, reproduzia quadros de pintores conhecidos. Eram bicos que me davam uma graninha e serviam de prática pra eu desenvolver a minha técnica.


Eu ganhei um pouquinho de estabilidade financeira quando fui trabalhar no Playcenter. Eu pintava os ônibus e todos os equipamentos e brinquedos do Noites do Terror, um evento anual que fazia muito sucesso lá no parque. Passei uns 10 anos nisso, até oportunidades maiores começarem a surgir. 


[trilha sonora]


Não sou mais considerado grafiteiro, e sim, muralista. Pelas regras da street art, o grafite é feito de forma ilegal, sem autorização do dono do muro. Hoje, meu trabalho está presente em 35 países, considerando que nos Estados Unidos eu tenho cerca de 50 murais. Só em Nova York, são 20. Um deles fica numa escola para alunos especiais onde o Jean-Michel Basquiat estudou. Ele é uma das minhas principais referências de street art.


Eu tenho murais na Inglaterra, na França, nos Emirados Árabes, no Japão, na Rússia, na Índia, na Noruega. Uma vez, eu tava pintando no Taiti e a Martha Cooper, aquela fotógrafa americana, apareceu para registrar o meu mural. Eu fiquei super feliz. Falei pra ela que era uma honra pra mim, porque ela faz parte da minha história, mesmo sem saber. Apesar que ela sabe, né? Ela é responsável por todo mundo que faz arte de rua do planeta. 


[trilha sonora]


Algumas pessoas perguntam como eu cheguei onde estou hoje. Não tem bala de prata. O que existe é um passo de cada vez em 30 anos de dedicação. Eu tive e até hoje tenho que encontrar meios de viver da arte e de ter liberdade criativa. E isso não é nada simples. 


Muita gente me fala: “Ah, Kobra, você não é exemplo pra ninguém na periferia, porque você é uma exceção”. E eu respondo: “Ao contrário, eu sou a prova de que é possível”. Poderia ter sido mais fácil? Poderia, se alguém tivesse percebido o meu talento e me instruído. A periferia tá cheia de talentos desperdiçados, gente que fica pelo caminho porque encontra barreiras intransponíveis. Por isso, eu tô criando um instituto para dar oportunidade a meninos e meninas em situação de vulnerabilidade.

Nem todo mundo nasceu pra estudar medicina, engenharia ou arquitetura. Tem gente com dom pra ser bailarino, poeta, músico. E eu não quero que esses jovens enfrentem o preconceito que eu enfrentei. Os meus pais nunca conheceram um artista antes de mim e só ouviam falar coisas ruins sobre o universo da arte. Por isso eles tiveram tanta resistência, mesmo quando eu já fazia grafite.

Com o passar do tempo, vendo a minha dedicação e meu profissionalismo, eles passaram a respeitar a minha profissão. Um dia, eu abri a gavetinha que tinha ao lado da cama do meu pai, da cabeceira. Eu vi que ele colecionava vários recortes de jornais com matérias sobre o meu trabalho. Ele não tá mais aqui, mas eu sei que ele teve orgulho de mim. Hoje, eu tenho um filho de 5 anos e entendo totalmente a preocupação dele e da minha mãe lá atrás.


É um privilégio ter a possibilidade de passar a minha experiência adiante e mostrar que há um caminho possível, independente da dificuldade que cada um vive. O meu sonho é construir um espaço onde meninos e meninas dêem vazão ao seu lado artístico. Onde eles possam sonhar e saber que o sonho pode se tornar realidade. 


[trilha sonora]


Vera Iaconelli: A experiência do Kobra é um exemplo da dificuldade da nossa sociedade em reconhecer diferentes talentos, por vezes fora das qualidades convencionalmente valorizadas por nós. Se trata de um jovem de origem humilde e periférica que não encontra um olhar pras suas competências excepcionais de artista. Muitas vezes nesses casos, ao invés das qualidades serem valorizadas, exploradas, desenvolvidas, elas acabam por ser marginalizadas, excluindo ainda mais os sujeitos, os deixando com saídas muito limitadas, como a delinquência, por exemplo.

Se não podemos ser reconhecidos na escola e na sociedade em geral, as outras opções de reconhecimento podem ser bem temerárias. A grande lição da história do Kobra é como ele conseguiu reverter uma questão bem conhecida da gente, que é como muitos talentos são desviados pra marginalidade, ou ainda adoecem pela falta de reconhecimento, como nos casos de depressões e abuso de droga.

Diante desse dilema, a história do Kobra nos ensina que, em algum momento, a pessoa faz uma escolha, agarra uma oportunidade, por vezes única, e consegue sair de um ciclo de incompreensão, e que isso depende de nos imaginarmos muito além das condições que nos foram oferecidas, mas também de uma sociedade que fique atenta às necessidades e aos talentos dos seus jovens.

Essa história nos inspira a lutar contra o preconceito que acaba por subestimar os talentos, as competências, a inteligência potencial de sujeitos periféricos e os faz ser empurrados pra marginalidade. Ela junta a competência, a vulnerabilidade, a escolha, o sonho e a realização. Nesse sentido, é uma história extremamente inspiradora, que pode servir pra muitos de nós ou melhor ainda pra todos nós em diferentes circunstâncias. 


[trilha sonora]

Geyze Diniz:
Nossas histórias não acabam por aqui. Confira mais dos nossos conteúdos em plenae.com e em nosso perfil no Instagram @portalplenae.

[trilha sonora]

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais