Para Inspirar

Uma única sessão de exercício já beneficia a saúde mental

Segundo pesquisa, exercício aumenta a cognição e o desempenho da memória em pessoas mais velhas

16 de Setembro de 2019


Várias pesquisas científicas já comprovaram que o exercício faz bem à saúde física e mental. Um novo estudo sugere que, no que diz respeito à cognição, o benefício acontece imediatamente após a atividade física.

Pesquisa

Para confirmar a relação entre exercício físico e bem-estar em idosos, cientistas da Universidade de Iowa, nos Estados Unidos, recrutaram 34 pessoas entre 60 e 80 anos. Todos eram saudáveis, mas não regularmente ativos. No estudo, cada participante pedalou em uma bicicleta ergométrica por 20 minutos, em duas ocasiões diferentes.

Em uma, com resistência leve e, em outra, com intensidade elevada. Antes e depois de cada sessão de exercício, cada participante foi submetido a exames no cérebro e a um teste de memória.

Resultado

Após uma única sessão de exercícios, alguns participantes experimentaram maior conectividade entre o chamado lobo temporal medial (que circunda o hipocampo, isto é, o centro de memória do cérebro) e o córtex parietal e o córtex pré-frontal. Trata-se de duas regiões que fazem parte da cognição e memória.

Para Michelle Voss, coautora do estudo, o resultado da pesquisa pode motivar pessoas a praticar atividade física por causa do benefício imediato. "Em termos de mudança comportamental, você pode dizer a si mesmo: 'vou ser ativo hoje’”, diz ela. “Entender exatamente quanto tempo os benefícios duram após uma única sessão de exercícios e por que alguns se beneficiam mais do que outros são orientações empolgantes para pesquisas futuras”, afirmou Voss.

Exercícios rigorosos podem parecer assustadores, especialmente à medida que envelhecemos. Por isso, uma descoberta do estudo foi a de que alguns indivíduos se beneficiaram imensamente de exercícios leves e de baixo impacto, enquanto outros não. A pesquisa científica também revelou que o exercício contínuo ou a longo prazo não tem necessariamente um efeito maior do que um exercício isolado.

Isso porque os efeitos do exercício sobre a cognição mental são rápidos e não duram muito. Mais pesquisas precisam ser feitas sobre como o exercício modifica e auxilia a função cerebral. Também é preciso compreender melhor quanto tempo esses benefícios duram e por que algumas pessoas se beneficiam mais que outras.

Fonte: Jacqueline Ahearn, para Being Patient
Síntese: Equipe Plenae
Leia o artigo original aqui.

Compartilhar:


Para Inspirar

Escolaridade protege o coração de doenças

Além dos fatores já conhecidos de risco como tabagismo, hipertensão arterial e colesterol, existe uma incerteza sobre outros desencadeantes potenciais.

22 de Novembro de 2018


A doença arterial coronariana (DAC) é a principal causa de morte no mundo. Além dos fatores já conhecidos de risco como tabagismo, hipertensão arterial e colesterol, existe uma incerteza sobre outros desencadeantes potenciais. Entre eles, condições socioeconômicas, como o ensino superior. Para averiguar se de fato esse é fator de risco, uma pesquisa da Universidade de Londres utilizou-se de dados genéticos de mais de uma centena de estudos e cruzou-os com resultados de uma pesquisa observacional tradicional com 164.170 voluntários. Método da pesquisa. A análise principal foi baseada em dois grandes consórcios que incluíram 112 estudos de países predominantemente de alta renda. Os achados das análises foram então comparados com resultados dos voluntários. Finalmente, analisaram os dados genéticos de seis consórcios adicionais para investigar se uma educação mais longa pode alterar causalmente os fatores mais conhecidos de risco cardiovascular. A análise principal foi de 543.733 homens e mulheres, predominantemente de origem europeia. Resultados. Levando sempre em conta a predisposição genética para as doenças coronarianas, os anos de educação adicional foram associados a um terço menor de risco de doença coronariana. Isso foi comparável aos achados de estudos observacionais tradicionais. A educação quando aprimorada está associada ao menor índice de tabagismo, de massa corporal e um perfil lipídico (colesterol) sanguíneo favorável. Conclusões. A baixa escolaridade é um fator de risco causal no desenvolvimento da doença arterial coronariana. Os mecanismos potenciais podem incluir tabagismo, índice de massa corporal e lipídios no sangue. Em conjunto com os resultados de estudos com outros projetos, esses achados sugerem que o aumento da educação pode resultar em benefícios substanciais para a saúde. Assista o vídeo explicativo e leia a pesquisa completa aqui.

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais