Para Inspirar

O poder do pensamento na saúde

Pessoas que pensam ser menos ativas do que seus pares tendem a viver menos, mesmo que os níveis de atividade sejam semelhantes.

17 de Dezembro de 2018


Você é uma pessoa fisicamente ativa? Antes de responder, pense que, independentemente da rotina real de exercícios, é preciso levar em conta a própria percepção da intensidade e frequência dessas atividades. Muitas vezes as pessoas se acham mais ou menos ativas do que são de verdade. E isso faz total diferença para a saúde, de acordo com os pesquisadores da Universidade Stanford, nos Estados Unidos. Pessoas que pensam ser menos ativas do que seus pares tendem a viver menos, mesmo que os níveis de atividade sejam semelhantes. “Nossas descobertas estão de acordo com um crescente grupo de pesquisadores que sugere que a mente pode desempenhar papel crucial na saúde”, disse Alia Crum , professora de psicologia em Stanford, em um comunicado de imprensa da universidade americana. Publicado no jornal científico digital Health Psychology , o artigo sobre a pesquisa revela que os psicólogos analisaram 61 mil adultos americanos de três bancos de dados nacionais. Levantaram os níveis de atividade física, os dados de saúde e demográficos de cada participante. A equipe se concentrou na questão: “Você diria que é fisicamente mais ativo, menos ativo ou tão ativo quanto as pessoas de sua idade?” Usando modelos estatísticos para controlar fatores como atividade física, idade, índice de massa corporal e doenças crônicas, eles correlacionaram os resultados com registros de óbitos. Durante o período de acompanhamento (de até 21 anos), as pessoas que se achavam menos ativas tiveram 71% mais chances de morrer que os mais ativos, de acordo com os resultados encontrados pelos pesquisadores. Aumento da motivação. Na opinião dos estudiosos, a percepção pode ter afetado positivamente ou negativamente à motivação. Aqueles que se consideram inadequados são mais propensos a permanecer inativos, o que aumenta os sentimentos de estresse e depressão, reforçando um círculo nada virtuoso. Embora a pesquisa identifique uma correlação entre as quantidades percebidas de exercício e resultados na saúde, isso não mostra que as percepções de inatividade causam uma morte prematura. No entanto, sugere que as pessoas devem se sentir bem sobre as atividades saudáveis que fazem todos os dias  ̶  como subir escadas, caminhar, andar de bicicleta ou limpar a casa  ̶  em vez de apenas valorizar exercícios vigorosos em uma academia, disseram os autores. “É hora de começarmos a levar o pensamento mais a sério”, disse Crum no comunicado. “Na busca por saúde e longevidade, é importante adotar não apenas comportamentos saudáveis, mas pensamentos saudáveis também”. Leia o artigo original aqui .

Compartilhar:


Para Inspirar

Fazer o bem é melhor do que receber

Quando se trata de uma vida mais longa, uma dieta saudável pode funcionar melhor do que pílulas

16 de Abril de 2019


Dar carinho, compaixão e amor se reverte em mais benefícios positivos do que recebê-los. Mesmo para quem não tem nenhuma religião nem fé, fazer o bem tem grande impacto na saúde e na longevidade . “Enquanto muitos pensam que precisam encontrar alguém para amá-los, pesquisas mostram que os maiores benefícios para a longevidade e bem-estar não vêm de receber amor, mas de dar amor aos outros”, escreve a diretora científica do Centro de Pesquisa para Compaixão, Altruísmo e Educação, Emma Seppala, em um artigo para o site Psychology Today . No texto, ela aponta uma série de estudos que abordam o assunto, lembrando que não importa a idade que isso aconteça. Ser voluntário em uma causa social ou praticar uma meditação de bondade amorosa deveria fazer parte das rotinas das pessoas. Felicidade contagiosa. Da mesma forma, uma nova pesquisa publicada na Health Psychology , mostra que a felicidade e o bem-estar podem ser contagiantes. Se você estiver rodeado de pessoas saudáveis ​​e felizes, provavelmente se sentirá da mesma maneira. Em outra pesquisa, cientistas das universidades de Michigan e de Chicago demonstraram a influência que os casais românticos possuem no bem-estar emocional e físico da felicidade e saúde do parceiro. A análise do estudo foi publicada em um artigo intitulado Você Feliz, Eu Saudável? Ter um parceiro feliz é independentemente associado à melhor saúde em si mesma . Os autores analisaram quase 2 mil casais. As descobertas indicaram que “simplesmente ter um parceiro feliz pode melhorar a saúde tanto quanto se esforçar para ser feliz consigo mesmo”. Portanto, escolha seus amigos e seus parceiros amorosos com cuidado, pois seu relacionamento com eles influenciará o seu próprio bem-estar psicológico e físico.

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais