Parada obrigatória

Os mergulhos de agosto

O que foi falado no Plenae em agosto

30 de Agosto de 2022




Na newsletter anterior, terminamos prometendo que agosto traria novidades e intensidades. Agora você já sabe que falamos a verdade, né? O mês “mais longo” do ano, vítima de piadas eternas a respeito de sua duração, foi na verdade um convite para estarmos mais presentes, prestando atenção.

Prova disso é que, logo no começo do ciclo, falamos de um assunto que merece mais atenção do que tem por aí: a saúde masculina. Demos dicas de como se recarregar e como ter um armário minimalista, contamos os malefícios das dietas restritivas e, então, mergulhamos em mais uma temporada do Podcast Plenae

O que dizer dessa temporada? Nos faltam palavras. As novas seis histórias - que estão só começando, e se estendem por setembro quase inteiro - prometem entregar muita inspiração, das mais diferentes naturezas, sempre contemplando nossos seis pilares: Corpo, Mente, Espírito, Relações, Propósito e Contexto. 

Começamos a temporada com Carlinhos de Jesus, representando o pilar Corpo e contando sua relação com o vitiligo. Depois, nos emocionamos com os irmãos Filpi e a transição de gênero feita por Miguel, representando o pilar Relações. Por fim, conhecemos o poder da atração praticado por Mariana Rios e como isso marcou sua vida e suas vitórias, representando o pilar Espírito.

E, para completar, ainda tivemos as reflexões guiadas pela neurocientista Claudia Feitosa-Santana. Incrível, né? Vem cá ver um pouco mais do que rolou nesse mês que tem sim o seu charme!

Precisamos falar sobre saúde masculina
Endometriose, TDPM, parto humanizado… Esses são só alguns dos temas relacionados à saúde feminina que tratamos recentemente. Mas e a saúde masculina? Estatisticamente falando, os homens vão menos ao médico. Mas isso é uma questão cultural, e não falta de motivos. Entrevistamos um especialista para entender quais são os pontos de alerta quando o assunto é homem e corpo.
Minimalismo: para quê te quero?
O movimento artístico do século XX foi tão potente que ressoa até hoje. O minimalismo tem como objetivo diminuir os excessos e prestar mais atenção ao que é realmente essencial. Ele inspirou a música, ciência, arquitetura, moda e, por que não, o lifestyle. Mas como ser mais minimalista? Dica: comece pelo seu armário!
 
Precisando se recarregar? Nós te dizemos como
A rotina, cada dia mais acelerada. O relógio parece cada dia com ponteiros mais velozes. E o cansaço, parece ser amigo íntimo, que veio para ficar. Mas hora de levantar a poeira e se recarregar! Inspire-se nas dicas da comunidade Thrive para incluir na sua rotina e se reenergizar. Separamos as melhores neste artigo.
Por que minha dieta não funciona?
#Spoiler: porque o seu cérebro não foi programado para isso. A neurocientista e escritora Sandra Aamodt explica em sua palestra para o TED Talks como praticar o mindful eating mudou a sua relação com a comida, marcada por dietas restritivas desde a adolescência. Separamos os principais insights para você se inspirar. 
Desmistificando conceitos: o que é o vitiligo?
As conhecidas manchinhas brancas na pele tem nome: vitiligo. Inspirados pela história de Carlinho de Jesus, neste artigo te explicamos o que é o vitiligo, como ele surge, qual sua relação com suas emoções e, por fim, trouxemos nomes de pessoas que desfilam suas manchinhas por aí e nos dão um show de inspiração!

Mitos e verdades sobre transição de gênero
O tema está cada vez mais em alta, mas infelizmente, ainda é palco para muita desinformação e até preconceito. Neste artigo, trouxemos mitos e verdades sobre a transição de gênero, com explicações pontuais em termos específicos da causa e também nomes de pessoas que representaram muito a causa. 

Em setembro, não se esqueça de entrar de cabeça erguida, lembrando sempre que ninguém é como você e esse é, afinal, o seu superpoder. Mergulhe nos nossos próximos episódios e conteúdos, sabendo que voltará de cada imersão uma versão melhor de si mesmo.


Compartilhar:


#PlenaeApresenta: mudar é possível, por Claudia Feitosa-Santana

De arquitetura e engenharia para a neurociência: como a pesquisadora revolucionou sua própria vida e seguiu os caminhos do coração para os caminhos do cérebro

13 de Agosto de 2022



A nona temporada do Podcast Plenae está para começar! Com ela, você já sabe, novas possibilidades de mergulhar para o que há de mais profundo em cada um de nós. Para somar ainda mais, as reflexões dessa temporada serão conduzidas pela neurocientista Claudia Feitosa-Santana. Apesar de amplamente conhecida pelo público, poucos conhecem os caminhos prévios da pesquisadora antes de entrar de cabeça no mundo da neurociência. Antes de se dedicar aos estudos das estruturas cerebrais, Claudia se dedicava a outras estruturas: as de concreto. Arquiteta e engenheira de formação, foi em um momento de depressão que ela resolveu radicalizar sua vida e mudar de carreira - que como sabemos, é tarefa difícil, mas não impossível. Foi em 2003 que Claudia resolveu fazer um mestrado em Psicologia na Universidade de São Paulo, emendando na sequência um doutorado em Neurociências e Comportamento na mesma instituição. Um passo levou ao outro e depois a outro e, lentamente, ela foi construindo essa carreira consolidada e reconhecida de hoje. “Foram tantos pontos altos na minha trajetória, mas eu destacaria a minha experiência em Chicago, que durou 7 anos e 7 dias. Começou com o convite para o pós-doutoramento na University of Chicago e depois para ser professora na The School of The Art Institute of Chicago”, comenta.  Projetos Com tanta dedicação a sua nova jornada, era de se esperar que não faltassem projetos em sua conta. Claudia tem em seu lattes diversas publicações científicas internacionais e passagens pelo Hospital Israelita Albert Einstein como pesquisadora e professora em diversas instituições como Fundação Dom Cabral, Casa do Saber e Universidade Federal do ABC. Ainda como docente, além de sua passagem pela The School of The Art Institute of Chicago, ela também foi professora na Roosevelt University e Chicago State University, ambas nos Estados Unidos, e na Università Degli Studi di Firenze, na Itália. Mas, quando questionada sobre qual projeto ela se orgulha mais, a resposta é imediata: são dois, seu programa na CBN e seu novo livro.

“O programa semanal na CBN, chamado 'Com Ciência no Cotidiano' que iniciei recentemente. Mas também tenho carinho especial pelos meus projetos em neuroestética e neuroeconomia, sendo o primeiro com cores e o segundo sobre a (des)honestidade brasileira que ainda estou em fase de análise de dados”, diz.

Um destaque importante sobre Claudia é sua acessibilidade. Mais do que mergulhar em temas complexos e, muitas vezes, distantes do internauta, ela se lança a temas modernos sem abdicar da mesma profundidade. “Viralizei algumas vezes com explicações científicas sobre o viral do #thedress, a famosa foto de um vestido cuja cor variava conforme a percepção de cada um. Fui a única brasileira com estudo científico a respeito. Também me orgulho de ser uma das primeiras cientistas a explicar sobre o impacto do coronavírus em um vídeo que viralizou e elucidou a questão a milhões de pessoas ainda no início de tudo”, enumera.  Novo livro Em novembro de 2021, aos 51 anos, Claudia alçou mais um novo voo e publicou “Eu Controlo como me Sinto”, pela editora Planeta. Seu objetivo com a obra é ensinar como você pode construir uma vida melhor por meio da ciência - mais uma vez democratizando saberes que antes eram tidos como inacessíveis. A neurocientista defende que “não há ninguém responsável pelo emaranhado de sentimentos que carregamos além de nós mesmos, ainda que outra pessoa tenha provocado situações negativas”, como pontuou em entrevista ao jornal gaúcho Zero Hora. No livro, você encontrará explicações detalhadas e didáticas sobre o funcionamento da nossa mente, desde o surgimento de uma emoção até sua transformação em sentimento. É por meio desse verdadeiro “manual” que ela instiga o leitor a se apropriar de seus sentimentos, unindo o que nós mesmos separamos, a emoção e a razão. “Emoção e sentimento correspondem a dois estágios do nosso processamento emocional. A emoção é o que vem primeiro e se refere ao que acontece no corpo, ao nosso estado físico (...) E o que é o sentimento? É a junção dessas emoções com a razão. Ou seja, você precisa de razão e emoção para entender como se sente. É por meio da razão que você interpreta suas emoções, ou seja, o que acontece no nosso corpo. O sentimento é o que você vai nomear de tristeza, raiva, indignação, incômodo, felicidade, esperança”, diz ela. Segundo Claudia, precisamos da razão para interpretar nossas emoções, e dos sentimentos e das emoções para fazer boas escolhas “racionais”. “No fundo, está tudo ligado. Nós é que temos mania de separar”, diz. O livro serve como um guia para que você aprenda não só a nomear melhor o que está sentindo, mas dar um destino mais honesto e assertivo também para suas percepções, conversas, relacionamentos, decisões. Podcast Essa é a primeira vez de Claudia Feitosa-Santana aqui no Plenae, mas sua estreia é logo em posição de destaque, como condutora das reflexões da nona temporada. Para ela, que ainda não conhecia o projeto, “cada reflexão foi um desafio gigantesco e ao mesmo tempo extremamente prazeroso”. Prepare-se para esse mergulho! Fique ligado, a nona temporada está mais perto do que nunca.

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais