Parada obrigatória

#PlenaeApresenta: como o sono afeta suas emoções?

O cientista especialista em sono, Matt Walker, explica em um vídeo curto e animado, como o descanso reflete diretamente em nossos sentimentos

5 de Agosto de 2021


Se você já se sentiu irritado quando esteve privado de sono, não foi mera coincidência ou impressão sua. Ficar sem dormir ou ter uma noite sem qualidade afeta diretamente campos cerebrais importantes para a manutenção do nosso humor e isso reflete em todo o nosso dia.


A ciência não cravou com exatidão quanto de sono realmente precisamos, como explicamos nesta matéria. Há diferentes linhas e opiniões a respeito, mas em uma coisa todos concordam: o repouso é um dos principais pilares para uma boa saúde. E de tão importante, ele se dá também de maneira complexa, não sendo simplesmente fechar os olhos e apagar. Há 7 fases para o bom descanso, e você confere um pouco delas aqui. 


Pensando em tudo isso, o especialista em sono, Matt Walker, foi fazer experimentos para ver como exatamente a falta de sono pode afetar o nosso “cérebro emocional” e dividiu suas impressões em um vídeo para o canal Ted Talks. Nesse vídeo, ele conta que há alguns anos, ele e outros pesquisadores separaram um grupo de adultos saudáveis.


Metade deles passou a noite em sono profundo, e a outra passou a noite em claro, de forma forçada. Logo após, todos eles foram submetidos a uma ressonância magnética para analisar o estado e reações de seus cérebros emocionais, com um foco especial na amígdala, região cerebral importante na regulação de nossas emoções, sobretudo as mais intensas.


O resultado já era de se esperar. Aos que puderam ter uma noite apropriada, a resposta de suas amígdalas era equilibrada e moderada. Já aos outros, que foram privados de sono, suas reações eram hiperativas, com a sua amígdala sendo quase 60% mais receptiva do que o normal.


Mas por que isso acontece? Isso nos leva à segunda parte do estudo, onde descobriu-se o envolvimento de outra região do cérebro nesse processo: o córtex pré-frontal, localizado diretamente acima dos nossos olhos. Essa estrutura é quase que o CEO do nosso cérebro, como brinca Matt. É por lá que são tomadas as grandes decisões e todos os outros controles de alto nível - incluindo ela, a amígdala.


O que ele concluiu, ao lado de outros cientistas envolvidos, é que os participantes descansados apresentavam uma melhor comunicação entre o córtex pré-frontal e o inverso acontecia aos não-descansados. “É quase como se, sem dormir, nos tornássemos todos pedais de aceleramento emocional e muito pouco freio de controle regulador. Esse parece ser o motivo pelo qual ficamos tão soltos em termos da nossa integridade emocional quando não dormimos bem”, explica. 


Ficou preocupado? Calma! A boa notícia é que essa situação é fácil de reverter. O sono, particularmente aquele que faz nossos olhos piscarem de forma acelerada, funciona como um “primeiros-socorros emocionais” para nosso cérebro. Isso porque é durante ele que pegamos as nossas experiências emocionais mais difíceis vividas naquele dia e as neutralizamos, suavizamos dentro de nossa própria mente.


Sendo assim, conclui Matt, provavelmente não é o tempo que cura todas as feridas, mas sim, o sono! Quando voltamos no dia seguinte descansados, somos capazes de executar uma melhor comunicação entre as nossas estruturas cerebrais e, assim, ficarmos mais calmos e até tomarmos melhores decisões. Como anda a sua rotina de sono? Lembre-se de sua importância todos os dias!

Compartilhar:


#PlenaeApresenta: Alexandra Loras e a apropriação de sua própria história

O Plenae Apresenta a história de Alexandra Loras, representante do pilar Propósito na décima terceira temporada do Podcast Plenae!

23 de Outubro de 2023



O propósito nem sempre está claro, diante de nossos olhos. Apesar de ser importantíssimo para uma jornada com mais significado, muitas vezes é preciso um esforço intencional para encontrá-lo. Além disso, não temos apenas uma missão de vida: assim como mudamos com o passar dos anos, nosso propósito também. 

No caso de Alexandra Loras, representante do pilar Propósito, ela levou alguns anos para descobrir o seu porquê, o que a movia, e mais anos ainda para aceitar que ele havia mudado e que agora era necessário recalcular a rota. Mas, vamos começar do começo: como foi ser uma negra em meio a uma família branca. 

Filha de um pai negro e uma mãe branca, Alexandra conheceu a face dura do racismo ainda na infância, no lugar que deveria ser o mais seguro possível: seu próprio lar. “Eu sofria racismo dentro de casa. Um dos meus padrastos falava para meus irmãos coisas como: ‘Vocês não acham que a Alexandra tem cor de cocô?’. Do meu avô, eu ouvi: “Não quero que você saia, porque é perigoso lá fora, tem negros e árabes”. Ele talvez não me enxergou como uma negra, nem percebeu que aquela frase era ofensiva”, relembra. 

A única negra entre cinco filhos, ela foi a que mais se destacou e decolou sua carreira. Ainda criança, agarrou todas as oportunidades que lhe foram apresentadas e usava tudo ao seu favor para crescimento pessoal. Mas, a batalha contra a exclusão que sofria no próprio ambiente escolar acabou vencendo. 


"Eu sofri muito com racismo na escola. Eu não era convidada pras festas de aniversário, por exemplo. Até que eu não aguentei mais. A dor do racismo e a dor de estudar num colégio extremamente competitivo me fizeram largar tudo. Eu pedi pra minha mãe pra morar fora da França. Aos 16 anos, fiz um intercâmbio como au pair na Alemanha, na Inglaterra e nos Estados Unidos. Eu trabalhava como babá 5 horas por dia, em troca de moradia, alimentação e uma ajuda de custo", relembra. 


Essa experiência expôs mundo antes nunca transitado pela menina que cresceu na periferia de Paris, longe de onde o turismo consegue chegar. Um novo mundo se abria para Alexandra que, novamente, passou a observar e incorporar tudo, sorvendo de cada detalhe para sua própria evolução pessoal. 

Sua carreira decolou, mas havia ainda um impeditivo: ela própria. Lutando contra uma síndrome de impostora que parecia querer vencer sempre, ela teve que focar agora não mais em crescer somente profissionalmente, mas estar disposta a mergulhar em uma jornada de autoconhecimento que a faria alcançar lugares internos muito profundos.  aprendeu a transitar em ambientes onde ela nunca tinha imaginado. 

Em sua vinda para o Brasil, mais uma etapa dessa jornada de redescobertas: aqui, Alexandra entendeu o que era ser negra. "Foi aqui que eu descobri a minha negritude numa escala diferente. Eu senti todo o significado de ser uma mulher negra. Eu muitas vezes fui confundida como babá e barrada na portaria de um Clube em São Paulo. Seguranças de supermercado me seguiam enquanto eu escolhia produtos importados. Nas minhas próprias recepções, muitos convidados passavam direto sem me cumprimentar na porta. Achavam que eu era a governanta do cônsul", relembra. 


Como ela superou essa dor e o que ela fez com a força dessa superação é o desfecho que você confere ao final do episódio. Ouça com o coração e a mente aberta. Abdique de seus velhos preconceitos e entenda que essa jornada é de todos nós. Aperte o play e inspire-se!

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais