Para Inspirar

Você sabia que existe solidão positiva?

Ter tempo para ficar sozinho é bem diferente do que levar uma vida solitária.

22 de Novembro de 2018


Ter tempo para ficar sozinho é bem diferente do que levar uma vida solitária. O mundo nunca foi um lugar tão movimentado. A quantidade de informações por minuto e as taxas de atividade por dia triplicaram na última década, apesar das conveniências modernas pensadas para economizar tempo e esforço. Máquinas de lavar roupa, fast food, lavagem automática de carros e serviços delivery são algumas delas. Mesmo assim, é difícil achar alguém que nunca tenha reclamado de não ter tempo para si mesmo. Esse é um verdadeiro enigma. Sabemos a importância de valorizar o “tempo único de vida” que cada ser humano tem – os existencialistas geralmente concordam com isso. Mas nem todos pensam assim. As pessoas reclamam, mas poucos agem para mudar a situação – porque no fundo não querem. Para elas, o tempo sozinho não é um momento calmo para reflexão e introspecção, mas isolamento e desespero. Existem os dois estados da solidão. Um é bom, o outro, ruim. Solidão positiva. É um estado saudável e produtivo. Você conversa consigo mesmo, olha para o seu ser interior, faz um bom contato com sua alma e você se sente renovado. Os monges e outros gurus de meditação cultivam a solidão como forma de refletir sobre a vida e encontrar a paz na loucura. Solidão negativa. Diferente de estar a sós consigo mesmo, o isolamento é tudo o que o solitário não quer. Isso causa preocupação, fobia e grande estresse. Transforma-se em estado depressivo, traz medos profundamente arraigados desde a infância. Vira uma condição terrível. Começa no útero. “A solidão é uma das nossas primeiras experiências sensoriais quando estamos dentro do útero acolhedor e confortável da mãe”, diz Ester Buchholz, no livro The Call of Solitude , ainda sem tradução no Brasil. “Aprendemos a temer esse estado quando o confrontamos com o desamparo ao nascer”, afirma. “Se as primeiras experiências de solidão são ameaçadoras e reforçam a nossa impotência, a necessidade de conexão com o outro torna-se esmagadora. Desta forma, o medo passa a ser associado com o tempo sozinho.” Consequências. Psicanalista, psicóloga clínica e professora, Ester diz que evitar a solidão positiva – ela chama isso de “tempo sozinho” – pode prejudicar a saúde. Os comportamentos frenéticos e precipitados tiram o prazer da vida e podem levar a dores de cabeça, hipertensão arterial e ataques cardíacos. “A vida moderna encoraja os receios da solidão dos dois tipos, o positivo e o negativo, fazendo com que deixemos de lado nosso desejo inato de estar sozinho ou de entrar em contato com as habilidades que nos ajudarão em atividades solitárias de recuperação do bem-estar”, diz a Ester. “Assim, somos encorajados a nos afastar do núcleo essencial do nosso ser.” Você planeja um tempo para você? Ou você o evita, mantendo-se desnecessariamente ocupado da manhã até a hora de dormir? Adorando ou detestando, todos precisamos de um tempo sozinho. E, embora você possa evitá-lo, não poderá fugir da solidão o tempo todo. Para saber se ela será benéfica ou não para você, o único caminho é experimentá-la. Leia o artigo completo aqui . Fonte: Longevity Live Síntese: Equipe Plenae

Compartilhar:


Para Inspirar

Pesquisas sobre alzheimer ganham fôlego

Em todo o mundo, cerca de 50 milhões de pessoas sofrem de demência, a maior parte provocada pelo Alzheimer.

28 de Novembro de 2018


Casado há 50 anos, Peter Wooding, de 77 anos, está entre os 5 milhões de norte-americanos vítimas de Alzheimer. A diferença é que ele resolveu lutar contra a lenta perda de memória, a confusão e demência causadas pela doença. Hoje, o americano está entre os 2.700 voluntários espalhados pelo mundo que aderiram aos testes de novas drogas que procuram um tratamento efetivo – ainda não alcançado. A experiência. Dois terços dos voluntários recebem o medicamento novo e um terço, o placebo. Trata-se de um estudo de 18 meses, duplo cego – em que nenhum dos voluntários sabe o que está tomando. A droga que Wooding se inscreveu para testar, a aducanumab, foi projetada para eliminar a amiloide, proteína acumulada no cérebro dos doentes. Ela é responsável pela formação de placas que podem estrangular células nervosas saudáveis ​​e apagar circuitos críticos para memória e raciocínio organizando. Nos primeiros estudos, as placas encolheram e algumas pessoas – que tomaram o medicamento por três anos –apresentaram diminuições mais lentas na memória e nas habilidades de pensamento aferidos em testes mentais. Dimensão. Atualmente, uma em cada 10 pessoas com mais de 65 anos nos Estados Unidos tem Alzheimer. Em 2050, 16 milhões podem ser afetadas pela doença. Em todo o mundo, cerca de 50 milhões de pessoas sofrem de demência, a maior parte provocada pelo Alzheimer. A patologia foi descrita pela primeira vez pelo médico Alois Alzheimer em 1906. O mercado de medicamentos contra a doença atinge um valor estimado de US$ 30 bilhões nos Estados Unidos. Na busca pelo tratamento, já foram gastos centenas de milhões de dólares, senão bilhões. Características da doença. Embora existam genes que contribuem para o aumento do risco, na maioria dos casos, a idade é o maior desencadeante. O cérebro humano é extremamente resiliente, mas apenas até certo ponto. Com o tempo, as conexões que costumam guardar a memória começam a se enfraquecer. Os primeiros sintomas podem ser tão inócuos quanto esquecer onde você deixou o telefone ou faltar a um compromisso. No início escapam as memórias mais recentes. Lentamente, tarefas sofisticadas, como organizar uma viagem, pagar contas ou dirigir para lugares familiares, tornam-se mais desafiadores. A memória vai se apagando até o ponto de o doente não reconhecer os entes queridos. O distúrbio do cérebro que rouba a memória revelou-se extremamente difícil de tratar. É muito difícil encontrar e acessar algo no cérebro sem comprometer a delicada rede de atividades que mantém a respiração, o pensamento e a rotina. Plano nacional. Foi apenas em 2012 que o então presidente Barack Obama criou o primeiro plano nacional para abordar a doença e estabeleceu o objetivo de encontrar maneiras de prevenir e tratar o mal de Alzheimer até 2025. Como resultado, o financiamento da pesquisa de Alzheimer nos Institutos Nacionais de Saúde, por exemplo, mais do que duplicou a partir desse período. A mudança na atenção para a doença de Alzheimer torna os pesquisadores esperançosos e, pela primeira vez em décadas, eles avançam. Um sinal disso são os primeiros resultados esperançosos da pesquisa com a aducanumab, da qual Wooding faz parte. Leia o artigo completo e assista o vídeo em inglês sobre o casal aqui .

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais