Para Inspirar

Evento Plenae: Musculação garante vida saudável e independente

Muitas pessoas não conseguem deixar de lado a preguiça e sempre adiam os planos de começar alguma atividade.

11 de Junho de 2018


Todos os dias as pessoas escutam falar o quanto o sedentarismo faz mal à saúde. Também ouvem que a prática de atividades físicas diariamente proporciona disposição, bom humor e, principalmente, o estado geral de saúde . Mesmo assim, muitas pessoas não conseguem deixar de lado a preguiça e sempre adiam os planos de começar alguma atividade. Durante a palestra realizada no lançamento da Plataforma Plenae, em maio de 2018, Irineu Loturco – diretor técnico do Núcleo de Alto Rendimento Esportivo de São Paulo (NAR) – foi enfático ao dizer que o exercício físico é a mais eficiente ferramenta para garantir uma velhice independente e saudável. Na terceira idade, segundo ele, as pessoas tendem a perder gradativamente a força muscular, podendo se tornar incapazes funcionalmente e depender do cuidado de terceiros. “O exercício não é só importante para prevenir doenças, mas também pode ser utilizado no tratamento de diferentes tipos de doenças crônicas”, diz o Doutor em treinamento esportivo, que no mesmo momento mostrou a imagem de idosos saudáveis se exercitando.
Degeneração muscular. Há um processo degenerativo do tecido muscular durante o envelhecimento, chamado de sarcopenia, que resulta na perda da força muscular. “Ela é desencadeada por uma série de processos hormonais e metabólicos, que ocorrem durante o passar dos anos, diminuindo progressivamente a massa muscular e a força. É um processo inevitável, que prejudica progressivamente a saúde dos idosos.”, diz Loturco. A fragilidade vai aumentando com o passar dos anos e o idoso perde a independência funcional, “o que é um problema para ele, para quem vai ajudá-lo e para todo o sistema de saúde”. A melhor forma de combater esse processo é através da prática sistemática do treinamento de força, sempre com a orientação de um profissional da área de educação física”. Manutenção da força. Loturco mostra na tela a imagem de duas ressonâncias magnéticas de quadríceps. Uma é de um triatleta de 40 anos. Trata-se de um corte circular, com uma fina camada de gordura por fora, envolvendo uma grande parte de músculo, que, por sua vez, circunda o tecido ósseo. A outra ressonância é de um homem sedentário de 74 anos. A imagem mostra a proporção inversa da primeira, ou seja, mais tecido gorduroso do que muscular. O especialista exibe uma terceira ressonância, dessa vez de um triatleta de 70 anos. A imagem é quase idêntica ao do triatleta de 40, mostrada pouco antes. A musculatura foi preservada e tem maior proporção que a camada adiposa. “O segredo”, diz ele, “é o exercício físico realizado sistematicamente ao longo da vida. Esse senhor fez uma série de atividades aeróbias combinadas com exercícios de força durante muitos anos e por isso tem uma estrutura muscular semelhante à de um sujeito saudável e fisicamente ativo com 40 anos de idade”. Sem dor há ganhos. O palestrante dá uma boa notícia. Estudos científicos mostram que não é preciso trabalhar a musculatura com carga máxima e nem mesmo com esforços máximos. Há pesquisas comprovando que exercícios realizados com pesos médios e leves – executados com maior velocidade – proporcionam ganhos significativos nas capacidade de força e potência muscular de idosos . A descoberta facilita o engajamento das pessoas mais velhas nesse tipo de treinamento. A melhora dessas capacidades permitem ao idosos executar com maior eficiência as tarefas do dia a dia, como carregar uma sacola ou até mesmo subir uma escada. Nem sempre o sofrimento de levantar pesos até a exaustão proporciona ganhos adicionais. “Qual é a razão principal para nos exercitarmos? A razão está diretamente associada à qualidade de vida que queremos desfrutar, sobretudo na fase da vida que chamamos de melhor idade. Get stronger and live longer.” Assista à palestra na íntegra aqui.

Compartilhar:


Aqui e agora

Quando pensamos em gratidão, costumamos pensar grande

8 de Janeiro de 2024


Quando pensamos em gratidão, costumamos pensar grande. Ser grato por ter saúde, por ter uma casa onde morar, comida no prato e roupas no corpo. Por ter carro, convênio, por ter os pais vivos. Todos esses motivos são mais do que legítimos para fazer do sujeito alguém que agradece todos os dias.  

Mas, focados na grandeza, perdemos seu oposto: as miudezas. O milagre da gratidão mora justamente em apurar o nosso olhar para as vitórias diárias, as conquistas ordinárias que trazem sentido à vida de forma invisível, como um maestro que rege essa orquestra de maneira impecável e sutil. 

Agradecer pelo elevador que estava lá quando você chegou com pressa. Pelo sorriso da criança que esperou pacientemente o adulto concluir uma tarefa que ela teria feito mais rápido. Agradecer pelo céu azul e pelo céu cinza, pois cada um oferece uma poesia à sua maneira. 

Vamos agradecer por ter acordado a tempo, por ter ouvido aquela música antiga na rádio sem querer. Por ter seu prato favorito disponível no quilo, por ter conseguido entregar tudo e saído a tempo de ver o sol se preparando para ir embora. Agradecer pelo lado do fone que voltou a funcionar, pela moedinha que encontramos no bolso, pelo barulho do passarinho que, de tanto insistir no belo, atravessou o duro barulho do concreto até chegar em seus ouvidos. 

Nesse dia da gratidão, é preciso pensar nessa palavra de forma robusta, intensa, encorpada e não mais esvaziada como foi pelas redes sociais. Ser grato é uma atitude perante a vida que deve ser trabalhada diariamente de forma individual e coletiva. Não se distraia do que verdadeiramente importa, afinal, como canta Gilberto Gil, o melhor lugar do mundo é aqui e agora. Você já agradeceu por estar exatamente onde deveria estar? 

Aqui e agora Aqui e agora Aqui e agora Aqui e agora

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais