Entrevista com

Alana Menezes

Médica Geriatra

A eficácia do prevenir: a relação entre hábitos e longevidade

28 de Fevereiro de 2020



“O Brasil está envelhecendo mais rápido do que os outros países quando o assunto é envelhecimento. No futuro, a cada 10 pessoas, 4 serão idosos. Para nos prepararmos para isso, é necessário mudar toda a estrutura” conta Alana Menezes, a entrevistada dessa edição de #PlenaeEntrevista. Para ela, enquanto gestora de um plano de saúde, a melhor forma de economizar é tratando a saúde como um todo, e não só a falta dela. Confira nossa entrevista: 

Porque se interessou pelo trabalho com operadoras de saúde?    Eu estava indo para uma área mais acadêmica, fazendo mestrado. Optei por estudar uma linha do idoso não muito estudada, que é a sexualidade. Mas em paralelo, também montei um serviço específico que explorasse ainda mais o estudo e atendimento em pacientes com osteoporose. Com isso, acabei ganhando mais espaço dentro da gestão onde trabalho atualmente, que é a Prevent Sênior. 

Na sua visão, porque as operadoras de saúde do Brasil se dedicam mais a atender a população jovem? Se a gente foi ver, grande parte delas são vinculadas à empresas, e quem faz parte desse grupo que ocupa esses postos de trabalho são os jovens, que estão trabalhando. A própria lei CLT recomenda o oferecimento de uma assistência médica, é tudo feito em conjunto entre operadoras e empresas. Já o idoso, que é talvez quem mais precise de assistência, fica descoberto. É por isso também que se cobra muito mais em planos de saúde para o idoso, porque não há o subsídio de uma empresa por trás. O paciente tem de arcar com tudo. Além disso, parte-se do princípio que o paciente mais maduro irá apresentar mais doenças que demandam internação, como as doenças crônicas e as fraturas, mas o jovem também apresenta outros tipos de doenças crônicas, principalmente as de cunho psicológicos. 

Qual é a saída para, na teoria, adoecer menos? Priorizar a atenção primária, o diagnóstico e a prevenção. Assim como o Plenae, a nossa visão também é muito voltada para saúde, e não só a falta dela. Temos que fazer outros tipos de atividades que possam evitar doenças. Onde eu trabalho, temos parceria com parques e clubes, mesmo não sendo obrigatoriedade do plano, porque isso além de melhorar a relação com o cliente e fidelizá-lo, também faz bem pra saúde. Assim eu diminuo a mortalidade, eles vão viver mais, e reduzo o meu custo também. Não tem segredo, a fórmula é pensar neles em primeiro lugar. 

“Apesar de estarmos vivendo mais, estamos mais doentes do que antes.” Concorda com a frase? Concordo. Hoje vivemos muito mais, a expectativa de vida do brasileiro ao nascer já é bem próxima ao de países desenvolvidos, o número de centenários vai aumentar cada vez mais. Mas existe um termo na geriatria que chama “compressão da morbidade”, porque não adianta viver mais sem viver bem. Precisamos mudar nossa forma de cuidar da saúde, fazer atividade física, controlar melhor a alimentação, fazer outras coisas que tragam qualidade a esse viver estendido. Estamos estudando cada vez mais o adiamento de doenças crônicas, que acabam trazendo sequelas e morbidade a vida de um idoso que sim, vive mais, mas não vive bem. A gente aprendeu muito, a assistência de saúde melhorou muito, mas não é ampla também, fora das capitais a realidade é outra. Avançamos muito nos remédios, mas não no estilo de vida, essa é a principal luta. Ele vive mais, mas não teve dentista, mulheres que não sabem o que é uma mamografia, não tinham academia ou prevenção ao HIV, o cigarro é mais abolido atualmente. Hoje essa geração com 30, 40 anos, vai vivenciar os 70 anos de forma diferente, mais consciente. 

Qual foi o grande divisor de águas que nos fez atingir idades tão avançadas? Enquanto médica, tenho para mim que o saneamento básico foi o grande divisor de águas para que se diminuísse principalmente a mortalidade infantil, por exemplo. Antes as pessoas não chegavam a velhice não só porque morriam aos 40, mas porque morriam ainda criança. A mortalidade infantil era imensa, e era um fato corriqueiro. Hoje em dia uma criança morrer é uma tragédia, uma calamidade mesmo, não existe naturalidade alguma nisso. O flúor na água, o surgimento do antibióticos e medicamentos para o coração, a vacinação, todas essas medidas também foram responsáveis. A assistência da saúde como um todo melhorou, mas o diferencial foi essa atenção primária. A educação em saúde hoje em dia também é muito mais difundida, temos programa de televisão que falam sobre isso, a internet, o acesso a informação é mais fácil. Antes era mais a Igreja, o médico da família, e haviam muitas crenças populares. Então a conscientização de que a saúde é importante também faz parte dessa evolução da idade. Hoje a gente sabe o que faz mal ou bem, cabe à escolha pessoal do ser humano. 

O que podemos fazer no nosso dia a dia para garantir ainda mais essa longevidade com qualidade? É preciso que os hábitos sejam revistos desde a juventude, não adianta pensar nisso só aos 70, 80, isso tem que ser revisto desde já. A grande chave é mudar essa conscientização ainda nos jovens. A alimentação, o estudo e difusão da saúde, exercícios físicos, ter zelo com o próprio corpo, ter bons relacionamentos, dormir bem. Não é mais não fumar, não beber e caminhar. Mas abrange a saúde mental, estar bem com suas decisões. Envelhecer pode ser considerado uma perda? Sim, geralmente você não lembra tão bem das coisas, não enxerga tão bem. Mas é um processo natural, que demanda uma adaptação igualmente natural e que não precisa ser traumático. Claro que tragédias e acidentes acontecem, descobrir um câncer mais relacionado a genética do que aos hábitos, mas isso não é regra. Hoje ainda se morre muito mais por doenças cardiovasculares, AVC, infarto, hipertensão e diabetes, que estão relacionados principalmente ao nosso estilo de vida. Por isso mesmo conseguem ser evitáveis ou retardáveis com mudanças simples no nosso dia a dia.

Compartilhar:


Parada obrigatória

Os mergulhos de agosto

O que foi falado no Plenae em agosto

30 de Agosto de 2022




Na newsletter anterior, terminamos prometendo que agosto traria novidades e intensidades. Agora você já sabe que falamos a verdade, né? O mês “mais longo” do ano, vítima de piadas eternas a respeito de sua duração, foi na verdade um convite para estarmos mais presentes, prestando atenção.

Prova disso é que, logo no começo do ciclo, falamos de um assunto que merece mais atenção do que tem por aí: a saúde masculina. Demos dicas de como se recarregar e como ter um armário minimalista, contamos os malefícios das dietas restritivas e, então, mergulhamos em mais uma temporada do Podcast Plenae

O que dizer dessa temporada? Nos faltam palavras. As novas seis histórias - que estão só começando, e se estendem por setembro quase inteiro - prometem entregar muita inspiração, das mais diferentes naturezas, sempre contemplando nossos seis pilares: Corpo, Mente, Espírito, Relações, Propósito e Contexto. 

Começamos a temporada com Carlinhos de Jesus, representando o pilar Corpo e contando sua relação com o vitiligo. Depois, nos emocionamos com os irmãos Filpi e a transição de gênero feita por Miguel, representando o pilar Relações. Por fim, conhecemos o poder da atração praticado por Mariana Rios e como isso marcou sua vida e suas vitórias, representando o pilar Espírito.

E, para completar, ainda tivemos as reflexões guiadas pela neurocientista Claudia Feitosa-Santana. Incrível, né? Vem cá ver um pouco mais do que rolou nesse mês que tem sim o seu charme!

Precisamos falar sobre saúde masculina
Endometriose, TDPM, parto humanizado… Esses são só alguns dos temas relacionados à saúde feminina que tratamos recentemente. Mas e a saúde masculina? Estatisticamente falando, os homens vão menos ao médico. Mas isso é uma questão cultural, e não falta de motivos. Entrevistamos um especialista para entender quais são os pontos de alerta quando o assunto é homem e corpo.
Minimalismo: para quê te quero?
O movimento artístico do século XX foi tão potente que ressoa até hoje. O minimalismo tem como objetivo diminuir os excessos e prestar mais atenção ao que é realmente essencial. Ele inspirou a música, ciência, arquitetura, moda e, por que não, o lifestyle. Mas como ser mais minimalista? Dica: comece pelo seu armário!
 
Precisando se recarregar? Nós te dizemos como
A rotina, cada dia mais acelerada. O relógio parece cada dia com ponteiros mais velozes. E o cansaço, parece ser amigo íntimo, que veio para ficar. Mas hora de levantar a poeira e se recarregar! Inspire-se nas dicas da comunidade Thrive para incluir na sua rotina e se reenergizar. Separamos as melhores neste artigo.
Por que minha dieta não funciona?
#Spoiler: porque o seu cérebro não foi programado para isso. A neurocientista e escritora Sandra Aamodt explica em sua palestra para o TED Talks como praticar o mindful eating mudou a sua relação com a comida, marcada por dietas restritivas desde a adolescência. Separamos os principais insights para você se inspirar. 
Desmistificando conceitos: o que é o vitiligo?
As conhecidas manchinhas brancas na pele tem nome: vitiligo. Inspirados pela história de Carlinho de Jesus, neste artigo te explicamos o que é o vitiligo, como ele surge, qual sua relação com suas emoções e, por fim, trouxemos nomes de pessoas que desfilam suas manchinhas por aí e nos dão um show de inspiração!

Mitos e verdades sobre transição de gênero
O tema está cada vez mais em alta, mas infelizmente, ainda é palco para muita desinformação e até preconceito. Neste artigo, trouxemos mitos e verdades sobre a transição de gênero, com explicações pontuais em termos específicos da causa e também nomes de pessoas que representaram muito a causa. 

Em setembro, não se esqueça de entrar de cabeça erguida, lembrando sempre que ninguém é como você e esse é, afinal, o seu superpoder. Mergulhe nos nossos próximos episódios e conteúdos, sabendo que voltará de cada imersão uma versão melhor de si mesmo.


Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais