Para Inspirar

Diversão é essencial para o envelhecimento saudável

É possível restringir as experiências e abandonar as indulgências em troca de uma vida usufruída com mais cuidado para ganhar mais tempo?

26 de Fevereiro de 2019


Globalmente, o homem tem um tempo médio de vida de 71,4 anos. Alguns sortudos excedem os 100 anos. Não há registro de ninguém que tenha ultrapassado os 122 anos e 164 dias vividos pela francesa Jeanne Calment . A maioria das pessoas gostaria de receber um pouco da magia dessa francesa e, nesse sentido, já fizemos algum progresso. A expectativa de vida norte-americana excede a média global, registrando um pouco menos de 79 anos. Em 1900, era pouco mais de 47 anos. As décadas extras foram cortesia das vacinas, dos antibióticos, do saneamento e da melhor detecção e tratamento de uma série de doenças. Avanços na genética e na compreensão sobre demência estão ajudando a ampliar ainda mais as garantias de vida mais longa. Nada disso, no entanto, muda a forma como contemplamos o fim da vida – muitas vezes com ansiedade ou resignação, praticando uma espécie de barganha existencial: é possível restringir as experiências e abandonar as indulgências em troca de uma vida usufruída com mais cuidado para ganhar mais tempo. Otimismo e bom humor. E se pudéssemos viver mais sem tantos cuidados e privações? Que tal ter uma vida longa realmente divertida? Um estudo da Universidade Yale, EUA, descobriu que em um grupo de 4.765 pessoas com idade média de 72 anos, aqueles que carregavam uma variante genética ligada à demência – mas também tinham atitudes positivas em relação ao envelhecimento – tinham 50% menos chances de desenvolver o distúrbio do que pessoas que enfrentavam o envelhecimento com mais pessimismo ou medo. Desta forma, pode haver algo ainda a ser descoberto que ajude no envelhecimento com menos restrições. Talvez, você queira deixar o silêncio do campo para a agitação de uma cidade. Talvez, você queira beber um pouco, comer uma refeição farta e fazer sexo e ainda assim viver uma vida longa e plena. “Jogue fora as listas!", diz Howard Friedman, professor de psicologia da Universidade da Califórnia, EUA, e coautor do livro O Projeto Longevidade , lançado no Brasil pela editora Prumo. “Vivemos em uma sociedade de autoajuda cheia de listas: emagrecer, suar na academia... Então, por que não somos todos saudáveis? As pessoas que vivem muito tempo podem trabalhar duro e se divertir muito também”. Será que vale a pena correr o risco? Leia o artigo completo aqui . Fontes: Jeffrey Kluger e Alexandra Sifferlin Síntese: Equipe Plenae
Curtir

Compartilhar:


Para Inspirar

Escolaridade protege o coração de doenças

Além dos fatores já conhecidos de risco como tabagismo, hipertensão arterial e colesterol, existe uma incerteza sobre outros desencadeantes potenciais.

22 de Novembro de 2018


A doença arterial coronariana (DAC) é a principal causa de morte no mundo. Além dos fatores já conhecidos de risco como tabagismo, hipertensão arterial e colesterol, existe uma incerteza sobre outros desencadeantes potenciais. Entre eles, condições socioeconômicas, como o ensino superior. Para averiguar se de fato esse é fator de risco, uma pesquisa da Universidade de Londres utilizou-se de dados genéticos de mais de uma centena de estudos e cruzou-os com resultados de uma pesquisa observacional tradicional com 164.170 voluntários. Método da pesquisa. A análise principal foi baseada em dois grandes consórcios que incluíram 112 estudos de países predominantemente de alta renda. Os achados das análises foram então comparados com resultados dos voluntários. Finalmente, analisaram os dados genéticos de seis consórcios adicionais para investigar se uma educação mais longa pode alterar causalmente os fatores mais conhecidos de risco cardiovascular. A análise principal foi de 543.733 homens e mulheres, predominantemente de origem europeia. Resultados. Levando sempre em conta a predisposição genética para as doenças coronarianas, os anos de educação adicional foram associados a um terço menor de risco de doença coronariana. Isso foi comparável aos achados de estudos observacionais tradicionais. A educação quando aprimorada está associada ao menor índice de tabagismo, de massa corporal e um perfil lipídico (colesterol) sanguíneo favorável. Conclusões. A baixa escolaridade é um fator de risco causal no desenvolvimento da doença arterial coronariana. Os mecanismos potenciais podem incluir tabagismo, índice de massa corporal e lipídios no sangue. Em conjunto com os resultados de estudos com outros projetos, esses achados sugerem que o aumento da educação pode resultar em benefícios substanciais para a saúde. Assista o vídeo explicativo e leia a pesquisa completa aqui.
Curtir

Compartilhar:


Inscreva-se


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais