Parada obrigatória

#PlenaeApresenta: Sebastião Aires, o médico poeta

Conversar com o nordestino Sebastião é viajar por entre a poesia das palavras, da vida e da longevidade de quem já viveu nove décadas de mundo

3 de Outubro de 2020


Sabedoria e sentimentalismo: essas são as palavras que melhor definem a personalidade de Sebastião Aires de Queiroz, detentor da incrível marca dos 90 anos. Nordestino e oriundo do pequeno município de Cariri paraibano, ele também é patrono de uma extensa família, e não esconde o orgulho ao falar deles.

“Permaneço casado há 64 anos com a senhora octogenária Maria Amélia de Almeida. Nossa família é composta por sete filhos (três homens e quatro mulheres), dezoito netos e dez bisnetos. O cultivo das relações familiares, profissionais, afetivas e sociais é vital e será de suma importância para um conviver saudável, em níveis físicos, psicológicos e espirituais” diz.

Em um invejável uso do bom português, Sebastião nos conta que exerceu a Medicina por 56 anos, sobretudo como médico da família em diferentes empresas e consultório privado. Mas a impressão que fica é a de a literatura e a poesia são inerentes ao seu ser. Não por coincidência, ele já teve a marca de oito livros publicados.

“Sabemos que a velhice não é homogênea para todas as pessoas e não decorre apenas da passagem do tempo, mas é de múltiplos fatores genéticos, físicos, fisiológicos, biológicos, patológico, psíquicos, melhoria do padrão de vida, dos níveis de educação e do acesso aos avanços sociais e aos tecnológico de medicina” explica.

Sendo assim, por que as pessoas estão vivendo mais, mesmo diante de um cenário tão discrepante? Para Sebastião, os declínios significativos da fertilidade e da mortalidade infantil podem ser uma explicação válida para o expressivo aumento da população de idosos e da esperança de vida.

“A longevidade é, ao mesmo tempo, um significativo triunfo e um grande desafio, sobretudo para as populações do Nordeste e de outras regiões subdesenvolvidas do país. Os que agora nos encontramos na faixa etária dos setenta a noventa anos são audaciosos sobreviventes de décadas marcadas pela pobreza e castigadas por catástrofes naturais, como enchentes e secas prolongadas e ainda epidemias de diferentes naturezas” diz orgulhoso.

E é mesmo um grande feito. Doenças psicossomáticas, ou as chamadas agravos não-transmissíveis (DANTs) - como diabetes, hipertensão ou problemas renais - são comuns em indivíduos de idade avançada. Há ainda a questão da violência urbana, acidentes de trânsito, exposição ao uso de drogas e tantos outros tristes episódios que podem encurtar a vida de todos aqueles que não atingem a marca da longevidade.

Segundo o Diário Econômico do Banco do Nordeste , “o Brasil possui, atualmente, 208.494.900 habitantes, de acordo com dados recentemente divulgados pelo IBGE. A população do País continuará a crescer até 2047 quando atingirá 233.233.670 pessoas.”

A população do Nordeste representa 27,2% da população do Brasil, e possui 13,6% de seus habitantes com mais de 60 anos. Atualmente, a expectativa de vida dos nordestinos é de 73,6 anos, mas esse número deve aumentar para 78,9 anos até 2060. Somente na Paraíba, estado onde nasceu e cresceu Sebastião, possui hoje uma porcentagem de 9,6% da população com mais de 65+. Mas esse número deve dar um salto olímpico para 25,6% até 2060.

“Considerando a atual expectativa média de vida, cheguei longe. Vivo uma velhice relativamente saudável, na medida em que mantenho minha autonomia e independência para o desempenho dos atos do viver cotidiano - como mover-se, alimentar-se, vestir-se e higienizar-se. Também dirijo, uso computadores, gerencio minhas próprias finanças, opero meu telefone e seus aplicativos e ainda uso meios de transporte e outras atividades” revela.

Todas essas múltiplas capacidades são absolutamente evidentes ao menor contato de quem se aproxima de seu Sebastião e sua notável eloquência. Como é possível um saldo tão positivo após nove décadas de planeta Terra? “Tenho dedicado cuidados à qualidade e ao volume dos alimentos à disposição, dos hábitos de higiene e do regime de sono, tento evitar quedas e acometimentos por infecções por meio de imunizações, caminho regularmente, dentro dos meus limites, não sou tabagista ou usuário de drogas lícitas ou ilícitas e, claro, por integrar a classe média, tenho independência financeira e conto com plano de saúde através do qual faço revisões periódicas.”

Mais do que somente cuidar do físico, Sebastião frisa a importância de estar em dia com o seu espiritual também. “Na fé cristã que professo, busco manter boas relações com a família, com amigos, de respeito e afabilidade com vizinhos e até com desconhecidos. Evito guardar ressentimentos ou ódios e me empenho em conviver em harmonia e paz comigo próprio e com todos. Enquanto médico, sei que a saúde é uma junção de bem-estar físico, emocional, social, psicológico e espiritual.”

Sebastião revela que vê o futuro da sociedade com muito otimismo, sobretudo no que concerne às condições de se viver cada vez mais e com qualidade, com os avanços da ciência, por exemplo. No âmbito social, acredita que é preciso força de vontade da parte dos jovens para não seguirem caminhos traiçoeiros.

“É preciso que eles tenham discernimento, que persigam seus ideais com muita confiança, determinação, obstinação, labor e estudo. E nunca se deixem iludir pelos sedutores apelos das drogas, da promiscuidade e da corrupção endêmica que possam ameaçar suas preciosas e dinâmicas vidas. Celebrem os momentos mais gratos e felizes, e não deixem que emoções e agravos negativos perturbem os seus espíritos irrequietos. Até podemos nos realizar em muitas dimensões de nossa existência, mas se não atentarmos para a vocação espiritual e ela imanente, entraremos em crise existencial.”

Nas palavras do poeta, “chegar mais longe na jornada da existência é uma oportunidade de viver melhor e tendo a consciência de que ainda poderá ser útil e produtivo no lugar ou ambiente em que vivemos”. E para gozar desse imenso prazer que é estar vivo, é preciso estar atento e forte aos aprendizados e percalços de nossas trajetórias.

“Não podemos desistir dos ideais acalentados pelos quais lutamos, com todas as forças do nosso ser, superando múltiplos obstáculos que se anteponham à sua concretização. ‘Tudo valeu a pena pois a alma não foi pequena’ como disse o grande poeta Fernando Pessoa” conclui, usando da sua usual e íntima poesia.

Compartilhar:


Parada obrigatória

Autoconhecimento: você está comprometido com essa jornada?

O que foi falado no Plenae em março

29 de Março de 2022


Março passou e levou com ele o verão e muitas boas histórias. É tempo de outono e de renovação, sem nunca abrir mão de bons conteúdos e comprometimento com a nossa jornada pessoal de autoconhecimento. Como o Plenae contribuiu para tudo isso nesse mês? Te contamos!

Seguimos com a sétima temporada do Podcast Plenae e, inspirados pela história de amor e devoção de Eduardo Foz e seus animais, fomos investigar quais são os aprendizados que a natureza nos traz. Meio ambiente, aliás, é assunto recorrente por aqui, pois acreditamos demais no poder que ele exerce sobre nós.

A quarta participante do Podcast Plenae foi Maha Mamo, representando o pilar Contexto. Você já se imaginou em uma situação na qual você não possui documentos e, portanto, é invisível diante dos olhos da justiça? Foi o que a ativista passou por décadas de sua vida, até vir ao Brasil e ser enfim reconhecida como ex-apátrida, tendo agora uma nação para chamar de sua. 

 
Isso aguçou uma velha pergunta, tão velha quanto a história da civilização: o que é liberdade, afinal? Para a filosofia, há uma resposta, para a religião, outra. Para a sociologia e para a constituição, há maneiras distintas de responder essa pergunta, e para cada um de nós, cabe uma interpretação pessoal. Venha conferir algumas respostas que chegamos no nosso artigo.

Caminho para o fim da temporada, nos emocionamos com o relato da jornalista Barbara Gancia, hoje ex-alcoólatra e vencedora dessa batalha tão árdua contra o próprio corpo e seus vícios. Se hoje ela representa o pilar Relações, isso é porque sua família e sua rede de apoio foram fundamentais para que ela conseguisse ultrapassar essa jornada e viver hoje a sua melhor fase.

É difícil achar quem não goste de um bom drink. O álcool é substância legalizada no país e, mais do que isso, incentivada socialmente em grande parte dos ambientes. Mas o que ele causa dentro do nosso corpo? Explicamos os caminhos que ele toma dentro de nós a partir do primeiro gole e quais são os malefícios a longo prazo.
Encerramos essa temporada do Podcast Plenae com o pilar espírito sendo lindamente representado pela administradora Deborah Telesio. Em uma viagem de férias aparentemente normal para Indonésia, ela acabou vivenciando a experiência mais desafiadora e transformadora de sua vida: estar no mar no momento do tsunami, em 2004.

Para enfrentar essa gigantesca onda e todos os eventos que sucederam a tragédia, ela, que é judia, pôde contar com a ajuda fundamental de um grupo de árabes, provando que a força do bem ultrapassa qualquer barreira religiosa. Além disso, ela relembra momentos sobrenaturais nos quais ela teve a certeza de ter sido amparada por forças sagradas. 

Se a força da fé é tamanha, qual é o seu papel na manutenção de um trauma? Contamos para você nesse artigo, que retoma os movimentos da espiritualidade em nosso cérebro e como isso pode nos ampara sobretudo em uma situação de estresse pós-traumático - que também te contamos como ele funciona!

 

Perto de terminar março, contamos para você as novas formas de ser saudável, com direito a entrevista com as fundadoras da Simply Well, uma empresa que está de olho nessas tendências. Por fim, te demos dicas valiosas de como manter o seu ambiente organizado e, assim, reduzir o seu estresse e melhorar sua qualidade de vida.

Abril está para começar, com a certeza de que será mais uma oportunidade para repensar nossos hábitos e ir em busca de nossas melhores versões. Você está preparado? Conte com os nossos conteúdos para tornar esse mergulho ainda mais suave. Nos vemos em breve!

Matérias que você não pode deixar de conferir
Como a meditação altera o formato do cérebro?
Desmistificando conceitos: o que é a Síndrome de Domingo
Como manter um novo hábito mesmo sem se sentir motivado?
Como a primeira infância reverbera no adulto?

Nossa frase do mês para você refletir

E ai, gostou da nossa news? Tem alguma sugestão de melhoria?
Conta pra gente no news@plenae.com 

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais