Para Inspirar

José Papa Neto em "As linhas de chegada da vida"

É possível aprender mesmo com as adversidades? Para o publicitário José Papa Neto, sim. Confira seu episódio no Podcast Plenae

27 de Setembro de 2020


Leia a transcrição completa do episódio abaixo:

[trilha sonora]


José Papa Neto: Eu sempre fui uma pessoa muito espiritualizada e eu não estou falando de religião, eu falo de intuição, de uma conexão que eu sinto com algo maior, com o universo mesmo, algo que me faz entender que sempre existem lados muito positivos em tudo. Isso não quer dizer que eu não tenha pensamentos difíceis, preocupações, negatividade - todo mundo carrega esse tipo de sentimento dentro de si e eles interferem mesmo diretamente na vida que temos. Mas sinto que os momentos difíceis, eles guardam também descobertas muito positivas. Eu digo isso porque tive dois grandes eventos que transformaram a minha vida e acho que, de certa maneira, tudo neles é conectado. E longe de tudo isso ser ruim. [trilha sonora] Geyze Diniz: Quando ouvi o Zizo contando sua história pela primeira vez, fiquei impressionada com sua capacidade de resiliência e na importância que a determinação pode ter no processo de recuperação de uma pessoa. E pensei que essa história poderia influenciar e dar força para muita gente. No final do episódio, você ouvirá reflexões do doutor Victor Stirnimann para te ajudar a se conectar com a história e com você mesmo. Eu sou Geyze Diniz e esse é o Podcast Plenae. Aproveite este momento, ouça e reconecte-se. [trilha sonora] José Papa Neto: Na minha família, existia uma tradição das gerações seguintes carregarem um legado que havia sido construído por meu avô. A nossa história é aquela clássica, do imigrante que começou do zero, construiu uma história linda. Eu era criança e já observava de longe muitos dos problemas que se amontoavam, e quando estava começando a minha vida adulta, a situação chegou realmente ao ápice. Eu tinha 23 anos e era o final dos anos 90 quando o grupo do meu avô quebrou, era um banco e outros negócios que foram liquidados faliram. Nós éramos muito unidos até então e, quando isso aconteceu, passamos por uma desagregação absoluta, de amor, de carinho, de respeito e também patrimonial. Ninguém estava preparado pra passar por esse processo. [trilha sonora] Embora eu não trabalhasse lá, eu sempre tive essa expectativa e tinha projetado minha vida toda nisso. [trilha sonora] A essa altura, eu já tinha construído um personagem, né. A gente acaba cultivando muitas dessas características que a gente vive desde criança. Mas, a partir daí, eu precisei me rever profundamente, tanto do ponto de vista do que eu queria ser, como do ponto de vista do que eu queria fazer. E no momento em que tive que correr atrás de tudo mesmo para sobreviver, eu percebi a amplitude que essa vivência dá e eu me tornei muito mais consciente do que é uma vida real: ralar, suar, trabalhar, queimar o chão. E aí veio o entendimento que eu só consegui me reinventar dada a circunstância do meu privilégio. Isso nunca mais sairia da minha cabeça. [trilha sonora] Enquanto eu construía este caminho próprio a partir do meu trabalho, sem o compromisso de assumir o negócio da família, eu entendi pela primeira vez o meu desejo de encontrar um caminho com mais significado do que ser apenas bem-sucedido, algo que tivesse impacto mesmo no mundo. Essa seria minha busca a partir dali. E esta também é a passagem da minha trajetória em que começo a entender que o pior momento, ele pode, realmente, muitas vezes, aflorar o melhor que tem em você. Eu só não imaginava como essa forma otimista seria ainda mais importante adiante, quando eu enfrentei de verdade os dias realmente mais difíceis da minha vida.  [trilha sonora] Há dois anos, eu estava numa fase em que tinha decidido encontrar esse propósito de que acabei de falar, imediatamente após deixar o posto de CEO do Festival de Cannes, de publicidade, de onde eu saí muito cansado e estressado. Era o fim de um trabalho pesado de reposicionar uma marca global nos anos que até então foram os mais difíceis que eles tinham enfrentado. Conseguimos, mas foi muito intenso e eu saí com uma sensação de injustiça enorme e de que era hora de descomprimir mesmo um pouco e focar a energia em encontrar um novo rumo. E com tudo isso em mente e de férias aqui no Brasil, fui jantar com um amigo, com quem eu queria conversar sobre essa vontade de encontrar um trabalho que realmente fizesse sentido. Eu já estava fora há cinco anos e eu falei que, no dia que voltasse para o Brasil, eu queria me empenhar em algo que traduzisse a minha essência em projetos de valor, que impactassem realmente o país e que fizessem a diferença. Eu voltei pra casa caminhando e eu estava com a cabeça cheia de ideias, fervilhando da conversa que acabava de ter.  [trilha sonora] Durante a madrugada, eu levantei não me sentindo bem, eu estava muito enjoado e com muita dor de cabeça e, quando cheguei na sala, eu desmaiei. E eu não lembro desse momento, são relatos dos meus filhos até que contam, porque quando eu caí, eu bati a cabeça muito forte e, ainda que eu não tivesse nenhum sinal exterior, por dentro, eu havia fraturado meu crânio de ponta a ponta. [trilha sonora] Sinto que tudo é conectado e não consigo olhar para trás, para o momento deste acidente, e não pensar que ele tem relação também com tudo que eu trazia comigo. Por isso eu falo acidente, mas eu acho que não foi. Na verdade, foi uma sucessão de tudo o que poderia dar errado e naquele momento deu. [trilha sonora] No momento em que acordei do desmaio, sem lembrar de ter ficado desacordado, eu tive um período rápido de lucidez, mas eu resolvi ir dormir de novo. Mas eu não consegui, porque estava com uma dor de cabeça lancinante, um tipo de dor chamada de "suicide headache". É um negócio indescritível. Eu comecei a vomitar muito e, quando voltei a mim de verdade, eu já estava no hospital e estava todo mundo lá. [trilha sonora] Os médicos, eles imediatamente, fizeram todos os exames, uma ressonância e uma tomografia, e fui direto para uma mesa de operação para fazer uma craniotomia. Eles abrem a cabeça, tiram um pedaço importante do crânio para drenar, depois, reconstroem e então, drenam o hematoma e a hemorragia, como se fosse um AVC. É uma das cirurgias cranianas mais emergenciais e perigosas, mas eu acordei bem. Eu estava no hospital, estava na UTI, mas me sentindo bem. A dor de cabeça, ela tinha cessado e eu estava com um senso de renovação de espírito, leve, entendendo que eu tinha que viver o presente.  [trilha sonora] Eu fiquei um mês me recuperando em São Paulo, eu morava em Londres na época, com a minha ex-mulher e meus três filhos. Depois desses 30 dias, os médicos liberaram a gente a voltar para a Inglaterra. Tudo certo, até que, no segundo dia lá, eu comecei a sentir de novo muita dor. [trilha sonora] Com aquela mesma intensidade de quando eu bati a cabeça.  [trilha sonora]

Eu senti um desespero mesmo, porque eu não tinha o meu médico, não sabia pra onde ir, se podia ser alguma coisa ligada ao procedimento pelo qual eu tinha passado. E aí eu comecei uma corrida por uma indicação. Falo com um médico, com outro, até conseguir uma consulta. Quando finalmente eu fui consultado, o médico me encaminhou para uma tomografia. Eu voltei do exame e já estava com uma neurocirurgiã ao lado do neurologista. E ela olhou para mim e ela falou: "Você tem que operar agora, é um negócio seríssimo, é uma infecção chamada Osteomielite". [trilha sonora] A médica me explicou que o pedaço do crânio que eles tinham tirado para drenar os hematomas havia infeccionado e por isso eu tinha que abrir a cabeça de novo imediatamente. Eles me pediram pra assinar um termo de responsabilidade, porque havia risco de morte. Assinei e lá fui eu outra vez.

Outra craniotomia, retiram de novo um pedaço importante do meu crânio, mas agora o pedaço foi jogado fora, descartaram toda a parte que estava comprometida pela bactéria. Agora eu precisava encarar por um tempo a vida sem esse pedaço importante da minha cabeça e do meu crânio. Passei uma semana na UTI me recuperando e, quando voltei para o quarto, logo na primeira noite veio de novo aquela dor de cabeça intensa. A médica voltou no dia seguinte, consternada, com um olhar super pesado, e falou: "Olha, a gente vai ter que operar de novo". Eu tive um problema ainda mais grave dessa vez, chamado empiema subdural, que é o acúmulo de pus entre o tecido que cobre o cérebro e o crânio. Essa infecção evolui super rápido e a única forma de drenar é abrindo. Crânio aberto outra vez, outro período na UTI, vivendo um dia por vez, consciente da ideia da morte, porque a infecção não cedia. 

Duas semanas depois da terceira operação, a dor continuava muito forte e a médica falou de novo, em tom grave, que lamentava, e que ela tentaria um último antibiótico, dessa vez muito mais potente, mas que ela tinha receio do impacto no meu organismo, mas seria a última tentativa. Porque se não fizesse efeito, ela teria que operar outra vez.  [trilha sonora] No dia seguinte, a infecção, ela baixou um pouco, e é incrível, a esperança, ela voltou e dia após dia eu fui melhorando. E nesse processo de cura, veio com tudo na minha mente essa jornada que eu estava buscando, de uma conexão profunda com o que eu quero fazer. Eu comecei a me energizar e a me sentir muito otimista outra vez. Eu senti o tempo todo que eu precisava conectar minha mente ao meu coração, fazer meu corpo reagir a tudo que estava vivendo. 

[trilha sonora] E como eu amo narrativas, eu crio esse storytelling, fiz o que sempre faço: eu projeto meus sonhos e realmente vou atrás. Então, lá mesmo no hospital, eu me inscrevi na maratona de Chicago, que seria realizada dentro de um ano. Era um plano e tanto na condição que eu estava. Porque dessa vez, realmente, eu senti a morte bem perto, parecia muito assustador, mas me deu muita serenidade, muita paz. Essa parte é incrível, eu não estava desesperado. Eu estava com tanta dor que eu penso que eu estava mais preocupado em me livrar dela do que com os riscos do que estava enfrentando. Acho que são nesses momentos extremos que a gente reconhece o que nos faz humanos: a nossa essência. E neste momento chave da vida, que eu vi que eu estava sereno. Isso me permitiu construir e reconstruir esse meu plano de vida, pessoal e profissional. Na cama do hospital, me vendo cruzar a linha de chegada da maratona de Chicago, isso foi um combustível enorme assim. Foi assim que eu comecei a me planejar.  [trilha sonora] Depois de 50 e poucos dias internado, eu tive alta, eu passei mais um mês em casa me recuperando, até que no fim de novembro de 2018 eu comecei a colocar os treinos que eu tinha montado durante a recuperação em prática. Eu fazia esse movimento de uma maneira totalmente intuitiva, porque eu realmente acreditava na minha recuperação. E esse projeto, ele me dava uma energia maior, eu sentia uma conexão entre mente e corpo que é super poderosa. De novo, o pior momento, ele mostrou pra mim que ele faz aflorar o melhor que a gente tem. [trilha sonora] Depois de três cirurgias de alto risco, eu voltei para uma rotina mais normal de vida, avançando mesmo na direção do que eu busco. A consciência da morte é uma energia enorme e a minha experiência fez eu me sentir muito mais conectado e autêntico com os meus sentimentos, com a condição humana. Não tinha mais como olhar pra minha mente sem a conexão com o meu coração. Em outubro de 2019, um ano depois da terceira cirurgia, eu realmente corri a maratona de Chicago, como eu tinha planejado. E pouco antes, em março, eu tinha dado um passo importante na direção do propósito profissional que eu buscava. Além de me inscrever na corrida, no hospital também tinha me inscrito na Singularity University. Foi lá, que eu fui apresentado ao francês Olivier Laouchez, meu sócio na Trace Brasil, um projeto que nunca imaginei que iria liderar: uma plataforma de mídia, educação e empoderamento de origem afro e voltada principalmente à população negra. E assim, começou a ganhar forma a busca que tomava meus pensamentos no momento em que eu sofri o acidente. E quem podia imaginar que essa intuição anteciparia o maior movimento de conscientização racial no mundo.  [trilha sonora] Por ter perdido um pedaço do meu crânio, eu pude, por um bom tempo, sentir o meu cérebro pulsando com os meus dedos. Isso podia ter sido um momento de tristeza, frustração, até lembrando que eu vi a morte de perto, mas a essa altura eu brincava com os meus filhos colocando um sabonete, nesse buraco enorme na minha cabeça. Eu trago comigo o entendimento de como são conectados o meu coração e a minha mente e de como essa pulsação conjunta de ambos é capaz de dizer quem sou, a pessoa e o profissional que eu venho construindo. Eu acho que toda essa corrida pela vida – um tempo de alerta, de construção e de muita resiliência – tinha ainda essa última linha de chegada: faltava a quarta cirurgia, eu fiz essa no último dia 3 de fevereiro desse ano (2020). O objetivo agora foi colocar uma prótese craniana e fechar esse buraco deixado pelo pedaço de crânio que eu perdi com a infecção. A minha cabeça, ela tá de novo fechada, mas a minha mente nunca teve tão aberta.  [trilha sonora] Victor Stirnimann: Ao contrário das aparências, a vida não é aquilo que acontece, mas o que você faz com aquilo que acontece. É assim que se escreve uma boa história, daquelas que tem muito a nos ensinar. Desde sempre, nossos heróis foram aqueles que serviram de exemplo, mostrando como nossos limites são apenas as certezas que trazemos na cabeça. Por isso o destino às vezes, nos tira tudo, ou quase tudo, para que com o resto se percam também as certezas e com elas, quem sabe, o que nos impede de encontrar uma consciência maior ou um caminho melhor. Na verdade, toda crise é um convite e um aviso: é preciso mudar. Mas mudar de que jeito, se não estamos prontos, não sabemos como e nem onde vamos parar? É neste momento que descobrimos que tudo isso é um presente, perder o chão, quebrar mesmo a cabeça, abandonar a velha identidade e seguir abraçando o que é novo e arriscado e nos deixa eternas crianças. Quando você era criança, inventava suas próprias respostas, mas quando você muda, precisa voltar a inventar as metas, as histórias, você. O Zizo, que é assim que os amigos chamam José - e ele é meu amigo - é um grande inventor, mas fui testemunha de tudo que ele conta e de como é mágico sentir um coração e uma cabeça criando juntos.  [trilha sonora] Geyze Diniz: As nossas histórias não acabam por aqui. Acompanhe semanalmente nossos episódios e confira nossos conteúdos em plenae.com e no perfil @portalplenae no Instagram.  [trilha sonora]

Compartilhar:


Para Inspirar

Maioria das vitaminas não protege o coração, diz estudo

Cientistas avaliaram dados coletados em quase 1 milhão de pessoas em todo o mundo

25 de Julho de 2019


O consumo de suplementos de vitaminas, minerais e outros nutrientes não prolongam a vida , nem protegem o coração contra doenças. Essa é a conclusão de um grande estudo, publicado no Annals of Internal Medicine , que analisou 277 ensaios clínicos usando 24 intervenções diferentes. Um crescente número de pesquisas tem chegado ao mesmo resultado. A análise mostrou possíveis (e baixos) benefícios para a saúde apenas com o consumo de suplementos de ácidos graxos ômega-3 e de ácido fólico para algumas pessoas. Os pesquisadores também descobriram que os suplementos que combinam cálcio e vitamina D podem estar ligados a um risco ligeiramente aumentado de derrame. "As pessoas devem se concentrar em obter seus nutrientes por meio de uma dieta saudável para o coração, porque os dados mostram cada vez mais que a maioria dos adultos saudáveis ​​não precisa tomar suplementos", diz uma das autora do estudo, Erin D. Michos, professora da Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Pesquisa. Os cientistas avaliaram dados coletados em quase 1 milhão de pessoas em todo o mundo para descobrir se o consumo de 16 vitaminas ou outros suplementos poderia reduzir a mortalidade por problemas do coração, incluindo doença coronariana, acidente vascular cerebral (AVC) e ataque cardíaco. A maioria dos suplementos, incluindo poli-vitamínicos, selênio, vitamina A, vitamina B6, vitamina C, vitamina E, somente vitamina D, cálcio isoladamente e ferro, não mostrou nenhuma ligação com aumento ou diminuição do risco de morte ou saúde do coração. Ômega-3. Quarenta e um estudos com mais de 100 mil participantes sugeriram que a ingestão de ácidos graxos ômega-3 estava ligada a uma redução de 8% no risco de ataque cardíaco e a uma queda de 7% na doença coronariana em comparação com aqueles que não tomavam esses suplementos. Os pesquisadores classificaram o possível benefício como baixo. Ácido fólico. Com base em 25 pesquisas com 25 mil pessoas saudáveis, os dados também mostraram que o ácido fólico estava associado a um risco 20% menor de acidente vascular cerebral. Para os autores, o efeito benéfico é baixo. Segundo os cientistas, as análises sugerem que o maior impacto da suplementação de ácido fólico na redução do risco de derrame ocorreu na China, onde cereais e grãos não são fortificados com o nutriente - como no Brasil. Assim, eles dizem, esse aparente efeito protetor pode não ser aplicável em regiões do planeta. Cálcio e vitamina D. Vinte estudos avaliaram a combinação de cálcio com vitamina D em um suplemento. Os pesquisadores verificaram um aumento de 17% no risco de AVC, evidência considerada moderada. Não houve evidência de que o cálcio ou a vitamina D, isoladamente, tivessem riscos ou benefícios para a saúde. Fonte: Science Daily Síntese: Equipe Plenae Leia o artigo completo aqui .

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais