Para Inspirar

Longevidade Olímpica: o que atletas de elite podem nos ensinar

O que separa um atleta de final de semana de um medalhista olímpico?

23 de Abril de 2018


Em uma palestra carregada de emoção e gratidão ao apoio oferecido por Abilio Diniz e pelo Instituto Península na criação e manutenção do NAR (Núcleo de Alto Rendimento Esportivo, um grande legado pós Olimpíadas Rio 2016), Irineu Loturco foi um dos palestrantes nacionais que nos encheram de orgulho.

Com muitos dados ricamente embasados, ele dividiu conosco sua experiência como preparador físico – responsável por muitos dos bons desempenhos de nossas equipes nas Olimpíadas e Paralimpíadas – e mostrou porque é referência em esportes de alto rendimento no país.

O QUE SEPARA UM ATLETA DE FINAL DE SEMANA DE UM MEDALHISTA OLÍMPICO?


A resposta é simples, direta e talvez diferente do que gostaríamos de ouvir: muito mais do que imaginamos. A diferença entre um atleta olímpico e nós, meros corredores eventuais e frequentadores de academia em alguns dias da semana, vai muito além de simples treinamento e disciplina.

Quando falamos de atletas com resultados impressionantes, medalhistas, campeões mundiais, recordistas, estamos falando de pessoas que treinam e conhecem suas técnicas, é claro – mas cuja estrutura corporal inteira é diferente da de uma pessoa média. Assim, eles já saem na frente desde que nasceram, graças a fatores genéticos e biológicos.

Ou seja, já começaram ganhando. A razão pela qual os quenianos se destacam nos esportes de corrida, por exemplo, é em grande parte devido à sua estrutura física natural. O formato de seus corpos e pernas os tornam melhor adaptados para esse esporte desde que nascem. Outro exemplo de estrutura física natural que ajuda nas vitórias olímpicas?

O nadador recordista Michael Phelps, cuja assimetria corporal possibilita uma performance tão boa na piscina. Suas pernas são curtas, seus braços são longos. Muito mais que os de um homem médio de sua idade. Podemos dizer que se a natação não tivesse encontrado Phelps, pode ser que ele continuasse a ser simplesmente o menino desengonçado que sofria bullying no colégio, com uma assimetria física pronunciada.

Porém, graças a essa estrutura corporal peculiar, temos nele o maior medalhista olímpico da história. Assim, a primeira lição que tiramos disso tudo é que cada um de nós é desenhado diferentemente um do outro. Cada um nasce com maior ou menor habilidade para alguma atividade e é esse valor natural que devemos usar a nosso favor ao escolher um treino, um objetivo, um modo de vida.

NÃO ADIANTA SE ESFORÇAR PARA SER O QUE NÃO É


Estudos comprovam que a longevidade de medalhistas olímpicos é maior que a da média da população mundial. Segundo pesquisas, esses atletas vivem, em média, 20% a mais que pessoas que não alcançam esses resultados. Não é apenas uma teoria: é verdade, é estatístico.

No entanto, muito mais que olhar para esses números e tentar (literalmente) correr atrás desses 20%, é preciso ir com calma. Não podemos ignorar o fato de que esses atletas se tornam diferentes não apenas porque treinam mais. Eles são diferentes, acima de tudo, graças aos fatores biomecânicos e genéticos de seus corpos. Isso já nasceu com eles.

Mas e aquela história de que é preciso malhar muito e correr muito para ser saudável? A verdade é que existe muita informação errada por aí, infelizmente motivada por um grande interesse econômico da indústria de esportes de endurance (como Ciclismo, Triatlo, Corrida). 

Ao contrário do que somos levados a acreditar, especialmente se não formos atletas olímpicos naturalmente programados para nos destacar em um determinado esporte, excesso de exercício não é diretamente proporcional a excesso de saúde. Pelo contrário: exagerar em atividades aeróbias pode nos prejudicar – e muito.

Primeiro, porque atletas não profissionais sofrem muitas vezes mais lesões em tendões, ossos e articulações que os profissionais. Parece curioso, mas as taxas de lesão em atletas recreacionais são muito maiores que em atletas olímpicos (uma diferença de quase 30%). Quando falamos de maratonistas iniciantes, por exemplo, nas semanas anteriores e posteriores a uma prova, quase 93% deles reportam algum tipo de lesão.

Ou seja, vivemos um paradoxo muito grave: faz sentido realizar uma atividade física para melhorar a qualidade de vida e a saúde, mas sair dela lesionado? Outro prejuízo à saúde advindo do exagero tem preocupado cada vez mais: a geração dos corredores amadores das décadas de 60 e 70 (quando foi inventado o cooper) tem desenvolvido muitos problemas cardiovasculares gerados por excesso de esforço.

Isso é fisiológico: quando fazemos uma atividade física intensa, o fluxo sanguíneo aumenta e a frequência com que o coração bate aumenta também, liberando uma série de agentes que podem gerar uma inflamação no tecido cardiovascular. Alguns estudos mostram que até mesmo o risco de morte é maior em grupos que se exercitam com exagero.

EXERCITE O EQUILÍBRIO


Porém, antes de pendurar os tênis de corrida, lembre-se que o problema todo não é o exercício em si. O problema é mesmo o excesso e a falta de compreensão dos limites do próprio corpo. Não podemos esquecer que nada mudou: exercícios moderados são sim importantes e, se praticados de maneira saudável e sensata, ajudam a prevenir inúmeras doenças.

Da depressão à hipertensão arterial, da obesidade crônica ao diabetes, existem muitas doenças tratadas e evitadas com rotinas de atividades físicas moderadas. E quando o assunto é longevidade, uma vida de exercícios moderados tem papel até mais importante que o background genético.

O problema está nos opostos: uma vida completamente sedentária pode ser tão perigosa para a saúde quanto uma vida de esforços exagerados. Não se exercitar ou se exercitar mais do que se deve surte basicamente o mesmo efeito. Assim, o caminho a seguir, por uma vida mais longa e com mais qualidade é o da moderação.

MUITO ALÉM DA AERÓBICA


Ao pensar em uma atividade física, muitas vezes queremos partir para os esportes de sempre, normalmente aeróbios ou de endurance: correr, pedalar, nadar, fazer treinamentos de força. Porém, não podemos esquecer que o universo dos esportes é amplo e oferece muitas outras oportunidades.

Um estudo recente apontou que esportes de raquete (como squash, badminton e tênis) e modalidades abertas possuem índices de saúde muito superiores ao de atividades aeróbias. Uma teoria é a de que esse tipo de esporte, menos repetitivo e mais criativo nos ajuda a desenvolver funções cognitivas, com tomadas rápidas de decisões e novos aprendizados a cada dia.

Nosso corpo é uma máquina complexa e maravilhosa. Para um envelhecimento mais pleno e saudável, devemos lembrar sempre do todo, com calma e muito autoconhecimento. Muito mais que apenas buscar novos recordes sem pensar em consequências, um bom campeão olímpico escolhe um objetivo e vai atrás dele.

Qual é seu objetivo? Competir ou viver mais?

Compartilhar:


Para Inspirar

O maior mapa genético contra o envelhecimento

"Todos queremos chegar lá. Todos queremos que as pessoas tenham vidas muito mais significativas e produtivas à medida que envelhecem", diz John Craig Venter.

28 de Junho de 2018


O pioneiro do genoma humano, o bioquímico americano John Craig Venter, ex-CEO da Celera (empresa norte-americana que se concentra em sequenciamento genético e tecnologias relacionadas), investiu nos últimos três anos na expansão do sequenciamento do mapa genético com a intenção de desvendar os segredos do envelhecimento. Em 2014, convocou 40 mil pessoas – esse número pode chegar a 100 mil – e iniciou o processo de sequenciamento de seus mapas genéticos. Na época, o empresário anunciou a fundação de uma nova empresa, a Human Longevity Inc. (HLI), em parceria com a Universidade da Califórnia e outras organizações científicas. “A HLI é a Celera com esteroides e cocaína”, disse o arrojado Venter, que prometeu realizar a maior operação de sequenciamento genético humano no mundo. “A ideia”, segundo ele, “era compilar o maior banco de genótipos humanos, microbiotas (micróbios que vivem no intestino associados à imunidade do organismo) e dados de fenótipos disponíveis para enfrentar as doenças associadas ao declínio biológico humano relacionado ao envelhecimento.” Passados três anos, sua mais nova empresa foi avaliada em 1,9 bilhão de dólares. Só em 2017, recebeu 200 milhões de dólares de investimentos. Segundo Venter, a promessa foi cumprida. Hoje ele tem a maior central de dados genéticos do mundo. E já começou a fazer negócios: vende por US$ 25 mil o escaneamento genético completo do corpo. Vale a pena reler. Para conhecer melhor o trabalho do empresário americano, polêmico na comunidade científica, vale à pena ler a entrevista que Venter e seus colegas pesquisadores – Karen Nelson, especialista em microbiota e terapia celular, Robert Hariri e o fundador da XPRIZE, Peter Diamandis – concederam à revista National Geographic, em 2014, sobre o empreendimento: Por que 40 mil genomas? Venter: É o número de genomas que os dois sistemas de sequenciamento adquiridos podem produzir em um ano. Obviamente, haverá avanços e melhoramentos no sequenciamento. O senhor considera o envelhecimento uma síndrome específica ou simplesmente cobrirá todas as doenças que você investigará? Venter: Bem, é algo que todos fazem (risos). Hariri: O envelhecimento é um componente central de todas as doenças que queremos abordar terapeuticamente. Acreditamos que muitos dos processos no nível celular e genômico, que chamamos de envelhecimento, estão relacionados e conectados. Como o bioma intestinal (microbiota) se relaciona com o genoma humano? Por que o senhor quer fazer esse mapeamento? Nelson: Estamos realmente entusiasmados por integrar a microbiota aos genomas humanos de forma tão expansiva. A microbiota mostrou ser um indicador de doenças e um ator (na doença). Pode levar a novas abordagens terapêuticas se for melhor compreendida. Venter: A terapêutica humana é o objetivo. Queremos encontrar novos testes, diagnósticos e maneiras de consertar as pessoas. A microbiota pode ajudar a lidar melhor com as doenças. O senhor pode falar um pouco sobre os planos de negócios? Peter (Diamandis) é mais conhecido por explorar asteroides. Isso tem algo a ver com genomas? Diamandis: Os dois ramos do conhecimento caminham juntos. A tecnologia segue esse tipo de “inovações disruptivas” de uma maneira muito promissora. A Celera tinha o objetivo de vender informação dos genomas aos assinantes para levar a novos testes terapêuticos e de diagnóstico. A HLI tem a mesma visão? Venter: HLI é a Celera com esteroides e cocaína. Teríamos feito tudo isso em 1990 se tivéssemos tido a chance. Agora, a profundidade e amplitude da informação são de outras ordens de magnitude, bem maiores do que quando iniciamos a Celera. Os custos para sequenciar um genoma são uma pequena fração do que eram. Não fui cético. Estava entre as pessoas que se queixaram de que pouco aconteceu depois que o genoma humano foi sequenciado. Essa é outra corrida do genoma? Venter: A diferença é que estamos todos do mesmo lado agora. Se houver uma corrida, será para que traga os benefícios dos genomas para a terapêutica humana. Todos queremos chegar lá. Todos queremos que as pessoas tenham vidas muito mais significativas e produtivas à medida que envelhecem. Leia o artigo original aqui.

Fonte: DAN VERGANO Síntese: Equipe Plenae

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais