Para Inspirar

Envelhecer com fé é uma dádiva

A espiritualidade e a crença em um Deus oferecem sentido à vida para quem se aproxima cada vez mais da finitude dos dias.

7 de Março de 2019


A vivência religiosa é uma ferramenta importante para os idosos. Confere qualidade de vida à medida que dá esperança, ferramenta fundamental para os mais velhos desenvolverem expectativas positivas para enfrentar a realidade e as incertezas do futuro. A espiritualidade e a crença em um Deus oferecem sentido à vida para quem se aproxima cada vez mais da finitude dos dias. Essa foi a conclusão de dois pesquisadores, o enfermeiro Maycon do Santos Marinho e a fisioterapeuta Luciana Araújo dos Reis, da Universidade Estadual de Santa Cruz, na Bahia. A dupla entrevistou 10 idosos com mais de 80 anos para investigar a relação entre envelhecimento e Deus. Os participantes responderam a um questionário padrão. De uma forma geral, perceberam nas narrativas a importância dada à espiritualidade nessa fase da vida. A maioria – sete deles – disse que o envelhecimento com saúde é uma dádiva divina. Seguem alguns depoimentos:
  • “Eu encaro a velhice numa boa, pra mim o importante é que eu estou vivendo, e graças a Deus, eu estou ótima. E eu agradeço a Deus pela vida que ele está me dando, pela minha família; muito obrigado, Senhor!” Camélia , 83 anos.
  • “Eu me sinto bem. Tenho muito o que agradecer a Deus, porque eu já estou com meus oitenta anos e estou vivendo com saúde.” Margarida, 82 anos .
  • “Graças a Deus, eu tenho uma vida boa. Peço a Deus para me dar saúde para eu viver muitos anos”. Angélica, 83 anos .
  • “Acho a velhice uma coisa muito boa. Agradeço a Deus por chegar aos oitenta e um anos. Para mim, tanto faz quando nova ou agora. É a mesma coisa. Graças a Deus, sou sadia. Graças a Deus, sou uma pessoa disposta e espero ser disposta até os cem anos.” Rosa, 81 anos .
  • “Eu vivo alegre. Graças a Deus, eu vivo com Deus e vivo alegre. Estou casada há sessenta anos. Vivemos juntos até hoje, nunca nos separamos. Mesmo doente como ele está, eu não fico triste. Há um ano e meio, ele não anda. Eu cuido dele até quando Deus permitir”. Violeta, 82 anos .
  • “Eu me sinto feliz. Se estou envelhecendo, é porque Deus me permitiu vida até aqui”. Girassol, 81 anos .
  • “Vivo a velhice graças a Deus muito bem, tenho minha casa, não devo nada a ninguém, não dependo de ninguém, isso é bom, não é?!” Hortência, 85 anos .
Segundo os pesquisadores, o envelhecer é um processo complexo, dinâmico e singular. Neste estudo, foi possível analisar que a percepção do passar dos anos está associada com a crença em algo. Evidencia que a velhice é um tempo de reverência e de agradecimento pela saúde, autonomia e disposição. Esse estudo tem importância por levar em conta principalmente os aspectos psicológicos, sociais, econômicos, culturais e espirituais – e não biológicos. Os pesquisadores afirmam a importância de estudos com idosos longevos e a inclusão do tema espiritualidade na análise do envelhecimento, pois na literatura nacional quase não se acha relatos desse tipo. Leia o artigo completo aqui .

Compartilhar:


Para Inspirar

Isolamento dificulta recuperação de doentes

Os pesquisadores confirmaram que estar sozinho pode aumentar as chances de ataque cardíaco e AVC

10 de Janeiro de 2019


Ter amigos por perto é muito importante para a saúde. Um estudo publicado na revista digital Heart analisou o isolamento social (ficar longe de outras pessoas) e a solidão (estar isolado da conexão social e insatisfeito com isso). Os pesquisadores confirmaram que essas condições aumentam as chances de ataque cardíaco e AVC. Elas também aumentam o risco de morte entre pessoas com histórico de doenças cardíacas. “O apoio de pessoas queridas é importante para a saúde”, disse o autor do estudo, Christian Hakulinen, professor de psicologia e logopedia (ciência que avalia, diagnostica e trata os problemas da linguagem, da voz e da deglutição) na Universidade de Helsinque, na Finlândia, à revista TIME . O estudo surge como mais uma confirmação de outros semelhantes já realizados, mas tem um dado novo. Afirma que pessoas antissociais possuem mais dificuldade de recuperação. Os pesquisadores investigaram quanto risco poderia ser atribuído apenas às causas sociais – uma etapa extra que poucos outros estudos fizeram. Desconfiavam que outros traços comuns às pessoas antissociais tivessem sua carga de responsabilidade nos efeitos encontrados. Entrevistaram 480 mil adultos no Reino Unido. Perguntaram sobre vida social, solidão, históricos médicos e hábitos de vida. Também, mediram as questões de saúde, incluindo altura, peso, índice de massa corporal e força de preensão. Os participantes foram acompanhados por sete anos. O isolamento e a solidão pareciam aumentar significativamente o risco de problemas cardiovasculares, em comparação com pessoas mais sociais. Veja o quadro abaixo, onde temos as causas e as porcentagens aumentadas para a doença.
Isolamento 43% ataque cardíaco pela primeira vez 39% acidente vascular cerebral pela primeira vez
Solidão 49% ataque cardíaco pela primeira vez 36% acidente vascular encefálico pela primeira vez
Depois de contabilizar fatores biológicos, de saúde e socioeconômicos, os riscos aumentados baixaram. Veja tabela abaixo:
Isolamento Solidão
7% - infarto pela primeira vez 6% - infarto pela primeira vez
7% - derrame pela primeira vez 4% - derrame pela primeira vez
Obesidade e tabagismo. “Isso indica que a maior parte do aumento de risco foi atribuída a fatores conhecidos, como obesidade, tabagismo, baixa escolaridade e doenças crônicas pré-existentes”, diz Hakulinen. No final, entre as pessoas com problemas cardíacos preexistentes, apenas a ligação entre isolamento social e mortalidade permaneceu estatisticamente significativa após o ajuste com outros fatores. O isolamento social parecia aumentar o risco de morte de uma pessoa em 25% entre aqueles com história de ataque cardíaco e 32% naqueles com história de acidente vascular cerebral. “O resultado sugere que, embora uma vida social vazia não cause problemas cardíacos, pode afetar seriamente a capacidade de recuperação”, diz Hakulinen. “Em teoria, pode ser que os indivíduos que estão se sentindo sozinhos tenham pelo menos algumas redes sociais ativadas depois de ficarem doentes, o que pode não acontecer com quem sofre de isolamento social”, diz Hakulinen, apesar de alertar que o estudo não provou causa e efeito. Ainda assim, as descobertas sugerem que a manutenção de relacionamentos é mais do que um preenchimento, mas um “salva-vidas”. “Seria importante manter os relacionamentos existentes encontrando familiares ou amigos cara a cara”, diz Hakulinen. “Conversar com pessoas com interesses comuns ­– por exemplo, começando um novo hobby – é provavelmente uma boa maneira de fazer novas conexões sociais”. Leia o artigo original aqui .

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais