Entrevista com

Nathalie Trutmann

Escritora, palestrante e líder de opinião

Como se reinventar e levantar voo depois de grandes fracassos

Entrevistamos a escritora, palestrante e líder de opinião, Nathalie Trutmann, cujo currículo extenso faz com que suas dicas sejam ainda mais valiosas

24 de Julho de 2023



Resiliência é a palavra da moda - e já falamos dela por aqui também, tanto a nível de conceito, quanto também dicas para conquistá-la. Mas, para Nathalie Trutmann, a palavra da moda deveria ser autocompaixão. É difícil cravar uma só função dessa profissional tão multifacetada: Ela se define como: exploradora, sonhadora, escritora, palestrante, pintora, administradora, facilitadora de jornadas de aprendizagem para executivos e ainda é líder de opinião no Linkedin.

E é justamente pelo seu extenso currículo que podemos concluir duas coisas diferentes: a primeira delas é que, para chegar onde chegou, os percalços foram inevitáveis, assim como as alterações na sua rota. A segunda delas é que uma profissional que já visitou tantos ambientes diferentes só pode ter dicas valiosas para falar sobre o assunto. 

Pensando nisso, conversamos com ela para saber um pouco mais sobre seus caminhos, quais dicas de ouro ela dá para os profissionais e, porque não, como se reinventar e levantar voo depois de grandes fracassos. Confira a conversa a seguir!


Conte um pouco da sua trajetória e de que forma ela te trouxe até onde você está hoje

A minha trajetória pode ser dividida em 3 grandes blocos. O primeiro é dos 20 aos 30, quando segui o caminho tradicional de trabalhar para multinacionais internacionais. Como uma coisa liga à outra, foi graças a esse emprego que surgiu a oportunidade de integrar o time global da empresa para qual eu trabalhava. Também foi nessa época, na Nova Zelândia, que eu conheci meu ex-marido brasileiro e essa é a razão pela qual eu vim para o Brasil.

A partir daí, começaria o segundo bloco, que é dos 30 aos 45-48. Esse foi o momento onde entendi que minha jornada tinha sido completada e que eu não queria mais uma posição em marketing numa empresa multinacional. Já tinha trabalhado em várias e sabia que não era pra mim. Então eu vim para o Brasil com essa mente aberta e com essa vontade de começar do zero. Isso envolveu um sacrifício, mas me colocou num caminho que depois foi muito bem-sucedido.

Foi quando eu entrei na área de educação e tecnologia, quando começaram os cargos de diretores de inovação e quando minha responsabilidade era transformar a experiência educacional dos alunos. Esse estágio da vida foi muito especial, porque eu entrei de vez na área de educação e me encontrei, mesmo estando longe do meu país. Alcei voos altos nessa área e, nesse meio tempo, eu também alcancei uma grande conquista pessoal: publicar o meu primeiro livro, o Manual para Sonhadores. 


E qual foi a terceira fase?

Essa terceira fase é a que eu estou agora. Lancei mais dois livros e descobri a pintura como ferramenta de evolução e desaceleração nesse contexto tão acelerado e complexo que estamos vivendo. Ainda há uma terceira conquista, que está sendo lançar minha própria empresa, a OMTARE, junto com duas grandes profissionais, uma que está em Nova York e outra que está em Paris. Nós temos sede em São Paulo, Nova York e também teremos em Paris.

Queremos nos posicionar como a primeira grande consultoria liderada por mulheres, porque todas as consultorias ainda continuam sendo lideradas por homens. Queremos oferecer produtos e serviços para a criação de um mundo melhor, focada em melhorar os ambientes laborais e melhorar o impacto das empresas sem negligenciar os resultados financeiros. A tal da “inovação positiva”, que está começando a surgir agora, e da liderança regenerativa também. 


E falando em mulheres, quais são os três conselhos de ouro que você destinaria somente a elas no mercado de trabalho?

Confie e desenvolva a sua intuição, mesmo que você não receba reconhecimento imediato e mesmo que às vezes você não saiba qual é o próximo passo. Mas, se você já sabe o passo que não dá mais, já sente que um ciclo fechou, isso já é uma pista. Siga sua intuição, não tenha medo.

O segundo conselho é: cultive relações de longo prazo. Relações são tudo, não as descarte porque a pessoa foi mandada embora de uma empresa ou porque a pessoa mudou de cargo. Ou seja, se conecte com pessoas que têm os mesmos valores, que te fazem vibrar, sorrir, mas que também demonstram apoio mesmo quando você não está na sua melhor fase.

A terceira dica, que eu tenho vivenciado mais recentemente e talvez tenha aprendido tarde na minha jornada é: não tenha medo de aparecer. Apareça, ocupe espaço, levante sua voz e mostre sua grandiosidade. 

E os conselhos que se aplicam a todos, agora incluindo homens? 

Acho que a terceira dica que dei anteriormente é menos necessária para os homens, porque eles são mais acostumados a ocupar espaços. Na minha geração, independente de que país você venha, as mulheres não estão acostumadas ou confortáveis em aparecer.

Mas, um conselho para todos e que é algo que tem ajudado muito na minha jornada é que nem tudo que importa pode ser mensurado. Nós estamos cada vez mais obcecados por métricas de impacto, mas tem coisas que são muito importantes e que não podem ser mensuradas. Elas merecem nossa atenção. 


Sabemos que a palavra resiliência está na moda, mas é difícil praticá-la e ela não se aplica a todos os problemas. Para você, o que é imprescindível ter para reinventar e levantar voo depois de grandes fracassos?

A gente vem de uma geração onde se usa muito a palavra resiliência e se vende que, com a força da mente ou com a força do corpo, você pode vencer qualquer obstáculo. Mas, nessas dicas falta a palavra autocuidado e autocompaixão. Estamos exigindo muito de nós mesmos, então para você se reinventar e se levantar, você precisa aceitar que, quando você cai, isso dói, machuca.

Nessa cultura de muito sucesso, êxito, logros, se doer um pouco pode ser entendido como vitimismo, falta de caráter ou falta de força. Mas, a gente tem que entender que se tratam de perdas e que não somos máquinas. Ter esse espaço para a dor, ter cuidado com o outro, porque as pessoas estão precisando nesse momento, ter carinho, empatia - a começar com nós mesmos - tudo isso importa.

O fracasso é parte da jornada, a gente fala muito isso, mas quando temos que viver isso, não é nada fácil. Então, em vez de resiliência, a palavra deve ser autocompaixão. E fé também, mesmo quando as coisas não vão do jeito que a gente quer, porque não quer dizer que exista algo maior.

Qual é a importância dos hobbies, na sua opinião? 

Acho que é super importante, porque é um espaço para você resgatar o lúdico, a magia. O hobby nutre a alma, e ela precisa estar nutrida para termos o melhor de nós em todas as situações. A gente vai mudando também, se transformando como pessoa, e nosso lazer muda junto.

Antes de pintar, o meu primeiro grande hobby foi o mergulho. Então eu mergulhei o mundo inteiro, como eu viajava muito a trabalho, eu aproveitava para descobrir um novo lugar para mergulhar. E esse mundo embaixo da água, as pessoas que eu conhecia e a sensação física foi assim, uma fonte de energia e alegria que eu trazia de volta para qualquer trabalho que eu estivesse.

Depois desse, quando eu vivia uma transição de uma empresa que estava sendo comprada em um processo que demorou um ano, eu fui atrás de comprar um veleiro com as minhas amigas e sonhar que daríamos a volta ao mundo. Sonhar grande ou pequeno dá o mesmo trabalho, e não importa se você não chega.

A gente nunca foi viajar ao redor do mundo, mas o que a gente se divertiu naquele ano e a energia que trouxe para o meu emprego na época provavelmente foi o que me abriu as portas para um cargo maior depois, porque eu passei essa transição muito feliz, cheia de energia, impulsionando as pessoas. 


Então, a paixão é fator importante para o desempenho, ainda que indiretamente?

Sim. Uma vez, faz muito tempo, a tia da minha melhor amiga falou que quando temos uma paixão, temos que aproveitar ela, porque elas não duram pra sempre. A pintura, que é o meu terceiro hobby, eu achei nessa procura pelo que me brilha os olhos, o que faz minha alma cantar, o que que me dá ilusão. E não importa o que é, por mais ridículo que pareça, é a sensação que importa.

Me inspirei nas artistas contemporâneas e pensei “por que não?” E passei um ano assim, pintando todo dia, acordando a noite para pintar. Essa energia é impagável né, você achar algo que te faça pular da cama. Claro que a vida real sempre volta e não dura tanto quanto a gente gostaria, mas acho que é importante achar esses canais de expressões que vão mudando conforme a gente for passando por aquilo que temos que viver.

Para você, quais são os principais problemas a serem solucionados atualmente nas empresas?
Há uma coisa muito importante acontecendo no mundo, que são os altíssimos níveis de doenças mentais. O Brasil é a nação com o maior índice de ansiedade, por exemplo. Por isso também é tão importante resgatar esse lado mais cuidadoso, menos realizador, menos competitivo, dentro das próprias empresas. Fomos criados para conquistarmos independência, para sermos fortes e bem-sucedidos e isso não está nos fazendo bem.

A maioria das doenças crônicas são causadas por estresse e, a maioria do estresse que acumulamos são causados pelas empresas ou pelo tipo de liderança. Depois de tantos anos levantando a bandeira de inovação, eu agora estou refletindo muito como a inovação está também nos fazendo mal.

Ter sempre que pensar em ideias grandes, como você vai impactar milhões de pessoas, isso nos faz esquecer o quão valioso são os pequenos cuidados, tanto com nós mesmos quanto com nosso círculo imediato, que é a nossa família e amigos mais próximos. Se não estamos fazendo algo grandioso, é como se isso não valesse a pena. Se não pode ser compartilhado, não vale a pena, e a gente compartilha até coisas que não deveriam ser compartilhadas nas redes sociais.

A inovação está nos fazendo mal, trazendo muito barulho, estamos perdendo o centro e essa sabedoria interna que todo mundo tem. E esse cuidado da alma e esse tempo que a gente passava que não tinha que ser mostrado.

Compartilhar:


Entrevista com

Ludsclay Delmondes Cação

Médico

Saúde masculina: quais os principais pontos a se prestar atenção?

Conversamos com Ludsclay Delmondes Cação, especialista em Cirurgia Oncológica, mas que hoje atua com prevenção e promoção da saúde. Confira!

2 de Agosto de 2022



Muito se fala sobre a saúde feminina. E também, pudera, os problemas possíveis que podem surgir são vários! Por aqui, falamos recentemente sobre dois: TDPM e Endometriose. As mulheres, aliás, são mais cuidadosas com a sua própria saúde, e isso não é uma percepção, mas sim, um fato.

Segundo Antônio Carlos Pompeo, presidente da SBU - Sociedade Brasileira de Urologia, as mulheres tendem a viver de 07 a 10 anos a mais que os homens. Cerca de 82,3% das mulheres buscaram o médico em 2019 contra 69,4% dos homens, conforme dados do Programa Nacional de Saúde (PNS). Fazer exames de rotina é cultural entre elas, ao menos o ginecológico.

Mas e a saúde masculina, onde ela entra nisso tudo? Por anos negligenciada, o homem costuma buscar o médico quando o problema já deu sinais, não tem o costume de se prevenir. Isso quem diz é Ludsclay Delmondes Cação, especialista em Cirurgia Oncológica pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Hoje, ele trabalha principalmente com prevenção e promoção da saúde em seu instituto, o AvantGarde, um espaço construído a partir da experiência médica multidisciplinar dedicada à saúde e à beleza de maneira integrada. Confira abaixo a conversa completa!

Como e por que se interessou pela saúde masculina?

Na verdade, toda palestra que eu dou, entrevistas, aulas, essa é sempre a primeira pergunta que me fazem: como sai da oncologia tradicional para cair nessa área da medicina metabólica/integrativa/preventiva. Na verdade, eu não considero sair de uma área e entrar em outra, eu considero complementar. Quando você está em formação, você passa por outras áreas, mas quando você fica restrito na parte oncológica, começa a sentir uma certa necessidade de oferecer algo a mais para o paciente, porque existem diversos tipos que chegam até você, com diagnósticos diferentes. Por exemplo, eu trabalhava no setor privado e público, e no público, você pega casos mais avançados e por vezes não tem muita conduta para oferecer, são pacientes que têm dificuldade até de chegar até o hospital, e você não tem muito o que oferecer em tratamentos para cura. E mesmo quando você oferece algo, você vê pacientes tendo muitos efeitos colaterais, passando muito mal. Então a minha preocupação era oferecer algo em conjunto, algo que eu pudesse aumentar a eficácia do tratamento que aquele paciente estava fazendo e diminuir os efeitos adversos. E isso eu fui pesquisando por conta própria, dando possibilidades de conduta e foi assim que fui conhecendo essa área de medicina integrativa e metabólica.

E o que você fez com esse aprendizado?

Para entender como aquilo ia me ajudar, eu fui aprender realmente o que era câncer. Porque quando você se forma, aprende como se faz o diagnóstico, quais são os exames a se pedir e os tratamentos a se oferecer, mas você não aprende muita coisa - pra não dizer nada - de qual é o contexto nutricional que esse paciente precisa, orientação alimentar, será que ele precisa ser suplementado, será que o aporte nutricional dele está ok para receber esse tipo de tratamento? Quando eu comecei a busca de uma forma complementar, eu aprendi que câncer não é só um caroço que faço o diagnóstico. Aprendi que o câncer é uma manifestação química e clínica de uma doença inflamatória crônica, com uma deficiência nutricional e no sistema de defesa importante. Entendi que esse paciente não pode ser tratado sem uma suplementação e acompanhamento nutricional ou sem um suporte mínimo para ele poder passar por aquele tratamento. 100% dos pacientes oncológicos possuem um grau de desnutrição importante, no sentido metabólico. E se você entende que esse paciente tem uma desnutrição metabólica, você entende porque a inflamação chegou onde chegou e porque o sistema imunológico dele é deficiente, ele não é uma máquina mágica, ele precisa de substâncias que o deem eficácia. 

De forma geral e ampla, quais são os principais pontos da saúde masculina que devemos ficar em alerta?

Na verdade, o homem culturalmente costuma procurar o auxílio médico, mesmo que na área preventiva, um pouco mais tarde que a mulher, geralmente ele procura um auxílio quando já está sintomático. Os benefícios do homem procurar o auxílio da medicina preventiva e metabólica são imensos. A gente acha que “ah não, só quando eu tiver com meus 60, 70 anos que eu vou ver se meus hormônios estão baixos”. Se você pegar dados da Sociedade Brasileira de Urologia, você verá que tem até 27% de homens com 30, 35 anos com sintomas de déficit de testosterona. Quais seriam esses sintomas? Um cansaço excessivo, uma percepção de redução da qualidade de trabalho, fadiga, desempenho da função sexual menor, piora no sono, dentre outros. E aí começamos a detectar faltas específicas, dentre elas, a testosterona. 

Então a testosterona é o grande problema? 

O grande ponto é que a gente não pode levar todos os sintomas e reclamações para isso, porém. A testosterona é um hormônio primordial, tem várias formas de avaliar sua falta, mas existem outros hormônios que apresentam sintomas semelhantes, e que por vezes são tratados de forma errônea e sem resultado. Por exemplo: déficit de cortisol, que é um hormônio extremamente importante pro homem, ainda mais se você pegar um homem que tem uma rotina extremamente estressada. Você pode nesse caso ter alta de cortisol, mas não estar utilizando-o de forma correta, que é o que causa a fadiga. Deficiência de melatonina, GH, todos eles são influenciados pelo ciclo circadiano, teoricamente alterado pelo estresse do dia a dia. Seria uma falha não procurar, porque quando os sintomas estiverem muito intensos, talvez o trabalho pra gente corrigir isso seja muito maior.

O que levaria a deficiência desses hormônios?

A gente vê muito hoje aqui no instituto com homens que chegam com esse tipo de sintomas relacionados a falta de testosterona. São homens repondo essa testosterona. E aí, por exemplo, você pega um homem de 35 anos, que você consegue coletar uma história adequada, consegue ver seus antecedentes, conversar sobre perfil alimentar, ver tudo sobre hábito intestinal, urinário, qualidade de sono. Você não encontra uma patologia específica, aí você tem que se questionar. Se ele tem 35 anos, é extremamente viável em termos de patologia, porque ele está com a testosterona baixa? Aí entra uma conduta integral, ou seja, não é para ele ter testosterona baixa, então se eu não identificar a causa, talvez eu piore a deficiência repondo esse hormônio. No mundo moderno, a principal causa dessa falta em um homem jovem é o sobrepeso e obesidade. Às vezes eu tenho um ciclo hormonal e produção adequadas, porém o tecido de gordura abdominal tem uma capacidade de sequestro, ou seja, torna-o inativo. Então se ele não corrigir esse peso, ele não vai melhorar clinicamente. 

E quais são os caminhos a seguir, então? 

Para qualquer tipo de conduta eu tenho três pilares importantes: avaliação nutricional, avaliação de suplementação e atividade física. Ou seja, se eu conseguir fazer ele entender esses três contextos, junto com o diagnóstico de sobrepeso e obesidade, por exemplo, eu consigo ajustar a composição corporal desse paciente. Ou seja, eu consigo diminuir esse sobrepeso e essa obesidade, consequentemente reduzindo essa quantidade de gordura visceral, e aí eu libero a ação da testosterona que ele mesmo produz, eu não preciso repor. A gente tem que entender que a composição corporal hoje é a chave da saúde, ou seja, a quantidade de gordura visceral e massa muscular precisam estar em equilíbrio. A gordura visceral e o músculo são órgãos endócrinos, que produzem substâncias e estimuladores fisiológicos, e a gordura produz essas substâncias que são pré-inflamatórias, ou seja, elas produzem a inflamação, elas aumentam essa gordura visceral. A massa é anti-inflamatória, melhora esse sistema de defesa. Não é buscar um corpo esteticamente correto, mas sim, um corpo de composição corporal saudável. E muitas vezes eu nem preciso encher esse paciente de cápsulas de vitaminas, só uma boa orientação nutricional já pode ajudar a melhorar. 

Quais são os caminhos da prevenção?

Buscar por uma melhor qualidade alimentar, ou seja, 100% dos meus pacientes são orientados a ter um acompanhamento nutricional, eles precisam entender que precisam não só se alimentar, mas precisam se nutrir. Quanto mais nutrido, menos adoecimento. Entender o que são carboidratos, gordura, porque isso me faz bem ou porque me faz mal, e a partir daí começar a diminuir o que não é preciso e aumentar o que é preciso. Em segundo lugar: suplementação individualizada, ou seja, nenhum paciente vai utilizar a mesma suplementação de um outro, cada um tem suas deficiências específicas. O homem geralmente tem uma qualidade alimentar piorada, então a suplementação já vai ser específica. 

Segundo sua opinião, baseada em sua experiência clínica, por que existe essa cultura de o homem ir menos ao médico? Isso ainda é uma realidade?

Eu acho que isso gradualmente vem mudando, porque existe na verdade um certo preconceito da parte do homem em procurar auxílio, porque ele dificilmente admite que não está bem ou que está doente. E pelo próprio medo, diante de uma doença a reação do homem é bem diferente da mulher, fora que eles costumam minimizar muito os sintomas. Então ele vai postergando isso e geralmente quando está muito grave, ele costuma procurar. Mas hoje em dia, na nossa visão, isso está mudando muito, justamente pelo fácil acesso às informações, que chegam muito mais rápido. Você procura no Google e acha muito fácil, eles estão identificando os sintomas e aceitando que se procurarem ajuda no sentido preventivo, acabam tendo benefícios muito maiores. 

Qual é o papel da AvantGarde nisso tudo? Quais dores vocês solucionam?

O nosso lema de trabalho, como profissionais de saúde que visam essa medicina preventiva, é identificar o problema que o paciente traz até você de uma forma ampla. Ou seja, se o paciente chegar com dor, não posso só dar um analgésico, eu preciso entender o que levou a essa dor, quais foram as causas. Quais são as queixas mais comuns de homens? Cansaço. Fadiga. Melhorar a disposição. Então para eu identificar a causa, tenho que ter uma avaliação extremamente específica desse paciente. Se eu não identificar nada, eu examino esse paciente de forma clínica, por exemplo, sobrepeso ou obesidade com uma bioimpedância, exames laboratoriais, junto todas essas informações. E a gente tem parceria com educadores físicos onde podemos inserir junto com tudo isso um ritmo de atividade física regular. 

Gostaria de acrescentar algum comentário? Procure por uma qualidade de vida melhor, entenda seus benefícios, se não você se tornará um seguidor de prescrição. Eu não quero ninguém seguindo prescrição, quero que o paciente entenda. Hormônio é essencial, todo homem tem que ter um nível bom, caso contrário, não terá boa proteção cerebral, função sexual adequada, proteção cardiovascular, composição corporal e até em termos crônicos. Hoje em dia já existem vários estudos que incluem o uso de testosterona para Alzheimer e Parkinson, tanto para prevenir quanto para tratar. Outra coisa, dores de cabeça, uma causa muito comum de pronto-socorro, pode ser uma simples deficiência hormonal de minerais e vitaminas. A otimização é a palavra-chave. Às vezes você acaba dando diagnósticos equivocados, tenho pacientes que apresentavam irritabilidade ou depressão e estavam todos atrelados à falta de testosterona, sendo que o homem tem um eixo hormonal muito mais simples. 

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais