Para Inspirar

Morar sozinho pode ser ruim para sua saúde

"Quanto mais a população se concentra em grandes cidades, mais pessoas vivem sozinhas", disse o principal autor da pesquisa, Magnus T. Jensen

8 de Fevereiro de 2019


Gosta de morar sozinho e pensa em atravessar sua velhice sem companhia? Talvez não seja uma ideia, pelo menos do ponto de vista da longevidade. Entre 1985 e 2017, cientistas dinamarqueses acompanharam mais de 3 mil homens, que tinham em média 63 anos no início da pesquisa. Ao longo dos 32 anos, 89% dos voluntários morreram, sendo 39% em decorrência de doenças cardiovasculares. Os estudiosos isolaram uma variedade de características de saúde e comportamento dos homens, incluindo índice de massa corporal, tabagismo, pressão arterial e diabetes. Ainda assim, aqueles que viviam sozinhos apresentaram 23% mais risco de morrer prematuramente por qualquer causa e 36% maior probabilidade de morte por doenças cardiovasculares. Viver sozinho não estava associado à morte prematura entre os que pertenciam ao grupo socioeconômico mais alto, ou seja, os 19% que tinham um diploma universitário ou trabalhavam em uma posição executiva. Para os demais, no entanto, quanto menor a posição socioeconômica, maior o risco de morte. Os autores enfatizam que os demais 81% não viviam na pobreza. Eram trabalhadores de classe média, qualificados e não qualificados. "Quanto mais a população se concentra em grandes cidades, mais pessoas vivem sozinhas", disse o principal autor, Magnus T. Jensen, pesquisador do Hospital Universitário de Copenhague. “O isolamento social é um problema global e não será resolvido individualmente. As cidades precisam ser projetadas para promover interação social.” Leia o artigo completo aqui . Fonte: Nicholas Bakalar Síntese: Equipe Plenae

Compartilhar:


Para Inspirar

Otimistas tendem a ser mais saudáveis

Essa capacidade do órgão de se modificar é chamada de neuroplastia, ciência introduzida pela primeira vez por William James na década de 1890.

17 de Julho de 2018


O pensamento positivo altera o cérebro. Essa capacidade do órgão de se modificar é chamada de neuroplastia, ciência introduzida pela primeira vez por William James na década de 1890. Por muitos anos, no entanto, acreditava-se que o cérebro estava rigidamente mapeado. Cada parte dele controlaria funções específicas. Barrie Davenport, coach pessoal e de carreira, fundador do blog Live Bold and Bloom, explica que o pensamento positivo “muda o cérebro de uma forma concreta, física – e não de um modo mágico.” Em outras palavras, os pensamentos podem mudar a estrutura e a função do cérebro. Mais ainda: “Você pode reprogramar seu pensamento.” Cérebro Emocional. Autor do livro O Estilo Emocional do Cérebro, disponível no Brasil pela editora Sextante, Richard Davidson é fundador do Centro de Investigação de Mentes Saudáveis ​​da Universidade do Wisconsin. Trata-se de um complexo de pesquisa dedicado a aprender como as qualidades da mente que a humanidade sempre valorizou – como a compaixão, o bem-estar, a caridade, o altruísmo, a gentileza e o amor – surgem no cérebro humano e como são nutridas. O trabalho de Davison em neurociência, apoiado por anos de pesquisa, analisa a vida emocional do cérebro, que identificou como “estilo emocional”. Estilo emocional. “É a maneira consistente de responder às experiências de nossas vidas. Regido por circuitos cerebrais específicos e identificáveis, ​​pode ser medido usando métodos laboratoriais objetivos. Ele influencia a probabilidade de sentir estados emocionais particulares. Como está muito mais próximo dos sistemas cerebrais subjacentes do que estados ou traços emocionais, pode ser considerado o átomo de nossas vidas emocionais – blocos de construção fundamentais”. “O estilo emocional”, diz Davidson, “afeta a forma como nos sentimos sobre nós mesmos, como nos comportamos, o quanto somos suscetíveis ao estresse, nossa função cognitiva e vulnerabilidade a distúrbios psiquiátricos particulares.” Mente e saúde. “O estilo emocional também afeta o equilíbrio do corpo. Tem consequências fisiológicas que, por sua vez, têm importantes efeitos sobre a função dos nossos sistemas respiratório, imunológico, cardiovascular, gastrointestinal e endócrino.” Davidson vai mais longe: “Mesmo levando em conta todas as formas de comportamento humano e estados psicológicos, a influência mais poderosa da saúde física é a vida emocional”. Ter um pensamento positivo pode ajudar a prevenir doenças e, no surgimento delas, ser um grande aliado no tratamento. Leia o artigo completo aqui.

Fonte: Kim Bell Síntese: Equipe Plenae

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais