Para Inspirar

Casamento, felicidade e longevidade

Um vasto número de pesquisas e estudos mostra que relacionamentos satisfatórios estão diretamente ligados a felicidade, saúde e longevidade.

24 de Abril de 2018


Em uma interessante conversa que trouxe várias dicas práticas, o psicólogo compartilhou sua abordagem e conhecimento sobre relacionamentos a dois. Abaixo, resumimos a conversa que explicou como um casamento saudável pode contribuir para uma vida mais feliz e longeva.

QUANDO O ESCUDO NÃO DEFENDE: ATACA

Um vasto número de pesquisas e estudos mostra que relacionamentos satisfatórios estão diretamente ligados a felicidade, saúde e longevidade. Muitos deles inclusive comprovam que a qualidade das nossas relações tem mais impacto na saúde do que fumo, obesidade ou pressão arterial. Não é surpreendente. Nossa vida é feita de relacionamentos. E um dos relacionamentos mais complexos que existem no universo é mesmo o relacionamento entre os seres humanos, com toda a nossa subjetividade interna.

E embora a evolução tenha nos desenhado para sermos criaturas sociais, nossa história tem passado por alguns paradoxos. Isso porque nos últimos milhares de anos nesta Terra, as grandes ameaças para nós deixaram de ser cobras, parasitas ou geleiras derretendo. Elas passaram a ser os outros seres humanos. Eles é que passaram a ser as criaturas passíveis de nos atacar, rejeitar e humilhar, afastando-nos da tribo e nos matando por isolamento. Dessa maneira, fomos desenhados para enxergar no outro uma ameaça.


Essas ameaças são detectadas desde que nascemos. No primeiro ano de vida, a maneira como a mãe está sintonizada com o bebê determina o quanto essa criança será segura e confortável ou ansiosa e complexada durante o resto de sua vida. Nosso sistema nervoso não gosta de vergonha, medo e frustração. Quanto mais passamos por essas sensações quando crianças (e todos passamos, em maior ou menor medida) aprendemos a detectá-las como ameaça.

E o que fazemos diante de uma ameaça? Reagimos: atacamos, seja com violência, seja fazendo alianças com outras pessoas que nos protegem ou fortalecem, seja com mecanismos de defesa, como negação (não fui eu!) ou projeção (a culpa é dele/a!). Essas defesas nascem em nós quando somos bebês e vão se formando em nossa infância, lapidadas pela nossa família e pela cultura que nos cerca.

Elas são armaduras naturais, são quase que uma forma de sobrevivência, já que quando crianças não temos o desenvolvimento neural que começa na adolescência e que nos dá a dimensão real das coisas, junto ao senso de individualidade e personalidade. Porém, depois de adultos essas defesas continuam ativas – e acabam mais nos prejudicando que nos defendendo. Elas são a causa da maioria dos problemas em nossos relacionamentos. Viramos casais divididos por nossos próprios campos de defesa.

COMO BAIXAR NOSSOS ESCUDOS?

Buscar um(a) parceiro(a) com quem dividir a vida e formar família faz parte de nossa história evolutiva desde que descemos das árvores. Somos parte dos 3% de espécies deste planeta que buscam um par monogâmico e fixo com quem dividir a vida. Fomos desenhados assim, naturalmente e socialmente.

Dessa forma, temos em nós a luxúria, uma faísca entre sistemas nervosos, que se trata de uma interação mais química que psicológica – é impessoal, é parte de nossa natureza. E temos também a evolução dessa faísca, que é quando focamos essa motivação em uma só pessoa e ela se torna amor romântico. Essa etapa também tem bastante de química.

Nosso corpo realmente muda, ficamos cheios de testosterona e dopamina, por exemplo. Ficamos obcecados, queremos fazer sexo, revelar-nos por inteiro a ele ou ela. Mas, com o tempo, a química se normaliza em nosso corpo. A vontade de fazer sexo o tempo todo acaba, as coisas se equilibram, surge a vontade de ter filhos com essa pessoa, vamos entrando no modo automático e é nesse momento que nossas defesas reaparecem e começam a gerar conflitos.

Num casamento normal, existem sim brigas, discussões e questões pendentes. Na realidade, 69% de todas as questões de um casamento são crônicas. Ou seja, nunca serão totalmente resolvidas. O que acontece num casal com um relacionamento saudável é que ao longo do tempo ambos se aprimoram em reparar essas situações – mesmo que elas sejam impossíveis de consertar por inteiro, vão passando por pequenas melhorias, pequenas reformas feitas pelos dois, juntos e se transformam em situações perfeitamente contornáveis.

E Keith lembra que o conserto deve ser rápido, senão o estrago só vai aumentando. Não é para ser feito em horas ou anos: é coisa de minutos! Esse trabalho conjunto de reparo e manutenção do relacionamento faz parte do que o psicólogo chama de mentalidade de crescimento, que é enxergar cada problema como uma oportunidade para aprimorar.

Quanto mais estivermos dispostos a aprimorar – o casamento, a nós mesmos – idealmente mais o(a) parceiro( a) também estará. E assim o casal passa os anos de casamento influenciando positivamente um ao outro.

COMPROMETIMENTO DE CONSUMIDOR vs COMPROMETIMENTO IDEAL

Para que tudo isso se torne realidade é necessário se comprometer. Existem dois jeitos de fazer isso: começar com a frase “vou continuar nesse relacionamento enquanto...” e completá-la com o que lhe interessar, como ”enquanto eu suprir alguma carência”, “enquanto houver amor”, “enquanto me parecer certo”... ou começar com a frase “vou fazer o que for necessário para...”.

 O primeiro tipo de comprometimento é como um casamento de consumidor: o casal usa enquanto vale a pena. Se houver problemas, vai até a loja, troca e resolve logo o assunto. Mas é o segundo tipo de comprometimento que nos interessa. Este, nós levamos para o conserto, cuidamos para que não quebre, remendamos. Isso não é nada fácil no mundo tão veloz e carente de transparência e diálogo em que vivemos.

São necessários muitos skills, entre eles a habilidade de dar e receber – e tudo isso consome muita energia e muito tempo! Mas vale cada esforço e cada minuto. As sociedades de hoje têm dado mais atenção para os filhos que para os relacionamentos amorosos. A má notícia é que isso pode ser desastroso. São inúmeras as pesquisas que comprovam que pais que se preocupam de igual maneira com seus relacionamentos amorosos são melhor sucedidos em sua relação com os filhos.

 Um relacionamento fortalecido nos permite mais resiliência para encararmos tudo o que acontecer nas nossas vidas, como por exemplo o envelhecimento e o estresse do cotidiano. Se mantivermos a mentalidade de crescimento e do conserto rápido, ajudaremos uns aos outros a sermos mais felizes, mais saudáveis e com o tempo, a viver mais e mais. Isso é tão grande que pode se espalhar pelas nossas famílias e pelas comunidades ao nosso redor.

Compartilhar:


Para Inspirar

Por que somos mais felizes no verão?

A chamada psicologia ambiental tem algumas hipóteses

2 de Fevereiro de 2023


Conhecida como a estação da alegria e dos sorrisos, o verão costuma trazer mais disposição, arrastar as pessoas para fora de casa e ocupar as ruas de sua cidade. Mesmo os amantes do inverno devem admitir: no verão, sobretudo em um país tropical como o nosso, as ruas parecem ganhar mais cores e sabores.

Isso não é um mero achismo, mas sim, uma conclusão científica. A chamada Psicologia Ambiental tem algumas hipóteses para explicar o porquê disso tudo. Entenda um pouco mais sobre ela a seguir!

Psicologia ambiental

A Psicologia Ambiental surgiu após a Segunda Guerra Mundial, junto com a reconstrução das cidades, como explica este artigo. Dentro de seu campo de estudos, aspectos como espaço pessoal, territorialidade, privacidade e superlotação são levados em consideração.  Biologia, sociologia e antropologia se entrelaçam com as linhas, assim como a arquitetura. Quase como a Biofilia, que te contamos um pouco neste artigo. Em resumo, essa é uma área da psicologia que nos enxerga como seres do mundo e como esse mundo que nos cerca nos afeta também.

Se antes, quando surgiu, seu foco primário era na arquitetura, hoje os psicólogos ambientais querem entender qual é o nosso comportamento nesse meio ambiente.  A atenção desses profissionais é focada em compreender o que leva nós, seres humanos, a nos comportar de determinadas formas, em determinados lugares e em determinadas situações. 

“A simples presença de um indivíduo num quarto que antes estava vazio já modifica o ambiente. Esses são apenas alguns simples exemplos de como o homem pode modificar o ambiente para que suas necessidades sejam atendidas”, explica Rosane Gabriele C. de Melo, no artigo anteriormente mencionado.

O verão está na área!

Agora que você já entendeu um pouco mais sobre a Psicologia Ambiental, deve estar se perguntando: o que o verão tem a ver com isso? Tudo! Ou pelo menos, bastante coisa. O verão nada mais é do que uma estação do ano em que as temperaturas estão mais elevadas.

Essas temperaturas fazem parte do meio ambiente, esse entorno que nos cerca e onde estamos inseridos. Portanto, é de se esperar que ele nos afete em algum nível, já que há tarefas e particularidades específicas dessa estação. “Gostamos mais do verão porque grande parte da evolução do nosso cérebro ocorreu em locais quentes”, afirma a neurocientista, arquiteta e engenheira Claudia Feitosa-Santana, pós-doutora em Neurociência pela Universidade de Chicago, nos EUA, à Revista Gama.

Essa afirmação também se relaciona diretamente com a psicologia, que é afinal a área que se debruça sobre nossas mentes. Somos programados para resgatar sensações boas e que nos tragam segurança, sejam elas de uma memória recente ou até relacionadas a uma ancestralidade distante - como é esse caso.

Além disso, nesses três meses saímos mais à rua, planejamos nossas férias para estar ainda mais em contato com a natureza - como numa praia, por exemplo, que é um local que nos traz imensos benefícios. Tudo isso representa mensagem positiva ao nosso cérebro. 

Nessa estação, estamos mais despidos e despudorados, no sentido literal de ambas as palavras. Essa maior exposição da pele à luz solar - com a devida proteção, é claro - é também fonte dessa alegria. A luz do sol pode melhorar nosso humor, diminuir a pressão arterial, fortalecer nossos ossos, músculos e até mesmo nosso sistema imunológico - basta uma breve exposição para colher todos estes benefícios, como explica este artigo.

Isso acontece porque a radiação do astro Rei ajuda na liberação de alguns hormônios importantes para a nossa sensação de bem-estar, como é o caso da serotonina. Além de sintetizar esse hormônio, a luz irradiada do sol também é a única capaz de converter a vitamina D que ingerimos nos alimentos. Sem essa luz, ela não é convertida, mesmo que ingerida.

Esses três gloriosos meses ainda servem de estímulo para mais exercícios físicos, seja por estar em ambientes naturais com mais disposição para caminhar, seja por ser no começo do ano, época em que as pessoas estão com novas metas - e a mais clássica, como sabemos, é começar academia. 

E nem precisamos falar os múltiplos benefícios que as atividades físicas podem trazer, certo? Falamos desse tema excessivamente aqui no Plenae, assim como também já trouxemos algumas vezes para você os benefícios do contato com a natureza. 

O simples fato de contemplar o azul do oceano já funciona como um calmante natural dos poderosos e há até mesmo um evento anual e mundial dedicado só a esse tema. Por fim, o último benefício é o aumento da libído sexual, que fica em alta nos dias quentes! Mais uma notícia boa para o seu corpo e, porque não, para seu relacionamento.

A depressão sazonal

Tudo isso que mencionamos é tão intenso que o contrário também é verdadeiro. Há um tipo de depressão conhecida como depressão sazonal e que se dá em estações opostas ao verão. Pessoas que moram em países muito frios, por exemplo, são mais propensas a ter esse distúrbio, porque são privadas desse sol por muito tempo.

Seus sintomas são bem semelhantes aos de uma depressão comum - tristeza, apatia, perda do apetite, redução da libido, cansaço excessivo, entre outros. A diferença é que esses sintomas mencionados aparecem justamente nessa época em que o sol custa a aparecer, e caso isso seja observado como um padrão, pode ser classificado como depressão sazonal.  As possíveis e principais causas do surgimento do transtorno afetivo sazonal, como explica este artigo, estão relacionadas à diminuição de substâncias do corpo ligadas ao humor e ao sono, como a serotonina, que mencionamos um outro hormônio importante: a melatonina.

“Os primeiros raios solares da manhã ativam a produção de cortisol, o hormônio que nos desperta e traz energia; com o anoitecer, o cortisol cai e é liberada a melatonina, que vai criar as condições ideais para o sono. Esse equilíbrio afeta a produção de outros hormônios, favorece o combate aos radicais livres e a regeneração dos tecidos, impacta o humor e a saúde”, explica o psicólogo Armando Ribeiro à Gama. 

Te contamos neste post a importância da exposição à luz solar quando acordamos. Mas para além de uma bagunçada na dinâmica hormonal, há também uma redução na produção da vitamina D, e em sua ausência, uma das várias complicações possíveis é justamente o aumento das chances de ter uma depressão, além de um aumento no sono e na sensação de cansaço excessivo. 

Psicoterapia, nesse caso, é o caminho mais indicado, mas medicamentos podem entrar em ação em casos mais severos, além de terapias que utilizam luz - a fototerapia. Mas em casos mais leves e sem progressão, a simples ordem natural das estações pode dar conta de resolver esse problema com a chegada de outros climas. 

Esteja atento aos problemas de saúde comuns no verão que te contamos aqui, esteja de olho nas dicas para viajar de forma responsável com o planeta que também já te demos e não esqueça, de forma alguma, o protetor solar em casa! Sua pele agradece. Agora é só se jogar na estação mais solar do ano!

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais