Para Inspirar

Fafá de Belém em “A voz da fé”

Na quinta temporada do Podcast Plenae - Histórias para Refletir, inspire-se com a fé generosa de Fafá de Belém

13 de Junho de 2021


Leia a transcrição completa do episódio abaixo:


[trilha sonora]

Fafá de Belém: A primeira vez que eu senti uma grande manifestação Divina foi na minha Primeira Comunhão. Eu tinha uns 9 anos. Fiz a confissão sozinha, solitária, e fui orar. Em determinado momento, era como se eu não estivesse ali. Eu me lembro perfeitamente. Essa sensação se repetiu várias vezes na minha vida. Senti isso na igrejinha onde os 3 pastorinhos de Fátima foram batizados, em Fátima, Portugal. Senti em Santiago de Compostela, na Espanha. No Círio de Nazaré, em Belém do Pará, também é assim. De repente, eu começo a chorar sem saber o porquê. Na Porciúncula, em Assis, na Itália, o choro foi tão intenso, que eu não conseguia me controlar. Morri de vergonha, porque eu urrava. Vem uma onda de frequência Divina tão alta, muito, muito, muito alta, que me arrebata. 

[trilha sonora]

Geyze Diniz: Ela nasceu como Maria de Fátima, nome em homenagem a uma promessa à Nossa Senhora de Fátima. Mas depois se tornou Fafá de Belém, em homenagem a sua terra natal, Belém do Pará. Fafá é peregrina, devota e, acima de tudo, dona de uma trajetória de fé que vai desde seus encontros com Papas, até suas conversas íntimas com Nossa Senhora de Nazaré. 

Mergulhe na emocionante trajetória de fé e espiritualidade de Fafá de Belém. Ouça, no final do episódio, as reflexões do rabino Michel Schlesinger para te ajudar a se conectar com a história e com você mesmo. Eu sou Geyze Diniz e esse é o Podcast Plenae. Ouça e reconecte-se. 

[trilha sonora]

Fafá de Belém: A minha relação com a fé começa antes de eu existir. Quando o meu pai tinha 7 anos, em Portugal, na década de 30, ele teve febre tifóide. Foi desenganado pelo médico e recebeu a extrema unção. E uma tia dele muito, muito religiosa, estava voltando de Fátima e então ele fez uma promessa pra Nossa Senhora. Ele beberia a água do Santuário e se recuperaria e a primeira filha que ele tivesse seria dela. 

Eu acredito que nós temos um Deus interior muito, muito poderoso, que é a fé. Ela empurra a gente pra frente, mesmo quando todo mundo diz que não tem luz no final do túnel. Qualquer fagulha de um fósforo se apagando é luz, e luz é esperança. O meu pai criança tinha essa fagulha divina, de que ele ficaria bom bebendo a água de Nossa Senhora de Fátima, que já vinha carregada de emoção e fé. Ele se recuperou, teve 3 filhos antes de mim, meus irmãos, e eu fui obviamente dedicada à Nossa Senhora de Fátima, que me acompanha desde então. 

[trilha sonora]

A minha relação com a fé é ainda mais forte, porque eu nasci em Belém do Pará, a cidade com a maior procissão mariana do mundo: o Círio de Nazaré. O Círio acontece no segundo domingo de outubro, desde 1793. A fé do paraense é tão próxima e poderosa que, quando chega final de setembro, ela é quase palpável. A frequência de Belém muda. É como se a cidade inteira brilhasse, num estado de amor absoluto.

A relação que qualquer paraense estabelece com a fé não é do medo, nem da punição. A nossa fé é FELIZ. Nós temos uma amiga, uma companheira, uma mãezinha, uma confidente que nos ouve, pra quem nós confessamos o inconfessável, pra quem nós pedimos o que não se pode pedir pra ninguém. Ela é Nossa Senhora de Nazaré. Ela é tão próxima de nós, que ela é Naza, Nazinha, Nazarezinha, Nazoca, e até Nossa Senhora de Nazaré, pra quem não tem muita intimidade. Eu entendo também que a fé não tem nada a ver com religião. 

O primeiro Círio de Nazaré a gente acompanha no colo de alguém, vestidinho de anjo. No segundo, você vai com alguém te segurando, sentadinho numa varanda ou numa cadeirinha, vestidinho de anjo, com a sua coroa. Pelo resto da vida INTEIRA, todos nós paraenses temos um grande amor pelo Círio. Eu participei de todos, nos meus 64 anos. Quando eu não podia tá lá presencialmente, alguém me avisava pelo telefone: “Lá vem a Santa! A santa tá chegando!”. Aí eu me ajoelhava, onde quer que estivesse. Cantava o hino Vós Sois o Lírio Mimoso, rezava uma Ave Maria, agradecia à saúde, à família, aos amigos, pedia paz, pedia amor. Depois da internet, eu podia acompanhar virtualmente. Mas sempre que foi possível, eu estive lá.

A igreja católica vai à frente do Círio, claro, mas a procissão é ecumênica. Todo mundo tá lá: candomblé, umbanda, muçulmano, judeu, espírita, e até os ateus. Entre os evangélicos, a Adventista de Sétimo Dia e a Igreja Batista abrem seus templos para distribuir água e receber peregrinos ou romeiros, que precisam de um acolhimento. Todos pedem bênçãos à Nossa Senhora de Nazaré, aquele ser de luz que passeia em forma de uma imagem, pequenina, pelos rios e ruas de Belém. 

[trilha sonora]

Há 10 anos, eu organizo a Varanda de Nazaré, um espaço pra receber pessoas de outros lugares e mostrar pra elas a nossa fé alegre. Eu levo amigos, artistas, teólogos, jornalistas, intelectuais, pessoas que não necessariamente têm conexão com a espiritualidade. Eu quero que eles sintam o que é ver 2 milhões de pessoas em estado de fé, felicidade e gratidão.

O historiador Leandro Karnal escreveu que a Varanda de Nazaré foi uma das experiências mais bonitas que ele já teve. Ele, que já foi coroinha, mas é ateu, de repente rezando Salve Rainha e cantando todas as músicas religiosas, de Maria de Nazaré a Oração de São Francisco. Essa é a grande transformação do Círio. O Círio não exige nada de ninguém. Basta você estar aberto pra sentir a experiência. 

Quem vai na procissão, diurna ou noturna, não consegue andar. Tem que soltar o corpo e sentir aquela grande onda que navega pelas ruas de Belém. O corpo não pode oferecer resistência, porque quem comanda o ritmo é a procissão. Isso, por si só, já é um poder muito grande. Todas as casas, prédios chiques ou simples, barracas de feira, comércios, todos têm o cartaz do Círio. A gente ouve histórias de cura, de livramento. Relatos de milagres temos todos os dias. Eu acredito que tudo que a gente quer com muita fé e que vem do fundo da alma acontece. 

[trilha sonora]

Em 1995, eu tive um ano muito difícil. Profissionalmente foi ótimo, mas enfrentei o final de um relacionamento muito doloroso. Custei a me recuperar. E um ano depois, ainda abalada, eu estava em Portugal e fui passar uns dias na Itália com a minha filha, Mariana, uma amiga, Marluce e a filha dela, Roberta. Achei estranho, porque eu não estava conseguindo achar lugar em nenhum hotel. Mas finalmente conseguimos 2 quartos geminados, na Piazza di Spagna. Chegamos na quinta-feira e eu falei: “Meu Deus, que coisa linda tá a cidade”. E minha amiga, que é muito mais conectada do que eu, que sou muito desligada, respondeu: “Fafá, a gente tá na Páscoa! Na Itália, em Roma!”. Cara, eu estava passando por um período tão complexo, que eu nem me dei conta da data. 

No dia seguinte, sexta-feira da Paixão, fomos jantar num restaurante próximo ao Vaticano, uma trattoria que eu adoro. E na saída, ouvíamos cantos gregorianos, cânticos, e fomos atrás daquele som que vinha pelas ruas. A gente foi andando até o Vaticano e aí, nas muralhas do Vaticano, nas arcadas, havia centenas de peregrinos com violão, outros só em coral, outros só abraçados acompanhando, cantando em louvor ao Nosso Senhor Jesus Cristo. Estava uma Lua cheia, uma coisa linda, e nós voltamos pro hotel e eu fiquei com aquela imagem na cabeça. No sábado, a gente assistiu tudo pela televisão, a cidade tomada de gente e no domingo, domingo de Páscoa, eu acordei bem cedo, comecei assistir a missa pela televisão e eu disse: “Não, eu vou”. Tentei chamar a Mariana, acordar, não conseguia. Liguei pra minha amiga que também não atendia o telefone e a filha dela atendeu e disse: “Tia, eu vou com a senhora”. 

Nós saímos correndo pela Piazza di Spagna, não tinha táxi, não tinha nada que nos levasse a lugar nenhum, e aí fomos a pé até o Vaticano. E foi incrível. Era uma concentração de fé tão forte, que me arrebatou fisicamente. Parecia que eu estava trocando de pele. Eu, que sempre tive grande admiração pelo Papa João Paulo II, porque eu acredito que ele foi o primeiro, pelo menos do que eu tenha memória, a não se colocar como Deus, mas como homem, de repente, ele apareceu na janela. Foi aquela comoção, gritaria, choro. Eu desejei do fundo da minha alma um dia abraçá-lo. E falei pra Beta, filha da minha amiga: “Tudo que eu queria na vida era um dia poder abraçar esse homem”. 

[trilha sonora] Um ano depois, eu estava voltando de Angola, no dia 25 de agosto de 1997. Quando o avião aterrissou, peguei o celular e a caixa postal estava lotada. Tinha 10 mensagens de um amigo, muito amigo meu falando “Fafá, onde você tá!? O Papa quer falar contigo!” e coisas nesse tom, e eu achei que era aquela brincadeira "ninguém consegue te achar, é mais fácil falar com o Papa". Mas, a última mensagem era ele me dizendo numa voz mais séria: “Fafá, por favor, me liga assim que você pegar essa mensagem”.  Eram 7h30 da manhã, ele é uma pessoa que acorda tarde, mas eu telefonei assim mesmo. Ele falou: “Graaaaças a Deus, porque eu não aguento mais tá atrás de ti. O Vaticano quer falar contigo”. E eu: “Você tá brincando comigo, né?”. Ele falou: “Não, não estou brincando com você. E eles queriam te fazer um convite. Mas o interlocutor disse que tem que falar com você antes, porque não se pode dizer ‘não’ ao Vaticano. E o Vaticano não pode retirar um convite feito”. Aí eu pensei: “Meu Deus do céu, só falta ser uma oportunidade pra eu assistir à missa do Papa! Eu falei com tanta gente pra descolar um convite pra ver o Roberto Carlos cantar pra ele!”. Nunca podia imaginar que o convite era pra  EU cantar. Eu cantar pro Papa.  [trilha sonora] Era 25 de agosto de 1997. E do dia 25 ao dia 4 de outubro, eu não tive uma noite completa de sono. Eu acordava a meia noite angustiada e incomodei todos os meus amigos. Eu tirava o tom, voltava com o tom, achava que estava tudo errado. Era muito, era muito pra mim. Sabe, uma menina, nascida na beira do Igarapé, em Belém do Pará, que tem Nossa Senhora de Fátima como a proteção desde antes de nascer, receber um convite do Vaticano. Aquele convite significava muita coisa. O Papa, naquele momento e naquele ano, estava reconhecendo a importância da mulher. E além do mais, ele era devoto de Nossa Senhora de Fátima. Eu queria aproveitar a oportunidade pra realizar meu grande sonho e dar um abraço nele. Pedi para a organização, pedi para a Guarda Suíça, mas todo mundo dizia que não podia, não podia, não podia. Aí, no dia do evento, aconteceu um negócio muito louco. Cheguei no Maracanã e dormi até a hora que eu tinha que subir no palco pra cantar. Quando eu comecei a cantar a Ave Maria, em determinado momento, eu não via mais o Maracanã. Eu via a campanha das Diretas. Eu via o povo brasileiro. Eu via o Brasil. E no intervalo do solo da orquestra, eu desliguei completamente e quando eu voltei, eu estava abraçada com o Papa. Eu voltei a mim, abraçada com o Papa, e lembrei que não podia, eu tinha aprendido isso, eu não podia, ajoelhei e beijei o anel dele. [trilha sonora] Eu fiquei fora do ar uns 3 ou 4 dias, em estado de êxtase. Eu via a cena pela televisão e chorava e me perguntava: “Por que eu?”.  [trilha sonora] Eu sempre fui uma pessoa fora do convencional. Usava e uso decote, tenho uma filha que eu tive sem me casar, nunca fiquei militando de carola, com bandeiras, pregando a favor da castidade, ou contra não sei o quê, eu sempre fui muito privada na minha fé. Eu perguntava pra mim: por que eu? Não tinha uma resposta.

Nove anos depois, eu recebi outro convite do Vaticano, dessa vez pra cantar pra Bento 16, em Valência, na Espanha. Seria eu e a cantora lírica Montserrat Caballé. Quando o meu olhar cruzou com o do Papa Bento 16, eu fiquei fascinada. Eu vi nos olhos dele todo o mar. E mais uma vez eu perguntei: mas, por que eu? 

Levei essa dúvida pra Dom Romer, que durante muito tempo esteve ao lado do arcebispo do Rio de Janeiro, e ele me disse: “Minha filha, você foi a escolhida porque tem um discurso que é absolutamente coerente com as suas ações". Segundo ele, haviam vários nomes na mesa e o fator decisivo foi a coerência entre o que eu faço e o que eu falo, porque é isso que a Igreja precisa. 

Eu nunca imaginei que esse ponto teria sido fundamental pra minha escolha. E pra mim foi muito importante, porque eu defendo essa coerência desde que me entendo por gente. Eu cresci tendo que administrar muitos “nãos”. Saí de casa aos 17 anos. Eu nunca era a mais bonita, eu não era a menina que queria ser miss, eu não era aquela que estava atrás de um casamento, eu não era magra e vinha do Norte, um lugar completamente fora do eixo artístico convencional. E mesmo assim, eu achei o meu lugar, sem abrir mão do que eu sou e do que eu acredito.

Eu ainda cantei para um terceiro Papa! Em 2013, quando eu soube que o Papa Francisco vinha pra Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro, eu me ajoelhei diante de Nossa Senhora de Fátima e disse pra ela: “Agora TEM que ser eu”. E fui escolhida novamente e tive a honra, a graça e a glória de levar o Círio de Nazaré pro Papa Francisco e para todo mundo conhecerem o que é a fé da minha terra. 

[trilha sonora]

Acho o Papa Francisco um grande ser humano. Estou lendo um livro dele, em que ele diz que a gente, quando se confessa, não é para ser punido, é pra conversar com Deus, para refletir junto com ele sobre os nossos atos. Deus não manda o pobre se ajoelhar no milho, nem o rico construir um templo pra poder perdoá-los. Quando a gente reza dez Ave Marias ou dez Pai Nossos, é porque isso vai fazer a gente refletir sobre o que nos levou a tomar uma atitude contrária à nossa natureza, ao que julgamos correto e ao que é correto. E a minha fé é assim, a minha fé é leve, intuitiva, e é puro amor. Sou Fafá de Belém, sou católica, mas a minha religião é a fé. 

[trilha sonora]

Miguel Schlesinger: Cada religião tem a sua linguagem, os seus rituais. Mas a fé, a espiritualidade, é algo que extrapola as doutrinas e as diferenças entre elas. Quando a Fafá de Belém fala sobre a presença de várias religiões no Círio de Nazaré, é sobre este elo em comum a que ela se refere. Tanto faz se o seu ritual é um pouco assim ou um pouco assado, o que importa é essa busca por um sentido da vida, é a crença em algo maior. 

Existe um conceito judaico que se chama Tikun Olam, em hebraico, a ideia se refere ao aprimoramento do Universo. Esse conceito está presente em todas as religiões. A gente tem o dever de fazer do mundo um lugar melhor. O sentido da vida está justamente em aproveitar essa nossa passagem por aqui para deixar uma marca, uma pegada, e essa pegada que a gente deixa é o aprimoramento do indivíduo, da sociedade e do mundo. 

[trilha sonora]

Geyze Diniz: Nossas histórias não acabam por aqui. Confira mais dos nossos conteúdos em plenae.com e em nosso perfil no Instagram @portalplenae.


[trilha sonora]

Compartilhar:


Para Inspirar

Desmistificando conceitos: o que são os cuidados paliativos?

Essa linha de cuidado que reúne um conjunto de práticas que vão ter como objetivo fornecer qualidade de vida para os pacientes que mais precisam. Entenda mais!

24 de Novembro de 2023


No segundoepisódio da décima quarta temporada do Podcast Plenae, embarcamos no propósito de Fernando Korkes: usar os seus conhecimentos médicos para ajudar quem mais precisa no Sistema Único de Saúde. Isso, por si só, já seria incrível. Mas a proposta de Fernando é ainda mais específica: trazer essa ajuda de uma forma que faça sentido para o paciente, levando em consideração suas chances de cura e garantindo a dignidade e a qualidade de vida.

Esse olhar não foi adquirido por ele ao longo da formação. Korkes, assim como tantos outros profissionais da saúde, estudou a medicina tradicional, que abre pouco diálogo para o subjetivo e para o sentimental. Essa jornada teve início dentro dele a partir de uma situação específica em sua vida: o câncer que levou sua mãe. Ao longo do tratamento, Fernando viu de perto que tratar um indivíduo não significa tratar somente a sua doença. E que, na verdade, há tantas frentes para se olhar que muitas vezes a doença fica em segundo plano.

Ele viu de perto uma área que ainda caminha a passos curtos no Brasil, mas que promete avançar cada vez mais com firmeza e gentileza que deve ser: os cuidados paliativos. Hoje, falaremos desse termo e desse tipo de atenção que deveria ser regra e matéria obrigatória na graduação, mas que infelizmente ainda é cercado de tabus muito maiores e mais complexos.

A atenção final: os cuidados paliativos

Descrita pelos ingleses pela primeira vez nas décadas de 1950 e 1960, a intenção de uma morte digna, próximo de pessoas queridas e menos sofrida se tornou uma preocupação legítima e que se estendeu aos Estados Unidos da América e outros países da Europa, segundo este artigo científico.

Foi em 1947 que Cicely Saunders, personagem importantíssima para a jornada dos cuidados paliativos,
segundo Academia Nacional de CuidadosPaliativos - conheceu e acompanhou até a morte um paciente de 40 anos chamado David Tasma, vítima de um carcinoma retal inoperável.

A partir dessa experiência, a enfermeira, assistente social e médica dedicou sua vida ao sofrimento humano e em 1967, fundou o St. Christopher´s Hospice, o primeiro serviço – e até hoje o mais reconhecido - a oferecer cuidado integral ao paciente, dos sintomas e alívio da dor ao sofrimento psicológico.
  

Isso resultou na criação do modelo de cuidados integrais e mais humanizados, especificamente para pessoas com “doenças avançadas, progressivas e crônicas, sem possibilidade de tratamento modificador da doença”. Essa foi o primeiro passo para a construção de uma área que ganharia força nos anos seguintes, mas ainda não a força suficiente.

“O cuidado paliativo é uma linha de cuidado que reúne um conjunto de práticas que vão ter como objetivo fornecer qualidade de vida para os pacientes e familiares no contexto de uma doença grave e ameaçadora de vida. Esse cuidado vai ser feito principalmente através do alívio de sintomas, dor e sofrimento, oferecendo suporte e técnicas que buscarão ajudar o paciente a viver de uma forma mais ativa e funcional possível, até a finitude.”, explica Ana Carolina Stamm Fávero, psicóloga, especialista em Psicologia Hospitalar e Cuidados Paliativos.

Na jornada desse cuidado, respeitar os valores e histórico de vida daquele paciente é fundamental, pois trata-se de um cuidado que irá olhar para além da parte física. Isso não quer dizer que não seja importante o manejo das comorbidades e desconfortos físicos, é claro, mas nessa dinâmica, é preciso se manter sensível a questões emocionais, sociais e espirituais, como explica Ana.

“Estamos falando de um tratamento biopsicossocial e espiritual. Então é cuidar do paciente e seu entorno como centro do cuidado, trazendo assistência focada genuinamente no sujeito e não na doença em si”, diz. É isso que torna essa linha de cuidado tão importante: o olhar para o paciente de uma forma holística, com o objetivo de fornecer um cuidado pautado no bem-estar integral desde o diagnóstico de uma doença ameaçadora de vida, perdurando pelo acompanhamento e evolução dessa doença até o seu possível fim.

“Eu acredito que é por meio dessa abordagem que a gente afirma a vida e reconhecemos a morte como um processo natural. É uma abordagem que vai apoiar também as tomadas de decisões, possibilitando que elas ocorram de uma forma mais coerente a partir de orientações reais de todas as opções de cuidado que temos disponíveis. O alívio do sofrimento é o foco”, afirma.

Os caminhos do cuidado paliativo

No Brasil, a área ainda caminha a passos lentos. Em uma pesquisa divulgada pelaAcademia Nacional de Cuidados Paliativos, observou-se que menos de 10% dos hospitais brasileiros disponibilizam uma equipe de CP (cuidados paliativos). Para efeito de comparação, a cobertura dos EUA é de 75% dos hospitais norte-americanos. O mapeamento ainda evidenciou que mais de 50% dos serviços de CP do país iniciaram suas atividades na década de 2010, ou seja, é uma discussão extremamente recente e ainda elitizada - 50% dos serviços são concentrados na região sudeste e menos de 10% do total na região norte-nordeste.

“A questão do acesso é um ponto que precisa ser melhorado. É preciso expandir esse cuidado para áreas remotas e não falar sobre isso somente em grandes centros de saúde. Precisamos garantir de fato um acesso independentemente da localização geográfica, com mais recursos destinados, mais investimentos nessa área e sem excluir as áreas onde de fato a aplicação desse cuidado vai ser mais difícil, mas que não pode ser esquecida”, pontua Fávero.

Graças a figuras como Ana Claudia Quintana, médica especialista em cuidados paliativos e autora de “A morte é um dia que vale a pena viver”
– te contamos aqui sobre ele – o tema tem ganhado mais atenção. Em recente entrevista, ela abordou justamente essa questão da inacessibilidade de um atendimento tão importante, e revelou que apenas 0,3% dos pacientes que precisam de cuidados paliativos têm acesso e que, por conta disso, tantos pacientes com câncer, por exemplo, não morrem pela doença, mas sim, pela dor.

Ela também participou como uma das entrevistadas para o documentário “Quantos dias. Quantas noites”, projeto apoiado financeiramente pelo Plenae e que te contamos em detalhes por aqui e que gerou ainda essa matéria relacionada completa quefizemos para falar sobre esses anos que ganhamos na era da longevidade. Essa atenção que o assunto tem recebido é importante para trazer luz ao tema, que ainda sofre muitos mitos.

“Acho que o principal gargalo do cuidado paliativo hoje é fornecer orientações reais sobre o que é esse tipo de cuidado e desmistificar algumas coisas que são constantemente faladas a respeito dessa abordagem. Hoje eu vejo muito mais iniciativas e organizações trabalhando em prol dessas discussões, tornando mais real e mais acessível essas informações, então acredito que esteja melhorando”, comenta Ana Carolina.

Para ela, o fato de o assunto precisar ser desmitificado está relacionado a um outro problema bem comum em nosso país: o tabu com a morte. Mais de 73% dos brasileiros não gostam de falar sobre esse tema, segundo pesquisa encomendada pelo Sindicato dos Cemitérios e Crematórios Particulares do Brasil (Sincep) e realizada pelo Studio Ideias. Isso dificulta várias outras conversas importantes para se ter ainda em vida,
como debatemos neste artigo completo.

“Os cuidados paliativos tornam a questão da morte mais concreta e real, nos coloca frente a frente com sua possibilidade e por mais que a gente tenha a certeza da nossa finitude, a gente tenta afastar de todas as formas essa temática. Se perguntamos para as pessoas como elas acham que vão falecer, a maioria fala que gostariam de falecer de uma forma aguda do coração e em casa, mas é uma baixíssima parcela, quase irrisória, que vai morrer dessa forma. Então a partir do momento que idealizamos essa morte, não nos permitimos discutir como gostaríamos de ser cuidado. Porque se a gente acha que a gente vai morrer dormindo, a gente não precisa pensar sobre a forma que a gente quer ser cuidado”, reflete.

Onde, como e para quem?

Os cuidados paliativos, justamente por focarem em um atendimento mais personalizado e dissociado de protocolos rígidos e unificados, pode ser encontrado em diferentes lugares. Esse cuidado pode ser oferecido de diversas formas, configurações e locais, com técnicas e condutas adaptáveis, em prol de um melhor suporte para aquele paciente e sua família. “É literalmente sobre olhar para o sujeito e abrir mão de protocolos mais estruturados e fechados e ir adaptando as terapias conforme as necessidades dele”, explica Ana.

Eles são possíveis de serem oferecidos tanto em casa, com a assistência domiciliar, possibilitando que os familiares e cuidadores estejam mais próximos e presentes. Em casas de repousos e LPIs, em hospices - clínicas especializadas como a de Cicely Saunders. Atualmente, há setores inteiros e leitos destinados a isso em grandes hospitais e, em algumas regiões, é possível encontrar a abordagem até mesmo na atenção primária, através de programas comunitários.


Ainda, o cuidado paliativo é destinado para qualquer um que esteja enfrentando uma doença ameaçadora de vida, independentemente da fase dessa doença ou da idade do enfermo. Há, por exemplo, centros pediátricos dedicados a área. “Todo mundo deveria ser contemplado por esse atendimento desde o diagnóstico de uma doença ameaçadora de vida, pra já ir ponderando sobre o que de fato será benéfico para aquele indivíduo, sem em nenhuma etapa do cuidado submetê-lo a terapêuticas fúteis, que só vão expor aquele sujeito a um sofrimento sem uma melhora efetiva ou sem possibilidade de reversão daquela condição clínica”, reforça.

Por fim, mas não menos importante, é preciso capacitar alunos de todas as áreas da saúde sobre o tema. “Precisamos treinar profissionais para essa área que é extremamente delicada, que lida com uma etapa de muita fragilidade e demanda profissionais específicos”, pondera a psicóloga.

Para quem está pensando em mergulhar na área, seja como um estudante e futuro profissional ou apenas um curioso e até alguém que irá iniciar a jornada como acompanhante de um paciente paliativo, há alguns caminhos para se aprofundar. Livros, de blogs, por vídeos de organizações confiáveis e especializadas, conversas com especialistas da área e até grupos de apoios: tudo isso será válido e bem-vindo frente a um tema ainda tão mistificado e que, com esse artigo, esperamos ter desmitificado um pouco mais.

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais