Para Inspirar

Quais os efeitos da arte em nosso cérebro?

Um dos principais estímulos externos que vivenciamos, a arte não passa de maneira despercebida pelo nosso cérebro, muito pelo contrário: ela deixa rastros

17 de Setembro de 2021


No terceiro episódio da sexta temporada do Podcast Plenae, conhecemos a história do muralista Eduardo Kobra, que antes de ganhar o mundo, começou pichando os muros de seu bairro. Em seu relato, o artista aponta para a falta de acesso a arte que meninos como ele vivenciam. Logo ela, uma das atividades mais estimulantes ao nosso cérebro que conhecemos. 


A ligação entre arte e emoção é intrínseca. Quadros, fotografias, músicas… Qualquer expressão artística tem como objetivo principal despertar alguma emoção em quem as consome, seja ela positiva ou negativa. Cientificamente falando, o cérebro reage ao estímulo evocado pela arte através do sistema límbico, uma região específica do órgão que é responsável pelo controle das emoções e do comportamento social. 


Ao termos esse contato, começamos a experimentar o mundo de uma maneira mais emocional e sensitiva, "esculpindo e acariciando" o nosso cérebro, como definiu este artigo. Isso, de acordo com cientistas, não só impulsiona a criatividade, como faz com que haja descargas de dopamina e serotonina, hormônios responsáveis pelas sensações de felicidade, prazer e recompensa. 


Sabe aquela ideia de que nossas pupilas até dilatam quando vemos a pessoa amada? De acordo com o professor Semir Zeki da University College London, a arte pode ter o mesmo efeito. Quando a experimentamos sensorialmente, o fluxo sanguíneo cerebral aumenta, principalmente nas regiões ligadas ao prazer, como revela esta pesquisa. 


A estética e seus efeitos


Mas há alguma arte específica mais poderosa que outras? A resposta é não. Isso porque, definir se há algum estilo artístico melhor do que o outro é excluir o fator preferências individuais, que é algo muito maior e passa até mesmo por conceitos complexos e filosóficos como o gosto e sua formação, a própria mente e a consciência. O próprio Zeki batizou, no final dos anos 1990, um novo campo da ciência que pretende mergulhar nessas questões: a neuroestética.


Essa nova área usa a neurociência para tentar entender o que acontece no cérebro a nível neurológico quando este se depara com a arte, seja para criar, seja para contemplar, baseado nas diferentes percepções estéticas que há em cada um de nós. Acredita-se que o ser humano seja a única espécie capaz de atribuir diferentes níveis de beleza às coisas e, assim como a emoção, a beleza também é intrínseca à arte.


Ao se deparar com uma obra, o caminho cerebral é o seguinte: o córtex visual primário se encarrega das silhuetas e o secundário, das cores. O lobo temporal inferior reconhece os objetos e o lobo parietal adiciona profundidade e espacialidade. Isso tudo, claro, em frações de segundos! Tudo isso ocorre e a reação emocional vai depender se te agrada ou não, e aí sim você receberá seus hormônios. 


É por isso que obras como a do Kobra, mencionado lá no começo do texto, tão coloridas em meio às torres cinzentas das metrópoles, nos causam impactos diferentes: sua beleza e jogo de cores colocam a nossa cabeça para funcionar a pleno vapor sem nem nos darmos conta disso, mas no final do processo, ficará por conta do critério pessoal de cada um.


Especialistas já estão usando essas reações emocionais em um processo denominado arteterapia: uma tentativa de usar a arte e o que ela evoca no cérebro com uma finalidade terapêutica de autoconhecimento emocional, melhora de um mal-estar ou quadro depressivo e até mesmo como tratamento do Transtorno de Estresse Pós-Traumático.


A arteterapia usa não só o consumo da arte, mas também a produção. A atividade artística é estimulante e previne a velhice, por exemplo. Um estudo realizado na China concluiu que pessoas que realizavam criações artísticas visuais, como pinturas e recortes, possuíam atividade cerebral mais elevada, inclusive a memória, e até uma maior resistência a doenças degenerativas como o mal de Alzheimer, além dos benefícios psicológicos do autoconhecimento.


Toda arte é emocional e se conecta conosco via neurônios, memória e estruturas complicadas do cérebro. É ela que dá graça ao mundo e nos ajuda a entender a visão do outro, independente da distância espacial e temporal. É por meio dela, também, que definimos justamente as nossas preferências, gostos, o que pode ser positivo em uma jornada de autoconhecimento.


Todas as novas pesquisas científicas são relevantes para o entendimento do nosso funcionamento, mas é importante que não nos esqueçamos de apreciar a arte pelo que ela tem de melhor: sua capacidade de nos emocionar de formas que nem a ciência explica.

Curtir

Compartilhar:


Para Inspirar

Qual o rumo para uma vida mais longa?

Muitas pessoas hesitam e, na dúvida, vão levando a vida sem planos futuros. Optar por um estilo taoísta, no entanto, tem consequências.

25 de Abril de 2018


Escolher um rumo na vida não é tão fácil assim. Muitas pessoas hesitam e, na dúvida, vão levando a vida sem planos futuros. Optar por um estilo taoísta, no entanto, tem consequências. A ciência já provou que eleger um propósito aumenta a longevidade. Dois pesquisadores – Patrick Hill, da Universidade de Carleton, do Canadá, e Nicholas Turiano, do Centro Médico da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos – resolveram investigar e mensurar o tamanho desse benefício nos adultos. A dupla analisou os dados do estudo americano sobre a meia idade, financiado pelo Instituto Nacional do Envelhecimento, dos Estados Unidos. Hill e Turiano tiveram acesso a mais de 6 mil depoimentos sobre propósito de vida e impressões de sentimentos positivos e negativos. Descobriram que passados 14 anos dos relatos, as pessoas com maior senso de propósito apresentaram risco 15% menor de morte quando comparadas com outras com objetivos pouco claros. A idade com que os entrevistados encontraram uma “bússola para a vida”, como diz Hill, pareceu não interferir nos resultados. Como se trata de uma questão muito subjetiva, o propósito tem significados e dimensões muito diferentes. “Pode ser algo tão simples como garantir a felicidade da família”, diz Hill. “Ou alguma coisa maior, como uma contribuição para mudanças sociais.” Segundo ele, também pode ter a ver com produzir algo que seja apreciado pelos outros, seja um texto, uma fotografia, uma música, dança ou artes visuais. Mas para cada uma das pessoas funciona como “um farol que fornece um objetivo e uma direção no cotidiano”. A pesquisa de Patrick Hill também controlou outros fatores que afetam a longevidade, como idade, gênero e bem-estar emocional. Nenhum deles bateu os de ter um propósito. Segundo Hill, não está exatamente claro como esse benefício se desencadeia no organismo. Mas é certo que os indivíduos que veem um sentido na vida simplesmente levam vidas mais saudáveis. E arrisca: “Talvez isso leve a uma sensação de segurança que os proteja dos efeitos prejudiciais do estresse.” Leia o artigo completo aqui .

Fonte: National Public Radio Síntese: Equipe Plenae

Curtir

Compartilhar:


Recebe nossa Newsletter: bem-estar, autoconhecimento e muito mais, todo mês no seu e-mail!

Um convite para você ser protagonista de sua própria história.

Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais