Para Inspirar

Depressão infantojuvenil: como reconhecer os sinais e o que fazer?

O assunto delicado que quase ninguém quer falar, mas que é urgente entre nós: nossos filhos podem estar deprimidos e precisamos saber ajudá-los.

17 de Novembro de 2023


A depressão não é brincadeira: estima-se que mais de 300 milhões de pessoas no mundo, de todas as idades, sofram com esse transtorno, sendo a principal causa de incapacidade mundial e afetando mais as mulheres do que os homens. Mas, há uma camada ainda mais fina, sutil e preocupante nesses dados, trazidos pela Organização Mundial da Saúde: em seu pior desfecho, ela pode levar ao suicídio.

Cerca de 800 mil pessoas tiram suas próprias vidas a cada ano, sendo essa a segunda principal causa de morte entre pessoas com idade entre 15 e 29 anos.
E é sobre isso que vamos falar hoje. Inspirados pelo relate potente de Luciane Zaimoski, que abre a décima quarta temporada do Podcast Plenae, fomos entender um pouco mais sobre depressão infantojuvenil, doença que acometeu seu filho.

Sabemos que o assunto pode ser difícil e delicado, mas ele se faz igualmente necessário. É preciso reconhecer os sinais enquanto há tempo e saber o que fazer a partir disso. Conversamos com três especialistas para te ajudar nessa jornada!

A depressão na primeira infância

Sim, você leu corretamente: infância e depressão na mesma frase, essa triste realidade que não pode mais ser ignorada. Das 300 milhões de pessoas afetadas por ela, cerca de 2% são os pequenos. Um estudo exploratório buscou entender as manifestações clínicas dessa condição, que difere em alguns pontos dos adultos.

Segundo essa pesquisa, os sintomas giram principalmente em torno do 
transtorno do déficit de atenção e hiperatividade, baixa autoestima, tristeza, medos, distúrbios do sono, enurese, dores abdominais e sintomas somáticos. Outras queixas podem aparecer e serem tratadas inicialmente sem serem identificados como depressão. São as dores de cabeça, diarreia, falta de apetite ou apetite exagerado, insônia, irritabilidade, agressividade ou passividade exagerada, choro sem razão aparente, dificuldades cognitivas, comportamento antissocial, indisciplina, ideias ou comportamento suicidas.

Realizar esse diagnóstico não é fácil, já que as crianças apresentam dificuldade para nomear esses sintomas, que aparecem de forma multifacetada, e ainda estão em desenvolvimento. Além disso, o tema só ganhou força de investigação somente em 1970 – o que é historicamente recente -, pode trazer grandes prejuízos futuros no desenvolvimento desse indivíduo que se tornará um adulto em algum momento.

“Em crianças muito pequenas, pensando de 1 até 7 anos, a gente identifica uma possível depressão ou ansiedade ou essas questões clínicas de acordo com o comportamento”, explica Carolina Bifulco, pedagoga e psicóloga especializada em primeira infância, professora bilíngue e educadora parental em Disciplina Positiva. “São alguns pontos de atenção: uma criança  que não se sente capaz de realizar as tarefas, que não se sente parte do grupo ou que está mais excluída e brinca mais sozinha”, diz.

Além disso, Carolina ainda destaca dois pontos muito relevantes nessa investigação: um comportamento agressivo com os outros e consigo e a apatia. “A automutilação – criança que se arranha o corpo ou o rosto quando se desregula emocionalmente ou a agressividade com o outro: aquela criança que começa a brigar muito com os colegas e começa a usar violência para conseguir o que quer”, explica.

Uma criança que não quer fazer atividade, não quer brincar, ou só quer dormir também é preocupante – e esse, como frisa Bifulco, talvez seja o maior ponto de atenção. “Quando ela não demonstra vontade de ser criança é quando a gente tem que parar e tentar entender o porquê que ela está agindo daquela maneira”, diz.

Sandra Evangelista, psicóloga especializada em família, casal, luto, primeiros socorros psicológicos (situações de crise), prevenção e pósvenção do suicídio, reforça a importância de diferenciar uma tristeza comum de uma depressão. “Vamos dar um exemplo: a mãe que não deixa com que o filho faça uma atividade específica. O que essa criança vai manifestar como emoção? A tristeza. Só que essa tristeza vai durar algumas horas, talvez um dia, ela não vai durar a semana ou o mês todo”, diz.

Para Evangelista, a definição do que é ser criança é ser uma “exploradora do mundo”. Então, a falta de curiosidade, a apatia, o isolamento e a agressividade, são realmente pontos que merecem essa atenção, como Bifulco havia pontuado. A dificuldade em separação e ainda a criança que se machuca de propósito também preocupam.

A depressão na adolescência 

Da mesma forma que o transtorno mental e emocional pode acometer crianças pequenas, ele pode se dar na adolescência e é ainda mais comum. As condições de saúde mental são responsáveis por 16% da carga global de doenças e lesões em pessoas entre 10 e 19 anos, segundo dados da Organização Mundialda Saúde.

Metade de todas as condições de saúde mental, continua o estudo, começam aos 14 anos de idade, mas a maioria dos casos não é detectada nem tratada. E as consequências de não abordar o tema com seriedade se estendem à idade adulta, prejudicando a saúde física e mental e limitando futuras oportunidades.

“O primeiro conhecimento que precisamos ter sobre o adolescente é: o seu cérebro, suas conexões sinápticas, a carga máxima química e hormonal, não estão prontos. Ele está em processo de amadurecimento e desenvolvimento e será finalizado em média aos 18/20 anos. O córtex frontal é responsável pelas tomadas de decisões, controle inibitório e flexibilidade cognitiva - o último a ser formado. Por isso, ele é naturalmente impulsivo, com poucos recursos e manejos diante de situações e pensamentos catastróficos, e não lida bem com o estresse. Exigir que ele haja como adulto é um erro.”, explica Thaís Malta Romano, neuropsicóloga e mestre em Ciências da Saúde pela UNIFESP.

Os sintomas do adolescente são próximos ao da criança: ainda mais irritabilidade, o isolamento e a apatia. Aqui entra o segundo ponto levantado por Romano: atenção a durabilidade e intensidade desses sintomas, pois isso fará toda a diferença. “Sinais de ansiedade e depressão tem características semelhantes ao comportamento base de qualquer adolescente. O que vai diferenciar se é um comportamento comum ou patológico é a duração e intensidade dos eventos, prejuízo sociais, acadêmicos e físicos”, explica.

O adolescente, diferente do adulto, vai apresentar pior humor, acessos de raiva e hostilidade, dores inexplicáveis na cabeça, estômago, coluna e pescoço travados com frequência, uma altíssima sensibilidade a críticas, podendo apresentar choros, crises de raiva e até automutilação, além de uma vulnerabilidade extrema à rejeição e ao fracasso”, continua Thaís.

Há um isolamento exacerbado também que pode ocorrer, e não só aquele clássico do quarto, jogando videogame, mas um isolamento dos melhores amigos também. Isso pode ser o início de um comportamento evitativo com aqueles que o conhecem melhor, cujo objetivo é esconder um machucado, um olho inchado ou somente uma expressão de tristeza. A observação das microexpressões faciais aqui será muito importante.

A queda no rendimento escolar ou pedidos de falta com muita frequência e uso de substâncias como álcool e drogas, podem ser tanto consequências de um quadro psiquiátrico já instalado quanto um gatilho para o desenvolvimento de um. 

O adolescente que está sempre muito cansado, uma exaustão extrema que não é sobre o sono – afinal, é natural que eles durmam mais horas e, por sua vez, será extremamente importante para a manutenção da saúde mental e física – também são atípicas. O abandono de atividades que gosta e não simplesmente mudança de preferências, mudança no comportamento alimentar, tudo isso é relevante nessa jornada da observação”, pontua.

E, por fim, chegamos à automutilação. Ela pode começar com algo “leve”, como roer unhas até sangrar, arrancar peles pequenas da boca, cutucar espinhas e causar machucados menores pelo corpo ao menor sinal de ansiedade. Acontece que esse comportamento pode levar a outro pior: se cortar ou se machucar de forma mais intensa ou até atentar contra a sua própria vida, o estágio final e mais preocupante de todos. “Essa automutilação é uma forma que o adolescente encontra para se autorregular emocionalmente quando não tem recursos sociais e cognitivos suficientes para lidar com o problema”, diz.

O papel da escola e dos especialistas na jornada da depressão infantojuvenil

Para as três entrevistadas, o papel da escola é fundamental. “O primeiro passo a ser feito quando você começa a enxergar uma mudança de comportamento dessa criança é marcar uma reunião com o coordenador e o professor dela para entender se esse comportamento que você está observando em casa se mantém na escola. Depois dessa reunião, se eles baterem na tecla que ela de fato está diferente, o próximo passo é procurar um psicólogo especializado em clínica infantil”, pontua Carolina Bifulco.

É no ambiente escolar onde a criança será assistida por olhos diferentes e onde o tema da saúde mental poderá ser promovido em sala de aula ou em atividades extracurriculares. É por lá também que ela irá socializar, atividade que pode escancarar alguns comportamentos que mencionamos, como o isolamento ou a agressividade.


“As escolas precisam ainda promover formações para os seus profissionais visando a questão da saúde mental, promover campanhas internas para seus professores e funcionários, ensinando-os como identificar, como intervir, etc. Tem que ser uma coisa maior, que faça parte do projeto político-pedagógico da instituição. Os pais também têm que ser contemplados nessa campanha com palestras, debates, formações sobre a prevenção, entre outros”, continua Bifulco.

Mas, é preciso cautela nessa transferência, pois a escola é parte de um todo, e não a responsável total pelo problema, como reforça Thaís Malta. “Direcionar a responsabilidade total aos educadores é sobrecarregar um profissional que não está habilitado para tal função. A realidade é diferente do desejo, há professores com dois turnos de trabalho, com três ou quatro salas de quarenta alunos. Há casos que naturalmente chamam mais atenção, mas o que nos preocupa são os adolescentes discretos com suas dores”, pontua.

Algumas possibilidades sugeridas por Thaís para driblar esse impasse são os dias temáticos, atividades extracurriculares, palestras, rodas de conversa. “Dessa forma, podemos instrumentalizar os adolescentes a reconhecer sinais em si e nos colegas, prevenir o bullying, o assédio, as brigas. Um educador físico que ensine consciência corporal, respiração, relaxamento, meditação. Ter uma equipe de acolhimento, com um espaço seguro para que eles possam se expressar sem julgamentos ou ameaças.”

A escola, como dito anteriormente, trabalhará em conjunto com os especialistas. Mas, quem são eles? “São duas abordagens mais utilizadas nesse caso: a psicanálise e a comportamental. A segunda é mais específica para ensinar novos comportamentos, mudar uma fobia ou atender crianças atípicas. Se a questão for de comportamento emocional ou de pensamento, a psicanálise Winnicottiana seria ideal para começar a investigar e entender o que essa criança está sentindo”, explica Carolina.

O papel dos pais na jornada da depressão infantojuvenil

Se a escola e a escuta profissional são parte do caminho, a outra parte, é claro, fica aos tutores. E vale dizer, uma parte bastante significativa. Sabemos que há um fator genético importante envolvido em vários casos de depressão. Mas, há outros vários casos que se dão por conta de um ambiente estressor ou algum gatilho específico, uma situação vivida por aquela criança ou adolescente, por exemplo.

“Se eu tenho um ambiente familiar disfuncional com muita agressividade, brigas entre o casal, violências físicas, psicológicas e às vezes até um abuso sexual, esses fatores todos vão marcar significativamente essa criança e esse adolescente, aumentando a possibilidade do desenvolvimento de um transtorno”, revela Sandra Evangelista.

“O que nós temos hoje são os pais provedores da família, que saem para trabalhar e ficam distantes dos seus filhos. Oferecer boas oportunidades para seus filhos é importante. Porém, mais importante ainda é garantir o afeto e a segurança emocional. E como a gente faz isso? Sendo presença. Estando perto. Brincando junto. Entendendo como está sendo o dia a dia deles, quais são as dificuldades”, pontua.

Sandra menciona também os benefícios da previsibilidade e da rotina: ter horas para as atividades e ter regras torna o lar um ambiente seguro, com limites, contorno e bem-estar. Para Thais, tratar a dor de seu filho como “mimimi” é parte do problema. Dizer frases como “na sua época eu já trabalhava e não tinha tempo para pensar nisso” não são um mérito, pois esse cuidador deve se perguntar: o que eu passei me tornou um adulto hoje feliz? Era necessário ter vivido aquela situação?", questiona Thais.

“Estamos falando de pais que, em sua adolescência e até mesmo na vida adulta, não tiveram e não têm suas emoções e sentimentos acolhidos e validados. Como é que eu acolho meu filho, meu neto, meu sobrinho, se eu não tive essa experiência? Mas há alguns passos possíveis de serem feitos por todos”.

Legitimar e validar os sentimentos do seu filho é um passo importante na Disciplina Positiva, assunto que abordamos por aqui em um Plenae Drops. “A disciplina positiva consiste em uma forma de se criar crianças com base em firmeza e gentileza sem o uso de punição. Não se trata de não impor limites, mas de colocá-los sem violência. O primeiro passo de tudo é criar esse ambiente seguro em casa onde a criança pode se expressar, falar o que ela pensa, conversar, se expor e principalmente, ser levada a sério", explica Carolina Bifulco.

Outros passos importantes dessa filosofia é parar de buscar culpados e procurarem juntos uma solução, além de dar o peso devido às coisas. “Se um amigo seu adulto derruba um copo, você não grita com ele. Por que fazer isso com uma criança que, ao contrário do seu amigo, está aprendendo a ter equilíbrio e coordenação motora?”, questiona Bifulco.

Por fim, um ambiente seguro e acolhedor é também um ambiente onde as crianças são encorajadas a testarem, se arriscarem e, claro, errarem. Essa confiança fará a criança se sentir capaz de tudo e isso, no futuro, irá refletir em um adulto que expressa suas ideias sem medo, autônomo, livre e com uma boa autoestima.

Aos pais de adolescente: resista fortemente a qualquer impulso de criticar ou julgar o  quando ele estiver falando – e isso inclui sem caras e bocas. Demonstre, enfatize, fale sobre o interesse em ouvi-lo, reconheça, acolha e valide seus sentimentos. Persista no diálogo, mas com respeito.

"Dificilmente o adolescente vai te procurar, mas nenhuma conversa deve cair num limbo. Retome semanalmente, quinzenalmente, até se tornar um hábito o diálogo entre vocês”, explica. “Tenha a curiosidade sobre o adolescente, pergunte sobre suas referências públicas nas redes sociais, conheça os seus amigos, promova encontro entre eles. E por fim acredite: você está dando o seu melhor". Você é capaz de abraçar essa causa e tornar a vida do seu filho muito melhor: acredite! 

Compartilhar:


Para Inspirar

A receita de saúde é ter amigos

Interagir com amigos online faz parte da atualidade, mas encontrá-los presencialmente é ainda melhor para a saúde

7 de Maio de 2019


A internet transformou o mundo em uma aldeia em apenas vinte anos. Os encontros presenciais tornaram-se menos frequentes. Em uma fila de espera, por exemplo, as pessoas preferem conversar pelos aplicativos de mensagens a conhecer quem está à frente. Mesmo durante um jantar com amigos , os celulares permanecem em cima da mesa, para que ninguém perca uma mensagem, um like, um acontecimento. Apesar da conexão mágica, pesquisas apontam para o aumento do isolamento social. Quem tem milhares de seguidores no Instagram às vezes não tem o ombro amigo para recorrer quando a situação aperta. Sabe-se que a qualidade e a quantidade dos relacionamentos desempenham papel importante no bem-estar físico e psicológico. Tête-à-tête. Uma série de estudos recentes sugere que os relacionamentos presenciais trazem maior benefício à saúde do que o bate-papo virtual. Segundo pesquisadores, a convivência social engajada e significativa adiciona de 10 a 30 anos na expectativa de vida das pessoas. O ícone da alimentação natural John Robbins relata no livro Saudável aos 100 anos (editora Objetiva) que relacionar-se na comunidade que se está inserido é o fator mais importante da longevidade. Ocupa o primeiro lugar de um ranking de indicadores de longevidade, passando os exercícios físicos, a qualidade do ar ou mesmo a dieta equilibrada, entre outros. Dean Ornish, médico americano, afirma com ousadia: “Não conheço nenhum outro fator que não inclua dieta, não fumar, não fazer exercícios, não estressar, não-genético, não relacionado aos abuso de drogas e não-cirúrgico que tenha um grande impacto em nossa qualidade de vida, incidência de doenças e morte prematura por todas as causas do que a qualidade dos nossos relacionamentos íntimos”.

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais