Para Inspirar

Ter um objetivo é importante em todas as fases da vida

Sentir que você tem um senso de propósito na vida pode ajudá-lo a viver mais, não importa a idade, de acordo com uma pesquisa publicada na Psychological Science

16 de Janeiro de 2019


Sentir que você tem um senso de propósito na vida pode ajudá-lo a viver mais, não importa a idade, de acordo com uma pesquisa publicada na Psychological Science, revista da Association for Psychological Science . “O resultado aponta para as implicações claras na promoção do envelhecimento positivo e do desenvolvimento adulto”, diz o pesquisador-chefe, Patrick Hill, da Universidade de Carleton, no Canadá. “Encontrar uma direção para a vida e estabelecer metas abrangentes para concretizá-las pode impactar na longevidade, independentemente de quando seu propósito for descoberto”, diz Hill. “Quanto mais cedo isso acontecer, mais cedo contará com os efeitos protetores.” Com a ajuda de Nicholas Turiano, do Centro Médico da Universidade de Rochester, ele avaliou se os benefícios do propósito variam com o tempo, em diferentes períodos de desenvolvimento ou depois de importantes transições de vida. Para isso, aproveitou os dados nacionalmente representativos disponíveis no estudo da Meia Idade dos Estados Unidos ( Midus ). A dupla estudou as informações de mais de 6 mil participantes, concentrando-se em depoimentos que analisavam a própria trajetória, como “Algumas pessoas vagam sem rumo pela vida, mas eu não sou uma delas” – além de outras variáveis ​​psicossociais que mediram as relações interpessoais positivas e a frequência de experiência com emoções positivas e negativas. Durante o período de 14 anos de acompanhamento representado nos dados do Midus, 569 dos participantes tinham morrido, o equivalente a 9%. Os que foram a óbito tinham expressado propósito de vida e relações positivas em níveis menores do que os que continuavam vivos. Ter um propósito maior na vida diminuiu o risco de mortalidade. E isso vale para pessoas de todas as idades, que foram acompanhadas durante a pesquisa. Essa consistência foi uma surpresa para os pesquisadores. Leia o artigo completo aqui .

Compartilhar:


Para Inspirar

Americanos viram pais mais tarde

Seguindo a mesma tendência das mulheres, os homens também estão deixando a paternidade para mais tarde.

28 de Junho de 2018


Seguindo a mesma tendência das mulheres, os homens também estão deixando a paternidade para mais tarde. Pela primeira vez, cientistas da Universidade de Stanford analisaram o maior registro de nascidos-vivos – o Sistema Nacional de Estatísticas Vitais – para verificar a idade dos pais americanos. Ao todo foram 168.867.480 crianças nascidas entre 1972 e 2015 no país.

A faixa etária dos pais subiu três anos, de 27,4 para 30,9 anos, em média. A análise mostra algumas variações relacionadas com a origem e o grau de estudo. Os cidadãos americanos nascidos na Ásia, principalmente no Japão, são pais ainda mais tarde, aos 36 anos de idade.

A média de idade para ter o primeiro filho sobe para 33,3 anos entre o grupo de homens com diploma superior. Dobrou o número de pais que decidem ter filhos aos 40 anos (de 4,1% para 8,9%) e aos 50 anos (de 0,5% para 0,9%). A mesma tendência é observada em outros países.

Problemas

Publicado em 30 de agosto de 2017, no site Human Reproduction , da Universidade de Oxford, o estudo traz alguns alertas. “O avanço contínuo da idade dos pais dos recém-nascidos provavelmente também terá implicações para a saúde pública”, disse Michael Eisenberg, professor assistente de urologia.

A idade paterna em ascensão pode afetar o número total de filhos que um homem terá na vida. Além disso, há riscos. Segundo ele, o esperma de um pai em potencial sofre uma média de duas novas mutações a cada ano. “Há associações entre paternidade mais antiga e taxas mais elevadas de autismo, esquizofrenia, anormalidades cromossômicas, alguns tipos de câncer pediátrico e certas condições genéticas raras”.

Eisenberg fez o estudo em parceria com Yash Khandwala, estudante de medicina da Universidade da Califórnia, em San Diego.

O lado bom

“Por outro lado”, observou, “os pais mais velhos têm mais probabilidades de estarem mais bem empregados e com recursos; em geral levam estilos de vida razoavelmente estáveis ​​e podem conviver com seus filhos. Portanto, se envolvem na criação deles, não deixando a tarefa unicamente para as mães.”

Leia o artigo completo aqui.

Fonte: BRUCE GOLDMAN
Síntese: Equipe Plenae

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais