Para Inspirar

O que é riqueza, afinal?

Para mim, para você, para o planeta: o conceito de riqueza varia em cada indivíduo, mas segue alguns padrões em qualquer lugar do mundo

21 de Outubro de 2020


“Quando eu falo de riqueza, não é o dinheiro pelo dinheiro, não é o poder pelo poder. É o poder pela possibilidade de transformar.” Essa frase tão potente foi dita por uma figura tão potente quanto: Celso Athayde, personagem do último episódio da segunda temporada do Podcast Plenae - Histórias Para Refletir.

A partir dessa provocação, dúvidas inquietantes pairavam no ar: o que é riqueza, afinal? Por que há diferentes concepções de um mesmo conceito? Como ela se manifesta em diferentes culturas? Há algum símbolo em comum que categorize uma pessoa rica em qualquer lugar do mundo?

Para a economia, sociologia e antropologia, e para a cultura, a riqueza pode de fato atravessar diferentes explicações e métricas. Mas uma coisa pode ser dita em comum: ela é um símbolo social capaz de incluir e excluir na mesma medida.

Código da riqueza

Imagine um carro considerado “de última geração”. Conversível ou com teto solar, SUV ou rebaixado, preto ou vermelho: não importa o seu modelo, você saberá que ele é um carro “de rico” assim que bater os olhos. E por que será que isso acontece? A semiótica pode ser uma das primeiras explicações.

Em linhas gerais, a semiótica é o estudo dos signos, ou seja, dos elementos que nos cercam e o que eles significam. Parte-se do princípio de que verbal ou não, todos esses elementos possuem um significado para o ser humano, ainda que inconsciente, pois nossa espécie atribui essa interpretação a tudo que nos cerca.

Um exemplo prático disso é justamente o carro mencionado. Ele não é somente um veículo qualquer, pois traz consigo a ideia de velocidade, de deslocamento, de modernidade - e, porque não, de riqueza. Ele poderia ser só uma lata sobre 4 rodas, mas nenhum objeto é somente um objeto, pois vem sempre carregado de sentidos e significados.

E é a partir de todos esses códigos que temos os considerados “artigos de luxo”. Os “códigos da riqueza” são compostos por vários desses artigos, e são eles quem vão definir ou não se você está apto a fazer parte dessa casta. São objetos, mas também são locais que se frequentam, empregados que se possuem e maneiras de se portar.

Mais do que simples mercadorias, eles são representações desse universo que é feito, sobretudo, de acessos, palavra-chave que nos guiará para o próximo entendimento do que é riqueza. “Um dos pilares de entendimento para a Antropologia é a de que a riqueza é medida por um sistema de exclusões” explica a antropóloga e comunicóloga Valéria Brandini, especialista em ciências do consumo.

E, aqui, é necessário voltar duas casas. Não se trata somente de possuir os artigos de luxo mencionados ou não. Acesso é um conceito que pode englobar um universo de coisas. “No Brasil, uma pessoa que tem acesso, tem primeiramente acesso à alimentação, saúde e segurança. Você imagina o que é o contrário disso?” provoca Valéria.

Portanto, além da semiótica, temos a segunda possível explicação para a questão da riqueza: pode-se afirmar que, quanto mais acesso o indivíduo possuir, maior o seu nível de riqueza. “E esses acessos, em um país de tamanho continental e desigualdade social igualmente gigante, podem variar de serviços básicos a luxos inimagináveis. O rico, por aqui, pode ainda ter acesso a brechas da lei, por exemplo, que não se vê em outros países” comenta a antropóloga.

A mercadoria que não se vende

“A Sociologia entende por riqueza a capacidade de produzir e acumular algum tipo de recurso que tenha valor para uma cultura específica. Isso pode ser dinheiro, mas não apenas isso. Pode ser a capacidade de doar ou doar-se a alguém, a honra, o conhecimento, entre outros” explica o sociólogo e professor Liráucio Girardi.

“Esses recursos, para o sociólogo Bourdieu, podem ser culturais, sociais, simbólicos e econômicos. E podem ainda variar entre as culturas e, historicamente, dentro de uma própria sociedade” continua. “A própria Floresta Amazônica abriga um tipo de riqueza, a maior do nosso século, que é a sua imensa riqueza em biodiversidade riqueza do século XXI” diz.

Perceba então que riqueza pode ainda abrigar conceitos mais subjetivos do que somente artigo de luxo e acessos.“Existe um lugar chamado Ilhas Trobriand no Pacífico Sul, onde a pessoa mais rica é aquela que consegue oferecer mais pro outro, num processo chamado Kula. O mais rico é aquele que consegue doar o melhor presente, ou seja, a riqueza mora nessa troca. Quem oferece mais ao outro é o mais rico” explica a antropóloga Valéria.

A antropologia possui uma perspectiva de maior relativização do que é riqueza de acordo com o contexto cultural e como as pessoas percebem isso. “Você pode ir a um país do Oriente Médio onde não se vê muitos efeitos da globalização, e ter uma impressão até mesmo de um cotidiano mais tribal. Mas essas pessoas podem se acharem ricas, talvez não se sintam excluídos por sentirem que têm os acessos suficientes”.

Há um denominador em comum, contudo, que atravessa e diferencia todas essas definições: a cultura. “É a mesma coisa que higiene, o que é considerado higiênico em um país não é no outro. Esse padrão é cultural. Cada país vai desenvolver a sua mensuração de acordo com aquilo que confere qualidade de vida ao seu povo, e essa qualidade de vida num geral é mensurada na dinâmica de acessos que conversamos” explica.

O casamento da cultura e da riqueza

Não há como falar do segundo sem mencionar o primeiro. Mais do que mencionar, e preciso aprofundar-se no que é cultura. Ela, que ora caracteriza-se por ser um conjunto de hábitos sociais e religiosos que definem um determinado grupo de pessoas, e ora também pode significar manifestações artísticas e intelectuais produzidas por indivíduos.

“Existem três sistemas culturais estudados pela Antropologia: os sistemas culturais lato sensu , a alta cultura e o acesso ao conhecimento” menciona Valéria. Novamente retomando sociólogo Bourdieu, para ele o acesso à cultura constitui o chamado “hábitos de classe”.

“A pessoa pode nascer numa família com um determinado nível socioeconômico e ela pode virar um total rebelde e não querer nada com a alta cultura. Certamente, ela vai conseguir compreender determinadas estruturas culturais e históricas, porque ela teve acesso ao conhecimento, e a alta cultura se constrói a partir do conhecimento. Mas ela não terá justamente o hábito de classe” explica a antropóloga.

Cultura, portanto, não se compra. “Você pode comprar mil livros e não ler nenhum, porque a cultura é uma construção que vem de um investimento pessoal no conhecimento. Existem pessoas com riqueza econômica abundante, mas sem cultura, porque não tiveram uma disposição pessoal no conhecimento”.

O contrário também é verdadeiro. “A cultura é realmente uma riqueza, mas que depende em parte a criação que a pessoa foi submetida e exposta, mas também de um interesse pessoal.” É fato de que quanto maior a pobreza econômica, mais difícil o acesso - sim, novamente o acesso - pois os recursos pessoais são tão escassos, que devem ser voltados à sobrevivência.

Há duas formas de ler a cultura: ela pode ser um conjunto de normas de um povo ou pode ser a quantidade de estudo de um indivíduo. Ambas influenciam na concepção de riqueza.


É aí que entra a cultura não como manifestação artística ou de conhecimento, mas como uma norma que rege uma nação ou um grupo de pessoas que possuem a proximidade geográfica como denominador comum, pois estão todas concentradas em um mesmo lugar e reproduzindo os mesmos padrões.

“A pobreza gera um nível de necessidade e de exaustão de recursos que beira a animalidade” como descreve a antropóloga. Mas a riqueza, por sua vez, não garantirá ao indivíduo a alcunha de um ser culto. “Veja, há pessoas têm acesso e podem visitar outros países e enriquecer culturalmente, mas tudo que ela faz chegando lá é consumir somente bens e produtos, e não conhecimento. Não houve  o investimento pessoal. Enquanto isso, você tem poetas na periferia.”

Riqueza, cultura, poesia, periferia. Isso nos leva justamente a quem? Celso Athayde, empreendedor social mencionado no início desta reportagem. Um dos trabalhos fundamentais da CUFA, instituição fundada pelo mesmo, é levar cultura para as favelas, a cultura que pode ser consumida, produzida, reproduzida e, por fim, ser libertadora.

Isso porque, apesar de não ser um produto passível de ser comprada e depender de um investimento pessoal do sujeito, ela é capaz de abrir portas. Riqueza, portanto, para além da semiótica, dos acessos, dos artigos de luxo, dos países e suas concepções, é a predisposição a ter cultura e ser um ser cultural.

Compartilhar:


Para Inspirar

O que você diria ao seu eu de 20 anos de idade?

Conheça o que a autora Arianna Huffington descobriu aos 70 anos olhando seu diário de juventude – e inspire-se a pensar em sua própria jornada

30 de Agosto de 2020


Envelhecer é termo que causa arrepios em muitas pessoas. Ver o bonde da vida passar, se olhar no espelho e perceber um novo eu, aprender com seus erros e até rir deles - tudo isso faz parte dessa etapa inevitável da vida, que não deveria ter esse peso negativo que hoje conhecemos.

O que você acha que aprendeu ao longo da sua trajetória e que poderia ensinar ao seu eu de 20 anos de idade? A autora e influenciadora Arianna Huffington, ao completar 70 anos de idade, revisitou seu diário escrito aos "20 e poucos", e dividiu suas impressões em um lindo relato.

Fundadora e idealizadora do portal Huffpost e da Plataforma Thrive - que tem um objetivo semelhante ao Plenae, ou seja, gerar mudança de hábito para uma vida mais equilibrada e saudável - revelou que sua principal esperança é a de que "passemos a ver o envelhecimento não como algo a ser evitado, mas como algo a ser adotado e abraçado."

Além disso, para ela "a vida é uma dança entre fazê-la acontecer e deixá-la acontecer, e nunca esquecendo de que ela é moldada de dentro para fora." Por ter crescido em uma cultura onde o envelhecimento é visto sob a ótica positiva e sábia, hoje ela sente que seu posicionamento diante dos 70 anos é leve e recheado de pontos positivos, como por exemplo, saber que envelhecer não é sobre o fim da vida, mas sobre libertação, aprendizagem e fazer as pazes consigo mesma. 

Confira o texto traduzido na íntegra a seguir:

Pensamentos sobre fazer 70 anos

"Todos nós sabemos o que é importante na vida - então por que esperamos para agir sobre isso?

Na semana que vem, em 15 de julho, faço 70 anos, após quatro meses de isolamento e mais - muito mais - tempo do que o normal para reflexão.

Minhas filhas, minha irmã e eu passamos esse tempo na casa de nossa família em Los Angeles , e enquanto limpava a garagem, eu me deparei com dezenas de velhos diários e cadernos cheios de páginas e páginas de meus pensamentos e objetivos e preocupações e sonhos dos meus 20 anos!

E enquanto eu lia meio século de notas, fiquei impressionada com quatro coisas. Primeiro, por quão cedo eu sabia o que realmente importava na vida. Em segundo lugar, como eu era ruim em agir com base nesse conhecimento. Terceiro, como eu drenava e exaurira todas as minhas preocupações e medos. E quarto, quão pouco essas preocupações e medos acabaram por importar.

Agora, com quase 70 durante o lockdown [bloqueio gerado pela pandemia], vejo como é mais fácil aos 70 do que aos 30 viver a vida que sempre quis viver. E isso, para mim, é o verdadeiro presente do envelhecimento. Quando você não pensa na morte como o fim - e eu nunca pensei - envelhecer é uma questão de libertação.

É sobre as coisas não-essenciais caírem, sobre não olhar por cima do ombro em busca de aprovação e sobre não inventar fantasias assustadoras sobre o futuro. Porque finalmente aprendi, como Montaigne disse, que “houve muitas coisas terríveis em minha vida, mas a maioria delas nunca aconteceu”.

Eu fui uma daquelas crianças que já nasceu velha. Eu nunca entendi a atitude que prevalece em grande parte do mundo ocidental, onde o envelhecimento é tratado como uma doença a ser evitada - como uma festa para a qual estamos todos desesperados para ser convidados, mas alarmados no minuto em que entramos pela porta.

Como meus cadernos de décadas atrás me lembraram, eu sempre ansiava pela sabedoria da velhice. Foi mais fácil para mim, pois venho de uma cultura, afinal, que reverencia a velhice. Sempre adorei, por exemplo, como nos mosteiros gregos o abade e a abadessa são chamados de geronda e gerondissa - “velho” e “velha” - embora muitas vezes tenham apenas 40 ou 50 anos. “Velho” e “velha” são títulos concedidos a eles não por causa de sua idade, mas por causa de sua sabedoria e proximidade com Deus. Na verdade, o envelhecimento está associado à sabedoria em quase todas as tradições espirituais e filosóficas.

"Não tema o envelhecimento do corpo", escreveu Lao Tzu, "pois é a maneira do corpo buscar a raiz." Em “Os analectos”, Confúcio retrata o ciclo da vida como uma jornada que nos leva para mais perto do divino e de nossos próprios corações. “Aos 15 anos, decidi aprender”, escreve ele. “Aos 30 anos assumi minha posição. Aos 40 anos vim ficar livre de dúvidas. Aos 50 anos entendi o decreto do céu. Aos 60, meu ouvido estava sintonizado. Aos 70, segui o desejo do meu coração sem ultrapassar os limites. ”

Em Jó, é-nos dito que "a sabedoria pertence aos velhos e a compreensão aos sábios". E lembre-se de que Moisés tinha 80 anos quando conduziu os israelitas para fora do Egito! No hinduísmo, a vida, assim como as estações, é dividida em quatro. O primeiro é o de um estudante. A segunda é sobre como criar uma família. O terceiro é o início do retiro e o quarto é o desapego completo das coisas mundanas. O paradoxo da vida boa é como se desapegar das coisas mundanas e ao mesmo tempo estar totalmente engajado no mundo.

Na verdade, isso é o que mais adoro ao completar 70 anos: estar totalmente engajada em construir uma empresa em torno de um dos desafios mais legais que enfrentamos - mudar o comportamento humano para que possamos levar vidas mais saudáveis, produtivas e empáticas - ao lado de pessoas incríveis, muitas das que têm menos da metade da minha idade. E fazer isso com mais alegria, menos estresse, menos suor nas pequenas coisas e sem ficar freneticamente obcecado com cada resultado de hora em hora.

O que resume tudo isso é passar da luta à graça - finalmente reconhecer que a vida é uma dança entre fazer acontecer e deixar acontecer, e nunca esquecer que não importa o quão presos estejamos no mundo, a vida é moldada de dentro para fora.

E, claro, existem as tradições antigas do meu próprio país. Para os gregos, a filosofia não era um exercício acadêmico - era um manual para a vida diária. “Pratique a morte diariamente”, disse Sócrates. E os romanos esculpiram “MM”, memento mori - “lembre-se da morte” - em estátuas e árvores, não por morbidez, mas porque a morte é o que dá propósito à vida.

O problema de pensar no envelhecimento como apenas uma perda progressiva é que perdemos de vista tudo o que ganhamos. E se tivermos sorte e permanecermos saudáveis, não há razão para não podermos continuar a construir e criar. Eu fundei o The Huffington Post aos 55 e a Thrive Global 11 anos depois, aos 66. E nunca estive mais ansiosa para continuar aprendendo - e desaprendendo!

Em seu 89º aniversário, Nelson Mandela anunciou a formação de The Elders , um grupo formado por líderes de negócios, política e organizações sem fins lucrativos reunidos para resolver problemas globais urgentes. “Este grupo obtém sua força”, disse Mandela em seu discurso de lançamento, “não do poder político, econômico ou militar, mas da independência e integridade daqueles que estão aqui. Eles não têm carreiras para construir, eleições para ganhar, eleitores para agradar. Eles podem falar com quem quiserem e são livres para seguir os caminhos que considerarem corretos. ”

Esse tipo de independência e sabedoria estão, obviamente, disponíveis para nós em qualquer idade. Mas eles são muito mais fáceis de alcançar quando estamos livres de nossos medos de fracasso e desaprovação. “Coragem”, disse Platão, “é saber o que não deve ser temido”.

E é isso que adoro quando chego aos 70: saber o que não deve ser temido me faz sentir mais eu mesma do que em qualquer outro momento da minha vida. Talvez porque haja muito menos tempo à minha frente do que atrás de mim, eu não o desperdiço em coisas que não importam, vivendo em águas rasas e deixando o mistério da vida passar por mim.

Enquanto folheava meus velhos cadernos, queria gritar conselhos para mim mesma ao longo dos anos - dizendo aos mais jovens para não se preocuparem ou duvidarem tanto, ou apenas ir em frente e correr esse risco. Minha esperança é a de que, coletivamente, passemos a ver o envelhecimento não como algo a ser evitado, mas como algo a ser abraçado.

E em vez de olhar para aqueles anciãos destemidos e sábios entre nós e pensar: "Eu quero ser assim quando for velho", explorando o que há de mais sábio, mais ousado e mais autêntico dentro de nós e vivendo cada dia daquele lugar, no entanto podemos ser jovens ou velhos.”

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais