Para Inspirar

Adriana Barbosa em “Quem me vê não enxerga as mulheres que vieram antes de mim”

Ouça e leia o episódio da nona temporada do Podcast Plenae, conheça a história da empreendedora Adriana Barbosa, que em busca da sua própria identidade, ajudou milhares de outras pessoas.

11 de Setembro de 2022



Leia a transcrição completa do episódio abaixo:


Adriana Barbosa: Eu sinto que a minha família evitava falar sobre a questão racial, porque esse assunto de alguma forma trazia um certo sofrimento e até dor. Isso é compreensível paras três gerações de mulheres ao meu redor: minha bisavó, minha avó e minha mãe. Há 30, 40 anos atrás, as referências positivas de ser negro quase não existiam. Apesar de não ser fácil, hoje eu percebo que uma forma de lidar com esses preconceitos é falar sobre eles desde cedo.


[trilha sonora]


Geyze Diniz: Com apenas 22 anos ela criou uma feira para reunir empreendedores negros num dos bairros mais ricos e maioritariamente branco de São Paulo. Naquele momento ela  nem imaginava que tal mobilização iniciaria o maior evento de cultura negra na América Latina, a Feira Preta. Adriana Barbosa é uma empreendedora, sonhadora e acima de tudo fazedora. Reconhecida mundialmente por seu trabalho e impacto na sociedade, a menina de Barretos mostra para nós e para o mundo como podemos ser ferramenta de mudança no contexto que estamos inseridos mesmo com tantas adversidades. Conheça a história de força, inteligência, perseverança de Adriana Barbosa. 

Ouça no final do episódio as reflexões da Neurocientista Claudia Feitosa-Santana para te ajudar a se conectar com a história e com você mesmo. Eu sou Geyze Diniz e esse é  o podcast Plenae. Ouça e reconecte-se 

[trilha sonora]


Adriana Barbosa: Eu cresci em uma família de matriarcado. Fui educada por bisavó, por avó, por mãe e eu sou a quarta geração, minha filha é a quinta geração. Pensa em uma família só de mulheres. A Regina, minha mãe, me teve muito cedo, aos 20 anos de idade. Meu pai nem chegou a me registrar no cartório, mas as lembranças que eu tenho dele nos meus primeiros anos de vida são esporádicas, mas com memórias bastante afetivas. Um presente de aniversário, algumas visitas, nada muito contínuo. Na verdade, quem ia me buscar na escola ou participar das reuniões era minha mãe ou até minha avó, a dona Naidê. 


A minha avó nasceu em Barretos, no interior de São Paulo, se mudou pra capital junto com a minha bisa, a dona Maria Luiza, em busca de uma vida melhor. As duas foram morar num cortiço no bairro da Bela Vista, a região conhecida por Saracura. Para pagar as contas, elas trabalhavam como empregadas domésticas, uma profissão que até hoje é muito comum entre as mulheres negras. A liberdade é muito recente para a população preta. Minha tataravó, dona Teodora, essa pegou o tempo da escravidão na cidade de Barretos. 


[trilha sonora]


Para vocês terem uma ideia, a minha mãe chegou a morar com a minha avó na casa dos seus patrões até que uma das minhas tias sugeriu levar a minha mãe para morar com elas e ter uma vida melhor. Esse ciclo de distanciamento não era uma novidade na minha família. A mesma dinâmica aconteceu com a minha avó, com a minha mãe, com meu irmão Douglas, comigo. Só o meu irmão Rafael, o caçula, que conviveu mais tempo com a minha mãe. 


[trilha sonora]


Com o apoio dos patrões, o Junior e a Elisa, que também se tornaram meus padrinhos, minha avó comprou uma casa no bairro da Saúde, na zona sul de São Paulo. Fomos todos morar com ela: minha bisavó, minha mãe, e eu e meus irmãos. Depois, nos mudamos pra um sobrado bonito, com três quartos, na Praça da Árvore, um bairro bem classe média. Era uma casa confortável, mas bastante simples, em comparação com as outras que cercavam a gente. 


Minha bisavó ficava em casa, era responsável por todos nós. Mas como ela era bem idosa, eu que levava os meus irmãos pra escola e ajudava eles na lição. Enquanto eu equilibrava esses pratinhos, tinha que lidar com todo o fato de ser uma criança negra crescendo em um bairro onde a maioria era branca. 


Apesar de não ser um bairro periférico, eu me sentia à margem o tempo todo. Na minha classe, mesmo sendo uma escola pública, só tinha mais um negro. Quando o assunto era namoro, era como se eu só pudesse ser aceita por ele. Eu nunca era escolhida, por exemplo, para dançar. Sabe aquelas festinhas, aqueles bailinhos? Pois bem, tava eu lá com a vassoura. Não me lembro de ter recebido um correio elegante na festa, a não ser os trotes das minhas amigas. 


Enquanto isso, nas horas em que a grana apertava em casa, a minha bisavó via o que tinha na despensa e se virava. Se fosse farinha, fubá, ovo e óleo, fazia um bolo pra vender. Se tivesse frango, preparava coxinha. A sala e a garagem viraram um pequeno restaurante durante um período. Minha bisavó era semianalfabeta, mas tinha muito tino comercial. Eu herdei dela a veia empreendedora.


[trilha sonora]


Minha família, tanto materna quanto paterna, nunca foi militante. A gente não falava de racismo ou coisa do tipo. Eu não vim de um ambiente com letramento racial. O foco era sobreviver da melhor forma possível. Foi na escola que eu me descobri preta, quando os colegas de classe se referiam a mim como “aquela garota negra”. Sim, eu me descobri negra pelo apontamento do outro.


A minha timidez crônica e a minha sensação de pertencimento não me fizeram recuar quando chegou a minha vez de enfrentar o mundo. O meu lema sempre foi: “Tá com medo? Vai com medo mesmo”. Trabalhar era um movimento natural pra mim. Eu não lembro de nenhum momento sequer em que as mulheres ao meu redor não trabalhassem. Eu usei a capacidade intelectual que as minhas antepassadas haviam transmitido a mim como uma herança: a habilidade de transformar escassez em abundância.


[trilha sonora]


Eu comecei a trabalhar aos 15 anos, em uma fabriqueta de fundo de quintal que fazia biscuit, pintando peças de artesanato. Também fui vendedora de roupa e lingerie, até conseguir um emprego na Rádio Gazeta. Naquela época, nos anos 90, as emissoras incentivavam seus ouvintes a irem até um lugar específico pra ganhar um adesivo. Eu era a aquela pessoa que colava o adesivo no carro. E o locutor sempre dizia ao vivo: “Passa lá que a Crioulinda tá adesivando os carros”.


No começo, confesso, isso me incomodava a forma como ele me chamava, mas depois eu entendi a origem dessa expressão e passei a não esquentar mais a cabeça. Eu sei que o tom pode parecer um pouco estranho, mas eu escolhi não discutir. Até porque eu já sabia que a resposta seria algo como: “mas eu estou te elogiando, afinal tu é uma crioula linda”.


[trilha sonora]


O melhor desse período foi conhecer outras meninas negras que trabalhavam na emissora, eram meninas pretas como eu, como a Zeila e a Bombom. Na passagem da adolescência pra vida adulta, elas e outras amigas foram essenciais pra mim. Afinal, eram mulheres impulsionando outras mulheres.


Esse também foi o período em que eu comecei a curtir as baladas blacks. Eu me tornei frequentadora dos bailes de casas como Blen Blen, Mood, Balafon, Sambarylove, Clube da Cidade, Radial. A cultura foi a porta de entrada para que eu compreendesse melhor o que significava ser uma mulher preta. E, como acontece com muitos de nós no Brasil, as minhas referências norte-americanas eram fortes. Eu conheci a história dos Panteras Negras, a vida do Malcom X e os filmes críticos do cineasta Spike Lee. 


Comecei a frequentar reuniões do movimento negro organizado. No começo, eu fui até radical. Eu só falava e pensava na cultura preta.. Virou uma espécie de obsessão, mas precisava ser assim. Era o tempo do videocassete e tinha uma locadora bem na frente da minha casa. Quando a minha avó me via chegando, dizia: “Lá vem a Adriana de novo com esses filmes de preto”.


[trilha sonora]


A música era outra aliada. Eu ouvia muito rap, R&B, soul music. Escutar Run-DMC, Wu-Tang Clan e Public Enemy fazia com que eu me sentisse parte de algo maior. Todo esse contexto me ajudou a entender a luta pelos direitos civis da população negra nos Estados Unidos. Me deu também pistas de como tudo isso se reproduzia aqui.


Foi nessa época que eu me aproximei do meu pai. Ele e toda a minha família paterna é de sambistas. Meu pai é um dos fundadores do Grupo Mé Menor, e ele ajudou a construir a comunidade do Samba da Laje, uma das mais tradicionais do samba paulista. A reaproximação com o meu pai marcou também a minha aproximação com a cultura afro-brasileira.


[trilhas sonora]


O meu desejo de enfrentar limites me levou a pedir demissão da Gazeta. Eu acabei indo trabalhar na gravadora Trama, como parte da equipe do Tadeu Negreiros, um dos poucos negros que ocupava um cargo de liderança numa grande gravadora. Eu fiquei perto de artistas que eu amava, como Cláudio Zoli, Leci Brandão, Jairzinho, Wilson Simoninha e a Luciana Mello. Aquilo pra mim não era um trabalho, era a realização de um sonho, que ajudava a fortalecer a minha própria autoestima. Só que, depois de dois anos, eu fui demitida, e fiquei sem o meu sonho.


[trilha sonora]


No primeiro mês em casa, eu entrei em depressão. Foram aquelas minhas amigas que me ajudaram a lidar com aquele sentimento de frustração, decepção e autopiedade. Depois de sair do banzo, o meu primeiro passo foi separar roupas bacanas pra tentar vender nas ruas e feiras da cidade. Esse era o meu método de “sevirologia”, a arte de saber se virar. 


[trilha sonora]


Minha parceira de sevirologia era a Deise Moyses, que vendia pastel na feira. Dessa experiência eu comecei a idealizar a Feira Preta, um evento pra valorizar produtos e serviços de empreendedores negros. 


A primeira edição da Feira Preta aconteceu em 2002. Eu tinha só 22 anos. A Deise e eu escolhemos a Praça Benedito Calixto, em Pinheiros, por ser um lugar aberto, bonito e acessível. Já tinha ali uma cena de feiras e mercados alternativos. Além disso, muitos jovens negros frequentavam o bairro pra ouvir música. Tinha também os negros da cadeia de produção das baladas, como DJs, hostesses, gente que trabalhava em bilheteria, chapelaria, técnico de som e de luz.


No dia da feira, eu pendurei faixas nas ruas pra sinalizar o local, ajudei a montar as barracas e varri o chão. Junto comigo estavam minha avó, meu avô, minha mãe, meus irmãos. Eu tinha medo que ninguém aparecesse e fiquei plantada em pé, na esquina da rua Teodoro Sampaio, olhando em direção à saída do metrô Clínicas. Até que eu comecei a ver mulheres, homens e crianças com tranças, black power e cabelos alisados. Gente com pele mais clara, gente com pele mais retinta, eita que era gente de tudo quanto era jeito. Sete mil pessoas parecidas comigo lotaram a praça, numa das regiões mais ricas e brancas de São Paulo. Foi ali que o sonho começou a se tornar realidade.


[trilha sonora]


A Feira Preta passou a ser realizada anualmente. Mesmo com muitos percalços, ela se transformou no maior evento de cultura e empreendedorismo negro da América Latina. Tem de tudo um pouco, de venda de roupas, acessórios, artesanatos, música, bate-papo, palestra, brinquedoteca, espaço saúde e bem-estar, eita que é muita coisa. A Feira Preta deixou de ser um evento de um único dia pra se transformar num festival com uma programação extensa, com atividades que ocorrem até fora da cidade de São Paulo.


[trilha sonora]


Hoje vivo de propósito, pode até soar estranho isso que eu to falando, mas é no sentido de trabalhar com aquilo que eu acredito e ser remunerada pra isso. A maioria das pessoas no Brasil não tem essa oportunidade. O meu propósito hoje é trazer equidade e processos mais equânimes pra população negra no Brasil. Nos últimos 30 anos, a gente avançou, mas ainda tem muito pra avançar. À medida que a população negra ascende, mais o racismo aparece. Com tudo que eu já fiz, se eu tivesse condições mais favoráveis, eu hoje seria rica. Mas eu sou uma mulher negra, e mulher negra no Brasil tá na base da pirâmide social e econômica. As mulheres negras são as que mais estudam, as que mais estão dentro do mercado de trabalho informal, as que mais empreendem, mas ainda estão na base da pirâmide. Por que? Eu sempre me faço essa pergunta. Por que? Por que ainda tem tanta diferença, se nós contribuímos tanto para o desenvolvimento desse país? 


Em 2021, a Feira Preta chegou na sua 19ª edição. A menina que eu fui não vislumbrava ser a mulher à frente de um empreendimento social que já recebeu mais de 200 mil pessoas. Mas ela é. O impacto da Feira é muito maior do que o esperado por mim e pela minha parceira em 2002. E aí é que está: tem coisas que simplesmente precisam existir. Eu me vejo como uma interlocutora, uma fazedora, alguém que, com o tempo, a coragem e muitos tombos, topou desbravar um campo frutífero ao lado de outras pessoas. 


Quem me vê hoje não enxerga todas as mulheres que vieram antes de mim e sustentaram a minha caminhada até aqui. Eu chamava a minha avó de sócia, porque a aposentadoria dela foi a grande financiadora da Feira Preta no início. A minha vó me ajudava até pagar a passagem de ônibus. A minha mãe, eita, que essa pagou muita coisa também. A forma como tomo decisões, como insisto naquilo em que acredito, como crio, ou até como busco soluções e até mesmo a minha mania de ser forte o tempo todo… Tudo isso é herança. E, por acreditar nesse legado, tenho trabalhado para transformar a sobrevivência negra em uma vida cada vez mais livre e realizada. Chega de sobreviver e lutar. Eu quero mesmo é ser feliz!


[trilha sonora]


Claudia Feitosa-Santana: Adriana Barbosa é um modelo para além do contexto negro e feminino. Uma inspiração pra todos nós. Ela continua uma história que provavelmente começou muito antes de sua tataravó escravizada. Sua herança é a habilidade de transformar escassez em abundância. Como ela também podemos impactar nosso contexto. Já que somos uma criatura criada por nós mesmos. O contexto é fundamental nessa construção. Você participa ou já pensou em participar ajudando a transformar o preconceito em pertencimento? A sobrevivência em liberdade? E assim por diante? Nós nos fortalecemos em grupos mais diversos, pois somos muito mais inteligentes no coletivo. E assim podemos melhorar nossa cultura, a cola que nos conecta uns aos outros, portanto esculpindo a nossa humanidade


[trilha sonora]


Geyze Diniz: Nossas histórias não acabam por aqui. Confira mais dos nossos conteúdos em plenae.com e em nosso perfil no Instagram @portalplenae.


[trilha sonora]



Compartilhar:


Para Inspirar

Barbara Gancia em “Depois da saideira“

A sétima temporada do Podcast Plenae está no ar! Confira a história da jornalista Barbara Gancia. Aperte o play e inspire-se!

13 de Março de 2022


Leia a transcrição completa do episódio abaixo:


[trilha sonora]


Barbara Gancia: Os meus pais se mudaram sozinhos da Itália pro Brasil. Eu nunca tive avós, avôs, tios e primos presentes. A nossa família era pequena: só meu pai, minha mãe, meus dois irmãos e eu. A gente sempre foi muito unido, com uma relação de afeto forte. Mesmo não concordando com o meu comportamento, eles estavam do meu lado. O apoio da minha família foi fundamental pra eu conseguir vencer a dependência no álcool.


[trilha sonora]


Geyze Diniz: Profissional consagrada e jornalista reconhecida nacionalmente por suas análises cirúrgicas, Barbara Gancia abriu seu passado no livro “A saideira” onde, além de resgatar memórias dolorosas, também busca ajudar pessoas e famílias inteiras a lidar com o alcoolismo. Bárbara foi alcoólatra por 30 anos e conseguiu vencer a dependência depois de várias tentativas. O apoio da família e de outras pessoas que enfrentam o mesmo problema foi crucial para ela dar a volta por cima. Conheça todo o aprendizado que Barbara Gancia reuniu ao longo dos últimos anos. 


Ao final do episódio, você ainda encontra reflexões do especialista em desenvolvimento humano Marc Kirst, para te ajudar a se conectar com a história e com você mesmo. Eu sou Geyze Diniz e esse é o podcast Plenae, ouça e reconecte-se.


[trilha sonora]


Barbara Gancia Eu tinha 3 anos de idade quando provei álcool pela primeira vez. Isso mesmo, 3 anos. Foi numa das tantas festas que meus pais deram na nossa casa da avenida República do Líbano, no Jardim Paulista, em São Paulo. A minha mãe contava que o Alberto, um copeiro que trabalhava com a gente, me pescou no chão da copa, tomando restos de bebida dos copos que ele havia empilhado num carrinho, desses que também servem de bar.


Me disseram que a minha segunda experiência com álcool foi aos 6 anos. A marca de chocolates Kopenhagen fabricava, e ainda fabrica, um bombom recheado com uma cereja banhada num vinho bem doce e licoroso. A minha mãe comprava uma caixa desses bombons e deixava no quarto de vestir dela, em cima de um pufe quadrado. Nunca me esqueço da embalagem: era vermelha e redonda, com chocolates embrulhados num papel prateado. Eu desenvolvi uma técnica de desembrulhar o doce e, ao mesmo, deixar a impressão de que ele estava intacto. Eu abria o papel laminado e fazia um furinho junto ao talo da cereja que saía de dentro do bombom. Depois, virava o doce feito um shot de uísque e bebia o líquido. Daí eu fechava de novo e colocava na caixa. Alguém me viu trançando as pernas no corredor, e foi assim que descobriram o meu delito.


[trilha sonora]


Teve um terceiro episódio, quando eu tinha 9 anos, e desse eu me lembro muito bem. Aconteceu num domingo e, no dia seguinte, pela primeira, de muitas e muitas vezes, senti a mais terrível das sensações: a ressaca moral. Depois de uma missa na igreja São Gabriel, meu pai me levou a um churrasco numa cidade próxima de São Paulo. Eu fiquei fascinada quando vi um balde enorme de ponche, cheio de maçãs, laranjas, pêssegos, abacaxis e folhinhas de hortelã mergulhados num líquido de cor atraente. Experimentei e nem dei bola pro gosto do álcool. Quando ninguém estava prestando atenção, eu ia lá e me servia de uma concha generosa. Foram me encontrar, já no escuro, deitada no meio de uma estrada de terra secundária, olhando pra Lua cheia e cantando. 


[trilha sonora]


Antes que você pergunte: “Onde estavam os pais dessa criança?”, eu respondo que os tempos eram outros. A minha impressão é de que todas as elites, por terem farta ajuda para cuidar dos filhos, mantêm um certo distanciamento deles. Além disso, eu sou temporã, 6 e 7 anos mais nova que os meus irmãos, e sempre pude fazer mais ou menos o que me deu na telha. 


[trilha sonora]


Lá pelos 17 anos, eu comecei a beber sistematicamente. Eu não sei dizer os motivos que me levaram a adotar esse comportamento. Você pode especular o que bem entender. Que eu bebia porque sofri alguma negligência na infância, que eu usei a bebida pra me libertar da timidez ou por pura porra-louquice. Muita gente bebe pelos mesmos motivos, sem se tornar dependente de álcool por isso. 


Admito que a minha motivação nunca foi sentir o gosto da bebida, as sutilezas do vinho ou o malte do uísque. Eu só me importava mesmo com o efeito do álcool. Quatro cervejas ou três doses de uísque era o que eu tomava antes de sair para a igreja. Imagine, então, pra ir pra balada. Foi nessa época que a minha família começou a viver um calvário comigo.


[trilha sonora]


Pouco tempo depois que eu tirei carta de motorista, meu pai acordava no meio da noite e, quando não me encontrava em casa, mandava o meu irmão pro IML e a minha irmã pro Hospital das Clínicas pra me procurar. Imagina a barra pesada que não era?


[trilha sonora]


Mesmo sem quase nenhuma lembrança dos meus fins de noite, os barracos que eu causava ao voltar de madrugada continuam cravados na minha memória, três décadas e lá vai pedrada depois. O inferno se instalava assim que eu cambaleava pra dentro de casa. Ameaças, castigos infinitos, tapas, empurrões, objetos atirados contra a parede, móveis chutados e muitos berros. Sobrava pra mim em grande estilo. E eu fazia por merecer.


[trilha sonora]


Aos 24 anos, perdi uma das minhas vistas num acidente de carro causado por mim. Eu estava bêbada. Cruzei a avenida Paulista no sinal vermelho a toda velocidade, atingi um fusquinha bege e o meu Fiat 147 saiu rodando igual um buscapé. Eu estava sem cinto de segurança, que não era obrigatório em 1981, e mergulhei pelo vidro dianteiro no asfalto. O impacto do meu rosto arrancou o espelho retrovisor. Quando meu pai chegou no hospital e me viu com a cara estraçalhada, ele encostou na parede e desmaiou. Eu passei por uma operação de 6 horas pra reconstruir o meu rosto, e mais 3 numa tentativa frustrada de recuperar o meu olho direito. Esse foi só um dos cinco ou seis carros em que eu dei perda total. 


[trilha sonora]


A minha família não enxergava o alcoolismo como uma doença. Pra eles, o meu exagero era uma questão de força de vontade. Meu pai era um cara muito pé no chão e falava assim: “Cê tá com um problema? Vai trabalhar que resolve”. Ele não achava que a psicologia , a psiquiatria, pudessem ajudar uma pessoa a solucionar suas crises. Pra minha família, eu era louca e por isso eu bebia, mas na verdade era o contrário: eu bebia e ficava louca. Quando eu decidi me internar pela primeira vez pra tratar o alcoolismo, aos 30 anos de idade, eles foram contra.


Depois da minha primeira internação, eu passei dois anos e oito meses sem tomar um gole de álcool. Parei outras vezes também, de supetão, por conta própria, sempre depois de alguma ocorrência dramática. Toda vez que meus pais ficavam extremamente decepcionados com as consequências de um porre meu, tipo criar alguma confusão no Natal, terminar a madrugada com um meganha me apontando uma arma na entrada da favela do Buraco Quente, eu jurava que ia parar de beber. 


[trilha sonora] 


Nunca foi malandragem minha. Eu juro que eu  tentei 1 milhão de vezes, mas não beber quando sentia necessidade demandava uma energia além das minhas possibilidades. A uma certa altura, eu já não bebia mais por diversão, mas pra me entorpecer e fugir das consequências do meu próprio comportamento. Foi preciso que eu magoasse, profundamente, as pessoas ao meu redor pra eu me conscientizar de que não existe a possibilidade de acordo entre mim e o álcool. 


Eu bebi praticamente dos 17 aos 47 anos, com alguns intervalos de sobriedade. Não tenho a menor ideia de como consegui manter uma agenda mínima de compromissos, um emprego, dentes, a conta bancária e essas coisas que vêm no pacote da existência. Chegando aos 50 anos, eu intercalava surtos de medo e remorso. Fazia cálculos mentais, tipo um cacoete, da quantidade enorme de pessoas que morreu pela dependência, entre amigos, ex-colegas e gente que eu conheci no bar. Eu estava num ponto de ressaca moral tão grande, que eu passava o dia inteiro falando pra mim mesma: “Tiro na cabeça, tiro na cabeça, tiro na cabeça”, era um cacoete. 


[trilha sonora]. 


O gatilho pra me internar pela terceira, e última, e efetiva vez em uma clínica foi um telefonema da minha mãe. Ela me viu ao vivo na TV, achou que estava alcoolizada e, assim que o programa terminou, ela me ligou e perguntou: “Você estava bêbada?”. Bateu um frio na minha espinha, senti um impulso de sair gritando e arrancando os cabelos, pânico, vergonha, suadeira, vontade de sumir do mapa. A gente terminou de falar e, sem refletir, eu atravessei a redação da emissora e pedi pro editor-chefe do programa: “Posso tirar uma licença médica? Eu preciso me internar numa clínica de reabilitação, eu não tô mais segurando a barra”. 


[trilha sonora]


A pergunta da minha mãe foi a gota d’água e fez a represa transbordar. Dessa vez, eu não me internei com dúvidas, nem pesar, como se tivesse a caminho de um matadouro. Eu sabia que seria dureza, que teria de me confrontar com a abstinência e suas consequências, sabia da angústia, mas alguma coisa dentro de mim me dizia que aquela seria a minha última internação. 


Encontrei uma clínica que utiliza os 12 Passos dos Alcoólicos Anônimos como referência na minha orientação de tratamento, e lá fui eu. O primeiro passo é admitir que somos impotentes perante o álcool. Porque é assim: toda vez que eu entro em contato com essa substância, eu saio derrotada. O ciclo vicioso do crime e castigo só foi rompido quando eu assumi a minha parcela de responsabilidade e parei de beber de vez.


[trilha sonora]


Quando eu deixei a clínica, quem mais me amparou pra manter a sobriedade foram os colegas do grupo de apoio, o Narcóticos Anônimos e o Alcoólicos Anônimos. Essas pessoas são as mais adequadas e as mais preparadas pra ajudar quem tem um problema de dependência como o meu. No Brasil, a gente tem um preconceito ridículo com esses grupos. Quem frequenta o NA ou o AA é um vencedor, porque quem tá lá dentro quer parar de beber e quer parar de usar droga. O nosso olhar de pena deveria ser para quem tá no boteco e não consegue parar de dar mais um gole. 


Com a evolução do meu tratamento, passei a vivenciar uma condição que não tenho mais como refutar: eu não posso beber. Caso contrário, a minha estabilidade vai por água abaixo. Antes de parar completamente de beber, eu achava que a vida seria uma chatice sem álcool. Mas eu descobri que não só eu consegui ser feliz, muito feliz,  como eu tive outra chance de vida, muito melhor que a anterior. Eu quis escrever o livro pra que outras pessoas soubessem que é possível largar a bebida e ser feliz. Existe esperança de vida feliz após a sobriedade. Eu esperei meus pais morrerem antes de fazer isso, porque eu não queria que eles revivessem os traumas do passado. É muito barra pesada pra um pai, pra uma mãe, e eu me sentia responsável pelo sofrimento deles. 


[trilha sonora]


Enquanto eu escrevia, eu pensava assim: “Se uma única pessoa puder tirar proveito desse livro, eu já fiz um bom trabalho”. E eu vejo que a minha história tá conseguindo tocar muita gente. Um cara me contou que tava no carro, a caminho de um motel pra se matar, quando ele me ouviu falando no rádio sobre o meu livro. Ele parou no acostamento, começou a chorar e foi direto pros Narcóticos Anônimos. Eu ouço vários relatos como esse.


O Brasil é o país que mais tem acidente de trabalho, que mais tem violência doméstica, na maioria das vezes causada pelo álcool. A bebida favorece doenças sexualmente transmissíveis, gravidez indesejada, acidentes de trânsito e violência gratuita. O ônus da bebida pro país é mirabolante e a gente não saber disso é uma tragédia. Médicos, agentes sociais, professores, pais, alunos, autoridades, associações de bairro, a indústria precisam ouvir e precisam falar sobre esse assunto, porque a gente não conversa sobre álcool. Por isso, faço questão de compartilhar essa minha história.


[trilha sonora]


Eu, hoje, não sou mais refém de droga nenhuma. Quando eu completei 60 anos, a minha irmã me ligou para dar os parabéns e disse: “Você está entrando nos 60 muito melhor do que entrou nos 40 e nos 50”. Há mais de 15 anos eu não conheço a sensação da ressaca  física,  moral, não sinto medo, culpa ou desespero. Há 1 ano a minha história virou uma peça de teatro estrelada pela Marisa Orth, um monólogo. Foi um sucesso de público, um sucesso de crítica e vai retomar no segundo semestre de 2022. A gente vai rodar o Brasil com essa peça, e está chamando muito a atenção de todo mundo. Ou seja, o trabalho continua. 


Hoje, eu devo dizer que a serenidade caminha comigo e todo esforço feito em nome dela tem valido muito a pena. Só por hoje. 


[trilha sonora]


Marc Kirst: Como você se sente ao ouvir a história da Barbara? O alcoolismo é uma doença que abala não somente o indivíduo dependente da bebida, mas também as pessoas ao seu redor. Por isso, a união e resiliência dos familiares é fundamental para quem quer romper o ciclo do vício. Barbara nos conta que seus pais e irmãos condenavam seu comportamento e nunca entenderam o seu alcoolismo como uma doença. Mesmo assim, sempre estiveram ao seu lado e não desistiram dela, mesmo após décadas de tentativas e erros. 


As relações humanas têm um dos mais profundos poderes nos nossos processos de cura. Além do amor da família, Barbara recebeu o apoio de grupos, como os Alcoólicos Anônimos e Narcóticos Anônimos, para vencer de vez este desafio que parecia não ter fim. Nesses grupos, ela encontrou pessoas determinadas a contribuir com quem está passando pelo que já foi superado. Sem preconceito e julgamento, praticando a compaixão de quem já sentiu na própria pele. Qual é a sua rede de apoiadores da tua cura? 


Pra muitos de nós, o primeiro passo talvez seja admitir que precisamos do outro numa jornada que pode ser muito mais difícil quando estamos sozinhos. 


[trilha sonora]


Geyze Diniz: Nossas histórias não acabam por aqui. Confira mais dos nossos conteúdos em plenae.com e em nosso perfil no Instagram @portalplenae.


[trilha sonora]

 

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais