Parada obrigatória

#PlenaeApresenta: Walter Orthmann, o trabalhador recordista

Aos 96 anos, o gerente comercial ostenta o recorde de 8 décadas trabalhando em um mesmo lugar - e diz que nem pensa em parar

8 de Novembro de 2020


“Enquanto eu tiver saúde, continuarei trabalhando”. Essa é a frase dita pelo gerente comercial de Santa Catarina, Walter Orthmann, em entrevista ao Correio Braziliense . O recordista, que já foi condecorado tanto pelo Guinness Book , o livro mundial dos recordes, quanto pelo Tribunal Superior do Trabalho brasileiro, que o entregou a honraria de Ordem do Mérito Judiciário do Trabalho - título concedido aos que se destacaram em sua profissão de alguma forma.

E que destaque! A maior homenagem que a Justiça do Trabalho pode dar a um cidadão é justamente essa, que Walter recebeu. E não é pra menos, afinal, a sua trajetória dentro da empresa de indústria têxtil, na empresa catarinense RenauxView já ultrapassa 80 anos.

Por lá, ele entrou em janeiro de 1938, aos 15 anos, quando a empresa ainda chamava Renaux S.A. Seu primeiro cargo foi de office-boy, encarregado de levar e buscar as correspondências no correio e coletar o salário de todos os funcionários no banco - tudo isso de bicicleta. Depois passou por diversos cargos na área de vendas até chegar ao atual cargo, de gerente comercial.

Hoje, apesar de não viajar mais para representar a empresa, ele coordena toda uma equipe de representantes e de seus processos. Segundo a publicação do Guinness, ao longo de sua longa carreira, ele “coletou pagamentos em nove moedas diferentes e usou quase todas as companhias aéreas comerciais na história da aviação brasileira” como conta. Ele também conheceu os 14 presidentes que passaram pela empresa.

E, mesmo depois de ganhar o título, ele não pensa em parar de trabalhar e ainda revela: “o trabalho é o que me fez continuar nos últimos 81 anos. Espero que em janeiro 17 do ano que vem, data do aniversário do meu trabalho, poderei reivindicar mais uma extensão desse recorde mundial”.

Em entrevista ao jornal de sua cidade , ele ainda conta que suas duas principais motivações para trabalhar sempre foram “prover o sustento da família e colaborar para o crescimento de quem possibilita que eu sustente minha família". Hoje ele revela trabalhar por paixão e por que o trabalho o faz sentir vivo.

Ao Correio Braziliense, ele conta que seu segredo é cuidar do seu bem-estar e das suas relações. “Tenho a minha autonomia. Sempre pratiquei esportes e, mesmo hoje, faço 40 minutos de alongamento todos os dias. Tenho uma alimentação saudável, bebo dois litros de água diariamente, nunca fumei, não bebo refrigerante e evito sal e açúcar. Respeito todas as pessoas e tenho amizade com todo mundo”.

Descendente de alemão - língua que fala muito bem e responsável por seu sucesso na carreira - ele foi casado 2 vezes e possui oito filhos (um já falecido), oito netos e três bisnetos. A cidade onde reside e trabalha, Brusque, se localiza na microrregião de Blumenau e possui um dos índices de Desenvolvimento Humano (IDH) mais altos do país e como o lugar mais pacífico do Brasil segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).

Esses índices podem explicar também a marca incrível de vida que Walter chegou - não só de trabalho, mas de idade. Sua fama é tanta que ele já foi até mesmo destaque recente em uma escola de samba em São Paulo, cujo tema eram as revoluções industriais. Você confere o vídeo clicando aqui . Ele também possui um livro sobre sua história, chamado “Walter Orthmann - Um homem único”.

A mensagem que o célebre gerente deixa é a de que o trabalho pode sim ser uma paixão, mais do que uma obrigação. Ele inclusive pode ser uma força motora, que nos faz acordar todo dia e querer chegar mais longe.

Para ele “o trabalho, além de prover o sustento da família, nos dá dignidade. Trabalhar é saúde. Enquanto você trabalha, não pensa em bobagens. Tem-se um compromisso. Lá, eu tenho amizades, parece uma família”. E você, como encara o seu próprio trabalho?

Compartilhar:


#PlenaeApresenta: Wanessa e a coragem de enfrentar a si mesmo

O Plenae Apresenta a história da cantora Wanessa, participante da nona temporada do Podcast Plenae!

5 de Setembro de 2022



Respiração e batimentos acelerados, mãos suadas, sensação iminente de perigo, agitação. Esses são alguns sintomas de quem sofre de ansiedade, e que em sua pior versão, pode evoluir para uma Síndrome do Pânico. É a realidade da cantora Wanessa, que lida com esse transtorno mental desde os 20 anos de idade e que, recentemente, resolveu tratar a questão de forma não-medicamentosa.

Representando o pilar Mente na nona temporada do Podcast Plenae, a artista reconheceu que o seu principal gatilho é justamente o medo da morte. Isso se deve, provavelmente, ao fato de que durante a infância, ela esteve frente a frente com a finitude de múltiplas formas.

“Com seis meses de vida, eu sofri com uma pneumonia grave e fui parar na UTI. Com 1 ano de idade, eu abracei um ferro quente e precisei fazer uma raspagem por causa de uma queimadura de quinto grau. Aos 3 anos, eu engoli um parafuso de uns 3 centímetros. (...) Com 6 anos, eu fui atropelada e desmaiei, mas permaneci consciente. Eu lembro de estar sozinha num lugar escuro, pensando: ‘Eu morri? O que aconteceu comigo? Por que eu não consigo acordar?’”, relembra. 

Sua primeira crise foi já jovem adulta, durante um jantar com amigas onde nada parecia justificar a sensação de morte iminente. Acontece que, quando se trata de um transtorno mental, não existe algo “do nada”, mas sim a junção de pontos que foram ignorados ao longo do tempo. 

Nessa época, ela buscou ajuda de médicos e de remédios, caminho comum para quem lida com um transtorno desse tipo. Após um tempo de tratamento, ela decidiu parar a medicação e, por muito tempo, ficou bem. Foi quando a pandemia chegou e, com ela, novas crises, nascidas de novos receios. 

“Bem no começo da pandemia, eu peguei covid e, um mês depois, comecei a sentir um cansaço extremo. O meu corpo não esquentava, eu tremia e tinha confusão mental. Fiquei muito estressada, até descobrir que eu estava com hipotireoidismo. Esse diagnóstico aumentou a minha ansiedade, que já estava alta desde o começo da quarentena, com aquele caos no mundo”, diz.

Além de sua própria experiência com a covid, ela também enfrentou perdas como a do avô e a do empresário. Novamente, a morte entrou em curso. Em um certo momento, ela passou a ter crises de pânico diariamente, até mesmo em momentos críticos, como no volante, enquanto dirigia. Nesse momento, ela procurou psicólogos e psiquiatras e voltou para a medicação, mas a questão parecia só piorar.

“Sugeri para os meus médicos: ‘Vamos juntos tentar sem medicação?’. Eu sei muito bem que, com o remédio alopático, eu ia melhorar em questão de dois meses. Eu ia me sentir confortável, me distrair e parar de olhar para mim mesma. Ia relaxar e largar o processo terapêutico, igual da outra vez. (...) Eu só tinha varrido a sujeira para baixo do tapete. Nesse reencontro com o pânico, eu não podia mais tapar o sol com a peneira. Eu decidi mergulhar profundamente em mim, para entender o que estava acontecendo comigo”, conta. 

A primeira parte do processo terapêutico foi apagar o incêndio, enxugar a inundação, limpar a casa e ver onde estavam as goteiras, como conta ela. Foi preciso identificar seus gatilhos de uma vez por todas para se manter alerta para os próximos momentos. 

"Hoje, quando eu percebo algum sinal de alarme no meu corpo, eu não espero mais chegar no lugar do descontrole para agir. Eu aprendi técnicas para navegar junto com a crise, até ela passar. Oração, respiração e meditação guiada para aplacar a ansiedade funcionam muito para mim. Eu também uso estratégias de afirmação para acalmar o meu lado racional. Eu repito para mim mesma: “Você já teve esse pânico 10 mil vezes. Você fez todos os exames. Não tem nada no seu coração. O seu pulmão tá limpinho etc.”. Vou escaneando o meu corpo, até entender que o sintoma é só um truque da minha mente mesmo”, conta.

Com a terapia, Wanessa também identificou a origem dos seus sofrimentos em um TOC nunca antes diagnosticado, seguido de uma hipocondria que gera o medo da morte iminente. Hoje, além das técnicas utilizadas mencionadas, ela também precisou admitir que não há uma bala de prata que vá solucionar tudo. Fazer as pazes com o fato de que crises ocorrerão e que você falhará de alguma forma é parte do tratamento. 

“Eu tenho buscado ser uma pessoa mais leve, menos crítica comigo mesma. Eu sempre me castiguei muito quando errava, porque tudo tinha que sair perfeito. E eu vi que não tem como eu ser, ao mesmo tempo, boa mãe, boa profissional, boa filha, boa amiga, boa para mim mesma… Não dá! Alguma coisa vai falhar”, pontua. 

Ela também passou a se importar menos com o exterior por estar olhando com mais atenção para o interior, mas pretende deixar como um de seus legados falar desse assunto sem tabu e, assim, ajudar outras pessoas que possam se sentir da mesma forma que ela e não conseguem explicar.

E você, estaria disposto a mergulhar tão profundamente dentro de si durante uma crise? Inspire-se na coragem de Wanessa e ouça seu episódio apertando o play aqui dessa tela, ou no seu streaming de música favorito!

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais