O que será de nós⁠

Um dia, não existiremos mais.

16 de Janeiro de 2023


Um dia, não existiremos mais. Ou pelo menos, não da forma como conhecemos. O contato se dará em uma realidade tão diferente da que conhecemos, que ainda é difícil para muitos concebê-la. Seu corpo físico estará estático, provavelmente sentado em um sofá. Mas sua mente estará vagando em outras possibilidades de vida.⁠

Será no metaverso, o inverso de tudo que conhecemos, mas que oferece uma nova maneira de ser e de estar. Não há como deter uma revolução que anuncia os seus sinais de chegada. É impossível conter a mudança, parte da essência humana, que vem com a força do imprevisível e se instala com a leveza de uma pena, sem que a gente perceba.⁠

Como é possível existir em uma outra realidade, sem abdicar de sua existência nessa daqui, onde já povoamos? Permear por universos onde as coisas podem se dar de maneira diferente e, quem sabe, podemos acertar mais dessa vez? Conhecer novos tipos de expressões de afeto e até de movimentos corporais e construir uma nova sociedade possível, levando em consideração todo o aprendizado que acumulamos com nossos erros?⁠

Toda evolução vem acompanhada de uma mudança coletiva do pensamento. E, o que hoje pode parecer difícil de conceber, amanhã pode ser uma realidade tão sólida que o desafio será pensar: como fazíamos antes disso? Há, como sempre, a forma pessimista e otimista de encarar o mesmo fato.⁠

Mas há ainda uma terceira dimensão, como o próprio metaverso se propõe a ser: podemos encarar essa etapa como algo inevitável, um deslocamento do que somos para o que vamos ser. E o que vamos ser pode ser incrível, só depende de nós mesmos. Você está pronto para receber as mudanças que a sociedade e sua evolução propõe?⁠

O que será de nós⁠ O que será de nós⁠ O que será de nós⁠ O que será de nós⁠

Compartilhar:


Para Inspirar

Jovens são menos religiosos do que os mais velhos, diz estudo

No Brasil, 70% dos indivíduos com até 40 anos e 75% daqueles acima dessa idade consideram a religião muito importante em suas vidas

11 de Novembro de 2019


Os adultos mais jovens têm menos probabilidade do que os idosos de frequentar a igreja e acreditar em Deus. Esse é o cenário de 46 entre 106 países pesquisados pelo instituto Pew Research Center. Nesses lugares, entre eles o Brasil, os adultos com menos de 40 anos têm menos probabilidade de dizer que a religião é muito importante em suas vidas do que os adultos mais velhos; o oposto é verdadeiro em apenas duas nações.

Em 58 países, não há diferenças de idade significativas nessa questão. No Brasil, 76% dos entrevistados com mais de 40 anos disseram que a religião é “muito importante” para suas vidas, ante 70% daqueles abaixo dessa idade. O dado brasileiro é acima da média global (57% dos mais velhos e 51% dos mais jovens consideram o tema muito importante).

Outras medidas de compromisso religioso também mostram uma diferença de idade em muitas nações. Os entrevistados mais jovens têm menos probabilidade de se identificar com qualquer religião em 41 países; novamente, o oposto é verdadeiro em apenas dois países. Padrões semelhantes surgem ao examinar as taxas de oração diária e de participação nos cultos.

Estudos sugeriram explicações diferentes, mas possivelmente sobrepostas, para a diferença de idade no culto à religião. Uma teoria é que as pessoas naturalmente se tornam mais religiosas à medida que envelhecem e se aproximam de sua própria mortalidade. Outra é que as sociedades se tornam menos religiosas quando as condições econômicas melhoram e as pessoas enfrentam menos problemas de indução de ansiedade ou risco de vida.

Como os jovens de sociedades em constante desenvolvimento geralmente têm uma vida mais fácil do que os mais velhos, segundo essa teoria, eles são menos religiosos. No entanto, seria um erro supor que o mundo em geral está se tornando menos religioso só porque os jovens são menos devotos. De fato, muitos dos países menos religiosos do mundo têm populações que estão encolhendo ou crescendo apenas lentamente, enquanto as regiões com maior crescimento populacional tendem a ser muito religiosas.

Por exemplo, a África Subsaariana - que tem o crescimento populacional mais rápido do mundo - também tem a menor diferença de idade quanto à importância da religião e tem uma alta taxa de comprometimento religioso em geral. No país médio da região, 88% dos adultos mais jovens e 89% dos idosos dizem que a religião é muito importante em suas vidas.

Fonte: Stephanie Kramer e Dalia Fahmy, para Pew Research Center
Síntese: Equipe Plenae
Leia o artigo original aqui

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais